quarta-feira, 10 de outubro de 2012

Comentário a respeito da tal “unção apostólica” (Mais um troll gospel)



O que é unção?

Nos tempos da Antiga Aliança, reis, profetas, sacerdotes e coisas (colunas, objetos, etc.) eram ungidos (Gn 31.13; Êx 30.26-30; 40.15; 1 Sm 10.1; 1 Rs 19.16; Sl 133). A unção simbolizava consagração de pessoas ou coisas ao Deus. Mas, no Novo Testamento, Jesus afirmou, após ter lido um trecho de Isaías (61.1-2), que a profecia quanto à unção do Espírito sobre a sua vida tinha se cumprido (Lc 4.18-21). Deus o ungira, no plano espiritual, e isso em si já era o bastante para o cumprimento de sua missão na Terra (At 10.38).

Por conseguinte, vejamos uma variante deste termo: UNGIDO O adjetivo “Ungido” aparece em nossas Bíblias uma única vez (At 4.26). No grego esse adjetivo é “christós”, ou seja, Cristo. Sim! Cristo significa Ungido! E a palavra “Cristo” aparece na Bíblia 532 vezes! Todas se referindo ao Salvador.

Somente uma única vez a palavra unção é usada para se referir a “crentes”: II Coríntios 1:21

21 - Mas o que nos confirma convosco em Cristo, e o que nos ungiu, é Deus,

Esta pequena definição serviu de guia para entrar no assunto propriamente dito: “A unção apostólica” O que dizer disto? É bíblico? E as outras unções? Afinal hoje há tantas (emo)unções que poxa! Até nos perdemos em meio a tanta apostasia.

Na realidade o que acontece hoje nas igrejas é uma necessidade de ser diferente, especial, ser mais que pastor, mais que o outro; mais e melhor sempre. Ser um crente de “primeira grandeza” um “ungido”! Fazer separação entre ungidos e não ungidos.   O estranho é que Cristo (o Ungido), veio nos ensinar a ser humildes, servos uns dos outros e não o que temos visto hoje.

Olhando o significado da palavra apóstolo vemos que se trata de ser um mensageiro, um enviado especial que fala em nome daquele que o enviou. Então poderia eu dizer que todos nós temos a mesma unção? Ou melhor, A ÚNICA UNÇÃO?  Claro! Vejamos outra vez os versos de II Coríntios 1

21 - Mas o que nos confirma convosco em Cristo, e o que nos ungiu, é Deus,
22 - O qual também nos selou e deu o penhor do Espírito em nossos corações.

E ainda o texto de 1 João: 2

20 - E vós tendes a unção do Santo, e sabeis tudo.
27 - E a unção que vós recebestes dele, fica em vós, e não tendes necessidade de que alguém vos ensine; mas, como a sua unção vos ensina todas as coisas, e é verdadeira, e não é mentira, como ela vos ensinou, assim nele permanecereis.

Não há, portanto uma diferença de unção e muito menos várias unções. O que na realidade há é a unção do Santo, a única verdadeira e definitiva unção que o crente deve possuir (e esta não distingue pastores nem os demais, pois são para todos sem distinção), a unção do Espírito Santo. As demais não passam de invenção dos troladores gospel!

Cito ainda as palavras do apóstolo Pedro:  “Vós, porém, sois raça eleita, sacerdócio real, nação santa, povo de propriedade exclusiva de Deus, a fim de proclamardes as virtudes daquele que vos chamou das trevas para a sua maravilhosa luz”. (1Pe 2.9)

Há… são tantas (emo)unções…

Anderson L. De Souza

101 comentários:

  1. Unção, e o outros não são rsrsrsrs

    Esta baboseira que vemos hoje, não tem o menor respaldo bíblico, histórico ou seja lá o que for. São invenções humanóides para valorizar a venda da ideia... São tantas mentiras para aprisionar ao medo e a culpa que os mercenários da fé chegam ao cúmulo. Hoje temos unção para tudo que é tipo de situação, unção do riso, unção do dente de ouro, unção dos bichos, leão, girafa, piranha, galinha rsrsrsrs

    E o pior, é que os camaradas querem abafar o povo com jargões que intimidam. Tipo o velho e conhecido, "não toqueis nos meus ungidos" fazendo alusão ao episódio onde Davi poupa a vida de Saul. É muita bestagem, descontextualização e ignorância da classe pastoral. Em uma classe de aula de hermenêutica básica, o aluno mais fraquinho, em apenas uma leitura, já perceberia que esta frase faz alusão a questão de Davi matar (fisicamente) Saul, e não de reprovar sua conduta. Reprovação que sempre deixou bem claro, até mesmo diante do povo.

    C. H. Spurgeon diz, “a fé não é uma coisa cega, pois começa com o conhecimento. Não é uma coisa especulativa, pois a fé crê em fatos sobre os quais tem certeza. Não é algo sonhador, não-prático, pois a fé confia e aposta seu destino na verdade da revelação(de Deus)". Somente uma pessoa desprovida de entendimento coloca sua confiança em algo que é obviamente falso. Seria igualmente sério colocar “fé” em alguém ou algo sem que houvesse uma razão séria para fazê-lo. Evitar tal loucura é o papel essencial de qualidades que nos foram dadas por Deus, como o ceticismo e a razão. Na verdade, nossas faculdades críticas devem ser apropriadamente usadas em todo seu potencial se desejarmos chegar até onde a fé pode nos levar. Esta coisa de unção apostólica é migué de malandro que levar a vida na boa. Tipo aquela música do Bezerra da Silva junto com o Velhas Virgens, "aposentadoria de malandro".

    Precisamos levar o povo acordar dessa fé cega e estúpida que é promovida nos templos,o proverbial “salto no escuro” da fé é uma caricatura. A verdadeira fé nunca é cega, a fé falsificada, sim.

    Se recebesse atenção, o conselho de A. W. Tozer evitaria que muitas pessoas que se denominam cristãs fossem enganadas por doutrinas falsas, ele diz, “uma pitada de incredulidade sadia é, as vezes, tão necessária para o bem de nossas almas quanto a fé. Não é pecado duvidar de algumas coisas, ao passo que acreditar em tudo pode ser fatal. Fé nunca significa acreditar em qualquer coisa. A credulidade nunca honra a Deus... Ao lado de nossa fé em Deus precisa estar uma incredulidade sadia em tudo que seja esotérico e oculto” (Fragmento retirado do livro, Escapando da Sedução pág. 93 e 94 de Dave Hunt).

    Acreditar nesta baboseira toda, simplesmente porque o "homem de deus falou" é suicidio em nome da falsa fé. Analisar, investigar e buscar a procedência de qualquer ensinamento recebido, não é, e nunca sera falta de fé, e sim, o aperfeiçoamento da mesma, no desenvolvimento do culto racional, aquele que nos é ocultado nos templos.

    ResponderExcluir
  2. unção da piranha?????????????????????????????????????????

    ResponderExcluir
  3. Matheus,

    seu comentário é um apêndice perfeito ao texto do Anderson. Por isso é admirável que alguém com o ministério que tem o RR Soares, até hoje, goste de ser chamado de "missionário". Nesse ponto, ele ganha ponto.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Para mim, é o mais sonso de todos, mas esperto... Vive a vida nababesca de outros, sem despertar muitos protestos.

      Excluir
  4. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  5. Nobre amigo Eduardo,

    O mineiro é conhecido pela alcunha de "come quieto"... No meio "gospéle" diria que o RR Soares sempre foi o come quieto, pouco se manifesta, pouco se envolve, mas esta ali, por meio de falácias desenvolvendo o seu mercado. Um cidadão ainda mais perigoso, pois de ponto em ponto, vai se mantendo mais distante das pesadas criticas que recebem Cifras Malacheia, Pedir Mais Cedo e o tal Boaideiro da Mundial.

    Já "unção da piranha" é um deboche, em relação a tal unção dos animais, difundida por aqule grupo músical "distantes do trono", tem tudo que é bicho, só falta piranha, galinha, veado e por ai vai kkkkkkkkkkkkkk

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pois ai Matheus, eu comentei isto e agora estou vendo que sintonizamos kkkkkkkkkkkkkk

      Excluir
    2. Este lance de mineiro que come-quieto, só vael para os bem intencionados viu? rsrs

      Excluir
  6. Isto mesmo Matheus!!! O RR Soares é farinha do mesmo saco, pois veja o conselho que ele dá a um fiel que lhe envia uma pergunta:


    Pergunta:
    “Por não concordar com algumas decisões pastorais, deixei de entregar meu dízimo e passei a custear o tratamento para um membro da Igreja. Estou agindo errado?”
    Lauriete Ferraz, São Lourenço – MG.

    resposta:
    Sim, e por mais de um motivo. Em primeiro lugar, a Bíblia Sagrada não autoriza ninguém a administrar o próprio dízimo, até porque este deve ser entregue a Deus, simbolicamente, no altar dEle (Malaquias 3.10; Mateus 5.23,24).

