sexta-feira, 28 de setembro de 2012

Nota Zero em "Ética Cristã" para o Jesus dos Evangelhos



Por  Levi B. Santos



1.  Muito embora Jesus tenha denominado o Rei Herodes de “raposa” ─, não convém ao crente assim proceder. Devemos dispensar o melhor tratamento às autoridades, mesmo que elas tenham, às vezes, condutas irregulares e hipócritas. Está escrito: “Toda autoridade provém de Deus”.


2 . Muito embora Jesus tenha cognominado de “sepulcros caiados”, os homens da Lei que estavam sentados na cadeira de Moisés ─, não é conveniente ao cristão assim o fazer. A boa ética manda que o crente tenha sabedoria e controle emocional, a fim de que não caia na tentação de detratar as pessoas.


3 . Muito embora Jesus não tenha encontrado onde repousar a cabeça ─, não é conveniente ao crente está falando mal das autoridades religiosas que enriqueceram graças aos seus extraordinários dons. As mansões, os carrões, as chácaras e o mar de riquezas que essas autoridades possuem, foram frutos do seu honesto trabalho. Está escrito: “Todo obreiro é digno do seu salário”.


4. Muito embora Jesus em sua missão tenha ido buscar pessoas para serem discipuladas, “extra-muros” do Templo ─, não é de boa norma, o crente organizar grupos para o ensino da palavra por aí afora. O Templo é o único local adequado para esse fim. Está escrito: “Alegrei-me quando me disseram: vamos à casa do Senhor”.


5 . Muito embora Jesus tenha entrado no templo, armado de chicote para expulsar os poderosos que faziam da Casa de Deus uma “bolsa de valores” ─ não é conveniente ao crente de forma desastrada, assim se comportar. Está escrito: “Não é por força nem por violência, mas pelo meu Espírito, diz o Senhor”.


6 . Muito embora Jesus tenha reprovado os religiosos de sua época, por adorarem os primeiros lugares no templo ─, não é ético para o cristão assim proceder. Em todas as igrejas, é de praxe, que os primeiros assentos sejam destinados às autoridades eclesiásticas. Está escrito: “A quem honra, honra”.


7 . Muito embora Jesus não tenha tomado uma atitude enérgica, quando os discípulos seus, invadiram um roçado de milho alheio, para saciar a fome num dia consagrado ao descanso ─, não convém ao crente assim proceder. Mesmo estando faminto, não ouse tirar nada de alguém, sem plena autorização. Está escrito: “Pedi e dar-se-vos-á”. Portanto, basta dobrar os seus joelhos e orar.


8 . Muito embora Jesus não tenha respondido a pergunta de Pilatos, sobre “o que era a verdade” ─, não convém ao crente, deselegantemente, silenciar diante da pergunta feita por uma autoridade. Peça a Deus sabedoria e Ele porá a palavra certa em sua boca. Está escrito: “Se estes se calarem, até as pedras clamarão”.


9 . Muito embora Jesus tenha dito de forma pública, que os escribas e fariseus, apesar de serem dizimistas, negligenciavam o mais importante, como a justiça, a misericórdia e a fé ─, é atitude reprovável e contrária à ética, o cristão expor aos quatro cantos do mundo uma simples falta (perdoável) dos seus superiores, ainda mais, se eles estiverem sentados na cadeira de Moisés. Está escrito: “E o oferecerá com a oferta sobre o altar, e assim o sacerdote fará expiação por ele, e será limpo”.


10. Muito embora Jesus tenha se posicionado contra os fariseus que enfrentavam todo tipo de obstáculos para ganhar almas, ocasião em que os denominou de duas vezes filhos do inferno ─, não é de bom alvitre o crente tomar tão irredutível atitude. Está escrito: “Mas que importa? Contanto que Cristo de qualquer modo, seja anunciado, ou por pretexto, ou por verdade... .” (Filipenses 1: 18).



P.S.: Este Manual de Ética foi postado originariamente no "Ensaios & Prosas" em março de 2009 com o título  - "Dez Conselhos Legalistas Sobre Ética Cristã".

124 comentários:

  1. Assim sendo, todos os argumentos estão no Livro de Levi 1.1 - 10 kkkkkkkkkkkkk

    ResponderExcluir
  2. Guiomar

    Este código evangélico não é meu. Inspirei-me nos arautos da fé da atualidade.(rsrs)

    Você não acha que os artigos desse "famigerado" manual de ética cristã em que há sempre um versículo bíblico fundamentando a sua lógica, de tão humano, não está em conformidade com o que é pregado nos quatro cantos do mundo? (rsrs)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Levi, sinceramente eu tenho vivido em outro mundo evangélico. Acho que com gente mais aberta. rsrs

      Excluir
  3. Levi, q susto! rsrs...mas veja que o ideal que pintamos para nós enquanto crentes é tão inverossímil que nem o MODELO fez questão de cumpri-las. A verdade é que o sangue quente Jesus tinha e me parece que seus seguidores mas fieis o tinham também,vide Pedro e seu ímpeto. E os protestos dos primeiros protestantes destemidos,enfrentando fogueira e tudo mais, nem se parece com os cordeirinhos que nos tornamos, com medo de "tocar no Ungido do Senhor."

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Mari, ao meu ver isto depende muito do conhecimento bíblico do evangélico... Tenho vivido em um meio evangélico em que não escuto nem um item do manual que Levi apresentou, salvo algumas pessoas ignorantes com respeito a vida cristã.

      Excluir
  4. Caro Levi,

    Mesmo este Jesus herético não tendo existido, o Jesus histórico não infringiu a ética. Se não podemos equipara-lo ao Jesus Cristão, poderemos compara-lo ao Jesus do imaginário cristão. Quando os cristãos consubstanciaram Jesus a Deus como encarnação da mensagem do amor, o verbo, neste sentido se fez carne. Certamente o Jesus do evangelho de João era um grande defensor da espansão do interêsse moral. "Dou-vos um mandamento novo": Amai-vos uns aos outros. A Guiomar pira.
    A ética ou a moral e os bons costumes foram desnvolvidos por homens de bem, cristãos e outros altruistas. Mas isto não prova que suas idéias espirituais se materializem.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Edu e Mirandinha, como sou meio tapadinha, não entendi porque vocês acharam que eu iria pirar... kkkkkkkkkkkkkk

      Excluir
  5. Grande Levi isto está parecendo pegadinha do faustão....

    Já estava preparando minha metralhadora moralista hehehehehe

    Não tem como não concordar com estes preceitos e frases de Jesus. Em uma sociedade onde os valores foram invertidos estas ideias realmente confrontam com nossas verdades, e aqui dou minha mão mão para palmatória por ser um desses religiosos...