    Ora, se o dízimo é do Senhor, então é Ele quem deve decidir como será usado, não é? A Palavra diz, explicitamente, que os dízimos devem ser levados à Igreja, e não empregados como o dizimista julgar melhor.

    Outra atitude errada é desvia o dízimo por não concordar com o pastor.O Senhor Jesus ensinou como devemos agir sempre que algum irmão falhar, e isso não exclui os pastores (Mateus 18.15-17).

    Veja que, no ensinamento do Mestre, não há nada que justifique a forma como você se portou; portanto, arrependa-se e mude sua conduta, pautando-se exclusivamente pela Palavra de Deus.

    (extraído do jornal “Show da Fé”, ano 8, n. 79, agosto/2012, pág. 8, sessão “Palavra Amiga – Não caia em armadilhas satânicas”, por Missionário R.R. Soares)

    ResponderExcluir
  7. Ou seja caia na minha armadilha, eu sei o que fazer com o seu dízimo. Falsos mestres, como diz a bíblia: farão comércio de vós...

    ResponderExcluir
  8. And, é revoltante como as pessoas recebem qualquer ensinamento deste falsos líderes, sem berear.

    "Não toqueis nos meus ungidos, nem maltrateis os meus profetas". (1Crônicas 16.22. Mesmo sendo Moisés escolhido para guiar o povo, Deus englobou a todos como ungidos (consagrados) e profetas. Ele usa a quem Ele quer e quando quer.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Não seríamos nós quem "escolhemos" ser usados Guiomar? Uma vez que deus, pode ser (ou é) apenas fruto de nossa psique?

      Eu creio firmemente que os apóstolos que vemos hoje e muitos dão nome de mercadores da fé, são sim chamados e são chamados pelo deus que habita neles! Ouvem a vós do seu próprio eu e saem a iludir e enganar a outrem.

      Excluir
    2. And, eu não escolhi o meu ministério, mas ele se deu de uma forma inconfundível.

      Eu tive várias experiências de saber o que estava passando com alguém bem distante de mim com quem eu não tinha contato, e depois o fato haver sido confirmado.

      Algumas vezes eu pregando em igrejas diferentes, Deus me revelou algo que ia acontecer com determinadas pessoas, e pouco depois estas pessoas me contaram que realmente aconteceu. Gente que eu não conhecia antes.

      Lembro-me de uma senhora que estava pela primeira vez em um grupo de oração dirigido por mim; quando eu a olhei, ela me pareceu tremendamente pesada. Orei por ela, depois ela me contou o problema dela, era gravíssimo. Quando já na minha casa estava orando por ela, Deus me falou para dizer a ela que Ele iria resolver o problema dela. Eu fiquei tão assustada, com medo de ser coisa da minha mente, que lhe disse apenas, sem muita convicção, que Deus iria fazer algo. Poucos dias depois, ela me convidou para ir a sua casa de praia com sua família e a minha. Ela me contou que Deus não só fez o que havia prometido, como estendeu a benção a outra pessoa que estava envolvida com o mesmo problema.
      Não tenho dúvidas de que Ele usa a quem quer.

      Excluir
  9. E vós tendes a unção do Santo, e sabeis tudo.
    27 - E a unção que vós recebestes dele, fica em vós, e não tendes necessidade de que alguém vos ensine; mas, como a sua unção vos ensina todas as coisas, e é verdadeira, e não é mentira, como ela vos ensinou, assim nele permanecereis.


    Esta advertência, eu creio ser de fundamental importância, para os cristãos. Se vivenciarmos a comunhão com o Espírito Santo, poderemos perceber quando alguém está ensinando heresias, doutrinas falsas ou dogmas humanos.

    ResponderExcluir
  10. "Esta baboseira que vemos hoje, não tem o menor respaldo bíblico, histórico ou seja lá o que for."(Matheus)

    Pois é Matheus, mas um amigo me disse que na bíblia encontramos madeira para todo tipo de construção, não é bem verdade?

    E eles se valem da própria bíblia para manipular e levar adiante o engodo que pregam.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Nobre amigo Anderson,

      Talvez por isso a bíblia seja chamada de "mãe das heresias" rsrsrsrs Pois a mesma, quando descontextualizada, da vida as ideias mais absurdas que possamos imaginar. Agora, quando me refiro a respaldo bíblico, me refiro em um sentido contextualizado, e não distorcido e preparado para meus próprios objetivos.

      Excluir
  11. MATEUS, a unção da piranha é muito boa!!! rsrs...

    ANDERSON, eu já ouvi pastor falando dessa unção buscando referência no que houve com Davi. Quando Samuel vem em nome de Deus ungir Davi para ir diante do povo contra Golias e me parece q nessa situação Davi tinha algo mais em relação ao povo, ele era escolhido e capacitado para cumprir uma certa ordem. Não seria isso? E por que é anti bíblico usar essa passagem como exemplo de q Deus escolhe uns e os protege para uma função??

    GUIO, todo crente acha q tem um chamado, uma unção para fazer algo, esse sentimento de ser especial é muito forte na doutrina evangélica e isso é muito bom e muito ruim. Muito bom pois pessoas q antes sem a menor perspectiva se encontram em família e são especiais, se tornam líderes, profetas, uma beleza! E ruim por tudo que já foi mencionado.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Concordo com você Mari. E creio que todos nós estamos aqui com um fim especial, porque todos nós somos especiais. O que muitos não entendem é que podem ser especiais enterrando defunto, fazendo faxina, sendo cozinheiro, gari, médico, professor, missionário, zelador, etc.

      Se tudo que fizermos, fizermos para o Senhor, faremos com amor, e este é a maior unção que um ser humano pode receber, portanto, deve procurar se encher dele.

      Excluir
  12. Uai And!!! To te tendenu não! rsrsrs então apenas os mercadores da fé é que são chamados pelo seu próprio eu? E quanto aos outros??? É de deus??? hahaha

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Digo, os outros que não são considerados como mercadores da fé (pense bem antes de responder viu?) rsrsrsrsrs

      Excluir
  13. Durante muitos séculos o costume de “ungir” objetos, roupas, carros, casas, fazendas, etc. era restrito ao mundo católico. Mas recentemente com o advento do pentecostalismo, e mais acentuadamente com o neo-pentecostalismo essa prática foi incorporada na igreja evangélica.

    Os tais “atos proféticos” realizados por algumas comunidades, ungindo e declarando que tal cidade é de Jesus, se trata na verdade de um “ato ridículo”. Sem nenhum efeito objetivo.

    Apesar da unção ser largamente difundida, sobretudo na crença vetero-testamentária, era logicamente um ato simbólico, no sentido de identificar o profeta, rei, sacerdote e alguns objetos que faziam parte dum conjunto de utensílios que eram usados no templo.

    A validade dessas unções equivale a eleição ou nomeação de indivíduos para cargos de liderança nos três poderes. Não existe nenhuma elevação espiritual da pessoa para outro plano, mas sim o “revestimento” de autoridade, e como tal é respeitado pelos cidadãos comuns.

    Acreditar também, que a unção de objetos mudam suas características físicas, são crendices milenares presentes em todas as culturas. Parte integrante também do imaginário cristão, que fazem questão de criar um dualismo entre o profano e o sagrado.

    Em relação aos pastores, via de regra, a classe ministerial toma para si a prerrogativa de possuírem uma “blindagem” especial dada por Deus, e sempre transmitem a idéia de que suas falas são sempre ex-catedra, por isso jamais podem ser contestados, ainda que seja no campo das opiniões.

    Contudo, este modelo de relação, para nossa alegria, está com seus dias contados. Pois numa geração emergente, pós moderna, elementos místicos, que supostamente compõe uma classe privilegiada de seres humanos, se restringem aos filmes de ficção ou terror, não cabendo mais na vida real.

    ResponderExcluir
  14. Pelo que sei a unção do Antigo testamento, na ordenação de líderes foi substituída pela imposição de mãos. Inclusive Paulo alerta para a responsabilidade daquele que a faz. Veja o que ele disse:

    "A ninguém imponhas precipitadamente as mãos, nem participes dos pecados alheios; conserva-te a ti mesmo puro". (1 Tm 5:22)

    Na paráfrase de Eugene Peterson está assim:

    "Não se precipite em indicar alguém para cargos de liderança na igreja. Se alguém estiver envolvido em algum pecado grave, você não vai querer se tornar cúmplice involuntário, não é?"

    interpretando ao pé da letra, pobre daquele que impôs suas mãos sobre algum destes mercadores da fé. estão "perdidos" rsrs

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Hoje impor as mãos é tão natural como pedir ofertas...

      Doni, eu não sabia que o mundo católica tinha o costume de ungir... Vivendo e aprendendo.

      Excluir
  15. Eu agora vou defender o RRRRRRRR.

    Ele tem mais de 40 anos de ministério e pelo que sei, jamais se envolveu em escândalos. Prega um evangelho simples, de uma fé simples: Jesus salva,cura, liberta e batiza com o ES. Ou seja, conteúdo que sempre foi a da igreja evangélica tanto histórica(tirando apenas o batismo que as igrejas tradicionais não aceitam) quanto pentecostais.

    Se ele desenvolveu um mercado religioso em volta de si, o fez através principalmente de literatura e música. Li muitos livros editados pela Graça editorial, com destaques para as obras de Kenneth Hagin, considerado como o fundador da "palavra da fé" ou da confissão positiva.

    Mas é verdade que ele faz de tudo para não aparecer muito fora do seu próprio habitat. Ele nunca fala mal de pastor, nem de ministério. Nem mesmo quando o Macedo andou falando dele, ele revidou. Ou seja, é um cara que não gosta de se envolver em polêmicas.

    É um empresário de sucesso, sim.

    Mas essa questão do chamado "mercado gospel" é algo a ser discutido por outros ângulos do que normalmente se faz.

    Quando íamos(ou vamos...rs) comprar uma Bíblia vamos aonde? até pouco tempo, numa livraria evangélica.(hoje até supermercado vende Bíblia). Ora, estávamos(estamos) errados ao comprar uma Bíblia numa livraria evangélica (que visa o lucro, claro)? ou está errado comprarmos aquele livro interessante daquele teólogo interessante numa livraria evangélica? Todo comércio de "produtos evangélicos" seria errado? Seria encher os bolsos dos donos de livrarias?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Edu, preste atenção como ele consegue ver dinheiro em textos que passam longe do assunto...

      O aviãozinho dele é inferior ao do Silas? Claro, ele é bem mais esperto que os outros exploradores da fé. Não se envolver, não falar mal das outras cobras, mantem ele tranquilo no seu ofertório.

      Vi este comentário aqui na net: "Mas nobre mesmo foi o RR Soares, dono da Igreja da Graça. Caladinho e com aquela cara de boi sonso (dizem que boi sonso é que arromba cerca!), o cara passou na frente de todo mundo e comprou pela bagatela de 8,6 milhões de reais (5 milhões de dólares) seu avião exclusivo. Agora pode promover o $how da Fé em qualquer lugar do mundo, com a rapidez e segurança da Tabajara Gospel Air!

      Parabéns, senhor RR Soares! Não precisou da unção do Mike Murdok, nem da profetada do Ceroullas. Isso que é missionário! O cara tem café no bule, meu irmão!"

      Excluir
    2. Nobre amigo Eduardo,

      Até busco um esforço para entender seu comentário, mas de fato, não consigo. Ainda mais após citar esse senhor, que difundiu a ideia da Confissão Positiva os EUA e para o mundo, o Keneth Hagin. Na minha opinião, o que hoje se encontra nos templos no Brasil são consequências das más interpretações e compreensões do Movimento da Rua Azuza liderada por William Joseph Seymour no inicio do século XX, associadas aos ensinamentos de Keneth Hagin nas décadas de 70, 80 e 90.

      Infelizmente, estamos em um período em que o que mais se precisa dentro de um templo, e o que de fato não encontramos. O que aconteceu com o evangelho simples e produtivo que Cristo proclamava, e em seguimento os seus discípulos abraçaram? Porque hoje as lideranças rejeitam a simplicidade do viver em Cristo? O que dizer das “igrejas” se tornaram empresas capitalistas, partidos políticos usurpadores e até mesmo circos que promovem shows e aberrações das mais variadas espécies? Seria isso tudo normal, desde que seu líder não se envolvesse em escândalos?

      Estamos vivendo em meio a uma desenfreada onda de sinais mirabolantes, uma onda movida por supostas manifestações espirituais, onde o barulho determina o grau de força e intensidade da manifestação. Percebemos todos os instantes pessoas fervorosamente afirmarem receber dos céus revelações surpreendentes, uma após a outra, como se Deus mudasse de ideias, assim como mudam as estações do ano de tempo em tempo. Uns citam visões como, fogo nos céus, labaredas surgindo do altar, pulam, dançam, gritam, entoam frases supostamente espirituais, porém nada que efetive um resultado em benefício concreto e real ao próximo ocorre, simplesmente uma fé emotiva, que é acionada por meio de adrenalina, algo que cientificamente poderia ser caracterizado como algum disturbio psicológico.

      O Evangelho de Cristo é simples, assim como o ministério de Cristo foi simples, sem ostentação, alardes de sinais, e nada tem haver com propagandas do tipo "as mãos de Deus estão aqui", “fogueira dos empresários”, “venha destrancar o seu milagre”, “este é o ano do favor, do milagre, da vitória, da restituição” e tantas outras que vemos se tornar clichês no então denominado "mundo gospel".

      RR Soares é apenas mais um se alimentando do engodo, da mentira e do engano. No canto dele, sem se envolver, vai levando a sua parte.

      Excluir

  16. também concordo que

    a "unção" nos escritos do NT(em Paulo) era feita por "imposição de mãos", isso é claro no texto que você destacou. Até hoje, as igrejas evangélicas usam o impor as mãos para consagrar obreiros. Eu mesmo recebi a "unção de diácono"(rsss) aos 21 anos na Assembleia, mas depois pedi a minha "des-unção" e acabei como diretor de teatro na Nova Vida por 8 anos. Era melhor do que ser diácono...rsss

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Se as igrejas observassem, o que a bíblia ensina sobre quando se deve consagrar uma pessoa para diaconia ou presbitério, as igrejas seriam realmente um lugar de acolhimento, de saúde.
      Os diáconos hoje são apenas garçons de santa ceia, ou uma espécie de offce boy da igreja. Nas igrejas neo-pentecostais Os pastores são pregadores e administradores que recebem imposição de mãos para tal...

      Excluir
  17. Eduardo, sobre o RRRRRRRRRRR, sim! ele é um empresário de sucesso, ouviu o chamado e leva o evangelho puro e simples, vc está corretíssimo! Afinal, deus e religião apenas visam o sucesso, correto? Então, todo crente deveria encarar não apenas o RR, mas o Edir malafaia, o Silas Fábio, o Caio macedo, o Valdemiro soares etc etc etc etc como bem sucedidos e dignos representantes do deus vivo e um exemplo a ser seguido, pois, como filhos do rei, vivem como reis, ouviram o chamado de deus e são a demonstração viva que deus existe, basta ouvi-lo!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Mas o Rei não tinha aonde inclinar a cabeça?

      Excluir
  18. Mari querida, ninguém é escolhido e capacitado para determinada missão. Todos temos nossas capacidades e mais: AMBIÇÕES! Uns almejam ser "apóstolos" outros, apenas "fieis".



    ResponderExcluir
  19. Guiomar, vc escolheu sim seu ministério! tenha certeza, mas, penso que seria infrutífero tentar lhe expor isto, pois, ambos estamos convictos de nossas (des)crenças.

    Abraços querida.........

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Você então me conhece melhor do que eu e sabe da minha história como nem eu mesma. rsrs

      Excluir
    2. De forma alguma Guiomar eu poderia lhe conhecer melhor que voce mesma e nem sei da sua história, mas conheço muito bem deus (que aparentemente é único e sub-divide-se em 3), mas que na verdade, além de não ser único, é multiface.

      Excluir
  20. Uai anja, será que não fui claro? então deixa eu ser mais explícito:

    TODO PASTOR, APÓSTOLO, BISPO, MISSIONÁRIO, DIÁCONO, OBREIRO, FIEL, CRENTE, MEMBRO.........são sim chamados e são chamados pelo deus que habita neles! Ouvem a vós do seu próprio eu....... e são enganados por si mesmo e saem pregando o engano que vivem!

    ResponderExcluir
  21. Edu, a parte de seu comentário em que vc fala do mercado gospel, foi direcionada a mim? (rsrs) na boa, se foi, não entendi o porque! rsrs

    ResponderExcluir
  22. Querido mano e confrades

    A unção na Igreja católica só se faz com o oléo santo que é distribuído e abençoado na quarta feira santa na missa do óleo. Não se unge objetos, roupas, carros, casas, fazendas, etc. Nestes casos é feito com água benta para abençoar.

    A unção na ICAR está associada aos sacramentos.