    Vou comentar mais até porque este assunto me interessa demasiadamente.

    Levi será que o Cristo que vivo pela minha fé é o mesmo dos evangelhos????

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Em tempo...

      O cara que está segurando no ponto de interrogação é o Marcelo Tas??? rsrsrs

      Excluir
  6. Eu acho parecido com Edir Macedo quando ainda não havia decidido ser partor.

    ResponderExcluir
  7. Gil

    Não há muita diferença de ôntem para hoje. Os métodos atuais são mais sutis, mas não deixa de ter o mesmo veneno.

    Pela "Ética Cristã" (entre aspas mesmo) o Jesus descrito pelos evangelistas, ao que me parece, hoje, seria espinafrado pelo mercado religioso - antigamente denominado Covil de Ladrões. Depois se diz que ele morreu por que "estava escrito...". Ora bolas!...

    ResponderExcluir
  8. Em minha vida de igrejeiro nunca vi, no meio religioso, alguém lê para si, o "violento capítulo de Mateus 23" o famoso "Ai de vós!..."

    Quando o protestante pregava o código de n° 2 do manual postado, era para atacar o católico, e vice versa.

    SIM ou NÃO confrades? - como sempre pergunta o Edir Macedo, no final de suas elucubrações.

    Será que o Russomano,lá em São Paulo, está usando esse tipo de manual? (rsrs)

    ResponderExcluir
  9. Miranda, Gil e Mariani


    O manual de “ética cristã” está igualzinho ao manual de “ética do congresso”, sem tirar nem por: Quem tiver mais astúcia, será recompensado com uma coroa de glória nos paraísos fiscais.
    Está escrito... (ou a Bíblia diz): ”Eu sou o teu Deus. Eu Te livrarei do laço passarinheiro!” (rsrs)

    ResponderExcluir
  10. Levi,

    Realmente é importante que o homem da atualidade seja "elegante" em todos os níveis de relacionamento, obedecendo o que reza a cartilha do politicamente correto.

    Mas no caso de Jesus, sua aspereza e broncas, como nas ocasiões supracitadas, foram de extrema felicidade e oportunidade. Não quero dizer com isso, que a pessoa que tem um padrão moral exemplar, possa se dar ao direito de sair "excomungando" o outro. Mas naquele contexto, nos seus entreveros, tanto com Pilatos, Herodes, Fariseus e demais religiosos que tinham a presunção de terem suas pílulas mais do que douradas, Nada melhor do que uma pitada de "politicamente incorreto" de Jesus. rsrs

    Abraços.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. O Código de Ética sempre é produzido por aqueles que estão numa posição superior. Segundo Moisés, os dez mandamentos foram lhes dado por Javé.

      Mas você não acha, Doni, que Jesus desmoralizou o Código de Ética da burguesia religiosa do seu tempo?
      A eficácia no controle dos exércitos de Javé, exigia dos fariseus um silenciamento sobre tudo que ferisse o que para eles era sagrado.

      Olhando bem, na verdade, quando o código de ética, cai, não é por força de uma conquista, mas por ele entrar em contradição com o individualismo que sustenta o sujeito dentro de uma sociedade.
      O historiador Peter Gay, em seu livro “O Coração Desvelado”, conta que desde o final do século XVIII os códigos de bons costumes e comportamentos foram editados para ensinar a maneira correta da plebe conviver com a elite pensante.

      Há dois mil anos o cristianismo vem tentando fundar uma ética baseada no amor desinteressado, mas o grande nó é que a paixão (em especial a religiosa) é antitética, ao pressupor o ódio contra aquele que invade o campo do outro.

      E por falar em amor não interesseiro, vejo uma contradição no apelo cristão, que é firmado no: “devo amar ao próximo para ser mais amado pelo Pai, por obediência a Ele e temor ao Juízo Final, quando se decidirá, entre os muitos que foram chamados, quais serão os escolhidos. .

      Não é assim, Guiomar? (rsrs)

      Excluir
    2. Levi, é real que Código de Ética TENHA que ser produzido por alguém que tenha cacife para tal, não anula, no entanto, o dever dos seguidores do Código, de conferir o que procede...

      Ainda que eu fale a língua dos homens e dos anjos, se não tiver amor, nada serei. Me conforta saber que Deus conhece profundamente o coração de cada individuo. "O amor não busca os seus próprios interesses.

      Excluir
  11. Caro Levi,

    O interlocutor no diálogo com Deus não é o indivíduo, mas a espécie humana. No meu modesto entendimento, não existe o eleito nem o excluído. Os desígnios de Deus, que é a base do propósito superior que rege a ordem ética e moral age de forma coletiva assim como sua providência se assim houve. ARREBATAMENTO É SINÔNIMO DE COLÁPSO OU ABDUÇÃO?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Você matou a charada, Miranda:
      Foi essa dimensão sagrada que regia a ordem ética e moral do tempo de Cristo, que terminou por levá-lo a morte por blasfêmia..

      Por isso, se diz no Mito Cristão, que Deus abandonou o seu filho a própria sorte.

      Na psicanálise se diz que o cristianismo representa a morte do Pai Todo Poderoso. Na medida em que o Pai se esvazia em seu Filho, o cristianismo se torna, de certa forma, ateísmo; entendendo por ateísmo - a morte do Pai ideal puro e ético.

      Excluir
    2. Depois de conviver com a espécie humana e conhecê-la perfeitamente, Jesus sentou-se à direita do Pai, que por certo RESSUSCITOU NO Filho, kkkkkkkkk e se colocou como um justo e ético ADVOGADO, desta espécie tão doente.

      Excluir
  12. É, Jesus era mesmo politicamente incorreto.

    A ética de Jesus não era a ética limpinha, legalista, base para o status quo da casta sacerdotal; Jesus metia mesmo o pé na barraca na ética sem alma (MIrandinha, por favor, entenda "alma" em sentido simbólico).

    Quando a ética da Lei mandava rigorosamente se honrar pai e mãe, Jesus perguntou à sua mãe: que tenho eu contigo, mulher? Minha família é quem faz a vontade de Deus...Quando a ética cristã chama Jesus de "príncipe da paz" ele diz com todas as letras que não tinha vindo trazer paz à terra e sim, espada. Quando o saba era a instituição mais importante do legalismo farisaico, Jesus não só deixava os discípulos roubarem a colheita de alguém (o que seria mais importante do que matar a fome de quem fome tem?) como fez isso num sábado...

    Ouvistes o que foi dito, eu porém vos digo...

    O Jesus bonitinho, loirinho, cordeirinho que nos fizeram engolir nunca existiu.

    Levi, texto irretocável.

    ResponderExcluir
  13. Excelente decálogo Mister Levi, só faltou mesmo Jesus (o 12° filho de deus com uma virgem) dizer:

    EM SUMA, FAÇAM O QUE EU DIGO, MAS JAMAIS FAÇAM O QUE EU FAÇO! rsrsrs

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. ANJA

      Você sabia que o que mais vende nas livrarias gospel, são os MANUAIS, mais ou menos como o tipo acima postado?

      As Licões Bíblicas da Escola Dominical da EBD e da CPAD, não me deixam mentir. (rsrs)

      Excluir
    2. Levi, eu frequentei EBD com professores que não usavam revistas, tinham cérebro para lecionar a bíblia com inteligência.

      Excluir
    3. Para ensinar lições bíblicas não precisa de cérebro.

      Excluir
    4. kkk Mirandinha e suas cutucadas! rsrs em partes, concordo, mas como disse, em parte! rsrs

      Excluir
    5. Mirandinha amargurado kkkkkkkkkkkkk precisa de cérebro e muita intimidade com o Espírito Santo de Deus, e é exatamente por negligenciarem esta intimidade que existem tantas distorções da verdade.

      Excluir
  14. E foram iludidos para sempre. Deram divindade a uma figura humana, copiam as virtudes de uma e ofuscam as deficiências da outra. Inventaram o proceeso e se recusam a entendê-lo.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Você, Miranda, como sempre, é o confrade das frases curtas mas contundentes por revelar verdades "inconvenientes".

      "Inventaram o processo e se recusam a entendê-lo" (rsrs)

      Excluir
  15. Mas o povão não está nem aí para Cristo. Diz um dos súditos do império de Javé aqui no Brasil:

    PARA QUE CRISTO AFINAL?

    ● Se eu tenho o “Manto Sagrado da Prosperidade” para tocar, e tal qual uma vara de condão, adquirir tudo de “bom” que existe na terra, além de transformar o meu saldo bancário de devedor em credor ─, para que Cristo afinal?

    ● Se eu tenho comigo o exército dos “Trezentos e dezoito”, que pelejam por mim ─, para que Cristo afinal?

    ● Se eu tenho a “Escada do Sucesso” para escalar e alcançar os píncaros da prosperidade financeira ─, para que Cristo afinal?

    ● Se eu tenho o “cajado de Moisés” para me fazer atravessar os “mares vermelhos” da vida ─, para que Cristo afinal?

    ● Se eu tenho a “água do Rio Jordão” para curar sarnas, lepras, psoríases e outras dermatoses de origem demoníaca ─, para que Cristo afinal?

    ● Se eu tenho o “Óleo do Jardim das Oliveiras” para curar as minhas cefaléias e depressões ─, para que Cristo afinal?

    ● Se eu tenho a “Rosa Ungida” para me trazer a paz de espírito ─, para que Cristo afinal?

    ●.Se eu tenho a água do “Mar da Galiléia” para usar como colírio, a fim de tirar a concupiscência dos olhos ─, para que Cristo afinal?

    ● Se eu tenho semanalmente a “Sessão do Descarrego”, que me limpa de todo o pecado ─, para que Cristo afinal?

    ● Se eu tenho, com uma simples contribuição monetária - o direito de participar da “Fogueira Santa de Israel” e receber instantaneamente tudo que almejar ─, para que Cristo afinal?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Levi, creio que o número dos que dispensam Cristo, está bem reduzido, porque estas "bençãos" que você citou, quem desfruta realmente delas, são apenas, os mercenários da fé.

      Excluir
    2. Esta de jogar tudo em cima de "mercenários" da fé, teologia da prosperidade, etc etc etc já está mais que sacada né Guiomar?

      Excluir
    3. Então, And me diga quem mais entre os incautos que seguem estes vendilhões da fé desfrutam de uma vida semelhante?

      Bom você voltar, estava sentindo sua falta. Abraço.

      Excluir
  16. Mas a pergunta do Gil está aí ainda em aberto:

    “... será que o Cristo que vivo pela minha fé é o mesmo dos evangelhos????”

    Quem toma desse cálice?^(rsrs)

    ResponderExcluir
  17. Caro Levi,

    O Cristo do Gilbrto é o mesmo dos evangelhos. Não existem Cristos individuais. O que pode estar acontecendo com nosso amigo Gilberto é a descoberta do inevitável, a realidade.

    ResponderExcluir
  18. Levi meu caro

    Na verdade esta pergunta tem um sentido duplo: Falo do Cristo histórico e do Cristo Mito.

    Mirandinha esta realidade entre viver o Cristo que construímos (os religiosos) e o Cristo real é sem dúvida alguma a maior contradição que os cristãos carregam.

    No curso que fiz intensivo de duas semanas consecutivas de quinze dias com uma irmã psicóloga nos meus 21 anos de vida (faz tempo) descobri o quanto meu cristianismo era convencional, hipócrita e irreal. Não que hoje seja muito diferente depois desta descoberta.

    Religião e realidade quase sempre acaba em indigestão. Ser de Deus com os pés no chão não é uma prática comum de nós os religiosos.

    MIRANDINHA e neste quisito eu hei de concordar com sua frase:

    "Inventaram o proceesso e se recusam a entendê-lo".

    Mas atire a primeira pedra quem gosta ou tem a coragem de viver a realidade?

    Quase sempre ou sempre (para não parecer tão radical) criamos ilusões para poder sobreviver.

    ResponderExcluir
  19. “Religião e realidade quase sempre acaba em indigestão. “ ( Gil)

    Gostei dessa sua frase.

    Ai é onde entra o questionamento que você faz a si mesmo: “Será que o Cristo que vivo pela minha fé é o mesmo dos evangelhos?”

    O Jesus dos evangelhos é indigesto, ou melhor, nos provoca indigestão, porque vai de encontro a nossa essência ou realidade utilitarista . Aprendemos do Judaísmo: “A noite tereis carne para comer e pela manhã estarei fartos de pão, para compreenderdes que eu sou o Senhor – teu Deus.. Quando os setenta anciões subiram a montanha com Moisés, viram Deus e tendo visto Deus, beberam e comeram até se fartarem.

    Já o Jesus dos evangelhos, um filósofo helenizado - se contrapunha a ótica obesa e utilitarista javeliana, ao dizer para os comilões: “quem comer desse pão não terá mais fome, e quem beber dessa água não terá mais sede”

    Javé era mais gástrico. Jesus era mais cerebral. Quem via o filho não via o pai (rsrs)

    ResponderExcluir
  20. Eu discordo do MIrandinha. Cada um tem sim, um Jesus só para si.