    O RR Soares fala uma coisa na Tv e nos bastidores da igreja seus fiéis agem de outra forma principalmente em relação a ICAR já vi muito disso é só ler seu jornal.

    Na ICAR somente o magistério unge.

    Apesar de ouvir e muito que a Igreja renovou com o pentecostalismo e concordo com isso ela ficou mais alegre e participativa também perdeu e muito sua profundidade espiritual.

    Em tempo atrás a unção de alguém era medido pelos dons espirituais da santidade Isaías 11 e hoje se fala muito da unção pelos extraordinário através dos dons carismáticos I Cor 12.

    No A.T. a escolha do rei e do sacerdote era condicionado, o primeiro pela sucessão familiar e o segundo pela tribo o qual fazia parte os levitas.

    Enquanto o profeta não era ungido profeta e sim era escolhido diretamente a Deus e por isso era o ungido.

    Neste quesito admiro e muito os verdadeiros profetas do A.T. que além de defender a fé javista também defendia a nação contra todo tipo de injustiça social. Não tinham vida privilegiada, na maioria das vezes ao contrário, e por isso falavam livremente o que acreditavam que Deus os ordenara.

    No meu ponto de vista o problema não está no dízimo, na venda de materiais de evangelização e sim na forma pela qual este meio de recurso está sendo utilizado. O dízimo não é mais escandaloso que os pedidos intermináveis de dinheiro para manter o luxo e ganância de quem está na frente seja para as obras faraônicas como também para vida pessoal destes. E neste quesito a ICAR em alguns aspectos e movimentos especialmente o carismático existem falsos líderes tanto quanto o evangélico.

    Ouví-los pra mim é perda de tempo e agressão à inteligência e espiritualidade que hoje vivo. Não me imagino parado em frente a uma TV assistindo programas religiosos. Para em frente a Tv já é difícil, imagine assistindo estes ungidos.

    Eu creio e vivo aqui em comunidade em uma reunião onde não existe uma figura iluminada e dona da verdade. Mas onde todos os membros participam, decidem e resolvem juntos os caminhos de uma comunidade. Em grupos menores e embasado em trabalhos sociais e espiritualidade vejo que dificilmente acontece este tipo de iluminismo da unção rsrsrs O campo social da ação efetiva em pouco tempo derruba este tipo de iluminismo barato para uma espiritualidade concreta.

    Naturalmente eu nego um líder carismático de massa, pois sempre vem acompanhado de frases de efeito e sugestiva, adocicada e interesseira. Sempre são os melhores e mais poderosos. Esta unção não me cativa em nada, pelo contrário não tenho paciência.

    Portanto estes todos citados ai com mais um monte de padres artistas eu os tenho como péssimo exemplo de fé ou como exemplo de do que nunca fazer em minha caminhada. Apesar de reconhecer que as vezes o meu ego fala mais alto e que não sou nenhum pouco diferente deles se tivesse tal "unção" em minhas mãos rsrsrs.







    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Neste quesito concordo que a verdadeira unção de alguém se mede pela quantidade que ele ama quem nada pode lhe oferecer em troca, ou mesmo, até tirar o que tem para acolher.

      Neste campo estes ungidos com sua fé não aguentaria nem mesmo um peido kkk

      Portanto de Cristo não possuem nada. E não tenho medo de criticar estes tais "ungidos" que exploram e vivem em função da ignorância e sofrimento alheios. Eles não são se Cristo! O Cristo que conheço morreu pelos outros.

      Excluir
    2. Gil, você fez um resumo correto e indiscutível.

      Embora: " Apesar de reconhecer que as vezes o meu ego fala mais alto e que não sou nenhum pouco diferente deles se tivesse tal "unção" em minhas mãos rsrsrs." , mesmo assim, não justifica-se a exploração da fé destes mercenários que se dizem ungidos de Deus.

      Excluir
  23. kkkkkkk..a coisa tá boa, e eu aqui, sendo o advogado do diabo, digo, do RRRR.

    Os críticos dos macedos e cia são uns anacrônicos.

    Jesus também recebia ofertas que o povo lhe dava. Judas era seu tesoureiro. Nós temos uma inveja danada no Brasil de quem faz sucesso.

    O apóstolo Paulo era um empresário. Fabricava tendas, um produto caro e muito procurado na época.

    É um absurdo do ponto de vista logístico(repito, "logístico") alguém com igrejas no Brasil todo ter um avião para se deslocar em suas viagens?

    Se foram os próprios membros da igreja que ofertaram para isso? Enquanto nós estamos aqui dizendo que eles são explorados, eles estão se gloriando ao dizer que o ministério deles tem até avião particular...

    A questão da "exploração da fé" é um outro assunto. Eu estou me atendo especificamente à logística de um grande ministério.

    A ideia de que Deus gosta de pobreza é mentalidade católica que nós herdamos(mas que não fazia parte do protestantismo histórico calvinista) culturalmente(vide Marx Weber).

    O Deus do AT gostava de luxo, riqueza e de muito ouro, é só lerem como o Templo de salomão deveria ser construído.

    Os judeus, que herdaram do seu D'us a promessa de que não seriam calda e sim cabeça no mundo, os fizeram ser proeminentes em várias campos do conhecimento humano, e tudo isso sem um pátria para viver durante mais de mil anos.

    Entre um discurso derrotista do tipo: "irmão, se conforme com sua pobreza por que Jesus foi pobre e uma outra positivista do tipo: "irmão, Deus quer lhe fazer cabeça e não calda, então, vá à luta" eu fico com o segundo.

    Vejam que estou discutindo a essência da coisa e não o arcabouço empresarial que se formou em torno da coisa.

    Queremos ter ministérios evangélicos no século 21 como foram os pequenos ministérios do tempo de Paulo. Acho que ele ficariam bem feliz se tivesse um avião particular para levá-lo em suas viagens missionárias.

    como diz o sábio, uma coisa é uma coisa, outra coisa é outra coisa.

    Não estou de maneira alguma negando que haja exploração da fé, isso sempre houve, mas volto a dizer, estou tentando ver a coisa por outro ângulo, pelo ângulo pragmático.



    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Nobre amigo Eduardo,

      Pragmatismo é de certa forma meio Maquiavélico... rsrsrsrsrs Tipo, se esta dando certo, é o que importa, não importa os meios e sim os fins.

      Olhando desta forma, esta tudo ok então. Para um pragmatista ou utilitarista, se uma determinada técnica ou um curso de ação resulta no efeito desejado, a utilização de tal recurso é válida. Se parece não produzir resultados, então não tem valor. E como eu acredito que para as atuais lideranças, o que importa é o dinheiro, tudo isso é natural.

      Para muitos, a quantidade de pessoas nos cultos tornou-se o principal critério para se avaliar o sucesso de uma igreja, aquilo que mais atrai o público é aceito como “bom”, sem uma análise crítica. Isso é pragmatismo, logo, esta tudo ok kkkkkkkkkkk

      Excluir
    2. Edu, dízimos e ofertas são necessários em todo ministério.
      Jesus não vivia uma vida nababesca enquanto seus discípulos padeciam necessidade. Pelo contrário, Jesus vivia no mesmo nível dos seus seguidores pobres.

      Paulo, aproveitando Áquila e Priscila que tinham também este ofício ficou com eles pouco tempo e se sustentava com esta renda. Veja que mesmo durante o tempo em que ele fazia tendas, o maior objetivo dele era pregar o evangelho. Paulo jamais seria referência de uma vida confortável economicamente.

      Eu acredito que inúmeras pessoas que se revoltam com os exploradores da fé, não é por inveja, e sim por ver como o evangelho tem sido blasfemado, ridicularizado e quantos têm abandonado a Deus, pelo testemunho sujo destes falsos líderes.

      Quanto a um "ministério" ter um avião, penso ser uma benção, mas não enganar o povo para tirar do pouquíssimo que eles ganham com muito suor, para comprar avião de luxo e viverem uma vida nababesca.

      Eu também não acredito que Deus goste de pobreza, a pobreza é o resultado da má distribuição de renda, etc e tal. Mas não vamos esquecer que Deus disse que não faltaria pobres na terra, e que aqueles que tivessem recursos ajudassem aos menos favorecidos.

      Excluir
  24. And, eu falei do mercado gospel de uma forma geral, seu mané!

    O que eu disse: todos nós somos consumidores gospel(ou éramos). compramos bíblias, estátuas de santos(os católicos), livros teológicos (devo ter uns 400 aqui em casa), hinários, bonequinhos do Smilinguido(esse bonequinho aí que a Gui colocou na sua foto), bandeja para santa ceia, bancos para igreja, etc etc etc.

    Minha questão: em si, esse mercado é errado? como então compraríamos bíblias para lermos????????? como eu compraria as mais de dez bíblias de estudos que eu tenho?? eu comprei e alguém lucrou.