    Começa com as centenas de evangelhos que foram escritos, cada um deles com a visão do autor(ou autores) de quem foi Jesus; e até mesmo os 4 ditos sinópticos que em muito se assemelham, descrevem um Jesus diferente um dos outros. Aliás, essa é das questões pelas quais não acredito que Jesus tenha sido uma invenção de um grupo de gregos, pois se fosse assim, os evangelhos escritos por esse grupo seria coerente, sem contradições, "limpinho". No máximo, o Jesus inventado pelos gregos foi só mais um Jesus.

    Quem quiser vislumbrar um pouquinho do Jesus histórico, precisa fazer exatamente isso que o Levi fez: procurar aquelas passagens que são contraditórias com a "fé cristã", que causam indigestão nos que creem num Jesus que era Deus e por isso, era "santo, sem pecado e perfeito".

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. isso por que essas passagens indigestas para a turma que diz crer no "Jesus real"(filho de Deus, Deus em carne, morto, ressuscitado e assunto aos céus) sempre faz malabarismos exegéticos para explicá-las mas sempre sem muito sucesso. Eles precisam aprender que o "Jesus real da fé" não carece de explicação, apenas de identificação pessoal, subjetiva e de fé.

      Excluir
    2. Ou seja Eduardo: ilusões, concorda? rsrs

      Excluir
    3. Sua fala foi perfeita Edu e a anja a traduziu "angelicalmente": Não é preciso mais do que crer em ilusões para crer no Jesus real rsrs

      Excluir
    4. Acho And que você e a Roz entenderam mal o que Edu disse.

      o "Jesus real da fé" não carece de explicação, apenas de identificação pessoal, subjetiva e de fé.

      Lembrei do Agostinho: "Evangelize sempre, se necessário, use palavras." Entendi Edu?

      Excluir
  21. Às vezes eu também não refuto quando só existe uma seqüência de letrinhas.

    ResponderExcluir
  22. Levi, é exatamente assim! rsrs ("re-respondendo" resposta que vc deu ao meu comentário láaa em cima) rsrs as revistas do CPAD, JUERP, etc etc etc etc etc não nos deixam mentir.

    Agora das duas uma: ou a Guiomar frequenta uma igreja molecular lunar saturnense ou eu não conheço igrejas no Brasil!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Talvez você não conheça todas as igrejas do Brasil kkkkkkkkkkkkkk

      Excluir
    2. Basta conhecer o cerne Gu iomar, e este, penso eu que vc não conheça. rsrs

      Excluir
  23. Mirandinha, tacando esta tua fala no face e esperando as pedras, vamos ver no que dá! hahaha

    E foram iludidos para sempre. Deram divindade a uma figura humana, copiam as virtudes de uma e ofuscam as deficiências da outra. Inventaram o proceso e se recusam a entendê-lo.

    Mirandinha............. finish him! hahas erá que seria possível?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. opsss erro: será que seria possível? rsrs

      Mas penso que jamais!

      Excluir
    2. Se ao menos entendessem que projetam os seus conceitos morais na figura de um Deus.

      Se ao menos entendessem que tudo no coração que eles repudiam é projetado na figura de um ser diabólico.

      Em Jesus, retiraram toda a sua humanidade, como diz Feuerbach: retiraram toda sua essência ao fazerem dele um ser sobrehumano.

      Ainda bem que um estudo de um fragmento recém descoberto do século I, em língua coopta, vem confirmando que Jesus tinha esposa, tornando-o um humano como nós (rsrs).

      Infelizmente, esse fato, no imaginário do crente afasta o filho (Jesus) do Pai (Javé). Eles não admitem que o que consideram profano é o outro lado do sagrado.

      Que fazer, quando só querem ver um lado sem atentar para seu avesso?

      Excluir
    3. Eu não sabia que os não casados perdem seus direitos de serem humanos. Esta é notável. kkkkkkkkkkk

      Levi você não respondeu minhas réplicas...

      Excluir
  24. ERRATA:

    O fragmento de papiro em língua copta recém descoberto e examinado pela renomada historiadora e teóloga - Karen L. King - que traz referências a mulher de Jesus, é do século IV e não do século I (d.C)

    ResponderExcluir
  25. Levi, excelente texto e como disse o Edu e a Anja assinou em baixo: texto irretocável! rsrs

    Vou destacar partes de comentários que achei muito interessantes:

    não está em conformidade com o que é pregado nos quatro cantos do mundo (Levi) Sim Levi! Está em plena conformidade com tudo que é pregado nos 4 cantos do mundo! Voce soube expressar com maestria!

    sinceramente eu tenho vivido em outro mundo evangélico. Acho que com gente mais aberta. [...] Tenho vivido em um meio evangélico em que não escuto nem um item do manual (Guiomar) Guiomar, sinceramente, penso que vc é a única que conhece tal igreja gloriosa. Pra ser sincero, numa igreja destas, cristo é perfeitamente dispensável. E outra, eu desconheço uma EBD que não tenha material didático (revistinhas JUERP, CPAD, ECC, etc.) as que não tem é pq ainda são tão pqnas que não conseguem compra-las.

    será que o Cristo que vivo pela minha fé é o mesmo dos evangelhos? (Gilberto)

    Gilberto meu caro me responda meu caro: qual o Cristo vc vive pela sua fé?


    Levi, de novo vc foi perfeito em seu último comentário: "se ao menos entendessem"...

    Gostei demais do texto e dos comentários!

    Já ia me esquecendo, esta da Mariani foi a cereja do bolo: o ideal que pintamos para nós enquanto crentes é tão inverossímil que nem o MODELO fez questão de cumpri-las. a ela junto o arremate do Mirandinha: "Inventaram o processo e se recusam a entendê-lo" rsrs caramba, gostei demais e nem tenho muito a acrescentar.

    Mas Gilberto, quero muito poder ler sua resposta, muito embora vc já tenha respondido, mas será que tem algo mais a acrescentar? Se não, vou tentar mostrar o cristo que eu vivo pela minha fé, muito embora, creio que vc já saiba minha resposta né mesmo? rsrsr

    ResponderExcluir
  26. Levi,

    você poderia discorrer um pouco sobre o significado da "ilusão" em seu mentor, Freud...rs

    Gui,

    Se sua igreja é de fato como você a descreve, parabéns, você encontrou uma raridade.

    Mas sempre fica um dado histórico interessante: os primeiros cristãos cultuavam Jesus como uma divindade. O que os levou a tanto?

    Talvez a frase de Leonardo Boff nos dê uma pista:

    "De tão humano, só poderia mesmo ser Deus"

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. ou ainda: "Todo homem quer ser deus, só deus quis ser homem" Leonardo Boff (+- assim) rsrsrs

      Excluir
    2. And e Edu, eu frequentei por muito tempo a Ig Batista Missionária em Salvador, foi lá que conheci uma nova visão do evangelho, nosso professor o Dr. Márcio, mantinha uma classe lotada, diante de uma cultura e sabedoria invejável.

      Pertenci a Missão Peniel durante vinte anos, tivemos vários professores. Eu fazia questão de chegar bem antes de começar para sentar nos primeiros bancos e não perder uma palavra. Não preciso acrescentar nada.

      Como vocês sabem, meu histórico de igreja é vasto. Ouvi e vi muita coisa que fugia plenamente do evangelho de Cristo. Muita sujeira, politicagem, distorção da palavra, etc e tal, mas frequentei EBDS excelentes.

      And, apensar de gostar de igrejas pequenas, QUASE sempre pertenci a igrejas grandes.

      Preste atenção a minha fala: Tenho vivido em um meio evangélico em que não escuto nem um item do manual que Levi apresentou,SALVO algumas pessoas ignorantes com respeito a vida cristã.

      Excluir
  27. Tomás de Aquino, Agostinho, Erasmo, Tillich, etc...esses caras não tinham cérebro algum mesmo.

    ResponderExcluir
  28. Por isto se tornaram santos para os que também não os usam.

    ResponderExcluir
  29. será que o Cristo que vivo pela minha fé é o mesmo dos evangelhos? (Gilberto)

    Não! Gil... não é e nunca será. Quer viver (e ver) o Cristo da sua fé sem ter que mirar em livros ditos "sagrados" e em seu conteúdo contraditório?

    É fácil: se levante pela manhã e olhe o espelho de seu quarto e diga: ecce homo!

    (antecipei o And rsrs)

    ResponderExcluir
  30. O Cristo da minha fé é um desconhecido na medida em que o procuro ou que tento enquadrá-lo aos meus conceitos e ao mesmo tempo conhecido na medida que o experimento na opção que fiz em amar e acolher os que necessitam.

    ResponderExcluir
  31. Anja

    O espelho não mente, mas pode enganar. Todos somos reféns do nosso narcisismo e muitas queremos enxergar apenas o que nos agrada. E nesta questão a imagem refletida pode não ser a imagem que enxergamos. E nesta questão somos todos reféns sendo ateístas ou teístas.

    vide:

    http://noticias.terra.com.br/ciencia/interna/0,,OI3027806-EI8146,00.html

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Preferimos olhar no espelho de forma indireta e oblíqua, não?

      Excluir
    2. Este comentário foi removido pelo autor.

      Excluir
    3. rsrsrs Meu caro caro Gil, então se vc se deixa enganar por sua própria imagem, vou lhe dar um bom conselho:

      continue projetando sua imagem no cristo dos evangelhos.

      VC está certíssimo! Não são todos que podem olhar no espelho e verem-se como sendo o reflexo da imagem e semelhança de deus, o cristo. rsrs

      Excluir
    4. Só é enganado pelo espelho que quer ser engando por ele Gil, sejamos sinceros, vc discorda?

      Excluir
    5. errata: só é engando pelo espelho, quem quer ser engando por ele.

      Excluir
    6. Anderson meu mano todos nós achamos isso não é verdade?

      Excluir
    7. Se você se olhar no espelho e enxergar o Tiririca, seu espelho está distorcendo a imagem. Mas se você enxergar o Leonardo Dicáprio, seu espelho está mentindo. Você faz o seu espelho mentir ou distorcer sua imagem.

      Excluir
  32. O espelho não mente nem engana, o espelho distorce a imagem. O Diabo pode enxergar Deus no espelho ou vice verso. É só uma distorção de imagem se é que o etéreo reflete. He, he, he...

    ResponderExcluir
  33. Um artigo do frei Beto interessante no Deus que ele acredita: Ateísmo militante!

    http://amaivos.uol.com.br/amaivos09/noticia/noticia.asp?cod_Canal=53&cod_noticia=16233

    ResponderExcluir
  34. Levi meu mestre Bronzeado, magnífico seu texto. Recheado da ironia que até me fez lembrar Arnaldo Jabor. É nessas horas que eu gosto de ver um Crente fazer ginástica para contextualizar a passagem Bíblica. A literalização só é usada quando convém, quando as pegadinhas se apresentam o negócio é interpretação, ou seja, não tem jeito, o cara vai estar sempre certo. Já que é pra falar de discurso ético, o que dizer deste:

    ...Vendo Jesus a multidão, subiu ao monte; e depois de se ter sentado, aproximaram-se seus discípulos; e ele começou a ensiná-los, dizendo:

    "Bem-aventurados os humildes de espírito, porque deles é o Reino dos Céus.

    "Bem-aventurados os que choram, porque eles serão consolados.

    "Bem-aventurados os mansos, porque eles herdarão a Terra.

    "Bem-aventurados os que têm fome e sêde de justiça, porque eles serão fartos.

    "Bem-aventurados os misericordiosos, porque eles alcançarão misericórdia.

    "Bem-aventurados os limpos de coração, porque eles verão a Deus.

    "Bem-aventurados os pacificadores, porque eles serão chamados filhos de Deus.

    "Bem-aventurados os que têm sido perseguidos por causa da justiça, porque deles é o Reino dos Céus.

    "Bem-aventurados sois, quando vos injuriarem, vos perseguirem, e, mentindo, disserem todo o mal contra vós por minha causa. Alegrai-vos e exultai, porque grande é o vosso galardão nos Céus; pois assim perseguiram aos profetas que existiram antes de vós."...

    A inaplicabilidade desttes conselhos me assustam. Parece-me que o Messias nem estava falando com seres humanos dotados de sentimento e de razão. Sinceramente, se nós pudessemos levar à cabo esses ensinamentos, não precisaríamos de Deus, a Terra seria um perfeito paraíso e certamente ninguém anelaria o Céu.

    Tudo me parece um sonho, um sonho espelhado onde às vezes sonho que acordo no paraíso, e todo sofrimento, toda perseguição, toda afronta, toda fome, calúnia, lágrima e tristeza não passaram de um sonho. Então durmo novamente, e quando acordo estou de volta á minha existência pesada e sofrível, solitária e desamparada, me pergunto então se aquilo que sonhei não seria a realidade e este mundo na verdade é que é um sonho, e fico nesse jogo de espelhos por um bom tempo, sem conseguir saber qual dos dois sonhos é o mais real.