    Vivemos em pleno capitalismo e a igreja não consegue não ser afetado por ele, assim como nenhum de nós pode viver fora do sistema capitalista. Até os socialistas que falam contra o capitalismo, vivem no capitalismo. Nunca vi nenhum deles vender tudo, dá aos pobres e ir morar no deserto comendo mel e gafanhotos.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Nobre amigo Eduardo,

      Isso é fato, eu tenho em livros evangélicos e bíblias, quase um carro. Vou para o inferno, pois contribui para o mercado da fé kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk

      Excluir
    2. Edu você sabe perfeitamente do que estamos falando, você deve está instigando para saber nossos argumentos. Me poupe!

      Excluir
  25. GIL,

    valeu pelas explicações de como funciona a unção na ICAR.

    Mas vejam só: existe uma organização mais rica do que a ICAR? e isso a princípio não é uma crítica, é uma constatação. Qualquer organização cristã que cresça muito terá que lidar com dinheiro.

    A comunidade que o GIL atua é quase uma utopia. Só funciona mesmo em grupos muito pequenos (como acontecia na igreja primitiva). Só que a igreja primitiva também teve seus problemas como hoje,a igreja atual tem os seus.(enriquecimento ilícito de muitos apóstolos é um deles).

    Estou de fato, sendo advogado do diabo para procurar outros ângulos da questão.

    Os donos de igreja, ricos e poderosos só deixarão de existir quando a organização que eles dirigem deixem de oferecer o que muitos estão procurando.

    Mas uma vez, é a lei da oferta e da procura.

    ResponderExcluir
  26. Matheus,

    por favor, faça seus comentários sempre abaixo do último postado, pois facilita vermos as respostas assim do que tendo que ficar subindo a página toda hora.

    Você disse uma coisa muito importante:

    estamos em um período em que o que mais se precisa dentro de um templo, e o que de fato não encontramos. O que aconteceu com o evangelho simples e produtivo que Cristo proclamava, e em seguimento os seus discípulos abraçaram? Porque hoje as lideranças rejeitam a simplicidade do viver em Cristo? O que dizer das “igrejas” se tornaram empresas capitalistas, partidos políticos usurpadores e até mesmo circos que promovem shows e aberrações das mais variadas espécies? Seria isso tudo normal, desde que seu líder não se envolvesse em escândalos?

    Você pergunta o que houve com o evangelho que Jesus pregava e eu te respondo:

    Ele deixou de existir há muito tempo. Mas há muito tempo mesmo...

    Eu fiz de fato, observações pragmáticas para discutir mesmo esse assunto.

    Afinal de contas, o mundo pós-moderno, capitalista e tecnológico, pode conviver com um cristianismo que não seja também pós-moderno, capitalista e tecnológico?

    Deixo para os confrades pensarem.

    ResponderExcluir
  27. O mundo "primitivo" teve seu cristianismo primitivo; o mundo helenizado teve seu cristianismo platônico e aristotélico; o mundo do império romano cristianizado, teve o seu cristianismo imperial; a idade média teve seu cristianismo medieval...nós temos hoje o cristianismo do nosso tempo.

    Pergunta: se até mesmo o cristianismo primitivo já tinha incorporado tantas ideias que não faziam parte da pregação de Jesus, como hoje a coisa poderia ser diferente?

    ResponderExcluir
  28. Anderson, isso q vc disse é a minha e sua opinião sobre a capacitação, a unção, mas essa não foi a minha pergunta: Se Deus capacita, mas sim se o uso da passagem de samuel não seria razoável para fundamentar esse costume entre os cristãos? Mas acho q o Doni acabou por responder quando diz q no novo testamento a unção foi substituída pela imposição de mãos.

    Obrigada! Fica com Deus.

    ResponderExcluir
  29. Vixiii Eduardo, sempre me esqueço disto, mas vou proceder assim ok? rsrs

    vamos lá, vou responder o Matheus.

    qridão, entendi perfeitamente sua comentário, mas, eu intentei apenas reforçar a descontextualização do que está escrito e ainda vou além, quem não a usa (ou melhor, que líder) em benefício próprio e a seu bel prazer? rsrs

    Basta estar numa situação difícil que as mais mirabolantes interpretações e estapafúrdias hermenêuticas surgem. E ainda indo mais a fundo:

    Ninguém quer ler, entender ou saber o que está escrito e sim o que o seu "eu" quer ler!

    ResponderExcluir
  30. Mari, desculpe se não soube responder sua pergunta, é que talvez eu não tenha entendido-a corretamente, mas, please, refaça, mesmo vc dizendo que o Doni já lhe respondeu.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. ahhhhhh vc já fez!!! rsrs vamos lá:Bom, o Doni já lhe respondeu mesmo! mas, vou tentar acrescentar algo ok?

      II Coríntios 1 21 - Mas o que nos confirma convosco em Cristo, e o que nos ungiu, é Deus, 22 - O qual também nos selou e deu o penhor do Espírito em nossos corações.

      Na antes Mari, o ungido tinha pqna porção do espírito (vide a estória de Sansão qnd a bíblia cita que "o Espírito do Senhor se apossou de Sansão....")

      após a vinda do ungido (Cristo), nós temos a unção! Estamos cheios do Espírito (plenos, sem necessidade de imposição de mãos, azeite, óleo e suas variantes)

      20 - E vós tendes a unção do Santo[...]27 - E a unção que vós recebestes dele, fica em vós...(1° João 2)

      O que mais é preciso? Nada!

      Excluir
  31. mas estou seguindo o exemplo da Guiomar viu Edu? rsrs ela jogou a mim e ao Matheus nesta! hahaha (brincadeira Guiomar) vou repetir aqui a resposta que lhe dei ok Guio?

    De forma alguma Guiomar eu poderia lhe conhecer melhor que voce mesma e nem sei da sua história, mas conheço muito bem deus (que aparentemente é único e sub-divide-se em 3), mas que na verdade, além de não ser único, é multiface.

    ResponderExcluir
  32. rsrsrs Eduardo, penso eu que vc está me entendendo mau. Eu não estou aqui defendendo uns e indo contra outros. Não estou acusando os malacheia, edir, o boiadeiro etc etc etc e muito menos seu ídolo RR (rsrssr), quando eu disse que ele prega o evangelho puro e simples, assim como todos os outros, estava sendo sincero e falando realmente o que eu penso a respeito e é óbvio que na época em que eu escrevi este texto, não pensava assim, mas hoje, eu penso e, tenha certeza que falo sério e não estou sendo irônico!

    Não consigo ver a menor diferença entre o RR e todos os outros teleevangelistas em relação a qualquer pastorzinho anonimo duma igrejinha destas que se encontra em qualquer esquina (apenas os ternos e o dinheiro, é claro, mas no resto, são iguais!).

    Todos buscam a mesmíssima coisa!


    Sobre o marcado da fé, concordo com vc em tudo! rsrs e as próprias igrejas são o mercado: como vc disse, é lei da oferta e da procura! Umas ricas, outras pobres (não é de se pensar que as ricas é que realmente estão sendo abençoadas por deus por p´regarem o evangelho puro e simples? rsrsrs)

    Tentei neste comentário englobar sua fala sobre mercado e igrejas ricas rsrs ok?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. rsrs Na verdade Edu, tentei responder aos seus últimos comentários num só ok? rs

      Excluir
  33. Aos comentários do Donizete e Gil, nada a acrescentar! rsrsrs

    ResponderExcluir
  34. rsrsrs estou sentido ue algo irá acontecer! rsrs Cadê o Levi e o Noreda? rsrs

    ResponderExcluir
  35. Continuando...

    É muito fácil neste "capetalismo" você ser competente sendo desonesto e ludibriando o povo.

    Igrejas e "ungidos" que enriquecem com a desonestidade, sendo parceiros de corruptos, fazendo aconchavos com gente de má índole, utilizando de dinheiro público, enriquecendo com lucros nas custas do trabalhador e blá blá blá me perdoe meu caro EDU eu não os invejo de forma alguma e digo tenho asco com estes tipos de pessoas.

    Eu admiro meu pai e minha mãe que viveram a vida toda batalhando e honestamente sem prejudicar ninguém em muitos momentos até ajudando pessoas, tocaram a vida com dignidade. Estes sim pra mim são competentes.

    Ser competente explorando o outro sói pode ser competente numa visão "capetalista"

    EDU eles não são competentes o "capetalismo" ou qualquer outra denominação nos faz pensar assim.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Cem por cento com você Gil. Eu lembro do meu pai, pastor no sertão. Ele amava os pobres, visitava-os, comia o feijão com farinha ou a galinha gorda do quintal. Tirava os centavos do bolso e os ajudava quando necessário.
      Passamos muitas necessidades, meu pai era pastor de várias igrejas, nunca o vi recorrer a tesouraria porque era o pastor da igreja. Ele tinha o seu salário determinado pelo ministério e fim de papo.