    Percebo que tudo está na imagem que meu cérebro concebeu, e logo vejo que tudo existe de fato, eu, Deus, Terra, paraíso, Tudo isso é possível, pois se no espaço eu passear, e procurar por trodos os lados, não encontrarei Deus, mas Ele está lá, assim como se abrirem o meu cérebro, podem vasculhar, mas não encontrarão um pensamento sequer, mas eles estão lá. Entenderam?

    ResponderExcluir
  35. "Sinceramente, se nós pudessemos levar à cabo esses ensinamentos, não precisaríamos de Deus, a Terra seria um perfeito paraíso e certamente ninguém anelaria o Céu."

    Ou porque teríamos Deus perfeitamente como Ele É?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Guiomar e Edson realmente a palavra é um espelho que distorce a imagem. Eu não tenho a mesma opinião e a mesma visão que o Edson Noreda se tivesse preferia ser ateu ou descrente.

      Porém hei de concordar com esta sua frase acima copiada pela GUI não dá pra negar o que não praticamos.

      A inaplicabilidade está ao meu ver muito mais na opção que fazemos do que no discurso de jesus.

      Excluir
    2. Gil, eu creio que esta perfeição seria o resultado de vivenciarmos Deus como Jesus ensinou. Basta o Sermão da Montanha", e tudo seria perfeito.

      Excluir
  36. Além do mais copiar é plágio e plágio é crime. O sermão da montanha que os crentes atribuem como autoria de Jesus foi um plágio das orações dos essênios escrito um século aC.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ai ai ai ai Mirandinha, me manda a fonte please!!!!! rsrs adoro ler estas pérolas (e investigar, é claro)

      Excluir
    2. Anja Arcanja,

      Manuscritos do Mar Morto. Muita coisa já foi publicada apesar da igreja haver proibido em 1950.

      Excluir
    3. MIrandinha, qual exatamente o livro dos MMM está registrada o "sermão do monte"? Eu entendo que Jesus apesar de não ter sido essênio, teve contato direto com eles e poderia de fato, ter tomado para si como norte de sua missão os ditos do Sermão

      Excluir
  37. Guiomar Barba,

    Voc~e falou uma coisa coerente.
    "Sinceramente, se nós pudessemos levar à cabo esses ensinamentos, não precisaríamos de Deus, a Terra seria um perfeito paraíso e certamente ninguém anelaria o Céu."
    Ética, princípios morais, compaixão, amor, perseverança e resignação independem de crenças, religiões ou fanatismos.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Esta frase não foi minha Mirandinha, aposto como você ficou pasmo kkkkkkkk Eu repliqeu o seguinte: "Ou porque teríamos Deus perfeitamente como Ele É?" mas prefiro: Ou estaríamos VIVENCIANDO Deus como exatamente Ele É?"

      Excluir
  38. Opa, opa Mirandinha, a frase que você atribuiu à Guiomar é minha tá?

    ResponderExcluir
  39. Um breve comentário sobre a frase no topo do Blog:

    Cabe sim ao crente provar que Deus existe, ora, não é ele que tenta a todo custo, seja o momento oportuno ou não, enfiar Deus goela abaixo dos próprios crentes, sim próprios crentes, pois, a um ateu não se prega o evangelho. O que mais vemos por aí é Evangelismo encima de evangelismo. Brasileiros saindo como missionários para os EUA, onde já se viu isso? Pastores se desdobrando sobre o pulpito tentando convencer o 'fiel' de que Deus é com ele. Trabalho de tolo na minha opinião. Mas quanto ao dizer que ainda estamos na metade do caminho, concordo, mas o fato de estarmos apenas na metade dele, não quer dizer que estejamos no caminho errado,não é?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Edson, jamais se sabe tudo... Será que Jesus ensinou demasiado para os discípulos?

      Excluir
  40. A "ética do monte" foi direcionada a seres humanos, sim. Ele e muito elevada, e de fato, o mundo seria outro se cada um de nós a tivesse como padrão de comportamento. Mas ele não é impossível de ser estabelecido como tal. Jesus mais do que ninguém soube admitir o lado sombrio da natureza humana dizendo que não tinha vindo julgar o mundo.

    A síntese da Ética do Monte é ter sede e fome de justiça, basicamente. Justiça era o ítem que mais faltava na palestina dos tempos de Jesus.

    Para se ter fome e sede de justiça não é preciso ser santo, basta ser humano pois qual de nós seríamos contra a justiça mesmo sendo pessoas ambíguas?

    ResponderExcluir
  41. Eu posso olhar para o espelho e dizer deus não está ali. Os fatores que me levam a dizer isso são diversos. O sermão da montanha então será impraticável.

    Eu posso olhar para o espelho e ver deus ali refletido. O sermão da montanha então será para os outros viverem.

    Eu posso olhar para o espelho e perguntar ao sujeito que está ali: O que você pode fazer para o mundo ser melhor. Então o sermão da montanha será uma ressonância daquilo que Jesus via em sua frente. E o que parece ser uma norma de conduta é na verdade uma constatação da onde o reino realmente acontece.

    Mas eu posso também quebrar o espelho pra nunca mais ver a imagem que reflete nele. E mentalizar uma imagem pela qual me acomodarei pelo resto da vida como absoluta e acabada em si mesma. A única diferença é que neste caso mesmo que ninguém saiba eu sei que ela foi criada por mim.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. E vc Gil, irá quebrar o espelho, ou virá (ou verá) viver? (muito embora eu saiba que vc viva) viver????

      Não é preciso quebrar o spelho Gil, é preciso apenas encara-lo sem reservas!

      Excluir
    2. Anja cada vez que eu encaro o espelho sem reservas eu vejo meu irmão que sofre e procuro reconstruir a cada tempo minha imagem desfocada.

      Eu sou tão covarde que não tenho coragem de quebrar o espelho e negar o meu eu que ali se reflete.

      Viver a vida pra mim seria um absurdo se minha subjetividade fosse desfocada da objetividade de um valor concreto, aquele valor no qual eu possa dizer: "valeu a pena viver". e pra isso como já disse aqui parafraseando o poeta é preciso não ter alma pequena.

      Excluir
  42. Provocador, eu sei q acredito em Deus e estou confortável com o que creio, naõ me apavora, não me limita e eu não faço o menor esforço para convencer as pessoas que Deus existe. Agora, se alguém estiver disposto a me fazer a prova da inexistência de Deus, eu estou aberta para verificar as provas contando que sejam provas absolutas, irrefutáveis pois caso contrário não vejo razão de mudar de lado, pois pra mim crer e descrer é muito parecido, subjetivo...
    Quanto aos pastores que pregam por aí, eles têm seus motivos, sua fé que é diferente da minha. Eles não me convenceram por muito tempo, mas não os desprezo.
    Acho q foi isso q quis dizer, quem acusa tem o ônus da prova.
    Um abração!!

    ResponderExcluir
  43. Provocador,

    Deus é um tema que pode ser abordado tanto pela via religiosa, como teológica, como filosófica. O Deus dos filósofos, abordado pela razão, é necessário para explicar a inteligência e os mecanismos biológicos que nunca poderiam ter sido formados ao acaso burro como o DNA; é o Absoluto; É a própria Natureza inteligente. Esse Deus não é Javé nem Zeus, é um conceito racional. O Deus da teologia é baseado em crenças doutrinárias, base para a fé. E o Deus da religião antes de ser pensado é sentido, traz conforto para a vida de quem crê, numa relação de pura dependência(Pai-filho). Nenhum desses "três Deuses" pode ser provado pelo método científico (mas até aí, nada demais, o problema não está em Deus, está no método científico que é restrito).

    Logo, não se pode querer provar Deus pela via científica, mas isso não quer dizer que ele não exista. Quem pode provar o Existencialismo pela via científica? Deus é a mesma coisa - um conceito filosófico como explicação do absurdo da existência, ou ele próprio, sendo essa existência "absurda"(absurda aqui no sentido de ser inconcebível pela via acidental).

    O Deus da fé e da teologia, esse mesmo que não carece de prova. A "prova" que ele existe são os bilhões de pessoas que possuem uma relação sentimental(e de fé) com ele e a prova que ele não existe são os muitos ateus que existem e que não são capazes de "senti-lo" e nem de ter uma relação de dependência com ele(apesar de que, a grande maioria dos ateus já tiveram tal relação no passado)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. só como complemento, esse Deus dos filósofos, é o Deus de Descartes, de Espinoza, de Einstein e outros. Esse Deus dos teólogos é o Deus de Barth, de Agostinho, de Bultmann, e outros; o Deus dos religião é o Deus de Madre Tereza, de Gandhi, (e de tantos outros não tão virtuosos como estes dois).

      Excluir
  44. putz, esse tal de Gilberto

    é um cabra muito bom; inteligente, perspicaz, universalista, engajado em causas sociais... uma síntese de como fé e razão devem se equilibrar de forma não neurótica, não absolutista, nem fideísta e nem pretensiosa.

    Esse teu último comentário, GIL, merece ir para o destaque da hora.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Chefe mor rsrsrsrs eu sou um aluno de todos aqui. Tenho aprendido muito.

      Excluir
  45. Caros confrades


    Bom é ver a “Igreja Logos e Mithos” cheia. Pena que os membros, Rodrigo e Franklin, não estejam comparecendo a nossa “escola dominical”. (rsrs)

    ResponderExcluir
  46. Paradoxos dos paradoxos:

    Interessante é saber que a fé do crente que o leva a imaginar um Deus que o protege e guarda das ciladas do diabo, ela mesmo parece negar que Cristo foi um homem.

    Ora o que caracteriza o homem é justamente compreender que o seu humanismo é composto de virtudes e defeitos. O cristão, pela fé nega esse mesmo Cristo ao não admitir (mecanismo de defesa) que Ele não teve vontade de chutar o balde, não teve dúvidas, que não errou, que não deu suas mancadas e seus escorregões.

    Os primitivos seguidores dessa fé eram homens que, devido à sua situação de vida, estavam imbuídos de ódio aos seus governantes e de esperança e de felicidade com um reino terreno de justiça e paz. Com Jesus não deve ter sido diferente.

    O reforço dualista utópico de um céu para os “bons” e um inferno para os “maus” fora da psique humana, como fez Montano no século II, afastou os cristãos de suas relações sociais para estabelecer à parte do mundo, uma comunidade que devia preparar-se para a descida na “Nova Jerusalém Superior”.

    Chegamos aqui ao problema principal e central que desembocou na ideia de transformar um homem em Deus: infelizmente uma fuga, porque em submissão a uma autoridade imaginária renunciam a capacidade de pensar. Por trás de tudo isso está o interesse num paraíso utópico. Por isso que Freud dizia que a religião de um Deus antropomórfico entronizado na imaginação do cristão era uma ilusão.

    Quanto mais as coisas pioram, mais o cristão se sente mais perto de sua vitória. Um exemplo, que é comum no religioso ocidental, é admitir que os cataclismos e outros fenômenos da natureza são castigos divinos. A cada hecatombe, o fiel, ao invés de somar com as mãos para encontrar um remédio que amenize a força da natureza, apenas as levanta para os céus clamando: “ORA VEM SENHOR JESUS!!!

    ResponderExcluir
  47. Gil querido, acho que meu comentário ficou meio truncado e confuso, deixa eu refaze-lo aqui ok (comentei as pressas e nem revi)?

    e vc Gil? Irá quebrar o espelho ou virá viver?

    Não é necessário quebrar o espelho e mentalizarmos (ou projetarmos num cristo) a imagem que queremos.

    E agora, falando sobre tua resposta Gil: Se vc quebrar o espelho, aí sim pra mim vc estaria sendo covarde!!!!!

    Resumindo: Não projete sua imagem num cristo, mas veja o que seu reflexo reflete. É de fato, isto que importa. Como disse o Anderson, só é engando pelo espelho quem quer e este, não é teu caso.

    Quem quebra o espelho, teme a realidade e não quer encara-la.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Gil, curto muitooo mas muito mesmo vc!!!

      Excluir
    2. Eu não quebro espelhos e não me valho de imagens para "ofuscar" a minha! Vivo minha realidade, sou o que sou; sem reservas e sem pecados. Não faço o que me dá na telha (só as vezes), mas vejo no espelho, minha imagem, meu deus, meu cristo...

      O que vem depois disto, é apenas consequência.....

      E o que vem depois? Apenas responsabilidade social??? Não! Mas quando encaro sem reservas o espelho, o conjunto da obra só me permite ver o pacote completo!

      É assim que vejo, é assim que vivo e é assim que sou!!!

      Excluir
    3. ahhh Mas uma coisa é verdade também viu Gil e Edu: também vejo no espelho o quanto eu sou linda, formosa e sapeca, ao contrário do que aquele seu amigo advogado do Caio disse viu Edu.......... hahaha

      Esta foi pra relaxar!!! Num resisti! rsrsrs

      Excluir
    4. tá certo anjinha também te curto pacas rsrsrs Gostei da sua frase:

      E o que vem depois? Apenas responsabilidade social??? Não! Mas quando encaro sem reservas o espelho, o conjunto da obra só me permite ver o pacote completo!