      Excluir
  36. Em tempo:

    EDU você dizer:

    Jesus também recebia ofertas que o povo lhe dava. Judas era seu tesoureiro. Nós temos uma inveja danada no Brasil de quem faz sucesso.

    Me perdoe mas você forçou bem nesta frase. Jesus pouco se importava com a sacolinha, tanto é que quando lhe disseram que Judas estava roubando o dinheiro ele pediu pra deixar a situação pra lá.

    Jesus não falou dos pobres porque diferentemente de mim ele se fez pobre.

    Também acho que esta questão de acumular bens torna uma instituição muito mais vulnerável do que desprendida sem contar que em questão de credibilidade se perde também e muito.

    ResponderExcluir
  37. Pois é, GIL,

    você está coberto de razão em suas colocações. Mas a questão onde eu quero chegar que ainda vocês não tocaram é:

    dá pra ter um cristianismo não capitalista hoje? dá pra hoje, ter um cristianismo com a cara do cristianismo primitivo?

    Eu acho que não. as próprias instituições cristãs impedem que isso ocorra, até mesmo naquelas que são mais éticas e mais chegadas a um evangelho mais simples.

    Por isso eu disse que sua comunidade é quase utópica.

    Sim, forcei um pouco a barra com Jesus e a sacolinha...rsss Jesus como galileu que era, com certeza era pobre. Mas ser pobre pela pobreza em si, não era uma virtude. Os pobres estavam mais receptivos à mensagem do Reino, por isso, o Reino era deles.

    Mas algumas palavras de Jesus se forem observadas hoje ao pé da letra, traria muitos problemas. Ele mandou que os discípulos vendessem seus bens para servir de esmolas. Nunca conheci um cristão que tenha feito isso.

    Mas a essência da mensagem, creio, está na frase: "onde está o vosso tesouro, aí estará também o vosso coração".

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Tesouro né Edu?

      Vou esperar por Gil... Depois dou a minha opinião. rsrs

      Excluir
  38. AND,

    creio que entendi o que você disse.

    Eu não posso dizer que TODOS os pastores querem ganhar dinheiro com sua igreja. Meu sogro, já falecido, tinha o direito de receber uma quantia pela igreja que dirigia e ele nunca quis. Tinha dinheiro sobrando? não, ganhava um pouco mais do que o salário mínimo.

    Mas tenho que reconhecer que esses são a exceção à regra.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Mas quem falou que querem apenas ganhar dinheiro? O dinheiro é apenas consequencia e claro, uns tem uma sede maior por ele, mas, como disse, é uma consequencia! rsrs

      Excluir
  39. Já que todo muno falou (e muito bem) sobre o texto em si, e sobre a questão da unção e bla...bla...bla, quero falar um pouco deste trecho que (como diria o Levi:)pincei do texto:

    "...O estranho é que Cristo (o Ungido), veio nos ensinar a ser humildes, servos uns dos outros e não o que temos visto hoje..."

    Será que foi isso mesmo que ele veio ensinar?

    Talvez até quisesse fazer isso, mas fez de forma errada, creio eu.

    O Que mais vemos hoje em dia (e neste ponto o texto está perfeito) é crente achando que é melhor que ateu, que é melhor do que os que não creem, achando que é melhor que católico, achando que é melhor do que crentes de outra denominação, e crente achando que é melhor do que membros de sua própria igreja. Mas também , havia de ser assim. Olhem estas falas:

    "Aquele que crê em mim nunca estará sozinho."

    "Eu sou o caminho, a verdade e a vida. Ninguém vai ao Pai se não por mim."

    "Das ovelhas que meu Pai me confiou,
    nenhuma se perderá"

    "Todos devem honrar o Filho, como honram o Pai: quem não honra o Filho, também não honra o Pai, que O enviou"

    "Se vós Me conhecêsseis a Mim, também conheceríeis a meu Pai"

    "Acredites, pois aqueles que não o fizerdes, eu vos desacreditarei perante meu Pai. Não me negareis, pois aqueles que o fizerdes, eu vos negarei perante meu Pai. Por fim, não vos julgueis, pois aqueles que assim o fizerdes, eu vos julgarei perante meu Pai"

    "Eu e o Pai somos Um só; aquele que Me viu, viu ao Pai... o Pai está em Mim e Eu estou no Pai... tudo que é Meu é Teu (do Pai) e o que é Teu é Meu... Nós (Pai e Filho) viremos e faremos nossa morada nele..."

    "Para isto eu nasci e vim ao mundo, para dar testemunho da verdade; todo o que está pela verdade, ouve a minha voz"

    "Eu sou a ressurreição e a vida. Quem crê em mim, ainda que morra, viverá; e quem vive e crê em mim nunca morrerá"

    Jesus queria apenas espiritualizar as pessoas, queria que elas fossem boas. sem querer fazer piadas, jesus "criou" o "Imperativo categórico" kantiano, milênios antes de Kant nascer, ou não se lembram da frase: "Fazei aos outros tudo aquilo que quer que lhe façam, ou o contrário disto. Kant disse; Façamos as coisas de maneira que desejemos que todos façam a mesma coisa em nossa situação. na minha opinião é plágio de Kant.rss

    São os cristãos que orgulhosamente apontam Jesus Cristo como alguém de extrema pobreza,e deveras humilde. Devemos levar em conta um quesito fundamental para se pensar o quanto isso é julgado em nome de um valor muito cultuado no cristianismo que é a humildade. A humildade, lamentavelmente, é considerada um valor nobre não só para os religiosos, mas para as pessoas em geral. O humilde é um orgulhoso que se orgulha da negação da vida enquanto condição para sua dignificação.

    Parece-me que se tirar a humildade enquanto valor cristão não resta pobreza a Jesus Cristo, pelo contrário, Jesus pertencia à elite, assim como os cristãos de hoje pertencem a uma elite de seres humanos. Melhores que todos, escolhidos, menina dos olhos de Deus, povo eleito, futuros moradores do céu, herdeiros do reino, consequentemente...POVO UNGIDO.

    E só são assim, creio eu, porque deram ouvidos a um homem (muito letrado) que se dizia o próprio Deus. Onde está a humildade em se afirmar que é o Criador do mundo?

    O Provocador

    ResponderExcluir
  40. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  41. Provocador,

    vejo que a lição de humildade que Jesus passou para seus discípulos tem muito pouco a ver com a compreensão popular do que seja "humildade".

    Humildade não é negar o que se é por vergonha de parecer que se é mais do que deveria ser.

    Humildade em Jesus é basicamente, segundo compreendo, "diakonia" - serviço. Quando Jesus lavou os pés dos discípulos não estava querendo dizer que eles deveriam se inclinar diante de todo mundo como sinal de humildade, estava dizendo que mesmo aqueles que fossem superiores a outros, deveriam servir-lhes.

    Jesus sendo o mestre, portanto, maior que os discípulos, lavou os pés destes e deixou a mensagem bem clara. "Se eu que sou mestre lavo os vossos pés, por que vocês não lavariam também os pés uns dos outros"?

    O "lava-pés" é um símbolo do serviço, do cuidar, do se colocar à disposição do outro, mesmo que esse seja "menor" que você. Nesse sentido, o "povo escolhido" - "superior" - deve estar à serviço dos "menores".

    É assim que deveria(ou deverá) acontecer no Reino de Jesus.

    ResponderExcluir
  42. Só para enriquecer nosso vocabulário:

    O versículo que você menciona diz: Bem-aventurados os pobres de espírito, porque deles é o Reino dos céus. O vocáculo grego é PTOCHÓI, normalmente traduzido como pobres. O problema é que Mateus acrescenta "em espírito". De fato, Lucas, que repete as mesmas palavras de Jesus (6,20: Felizes vós, os pobres, porque vosso é o Reino de Deus) não há este acréscimo.

    Por causa desta particularidade de Mateus, os teólogos tendem a sublinhar o aspecto moral deste termo nesse evangelho e algumas versões bíblicas usam "humildes" invés de "pobres". Todavia não há razão para não traduzir como "pobres".



    Tal índole moral deriva do Antigo Testamento, precisamente de Sofonias 2,3, onde é usado o termo hebraico 'anawim (que em hebraico sim significa tanto 'pobre' quanto 'humilde'). Para o profeta, os pobres ('anawim) eram aqueles que se submetiam à vontade divina. Com o tempo eles se tornam os destinatários privilegiados da mensagem redentora. Isaías, por exemplo, diz que é a eles que o Messias será enviado (Isaías 61,1).