      Tenho pensado muito em minha vida neste sentido e preciso melhorar andei meio desequilibrado com minhas ações.

      Excluir
    5. Quanto à sua resposta posterior aprovo cem por cento:

      Mas uma coisa é verdade também viu Gil e Edu: também vejo no espelho o quanto eu sou linda, formosa e sapeca, ao contrário do que aquele seu amigo advogado do Caio disse viu Edu.......... hahaha

      o advogado deve ter problemas na vista kkkk

      Excluir
    6. hahaha o brigada Gil............

      Excluir
  48. Durante os concílios da igreja cristã teve-se que brigar muito contra a tendência gnóstica de pensar que Jesus não foi verdadeiramente homem. Mas o nó na questão ocorreu quando decretaram que ele era também "verdadeiro Deus".

    Se decretassem que ele era divino, ficaria melhor.

    Muito bem observado que os judeus do primeiro século viviam na expectativa messiânica onde Deus viria restabelecer o reino de Israel e implantar o reino de justiça, o Reino de Deus.

    Quando eu era criança, Levi, muito ouvi de que o mundo iria sempre ficar pior e pior (o que de certa forma está mesmo acontecendo) e por isso, não adiantava os homens trabalharem para um mundo melhor, pois a vinda de Jesus estava condicionada exatamente às manifestações dos "sinais" de sua vinda, ou seja, o caos galopante.

    Essa ideia fez com que muita gente cruzasse os braços e ficasse vendo o circo pegar fogo. Ainda bem que depois os amilenistas começaram a criticar tal atitude.

    ResponderExcluir
  49. A mente humana sofre mudanças dependendo do estado em que se encontre o possuidor dela. Quando o humano está bem consigo mesmo, dificilmente ele procurará uma religião onde possa encontrar a Deus. Ele dança, ele trabalha , lê um livro, se diverte com bobagens do cotidiano, assiste filmes, pratica esportes, enfim, uma infiunidade de ocupações ele encontra, menos a religião .

    Quando está melancólico e abatido (e não for um existencialista), tudo o que para fazer é meditar sobre os terrores do mundo sobrenatural, e mergulhar maisfundo ainda no sofrimento. Pode realmente acontecer que, após ter se entregue profundamente as opiniões religiosas no seu pensamento e imaginação, ocorra uma melhora da saúde ou das circunstâncias, que restaure o seu bom humor, deixando-o animado para o futuro, antes incerto, agora, com areligião, certo.

    Ele deverá então, se for honesto, admitir que se a religião tem uma base de construção, esta é o terror que aflige o homem, e ele tem apenas pequenos intervalos de tranquilidade, pois a religião necessita da dor para que mais e mais adeptos a recebam.

    Este é um pensamento moderno, arrojado, existencial, o que difere de muitos pensamenos nesta confraria. É muito legal estudarmos a passado da religião, mas e quanto ao presente? O que dizer do agora? Foi tudo muito bonito o que Jesus fez, mas também Sócrates o fez, e nem por isso consideramos hoje todos os seus pensamenos certos, pelo contrário, podemos até encontrar afirmações que o deixaria envergonhado hoje. Ora, ele também dizia que ouvia uma vóz que era maior que ele. Também incomodava os cidadãos de sua cidade, assim como Jesus. Também teve um julgamento injusto, e assim como Jesus, também preferiu a morte a negar seus ideais.

    Jesus é um mito, Sócrates é um mito menor, o como todo mito, cada vez que se fala dele, mais glamour colocamos em sua história. Mas estão no passado, e quando o presente lhes afronta, ficam deslocados. A ética que não conseguimos praticar não é divina, pelo contrário, é bem humana, assim como totalmente humano foi Jesus.

    ResponderExcluir
  50. Provocador,

    Jesus concordaria com você, já que ele disse que tinha vindo para os "doentes"(de corpo e de alma) e não para os sãos.

    Sem dúvida temos que pensar também a religião hoje, mas sem esquecer que somos frutos desse passado. O passado está grudado em nossa visão de mundo hoje. Sócrates ouvia seu daimon, Jesus falava com seu Deus, hoje falamos de uma "voz interior", de percepção, de intuição.

    Provocador, estou gostando muito da sua participação ativa aqui na nossa seita. Quer cantar um hino??

    heeeee

    ResponderExcluir
  51. Deus, Jesus, voz interior, intuição, percepção...

    Edu

    O culto foi muito produtivo. Até trouxe ao púlpito membros que estavam ausentes(rsrs). Acho que tá na hora de sapecar um daqueles saudosos hinos. (rsrs)

    ResponderExcluir
  52. Saudosos hinos nada! rsrs eu ainda nem ostei e nem o Anderson e nem o Edson ............ nem...... rsrsrs

    ResponderExcluir
  53. E então gente?! Quem é que posta agora? Anderson, Anja ou Eu? Vamos lá, quero aplicar todo o metodismo que prometi a Anja. Estive ausente por algum tempo, mas estou de volta. Totalmente "reconfigurado", mas sempre com acidez na ponta da língua. Não é possível que nós não possamos chegar num nível mais alto de conhecimento, com tantas feras que temos aqui. Este espaço é para mais perguntas que respostas, e acredito que ninguém aqui está muito interessado em respostas fechadas sobre nossa existência, porque se tiver...tá por fora.

    O interesse em saber por que existimos, não é um interesse "casual", como colecionar figurinhas da copa do mundo, ou moedas, ou selos por exemplo. Quem se interessa pelos assuntos que discutimos aqui, toca num assunto que vem sendo discutido pelo homem praticamente desde quando passamos a 'habitar este planetinha"

    Os assuntos tratados aqui (e o Edu vai concordar comigo) tem como intuito, quebrar muitas superstições que rodeiam nossas vidas, mostrando com muitas situações não tem uma relação de causa e efeito entre elas, como alguns imaginam. A Teologia e a Filosofia aqui aplicadas, acredito, tem como fundamento advertir os leitores e debatedores quantos aos perigos das conclusões precipitadas, porque sabemos que as conclusões precipitadas podem levar a muitas formas de superstição.

    O Provocador

    ResponderExcluir
  54. falou bonito, provocador, assino embaixo.

    ResponderExcluir
  55. Falha na comunicação. Havia postado, mas acertadamente a Guiomar puxou minha orelha, pois não era minha vez, portanto, espero a postagem da Mariani Lima.

    ResponderExcluir
  56. Esquenta não Gilberto, em outro momento eu posto.

    ResponderExcluir