    É no sentido dos pobres que aceitam a vontade divina que deve ser lido o termo grego no Evangelho de Mateus. Convém, todavia, como disse, traduzir sempre com o vocábulo "pobre", pois é inegável que para Cristo os excluídos são destinatários privilegiados do seu anúncio. Talvez Mateus queira sublinhar que não basta a pobreza para receber a salvação, mas não deixa de falar da sua importância. Além do mais, para "humilde", em grego, existe a palavra TAPEINOI usada, por exemplo, em Lucas 1,48.52; 14,11; 18,14, no sentido que o humilde será exaltado.

    ResponderExcluir
  43. Edu,

    A comunidade primitiva tentou formar uma comunidade na completa acepção do termo. Mas sabemos a motivação para tal execução, não era simplesmente consciência social, mas sim a expectativa da iminente parousia.

    A Bíblia silencia, mas é bem possível que muitos daqueles que venderam suas propriedades para depositar aos "pés" dos apóstolos, ao constatarem que a "promessa" estava demorando para se cumprir, foram reclamar também aos "pés" destes.

    Os primeiros efeitos negativos surgiram rapidamente, quando os crentes judeus começaram a discriminar os helênicos, criando para estes últimos, sérias restrições quanto a distribuição de donativos.

    Outra disfunção, foi em relação ao trabalho. Muitos na esperança do retorno iminente de Jesus, (Pois o próprio Paulo acreditava piamente nisso, ao ponto dele dizer "E nós que estivermos vivos") deixaram de trabalhar para viver as custas daquele projeto social.

    Mais tarde, já com aquela esperança já arrefecida, Paulo ordena para que quem não quiser produzir também não deve ter direito a comer. Note a conexão desse modelo comunitário com o marxismo. Os dois não deram certo por não observarem um princípio básico: "De cada um segundo a sua capacidade, a cada um segundo a sua necessidade" E isso fez com que o preguiçoso tivesse a mesma parte do bolo daquele que se esforçou e trabalhou.

    Por isso que compreendemos que doutrina se faz no tempo. E ele só pode ser entendida a partir do tempo em que ela foi feita. A doutrina que os cristão primevos fizeram inicialmente, poucos anos depois teve que ser quase que inteiramente re-significada.

    ResponderExcluir
  44. Edson Moura,

    Se na concepção judaica, salvação se dá em termos holísticos, ou seja abarca o indivíduo em sua totalidade, incluindo o resgate da pobreza, as atitudes de Jesus, no tocante ao fato do reino dos céus serem endereçados principalmente aos pobres, pode significar que os ricos já usufruíam parcialmente dele.

    ResponderExcluir
  45. EDU

    Perfeito:

    Sua frase: "onde está o vosso tesouro, aí estará também o vosso coração".

    Define claramente a extensão daquilo que uma pessoa vai focar influenciado pelo contexto que se encontra.

    EDSON a visão de Jesus ao olhar para a população pobre que o seguia foi de um resgate da sua dignidade. Já que naquele tempo só os ricos e os que tinham saúde eram os abençoados de Deus. Neste quesito nada acrescentar a resposta do Doni.

    EDU hoje existem milhares de comunidades espalhadas pelo mundo todo que fizeram uma opção radical pelos pobres. Existe um movimento novo assim como foi o pentecostalismo na Igreja chamado de novas comunidades que optam por uma vivência comunitária e uma grande maioria pela opção preferencial pelos pobres. A que eu participo e fundei nem se compara a Missão Belém, Toca de Assis, Comunidade Misericórdia, Shalow....

    Eu vejo a questão dapobreza nem tanto no sentido doar tudo, abandonar tudo... Mas uma decisão radical de desapego. ter como se não tivesse. Partilha!

    Madre Teresa de Calcutá:

    "Não temos o poder de multiplicar, mas temos a força de partilhar"

    Neste caso EDU sua frase acima citado do tesouro tem tudo haver com que venho falando aqui.

    Acrescento mais esta frase de Jesus do evangelho de marcos:

    36 Pois, que adianta ao homem ganhar o mundo inteiro e perder a sua alma? 37 Ou, o que o homem poderia dar em troca de sua alma?

    Entenda-se aqui alma como a essência da nossa vida.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. EDU

      A definição de humildade perfeito: uma coisa é a humildade outra é a falsa humildade. Jesus segundo muitos psicólogos era um sujeito equilibrado. Este equilíbrio de Jesus afronta nossa personalidade e falsas aparências.

      Excluir
  46. O Provocador e o Edson, vieram para arrebentar e, estimularam-me a dar uns pitacos (rsrs)

    Primeiramente, sinto falta do Jesus histórico para contrabalançar o Jesus mitologizado pelos evangelistas.

    Me falta a parte do Jesus adolescente ― aquele ser não dogmático, cheio dos impulsos ferventes dessa época tão importante de nossas vidas; aquele ser cheio do prazer exibicionista ligado à vaidade que caracteriza o humano nessa fase da vida.

    Ainda bem que sobre o Jesus mitologizado, deixaram alguns rasgos do histórico ou humano: teve dúvidas, atentou contra uma ordem vigente, discordou do Pai, chutou o pau da barraca, achou-o injusto quando foi abandonado à própria sorte. Foi morto por se comportar dessa maneira, ao virar de cabeça para baixo a Lei e a religião de Javé.

    Mas o Jesus histórico não adianta ― para o Mito, ele iria atrapalhar o espetáculo. Foi o que fizeram. Não consigo deixar de conceber que o fenômeno denominado de “ressurreição corporal”, não seja PEDRA-BASE sem a qual nenhum crente é crente.

    O que importa não é o que ele viveu, suas trombadas, o sentir-se culpado, suas decepções, suas incredulidades, etc. ― o que importa é que ele ao terceiro dia ressuscitou dos mortos ― e aí teve início a religião fundada no túmulo vazio . Interessante é que o fundamento do cristianismo tenha por pedra fundamental um fato, que poderia ser histórico, se tivesse sido convenientemente investigado.

    O grande espetáculo, que deu origem aos demais foi o da ressurreição corporal de Jesus. E no capitalismo super moderno , como diz o Edu, o cristianismo não poderia ser diferente do que se vê, hoje, ao vivo e em cores — PURO ESPETÁCULO.


    E por falar em espetáculo, acho melhor aquele que assistia no meu tempo de menino, doido por CIRCO:


    Tinha lá os meus dez ou doze anos de idade, quando tive a oportunidade de ouvir pela primeira vez a palavra “espetáculo”. Lembro-me bem dos gritos esfuziantes do palhaço.

    “Hoje tem espetáculo?” ─ bradava ele numa espécie de megafone feito de lata.

    “Tem sim senhor!” – respondíamos em uníssono.

    “Vai haver marmelada? ─ emendava o palhaço, dando passadas longas com suas pernas de paus cobertas por um pijamão intensamente colorido.

    “Vai sim senhor! ─ gritávamos, todos em uma só voz.

    Tínhamos que decorar as respostas do jeito que o palhaço nos ensinara, sem gaguejar ou sair do tom, numa cantilena repetitiva. As demais estrofes da opereta eu não me lembro agora.

    Mas a palavra “espetáculo” ficou gravada indelevelmente em minha mente. (rsrs)

    ResponderExcluir
  47. Ah! esqueci de dizer o principal:

    Seguíamos atrás do palhaço respondendo a cantilena decorada pelas ruas da cidade -, para ganhar um ingresso na matinée do Circo aos domingos

    Qualquer semelhança com o cristianismo atual, que promete um ingresso no Céu, não é mera coincidência. (kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk)

    ResponderExcluir
  48. Gil

    Você gostou?

    Pois, esse comentário que fiz, vai virar postagem lá na C.P.F.G. (rsrs)

    Ou estou incorrendo num pecado mortal, contra os ungidos"?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Muito bom levi! Como os confrades Doni e Edu gostam sempre de lembrar uma frase de leonardo boff:

      "Jesus era tão humano, mas tão humano, que só mesmo sendo Deus".

      E se stes "ungidos" citados pelo Mano acharem ruim então você esta no caminho certo rsrsrs

      Excluir
    2. Levi esta sua participação me lembrou do Pão e Circo

      Pão e Circo

      Foi uma idéia genial (dos ricos) para enganar os pobres, eles distribuiam comida (pão) e diversos espetáculos públicos (circo).

      Eram tantas festas que o calendário Romano chegou a ter 175 feriados.

      No caso dos "ungidos" o pão ($) fica com eles e o circo (espetáculo) fica para o povo. E tem cada circo enorme!!!!!

      Excluir
  49. Edson, Gil, Levi,

    seus últimos comentários estão excelentes!

    Levi,

    você disse que Jesus virou de cabeça pra baixo a Lei de Javé; eu concordo. Para Mateus, ele buscou a essência da "Instrução" e não a letra fria dela nos ditos "eu porém vos digo..."

    Doni,

    interessante observação: "no tocante ao fato do reino dos céus serem endereçados principalmente aos pobres, pode significar que os ricos já usufruíam parcialmente dele." Jesus disse algo curioso: de que não tinha vindo para os sãos e sim, para os doentes. Muitos viram nessa frase uma ironia de Jesus, mas talvez ele estivesse falando de fato, que já havia "sãos" que não precisavam da sua mensagem. Taí um bom tema para se desenvolver.

    ResponderExcluir
  50. Tenho que concordar com o mestre Levi, tudo é um grande espetáculo, pois vivemos na sociedade do espetáculo, uma sociedade imagética, muito carente dos signos para se estruturar e reestruturar todos os momentos. Durkhein já dizia:
    (...) qualquer [indivíduo] que tenha realmente praticado uma religião sabe bem que é o culto que suscita aquelas impressões de alegria, de paz interior, de serenidade, de entusiasmo, que são para o fiel, como que a
    prova experimental de suas crenças. O culto não é simplesmente um sistema de signos pelos quais a fé se traduz exteriormente, é a coleção de meios pelos quais ela se cria e se recria periodicamente. Que ele consista em manobras materiais ou em operações mentais, é sempre ele que é eficaz (DURKHEIM,
    1989).

    Tá explicado o sucesso da "Marcha para Jesus", um dos maiores eventos organizados para Deus, desde o Êxodo ou o cerco á cidade de Jericó.

    O Provocador

    ResponderExcluir
  51. Você lembrou bem, caro provocador


    A Marcha para Jesus, vem superando em muito
    a grande marcha do Êxodo e do cerco a Jericó. Tanto é que o Congresso Brasileiro já aprovou um feriado para a data dessa extraordinária marcha.

    É de Portugal - sede do nosso antigo império, que estão importando a Cerveja Sagres, sem álcool (falsificada) para as ovelhas do sinhô se esbaldar sem perigo de embriaguês.

    Vocês podem conferir a propaganda, vinda do alto, dessa cerveja (exclusividade da Marcha para Jesus) no link abaixo:

    http://levibronze.blogspot.com.br/2009/11/marcha-de-jesus-com-cerveja-de-jesus.html

    ResponderExcluir
  52. Levi, e o que dizer da grande festa do Sírio de Nazaré? pode-se enquadrá-la também na categoria de "circo religioso"?

    Já existe cerveja sem álcool, Levi, da Brahma,da Itaipava e outras. Aliás, gosto muito da Itaipava sem álcool. Será que eles estavam visando o mercado gospel ou aos fracos pro álcool???? rss

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. EDU

      Não sei quem tem torcida maior: se Jesus ou a Virgem Maria. (rsrs)

      Dizem que a procissão do sírio de Nazaré levou ultimamente 4 milhões de pessoas às ruas, e a Marcha para Jesus levou 5 milhões. Tá igual a dupla Flamengo e Corinthians — as duas maiores torcidas de futebol no Brasil. (rsrs)

      Uma coisa não se deve negar: Os católicos parecem ter uma torcida mais organizada, unida e sem divisões. Já os militantes da ala da Marcha para Gezuiz, que estão mais para um bloco carnavalesco, não se dão bem com a ala dos “crentes sérios”. É como a água e o óleo da unção - não se misturam.

      A nossa confrade Guiomar , se eu não me engano, não vai a Marcha de Jesus em companhia do Edir Macedo, o RR Soares , Malafaia, o Feliciano e outros que estão à direita e a esquerda de Cristo em arrecadação de alma$ para o Reino de Deu$. (rsrs)

      Excluir
    2. EDU a marcha é uma cópia da procissão (antigo né?) que tanto se criticava. Eu não gosto nem desta e nem daquela. Respeito quem goste mas não diga pra mim que ter fé é andar a pé kkkk

      Excluir
  53. Eu não quero morrer antes de ver o Ministério Público proibir a lavagem cerebral de crianças e adolecentes nas igrejas e estádios de futebol, apesar do fanatismo desportivo ser menos maléfico.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Será que você já não fez uma lavagenzinha na cabeça dos seus filhos a favor do ateísmo? Seja sincero... kkkkkkkkkkkk

      Excluir
    2. Guiomar Barba,

      Nunca levei meus filhos em igreja alguma nem a estádios de futebol. Eles foram algumas vezes mas sem meu incentivo. Desde a mais tenra infância tiveram acesso a livros, inclusiva a bíblia. Se quiserem ser católicos, evangélicos, macumbeiros, maometanos, budistas ou ateus a decisão deles não tem incitação minha. Meu dever foi mostrar os caminhos e orientá-los quanto ao que eu acho ser verdade.

      Excluir
  54. Escrevi recentemente que na marcha "para Jesus" em todas as suas edições o script é sempre o mesmo. Líderes evangélicos disputam acirradamente o espaço no alto dos trios elétricos com políticos. Nada de novo, em se tratando de duas categorias que revela cada dia, de maneira mais acentuada, a urgente necessidade de uma reciclagem radical, tanto em termos de princípios morais como de proposição.

    O povo, como sempre, segue atrás cantando ora suas “marchinhas gospel”, ora pronunciando palavras de ordem como “o Brasil é do Senhor Jesus” ou outras mediocridades semelhantes. Pouco se importando do utilitarismo inerente à suas presenças, isto é, de estarem sendo usados como massa de manobra por pessoas manipuladoras, cujos escrúpulos à tempos foram barganhados pela ânsia de poder.

    Nada de mais até aí, a não ser a contradição da lógica dualística expressa em suas crenças de que o sagrado e o profano devem se manter distantes um do outro. Mas o problema maior que emerge de movimentos com esta característica, é a comunicação da imagem de um Jesus revolucionário cujo status e poder está sensivelmente em decadência face à reinvidicações de grupos com cosmovisões antagônicas as suas.

    O que indigna não é a prática em si, mas sim as premissas que sugerem legitimar a ação. Por que não chamar o ato de showmício gospel ou qualquer outro nome que dê o real sentido a coisa. Lógico que Não acredito que a simples mudança da nomenclatura possa mudar o caráter utilitarista do movimento. Mas quem sabe já significaria um avanço em termos de bom senso do povo cristão que insiste em desgastar cada dia mais a imagem do seu Senhor.

    Mas concordo com o Levi, As procissões católicas são bem organizadas!

    ResponderExcluir
  55. Provocador Edosn Noreda (rsrs) e Mestre Levi, e todos que participaram:


    Lendo os últimos comentários, nada mais tenho a dizer!

    Excelente!

    Obrigado a todos.......

    ResponderExcluir
  56. Que venha o próximo então...ou não. rss abraços

    ResponderExcluir
  57. VEjo mais fé no Sírio do que na Marcha. A Marcha é show, é descontração, alegria, alegria. Por esse lado, nada tenho a criticar. Como eu disse, este é o cristianismo evangélico dos nossos tempos. O Sírio tem um caráter mais devocional, mas os católicos também entraram no Show. O "Show espiritual" virou pop e o pop não poupa ninguém.(Engenheiros do Hawaii)

    O poder já deixou há muito, de ser profano nos meios evangélicos e católicos(aliás, no catolicismo ele nunca foi profano).

    Mirandinha, sinto lhe informar que você vai morrer e não vai ver seu desejo realizado. ESTE ANO O FLUSÃO É CAMPEÃO OUTRA VEZ!!!!! HUUUUUUU!!!!!!!!!!!!!!!!

    A Ma

    ResponderExcluir
  58. Edu.............. vou postar na segunda, pode ser?

    ResponderExcluir
  59. Edu meu caro,

    O nome da idiotice católica é CÍrio de Nazaré. Cheguei em Belém na sexta feira e estou saindo hoje para não jogar ovo podre na cabeça de imbecís que carregam vasos sanitários, melancias, muletas, maquetes de casas e barcos nos ombros. Aí vocês tem os preguiçosos mentais que adoram Vossa Senhora Aparecida. Nazica, Cida, Lia e Dajuda são as mesmas indivíduas."Indivíduas" pode?

    ResponderExcluir
  60. A marcha de hoje denominada trasladação para Nazaré contou com 1.400.000 fiéis sendo 7.000 agarrados à corda. O Círio de Nazarè é amanhã, e haja pato.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Muito bem vinda a sua intervenção, Miranda. Incorremos numa blasfêmia: trocamos indevidamente uma vela de cera acesa(Círio) por um fanático da Ásia Menor – um Sírio. Tudo a ver, ou não? (rsrs)

      Excluir
  61. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir