terça-feira, 12 de junho de 2012





                                                 AMOR OU FALÁCIA?

“Entraram em Cafarnaum e, logo no sábado, foram à sinagoga. E ali Ele ensinava. Estavam espantados com o seu ensinamento, pois Ele os ensinava como quem tem autoridade e não como os escribas.” (Marcos 1.21).

“Os escribas e fariseus estão sentados na cátedra de Moisés. Portanto, fazei e observai tudo quanto vos disserem. Mas não imiteis suas ações, pois dizem, mas não fazem. Amarram fardos pesados e os põem sobre os ombros dos homens, mas eles mesmos nem com um dedo se dispõem a movê-los...” disse Jesus (Mateus 23.4).

São muitos os que hoje têm abandonado suas igrejas, por não suportarem o cheiro das águas pelas quais elas têm navegado. Mas, entendemos que apesar de Jesus estar sempre em contato com os mestres das sinagogas, ouvindo-os e conhecendo o proceder deles, não foi fator determinante para que o Mestre abandonasse as  sinagogas ao sabor de ensinamentos dos fariseus e escribas. Tolerante, Ele “suportava” a presença dos escribas e fariseus hipócritas, dos mestres inadequados, sentado entre eles numa postura educada. E talvez por esta mesma disposição Ele fosse convidado a ministrar nas sinagogas. Quanto ao povo, estes reconhecia que Ele ensinava com autoridade.

Nas suas ministrações Jesus não se esquivava de falar com verdade, Ele não tratava de agradar aos ouvintes e muito menos a castas privilegiadas. Ele não incorreu no mesmo desacerto de muitos teólogos e pregadores de hoje, que como diz um artigo da Ultimato: “Por não suportarem a pressão, estão atendendo ao clamor das multidões. Quando não se omitem, pregam “outro evangelho”. Tornam-se assim, corresponsáveis pela brecha cada vez maior que provocará a queda do muro de proteção da felicidade.” (Parafraseado por mim).

Se Jesus houvesse abandonado as sinagogas, não teria visto o tamanho do fardo que os fariseus e escribas estavam pondo sobre os ombros dos homens, por consequência não haveria apresentado seu fardo leve e o seu jugo suave. Não teria ouvido o clamor dos aflitos. A mulher recurvada há dezoito anos sob o peso de uma enfermidade espiritual permaneceria olhando apenas o chão, em nome da pressão teológica dos fariseus e herodianos. O homem da mão atrofiada, não teria recebido a sua cura. Não teria sido expelido o espírito impuro de um homem que vivia atormentado. E foi também no templo que Ele pronunciou um duro discurso: “Guardai-vos dos escribas que gostam de circular de toga, de ser saudado nas praças públicas, e de ocupar os primeiros lugares nas sinagogas e os lugares de honra nos banquetes; mas devoram a casa das viúvas e simulam fazer longas preces. Esses receberão condenação mais severa”.

Foi na sinagoga que Ele, oportunamente, chamou apenas os seus discípulos e ensinou sobre o ofertório, tomando como exemplo a doação da viúva pobre que deu tudo quanto tinha, enquanto os outros davam do que lhes sobrava.

Jesus convocou os doze discípulos e ensinou-lhes através da sua própria vida, a não amoldarem-se às influências do seu século, mas fazerem diferença, sendo sal e luz em um mundo insalubre e trevoso.

Infelizmente, no contexto atual, a igreja tem sofrido demolições, principalmente por parte daqueles que deveriam apascentá-la em pastos verdes e águas tranquilas, à exemplo do Sumo Pastor – Jesus.

Mesmo considerando toda a panaceia criada por falsos mestres, que confunde ovelhas, desgarra outras e mata inúmeras, acreditamos que O grande Mestre não abandonou as igrejas, embora a sua presença não impeça que estes destilem seus dogmas. À semelhança do barco, Jesus está presente.

“A presença do Senhor ali naquele barco não impediu que o céu se escurecesse tornando a noite mais trevosa; nem que o vento viesse rugindo transformar a quietude das águas em ondas furiosas e bramantes, arremessando-se sobre o barco, ameaçando naufragá-lo. Parece que forças infernais se abatiam ali para surpreender o Messias num momento de sono repousante. Vê-Lo afogar-se nas águas que Ele próprio criara, poderia ser uma alta vitória infernal.” (Pr. e teólogo Renê Pereira Feitosa).

Também sou daquelas que creem que a Igreja (invisível) antecede e transcende a História. Se isto é fundamentalismo, não abdicarei dele. Mas jamais quero esquecer que a Pedra Fundamental viveu o amor em toda a sua plenitude. O que não for fruto do amor é apenas falácia.

Por Guiomar Barba.  











149 comentários:

  1. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  2. Gui,

    1° - o que é pra vc amor?

    2° - muitos abandonam a igreja (barco) não pelas águas que as mesmas navegam, mas pelo próprio barco estar cheio de comida e bebida (dogmatização do verbo) estragadas e mal cheirosas. Muitos não tem como suportar e preferem cair no mar, onde a verdadeira SEGURANÇA.

    ResponderExcluir
  3. Bom Anjinha, ao meu ver, seja qual for o barco, sempre que houver gente nele, haverá comida e bebida com o fermento dos fariseus. Portanto, estragadas e mal cheirosas. O importante é que haverá também, o grupo que levará comidas frescas e de sabor agradável.

    ResponderExcluir
  4. Amar é fazer com os outros aquilo que queremos que façam conosco.

    Amar é dar independente do que recebemos.

    Impossível definir o amor, mas podemos citar algumas características de quem realmente ama.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. 10 motivos do porque eu odeio a igreja institucional.

      1- Eu odeio a igreja instituição porque deixou de ser um lugar de pessoas, as pessoas são objeto secundário gerador de capital dentro de toda uma máquina que movimenta milhões em dinheiro sem pagar impostos.

      2- Eu odeio a igreja instituição porque ela perverte a verdadeira mensagem contida nas palavras do Cristo. Ela transforma em dogmas e lei tudo que é natural na vida dos discípulos de Cristo, sistematizando a mensagem provocando um empacotamento, a fim de torná-la uma maquina de benesses e lucro.

      3- Eu odeio a igreja instituição porque ela se tornou um ambiente propício para os profissionais da religião perpetuarem na vagabundagem. Ela incentiva a proliferação de pregadores, pastores, padres, apóstolos, cantores, capelães, que mercantilizam e desvirtuam a mensagem em busca de seu próprio benefício.

      4- Eu odeio a igreja instituição porque ela incentiva a ignorância, tratando o academismo como pecado. Com esta atitude ela priva as pessoas muitas vezes de estudar, alegando questões banais como doutrinas, perda de fé ou dias de culto. Ela coloca os ministérios acima das profissões estabelecendo uma dicotomia nas profissões em sacras e profanas.

      5- Eu odeio a igreja instituição porque ela tem problemas gravíssimos com sexo, criminalizando e segregando pessoas por questões de sexualidade. Por vezes ela marginaliza os indivíduos por suas leis internas chegando a interferir na sexualidade dos casais os enchendo com culpa. Fato este que ao invés de gerar pessoas saudáveis, acaba por acender uma geração de pervertidos que não respeitam os próprios corpos. Em contrapartida nunca se propõem a aceitar e ajudar estas pessoas com a sua sexualidade.

      6- Eu odeio a igreja instituição porque ela não aceita a crítica. A igreja instituição não é um lugar aberto aos debates e discordâncias. Cada uma mantém o seu próprio sistema de regras e dogmas, nunca abrindo mão para discuti-los de forma direta e consistente.

      7- Eu odeio a igreja instituição porque cada uma delas se identifica como portadora da verdade absoluta, não levando em conta que em séculos, varias doutrinas básicas do cristianismo foram derrubadas pelos próprios cristãos. Dentre elas cito: fora da igreja não há salvação.

      8- Eu odeio a igreja instituição porque ela não admite e nem aceita os abusos cometidos em nome do cristianismo. A começar pelas estruturas políticas fomentadas pelo catolicismo, calvinismo e luteranismo, que no passado mataram e mandaram matar. “Vide a história se duvidam...”

      9- Eu odeio a igreja instituição porque ela evoca para si o papel das causas sociais, mas nunca assumi que se usa destes meios de forma proselitista. A prova disso é que a cada pedaço de pão que é oferecido, é precedido de um “aceita Jesus?” Pura barganha, mascarada como boa ação, o verdadeiro amor se doa e não pede direitos.

      10- Eu odeio a igreja instituição porque ela tenta se posicionar como detentora das portas do céu e do inferno. Arrogantemente se porta de forma indiscriminada, e sai por ai definindo as pessoas por religião, práticas, comidas, gostos, músicas, alegando saber o que Deus odeia ou ama, e com isso tenta definir os que têm direito ao céu e ao inferno. Sendo que a bíblia adverte para não definirmos quem vai ou não para o paraíso e inferno. (Romanos 10:6-7)

      Leandro Barbosa (um amigo de longas datas, tomo para mim as palavras dele)

      Excluir
    2. Se eu fosse enumerar seria esta a base, mas claro que não seria um decálogo, me satisfaria com 20 ou 30 talvez rsrs

      Excluir
    3. Sua fala sobre o amor, eu concordo, mas então fica uma pegunta: para amar é preciso estar na igreja, pois se não estivermos é falácia?

      Excluir
  5. Anjinha vou responder agora a pergunta, depois comento os comentários. Para amar não é necessário estar em uma igreja, mas é necessário amor para amar a igreja.

    ResponderExcluir
  6. Mas porque eu preciso amar uma instituição que só me fez, faz e fará (ou faria) mal?

    ResponderExcluir
  7. "Amor" e ódio estão próximos aqui nos primeiros comentários à postagem da Guiomar (rsrs)

    Na ambivalência humana coexistem os sentimentos de amor e ódio. Como fugir do antagonismo entre amor e ódio, uma vez que o ódio é desejar se desligar do objeto, ao passo que o "amor" é querer manter essa ligação?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Se amar é querer se manter ligado a uma instituição que lhe faz mal (ter amor a uma instituição e não amar a vc mesmo), o ódio não seria ter amor próprio, desligando-se por completo daquilo que lhe faz mal (ou lhe causa dor)? rsrsrs

      Excluir
    2. A resposta que dei a Levi, atende a sua pergunta. rsrs

      Excluir
  8. Você foi extremamente feliz, ao considerar que a presença de Jesus em sua igreja, não impede que homens imperfeitos destilem seus dogmas e concepções próprias de espiritualidade.

    Bom seria se a vida fosse perfeita, que nossa família fosse perfeita, que a igreja fosse imaculada, enfim, um mundo, onde tudo transitasse entre o ideal e o perfeito.
    Como disse Fernando Pessoa, “Adoramos a perfeição, porque não a podemos ter; repugná-la-íamos, se a tivéssemos. O perfeito é desumano, porque o humano é imperfeito.

    Em nenhum momento Jesus idealizou uma igreja perfeita, mas sim uma comunidade que fosse constantemente alvo de sua graça. Mas devido aos nosso maniqueísmo erroneamente almejamos ou imaginamos uma igreja surreal.

    E ao perdermos esta compreensão da realidade, passamos a esperar das pessoas que formam a igreja, muito mais do que de fato podemos esperar delas, entretanto, não atentamos para o fato de que isso revela que não somente nossa expectativa encontra-se disfuncional, mas também a própria visão que temos de nós mesmos.

    Na verdade, com isso queremos dizer que somos bons demais para estarmos numa igreja tão imperfeita. Passamos então a formular uma lista de decepções que tivemos para justificar nossa aversão e não envolvimento com qualquer comunidade que se denomine cristã. Apenas esquecemos de ponderar na lista as contradições e erros que marcam nossas próprias vidas.

    Na postagem anterior coloquei num comentário, a igreja, que no meu ponto de vista, seria a dos sonhos, a igreja improvável, que nunca nem jamais existirá, igual o país das maravilhas de Alice, que só existe nos contos de Fadas. Porém, se a igreja dos sonhos viesse a se tornar uma realidade histórica, nem igreja seria, pois a igreja é constituída exatamente de pessoas imperfeitas que na tentativa de acertar acaba realçando ainda mais sua própria indignidade.

    Abraços.

    ResponderExcluir
  9. Gui

    Um texto interessante para questionarmos! Parabéns!

    Gui apesar de Jesus entrar nas sinagogas e ir ao Templo vejo que isso não era uma rotina na vida dele. Jesus me parece que preferia estar no meio do povo em em especial no meios dos enfermos, dos desprezados e dos que excluídos da igreja. Suas pregações e oratórias aconteciam quase sempre ao relento.

    Também me parece que Jesus não queria que se construísse templos ou institucionalizar uma religião. Suas palavras e atos demonstram alguém que não veio para acabar com o judaísmo e sim aprimorar segundo ele as leis. É isso ou estou enganado?

    Queridos e queridas:

    Há uma diferença entre Religião, Instituição e Igreja?

    ResponderExcluir
  10. Doni, em momento algum JC idealizou igreja alguma! Esta não era a meta Dele, pois se fosse, ele seria o mais bem sucedido dos empresários presidente da grande empresa "caminhos para o céu" (vulgo igreja)! rsrs

    Gil, perfeita sua colocação, e sua pergunta, esplêndida! Pois, na minha opinião, há sim diferença e muitaaaaa, mas gostaria de ouvir o que a Gui pensa a respeito.

    Confrades, acabo de postar um novo texto no meu blog falando sobre o Transtorno da excitação genital persistente TEGP, mau que me persegue desde minha juventude, recomendo a todos que leiam e podem comentar, perguntar o que quiserem Bjux... segue o link:

    http://omundodaanja.blogspot.com.br/2012/06/transtorno-da-excitacao-genital.html

    ResponderExcluir
  11. Guio, seu texto está porreta!! Gostei demais e olha que bom que Jesus esteve e está na igreja e bom que ele tb tenha estado e ainda esteja fora dela. Como disse o Donizete de maneira imbatível,igreja é lugar de imperfeição mesmo. Não devemos apedrejá-la e nem endeusá-la entendo que alguns precisam dela e se beneficiam da comunidade e outros não,e nesse parte eu acho que o respeito e a certeza de que Deus está agindo livremente em cada vida pode ser o caminho da tolerância.
    Beijins minha linda amiga!!!Deus te abençoe sempre nessa sua missão linda de conduzir as pessoas ao amor de Deus e a vida em comunidade.

    ResponderExcluir
  12. Anja, minha linda! Já estive em seu blog e li o seu texto. Se a igreja (instituição)fosse algo além de uma comunidade estaria á frente da sociedade e saberia acolher o diferente,mas a igreja (instituição)é um amontoado de gente de todo tipo querendo ser acolhido,ter comunhão,tocar o sagrado e se tudo der certo e ir para o céu.
    Beijins...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada Mari lindona! Viu só? Depois que estivemos conversando, resolvi escrever este artigo, pois penso que se for bem divulgado, pode ajudar a muitas mulheres que sofrem deste distúrbio. por favor Mari ( e todos os confrades) ajudem a compartilhar aos 4 ventos (rsrs)

      Mas mari, em relação ao seu comment, a igreja (instituição) não pensa exatamente o contrário? PENSA SER UM AJUNTAMENTO DE PESSOAS SANTAS QUE TEM EM MÃOS O CONTROLE DA VONTADE DE DEUS?

      Excluir
  13. A igreja pensa que é o que não é. Basta ficarmos um mês nos bastidores para entendermos a sua humanidade. Quem quer ver a igreja como santa,não pode fazer parte d nenhuma atividade por detrás das cortinas do púlpito. O choque de realidade pode ser bom ou ruim, vai depender da expectativa, de quem somos,o que buscamos, o que suportamos e que tipo de humanos encontraremos por lá rsrs... Mas isso não quer dizer que Deus não esteja atuando nesse ambiente.Os discípulos eram humanos, Davi foi humano e receberam a ação de Deus,mas para mim o que não dá mesmo é as pessoas acharem que a igreja é a chave do céu e quem não cabe nela merece viver a ETERNIDADE QUEIMANDO NO MÁRMORE rsrs.Isso para mim é o mais complicado de tudo.

    ResponderExcluir
  14. Anja,

    É verdade que Jesus não deixou uma igreja institucionalizada aqui neste mundo. Mas não podemos ignorar, que ele disse algumas coisas sobre a igreja que levaram seus discípulos a se organizarem em comunidades ainda no período apostólico, bem antes de constantino.

    Conheço bem Anja, todos os argumentos dos desigrejados. Daqueles que desencantaram com a igreja institucional e organizada. Inclusive concordo com alguns pontos defendidos por eles.

    Porém, muito antes da intrusão da filosofia grega na teologia da cristã, a igreja já estava organizada com seus ofícios, hierarquia, funcionamento regular, seus credos e confissões, e até um sistema disciplinar. Agora, se permaneceu na sua forma original, já é uma outra história. Mas a igreja já nasceu organizada e estruturada.

    Respeito todos aqueles que por uma razão ou outra, prefere viver sua espiritualidade de forma individual e autônoma, mas daí abandonar a igreja, e começar a defender abertamente o fracasso total da mesma, fomentando a ideia de que precisamos sair da igreja para podermos encontrar Deus, desculpe a franqueza, parte de alguém que não assimilou bem o processo de desconstrução pelo qual passou.

    Sem crise hein!!! rsrs

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Doni, sem crise, claro (rsrs)

      Vamos lá:

      Abandonei a igreja sim, mas não faço apologia para que haja um abandono em massa da mesma, pois sei que para muitos, ela serve de muletas e que muitos, jamais conseguirão viver e/ou ter comunhão plena, ou melhor, viver uma cristandade autentica longe dos bancos da igreja.

      Defendo abertamente o fracasso da igreja, mas veja bem, o fracasso de ser a voz de deus na terra! A noiva de Cristo, a eleita. Mas a igreja como empresa e cabide de empregos é muito bem sucedida!

      Excluir
  15. Mari,

    Certo Pastor confidenciou o seguinte:

    "Sabem, a cada dia que se passa mais me convenço de quão bíblica é a minha comunidade local. Observando as pessoas que se reúnem domingo após domingo e conhecendo suas histórias de segunda a sábado, identifico inúmeros pontos em comum com as igrejas locais descritas no novo testamento. Em minha comunidade, temos alguns imorais, vários idólatras, um punhado de adúlteros e até mesmo homossexuais. Caluniadores e trapaceiros então... já perdi a conta"

    Esta é a igreja bíblica! A teologia clássica não deixa dúvidas quanto ao estado de imperfeição, corrupção, falibilidade e miséria em que a igreja se encontra no presente. Eu não tenho nenhuma ilusão quanto a isso. Contudo considero importante a comunhão com os irmãos e a presença nos cultos regulares.

    Abraços.

    ResponderExcluir
  16. Não lembro agora qual teólogo que disse que Jesus veio trazer o Reino de Deus à terra mas o que acabou vindo foi a igreja...

    Eu concordo.

    Não existe (salvo melhor juízo histórico) uma ligação direta entre a sinagoga judaica com a igreja cristã. A sinagoga era uma instituição que ia muito além de ser um lugar de culto. O culto judaico se dava somente no Templo. E muito menos há uma ligação direta entre o Templo judaico e os templos cristãos.

    Parece que a instituição da sinagoga se deu por ocasião do exílio babilônico. Tendo sido o Templo judaico destruído, permanecia porém, a possibilidade da oração e da meditação - foi essa a mensagem dos profetas Jeremias e Ezequiel que estavam lá, vivendo o exílio e a derrota de ver o centro de adoração, a "Casa do SEnhor" destruída pelos babilônicos. Os fiéis então, começam a se reunir como podem para que a fé não morresse, apesar de tudo. (Sal 137.1)

    Quando eles voltam do exílio, a primeira coisa que fazem é reconstruir o centro do culto - o Templo, mas as sinagogas se estabelecem onde houvesse uma comunidade judaica, inclusive na Diáspora. Qualquer homem poderia ler a Torá e fazer um comentário mas na prática, essa função ficava mesmo com os Escribas e Fariseus. A sinagoga também funcionava como escola.

    O problema de Jesus não era com a sinagoga e nem com o Templo, e sim com os Fariseus e Escribas que acabaram por ganhar importância e respeito do povo mas como eram extremamentes legalistas, impunham pesados fardos rituais sobre o povo. Era basicamente contra esse fardo pensado que Jesus se contrapunha.

    ResponderExcluir
  17. Não existe nenhuma pista nos evangelhos de que Jesus pretendia fundar uma religião cristã e muito menos organizar uma igreja cristã conforme se estabeleceu principalmente na Idade Média e como as temos hoje.

    Na verdade, as grandes catedrais cristãs quiseram tomar o lugar do Templo de Jerusalém(novamente destruído em 70 dC e até hoje não reconstruído) como novo lugar de morada de Deus e de culto.

    Isso é para mim um grande erro. A igreja cristã não é a "casa de Deus" (como era o Templo judaico); a igreja cristã é resultado do que veio depois de Jesus, por aqueles que tomaram para si serem guardiões da mensagem e da história de Jesus.

    Resultado: Jesus ficou preso à religião cristã. Daí veio a centralidade soteriológica: fora da igreja não há salvação. A igreja como território sagrado e de dominação do rebanho.

    Agora, o outro lado da história...

    ResponderExcluir
  18. Donizete,concordo plenamente com o que vc escreveu e se vc ler meus comentários verá que não acho que humanidade desqualifique a igreja, acho que a igreja que se sente desqualificada e varre para debaixo do pano tudo que foge "a santidade". Tb concordo que congregar é bom, já congreguei e era bom. Quando deixou de ser bom eu sai mas não nego os benefícios, mas acho que muitos congregam por medo,por achar que não há outro caminho então deixa de ser comunhão para ser prisão.

    Leia o meu último comentário para Anja e vc vai ver que comungo com suas ideias. Pronto estamos em comunhão em plena terça feira, nem precisei esperar o domingo... Olha a igreja aí!

    ResponderExcluir
  19. Lá no exílio, os judeus perceberam que somente estando juntos, compartilhando a fé e meditando sobre os acontecimentos trágicos da destruição da Cidade de Davi, a fé poderia ser alimentada.

    Trazendo para nossos dias essa questão, poderíamos dizer que cristãos se reúnem para trocar experiências, orar, meditar, compartilhar a fé.

    Mas para isso não é preciso um mega-templo que consome milhões em manutenção e nem mesmo um templo pequeno e humilde. Ou seja, uma atitude sadia e necessária - estar junto com irmãos de fé - koinonia acabou por ser engolida pela burocratização da fé que as igrejas promoveram.

    Eu, particularmente, não aquento mais essa burocratização. As infindáveis campanhas para isso, para aquilo; a obrigatoriedade não explícita de você ter que frequentar os cultos, a EBD, trabalhar em algum departamento, para que você seja visto como um "crente trabalhador na vinha do Senhor".

    Hoje mesmo me encontrei com um rapaz lá da batista(na qual eu não vou há uns 2 meses) e ele me perguntou "o que estava acontecendo"...se eu tinha brigado com alguém, se alguém tinha me feito alguma coisa...rsss

    Por que os crentes não conseguem admitir que você pode ficar uns meses sem ir ao culto pela simples vontade de ficar mais tempo em casa sem que isso se torne um "pecado".

    Como diz o Levi, isto aqui é uma igreja e nossos debates não deixam de ser um culto...rsss (tem até o momento nostalgia...rsssss).

    ResponderExcluir
  20. Concluindo,

    é importante estar junto de quem compartilha sua fé. Até mesmo nesse formato que a igreja tem hoje, vejo benefícios em frequentá-la. Os laços sociais de amizade e de ajuda que se estabelece em muitas igrejas é algo muito saudável.

    Agora, que todos que frequentam uma igreja são imperfeitos, é o óbvio ululante, assim como não são perfeitas as pessoas da nossa família e geralmente agente não larga a família por causa disso...rssss

    Mas concordando com a Anja, existem lugares que são chamados de igreja que mais adoece do que traz saúde a quem frequenta. Qualquer pessoa mais esclarecida terá grande incompatibilidade de estar ali.

    Concordando com a Gui, a igreja é isso aí: luz e trevas - como todos nós.

    Como bem disse o LEVI, o amor e o ódio são as faces da mesma moeda.

    ResponderExcluir
  21. Edu,só de ler seu terceiro parágrafo eu fiquei cansada. Eu visito a igreja Batista não com frequência e a vejo linda, entoando hinos, uma beleza mesmo. Choro, me alegro mas quando me lembro dos intermináveis grupos, obrigações, orações e tudo mais eu me sinto esgotada.
    Na minha última tentativa de escola dominical em outra igreja a irmã chorosa lamentava que tinha estado a semana ausente da igreja por motivo de trabalho e que por isso estivera impedida de servir o Senhor e ela fazia OH! OH! e revirava os olhos,apertava o peito pra demonstrar o seu pesar,e as irmãs confirmavam com a cabeça pesarosas e eu timidamente perguntei: Por que a senhora não serviu a Deus no lugar onde estava? - todas se viraram para mim e eu fiquei do tamanho de um grão de arroz na cadeira. Ela não me respondeu, era muito o seu pesar, e mais uma vez eu vi que não faço parte desse rebanho.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ô, lindona, por que escrevi muito??? rssss

      Pois é, amiguinha, também não faço parte desse rebanho. Como você, ainda vou aos cultos de vez em quando, também me emociono, sinto mesmo "a presença divina exalando dos meus poros" mas é só. O ativismo igrejal pode matar por completo tal estado de "consciência alterada"..rss

      Excluir
    2. Mari, eu não estou membro da ig que normalmente tenho ido aos domingos a noite. Mas percebo que o povo lá tem muita liberdade.
      Conheci um pastor doente, que fazia os crentes que estavam na liderança se sentirem na empresa dele. Fiquei lá por um bom tempo, porque amava muito as pessoas a quem eu ajudava. Estas, não se sentiam forçadas a irem a igreja e não participavam de grupos, só espontaneamente. Sempre conheci pessoas que gostavam de servir e também conheci aquelas que faziam por medo de Deus, mas isto independente de cobranças.

      Excluir
  22. Oi, Guiomar.

    Muito bom você ter tocado nisso e lembrado que Jesus pregou nas sinagogas (e também no Templo).

    Eu acredito que todos precisam ser evangelizados, inclusive os crentes.

    Jesus pretendia desconstruir muitas ideias e conceitos impostos pela religiosidade de seu tempo e penso que, na atualidade, não seria diferente com aqueles que creem na necessidade de comunicar boas novas.

    Há crentes sofrendo por causa de dogmas, de doutrinas de homens, do obscurantismo, da falta de uma fé mais racional, das ilusórias teologias de prosperidade, da moral farisaica dos seus líderes que sufoca a ética, da falta de um relacionamento sincero com Deus, do medo de ir para o "inferno", de mentiras contadas por lobos oportunistas que só sabem deturpar o sentido da Bíblia, etc...

    Como iremos nos esquecer dos crentes, amiga?!

    Precisamos comunicar esse Evangelho de Cristo a toda criatura!

    Precisamos ir aos bares e pontos de prostituição!

    Precisamos ir nos presídios e nas cracolândias!

    Precisamos ir nos hospitais e nas casas dos doentes!

    Precisamos ir nas escolas e faculdades!

    Precisamos ir nos programas de rádio e de TV!

    Precisamos ir nas praças e lugares de lazer!

    Precisamos ir nos protestos e reuniões políticas!

    Precisamos ir aos policiais e quartéis das Forças Armadas!

    Precisamos ir às favelas!

    Precisamos ir aos condomínios de luxo onde há tanta gente carente de afeto e de convivência humana!

    Precisamos ir às ONGs ecológicas!

    Precisamos ir aos garimpeiros, aos madeireiros e aos produtores rurais que desmatam as florestas!

    Precisamos ir aos centros de macumba!

    Precisamos ir às igrejas!

    É certo que cada lugar requer uma abordagem diferenciada conforme as necessidades do respectivo público. Todo ser humano é carente do amor de Deus, inclusive os padres, pastores e rabinos.

    Bom dia dos namorados pra você e seu esposo!

    Paz!

    ResponderExcluir
  23. E digo mais, amiga!

    Se temos uma inserção num determinado meio religioso, político ou cultural, devemos sempre aproveitar as oportunidades.

    Segundo Atos, Paulo usou a sua cidadania romana e a sua origem judaica (ele também pregou em sinagogas).

    Igualmente, eu não faço mais pouco caso de meu batismo quando bebê no catolicismo, nem mesmo a minha passagem por várias igrejas evangélicas. Tenho também aberto conexões com gente de outras religiões, inclusive falando da graça aos espíritas e, se um mestre kardecista convidar-me para compartilhar com eles aquilo que penso, estou à disposição.

    Este ano, já entrei em reuniões de gnósticos e de budistas. Também tenho contatos com gente da Maçonaria. Com judeus, cabalistas e até um ou outro muçulmano também troco ideias. Só no facebook estou em grupos de debates das principais religiões.

    Também já não me incomodo tanto em combater as crenças fundamentalistas das pessoas. Frequentemente deparo-me com tremendas absurdidades em todos os meios (principalmente entre os evangélicos). Ainda assim não desisto de encorajar meus irmãos a buscarem a essência da Palavra, algo que eu também preciso ficar atento para compreender.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pois é Rodrigão, o evangelho tem que ser pregado por todo o mundo e principalmente dentro da igreja, para que convertidos realmente a Cristo, possamos ser sal e luz.

      Excluir
  24. Em tempo!

    Se algum pastor resolver me convidar para dar uma mensagem em sua igreja, estou à disposição dentro de minhas possibilidades.

    Como disse um pastor bastista conhecido meu, "igreja sempre fez parte da minha vida". E, mesmo que não me interesse mais ficar me congregando em locais que talvez não me acrescentem tanto para o meu crescimento espiritual, não me nego a compartilhar minhas experiências nesses grupos.

    ResponderExcluir
  25. Volto já confrades. Edu, Anjinha, Jesus não tinha em mente igreja? O que então Ele quis dizer de Pedro logo após o apóstolo declarar que reconhecia Jesus como o "Filho do Deus vivo?"

    "Bem aventurado és tu, Simão, filho de Jonas, porque não foi carne ou sangue que te revelaram isso, e sim meu Pai que está nos céus. Também eu te digo que tu és Pedro, e sobre esta pedra edificarei a minha IGREJA, E AS PORTAS DO INFERNO NUNCA PREVALECERÃO CONTRA ELA. (Mateus 1616-18)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. hahaha Gui... faz isso comigo não linda! Nem temos como ter certeza se tais palavras foram ditas por JC né mesmo? afinal, houve tantos embustes (de embutir rsrs) na bíblia, ora!

      Excluir
    2. Não te entendo, você cita a bíblia nos seus primeiros comentário, acho que no terceiro. "Sendo que a bíblia adverte para não definirmos quem vai ou não para o paraíso e inferno. (Romanos 10:6-7)" Será embuste?

      Excluir
  26. Levi "Na ambivalência humana coexistem os sentimentos de amor e ódio. Como fugir do antagonismo entre amor e ódio, uma vez que o ódio é desejar se desligar do objeto, ao passo que o "amor" é querer manter essa ligação?"

    É natural que todos nós tenhamos que lidar com os sentimentos antagônicos de amor e ódio. No entanto, temos que escolher qual deles vamos alimentar em detrimento do outro.

    "Se amardes os que vos amam, que galardão tereis? Não fazem assim também os publicanos?"

    "Não se ponha o sol sobre a vossa ira."

    O fato de nos afastarmos de uma instituição porque ela não atende as nossas demandas, não nos dá o direito de odiarmos ela, principalmente se formos honestos conosco mesmo, reconhecendo que caímos nos mesmos desmandos... Somos tão humanos como os membros destas instituições.

    ResponderExcluir
  27. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  28. Doni, obrigada por responder melhor do que eu poderia fazer aos comentários da Anjinha e outros.

    Ressalto: "Na verdade, com isso queremos dizer que somos bons demais para estarmos numa igreja tão imperfeita. Passamos então a formular uma lista de decepções que tivemos para justificar nossa aversão e não envolvimento com qualquer comunidade que se denomine cristã. Apenas esquecemos de ponderar na lista as contradições e erros que marcam nossas próprias vidas."

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Os erros que marcam nossa própria vida e não afetam a outrem (como no caso máximo das instituições religiosas, pois seus dogmas afetam a milhões), cabe somente a nós, vc não concorda?

      Excluir
    2. Anjinha, dentro do nosso próprio lar, como já foi citado, somos profundamente marcados, pelos nossos próprios lideres (pais). Continuamos dentro da nossa casa, amando nossa família e as vezes mais ou menos. Crescemos e aprendemos a discernir o que nos é salutar ou não. Claro nem sempre queremos aprender...

      Excluir
  29. Gil, 'Gui apesar de Jesus entrar nas sinagogas e ir ao Templo vejo que isso não era uma rotina na vida dele. Jesus me parece que preferia estar no meio do povo em em especial no meios dos enfermos, dos desprezados e dos que excluídos da igreja. Suas pregações e oratórias aconteciam quase sempre ao relento."

    Seja por este exemplo de Jesus, que os cristãos fazem seus trabalhos espirituais e sociais, nos presídios, hospitais, praças, creches, abrigos, etc.
    Sábado eu estava passeando na orla e parei para escutar um grupão de crentes, sentados no chão, outros de pé, tocando violão e cantando, sem pregação. Do outro lado um grupão fazendo o mesmo. Saímos de carro bem mais adiante e já na praia um grupão de jovens com fogueira para esquentar, rsrs também cantando.

    Gostaria de te lembrar que é exatamente a igreja, que mais tem acolhido os excluídos, os marginalizados pela sociedade. Tenho grandes testemunhos de igrejas que fazem um belo trabalho com os excluídos, sem cobrar-lhes um centavo. Nem todo pastor é mercenário.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Este comentário foi removido pelo autor.

      Excluir
    2. hahahaha Gui, agora só rindo mesmo! Igreja só acolhe quem tem condições de dizimar e ofertar! E para estar nela, mesmo assim é preciso se "enquadrar" as normas comuns a todos, vc sabe bem disto né? Me diga que igreja me aceitaria, ou aceita? Me diz qual igreja vc conhece que aceita o homossexual sem que ele precise "abandonar suas práticas pecaminosas"?

      Uma pergunta Gui, vc leu o artigo que postei o link aqui? o que achou? Depois gostaria de falar com vc sobre o tema e lhe expor algumas coisas, podemos?

      Excluir
  30. Gui, vc deve ter visto tb que o texto onde cito a "biblia" é de autoria é de autoria de LEANDRO BARBOSA, um amigo meu; deixei isto claro. Disse que tomo pra mim, todas as palavras dele, mas vc tb sabe que não creio em céu e inferno e que JAMAIS devemos interpretar a 'bibra' rsrs no literal, ou será que vc toma? me diz ae Gui, vc crê mesmo em inferno e céu? Espera ser arrebatada? rsrsrsr(rsrs..........)

    é mais que claro que é embuste tal citação assim como tantas outras, eu apenas não quis reproduzir apenas parte do texto do Leandro, que aprecio muito, entendeu? rsrsrs


    Será possível Gui que vc ainda não percebeu que não creio em vida após a morte como vcs creem? Já disse isto aqui mais de mil vezes! kkk

    ResponderExcluir
  31. Mari, gosto muito das suas colocações, são sempre lógicas e práticas.

    "Não devemos apedrejá-la e nem endeusá-la entendo que alguns precisam dela e se beneficiam da comunidade e outros não,e nesse parte eu acho que o respeito e a certeza de que Deus está agindo livremente em cada vida pode ser o caminho da tolerância."

    ResponderExcluir
  32. Gui, vou existe um problema aí que é teológico.

    A mensagem central de Jesus era o Reino de Deus e não o estabelecimento de uma igreja. Essas questões só ficam claras quando se faz uma crítica textual dos evangelhos.

    Existem citações nos evangelhos que não são da época de Jesus mas posteriores quando a igreja cristã já estava estabelecida. E existem várias ditos de Jesus que foram postos em sua boca pelos editores finais dos evangelhos.

    Os dois confrades aqui mais doutos do que eu em crítica textual, Doni e Rodrigo, podem confirmar isso.

    Essas questões são discutidas em obras que tenham caráter mais histórico e não devocional-apologético.

    A questão não é de omitir ou deixar de omitir ou de embuste, Anja, é entender de que forma os evangelhos foram compostos de acordo com a mentalidade dos seus escritores.

    Não existe embuste nos evangelhos, existem sim, teologias.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. e muitas "ideologias" que foram embutidas Edu, é disto que falo!

      Excluir
    2. Aff é por isto que digo que as vezes canso de tentar insistir em crer! Pra crer tenho que me enquadrar, me cegar e... sei lá mais o que! tenho até que amar mais uma instituição que a mim mesmo! Afffffffff to fora! volto na minha vez de postar!

      Bjux a todos!



      Anja (a endiabrada)

      Excluir
  33. Anjinha, você normalmente empacota como o pior mal, todas as igrejas, em nome das grandes decepções que você sofreu.

    Eu conheço pastores que apesar de pastorear grandes igrejas, tem um salário determinado pela diretoria e que muitas vezes não alcança para o básico. Conheço pastores, como o meu irmão que você debateu com ele, que tira do pouco que tem para ajudar outras pessoas e já chegou a passar fome, para suprir outros.

    Você não pode dizer que todo político é salafrário. Que todo empresário é desonesto, que todo médico, está sugerindo enfermidades operatórias para ganhar mais. etc.
    Vocês está profundamente enferma minha amiga, percebe-se, foi ferida a ferro, mas não pode culpar o mundo cristão por suas feridas.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Claro que posso Gui! Foi este mundo que me feriu a e (por bur rice minha em tentar ainda permanecer nem que seja na beira) continuam me ferindo!

      Culpo todo o mundo cristão, pois não vejo uma diferença que mereça crédito em ninguém que habita este mundo odioso e separatista! te perguntei se vc leu o texto que referi num commentário mais acima, vc leu?

      Excluir
    2. E Gui, não estou enferma não querida! Enferma eu estava quando agia como vc age, pensando que quem não fosse como eu, estava condenado ao fogo do inferno entre muitas outras coisas! Agora não Gui,agora estou sã! Assumi quem eu sou, consegui descobrir (enfim) minha enfermidade a até ela estou assumindo para que possa ajudar a outras mulheres que passam pelo mesmo problema que eu e que vivem encontrando pela frente pastores que querem usar seu cajado (pênis) para expulsar de mim um demônio que eu não tinha! Desculpa falar assim (vou apagar o comentário assim que a turma daqui ler), mas parece que é só rasgando o verbo que entendem! Mas esta é a verdade! Sofri na igreja por 20 anos e agora que estou sã, feliz e "salva" das garras deste demônio que é a igreja, vc vem me taxar de doente? Vc pensa mesmo que não percebi que este texto foi uma espetada em mim, diretamente? aff Gui, se vc soubesse da missa um décimo, vc me entenderia! Só mesmo quem passou pelo que eu passei sabe do que falo. pimenta nos olhos dos outros é refresco! fui.......

      Excluir
    3. Ainda vou lá. Depois comento quando ler. Bjs.

      Excluir
    4. Veja bem minha amiga, "Assumi quem eu sou, consegui descobrir (enfim) minha enfermidade a até ela estou assumindo para que possa ajudar a outras mulheres que passam pelo mesmo problema que eu e que vivem encontrando pela frente pastores que querem usar seu cajado (pênis) para expulsar de mim um demônio que eu não tinha!"

      Eu entendo que esta enfermidade te causa muito mal, mas não te tenho como uma pessoa pior que ninguém. Cada um de nós tem algum tipo de enfermidade.

      Só queria te dizer que alguns anos antes de te conhecer eu já ouvia os desigrejados, participei da outra confraria e lá pegava fogo. Não quero espetar você minha amada, te digo do fundo do meu coração. Sinto muito carinho por você. Você é impulsiva como eu sou, mas tem um coração imenso.
      Eu fiz este ensaio com dor no coração tanto pelos desigrejados como pelas igrejas que tem provocado tantos escândalos. Não penses que estou sendo má com você. Você já Passeia de tamanco no meu coração.

      Excluir
    5. "Foi este mundo que me feriu" (Anja)

      Que tal trocar a frase acima por essa?: "Foi este mundo que mexeu em minhas feridas"

      Excluir
    6. É assim, acho que muito mais assim, Levi.

      Excluir
  34. Anjinha, vou ser bem sincera com você. Você precisa aprender a respeitar os credos alheios. Precisa aprender a ser pelo menos um pouco tolerante com os que discordam de você. Você debocha muito e como disse lá o Doni, "Na verdade, com isso queremos dizer que somos bons demais para estarmos numa igreja tão imperfeita."

    Eu creio na bíblia, não literalmente, já falei várias vezes. Seria estúpida se cresse, sei que existem milhares de versões diferentes e que sei eu mais... Leio a bíblia e não "bibra",(como você debochou) todos os dias porque amo e aprendo. Fico com a essência do que leio.

    Creio que Jesus nasceu por obra e graça do Espírito Santo e que viveu como sal e luz, para nos deixar exemplo. Creio que ele foi crucificado pelos nossos pecados. Creio que Ele vai voltar para nos levar para o mesmo lugar aonde Ele mora. Como diz João: "Olhos não viram, mãos não apalparam" o que Deus tem separado para nós. Portanto, não tenho ideia como é o céu e não sou eu quem determina quem vai ou quem não vai morar com Jesus.

    Quanto ao inferno, também não tenho ideia do que se trata. Creio que ele foi preparado para o diabo e seus anjos, conforme diz a bíblia também.

    Tenho que pedir desculpa porque creio em tudo isto? Não querida. É meu direito, e eu sei também em quem tenho crido. Ele tem sido tão real para mim que se ainda não fosse para bilhões de outras pessoas, eu continuava crendo em Deus.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Não Gui, não sou boa demais, mas igreja e diabo andam de mãos dadas! É vc que tem que aprender a respeitar a descrença dos outros. eu quando entrei aqui, me disseram que era um lugar onde eu poderia falar livremente e sedm represálias o que eu quisesse, mas agora percebo que não né? EU NÃO POSSO EXPOR AQUI O QUE A SANTA E MADA IGREJA FEZ EU PASSAR POR LONGOS 20 ANOS, pois ao fazer isto, estou desrespeitando seu credo né? e o meu? como fica? fui desrespeitada por 20 anos, enganada, iludida, "violentada" e tenho que me calar porque pra vc a igreja é santa? há gui!

      Excluir
    2. vc leu o texto que o Edu postou das 4 virgens e seus filhos ilustres Gui? elas tb tiveram 4 filhos santos e elas tb eram todas virgens!

      em tempo: JC é o caçula viu? Pra vc não falar que eles plagiaram rsrs

      Excluir
  35. Gui, não falo mais nada aqui. Se pra vc eu expor minha descrença lhe ofende paciência! Mas depois se vc quiser falar comigo por e-mail, posso lhe falar muitas coisas e algumas delas posso provar! As outras, claro que já deletei e não tenho mais, porque nunca foi minha intensão mostrar a ninguém, mas como ainda me perseguem e nunca me esquecem, ainda receboi muita coisa e posso mostrar algumas pra vc só prta vc ver como são santos os lideres de sua amada e intocável igreja e olha, infelizmente terei que te falar que vou preservar os famosos viu? E olha querida, os mesmos que hoje ainda me azucrinam a cabeça é os que outrora fizeram motim para que eu e o And fossemos excluídos (mas claro que isto é amor), o ódio é só eu que tenho! Eles não!

    ResponderExcluir
  36. Eu não estou pedindo que você não exponha seus pontos de vista, mas que não deboche ou agrida ao expor, isto faz uma grande diferença.

    Na igreja tem santos e pecadores e os santos também sãos pecadores. rsrs

    ResponderExcluir
  37. Edu, "A mensagem central de Jesus era o Reino de Deus e não o estabelecimento de uma igreja. Essas questões só ficam claras quando se faz uma crítica textual dos evangelhos."

    Não tenho dúvida disto, mas me parece claro que Jesus desejou uma grande família, sadia, capaz de se ajudarem mutuamente.

    "E existem várias ditos de Jesus que foram postos em sua boca pelos editores finais dos evangelhos."

    Que provas temos quais foram os ditos colocados na boca de jesus? Por outro lado, a atuação de Pedro em meio aos outros discípulos, nos deixa perceber que ele exercia uma liderança bem especial.

    Eu gostaria mesmo de que Doni e o Rodrigão opinassem sobre isto também, apesar do respeito que tenho a você Edu, com toda a sua bagagem. rsrs

    ResponderExcluir
  38. Gui, tenho o direito de falar como bem entendo da religião, pois não estou ofendendo a ninguém pessoalmente a não ser o deus da religião, mas o tal deus não consegue agir em sua defesa né? Precisa de seus seguidores fazer isto por eles!

    Agora se eu estiver falando mal de vc, debochando de vc, de seu estilo, de sua orientação sexual, vc tem todo direito de me chamar a atenção, mas este é um costume que eu não tenho. Sou inclusiva, ao contrário dos que dizem ser. Agora eu criticar ideologias (religião) que considero furadas, é um direito meu ora! Mas atacar a outrem não! e isto eu não faço. Mas se eu falar de religião lhe ofende, sinto muito querida, eu vou continuar falando, pois a religião nada tem pra me acrescentar. Falava antes e não vou deixar de falar agora Gui. Vc deve entender que não ataco a ninguém pessoalmente e sim uma ideologia que é mais que furada.

    Por favor, me desculpem os excessos, hoje não estou bem não. Já faz um tempo mque estlou naqueles dias (que pra mim significam dias sem descanso e sem dormir). Foi por isto que pedi para que todos os confrades compartilhassem em seus murais o meu texto, quero alcançar o maior número possível de mulheres que possam ter ou conheçam alguém que sofram do mesmo mal que eu. Apesar de sofre com o tal distúrbio desde 23 anos, só aos 38 consegui saber enfim do que eu sofria. Mas falar era constrangedor, mas depois de uma conversa com a Mari, senti que estava na hora de assumir e falar. Falar pra tentar ajudar quem sofre como eu.

    Mais uma vez me perdoem o excesso. Vou excluir alguns comentários jaja.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Gui, só mais uma pergunta: (agora estou mais calminha rsrs) a qual enfermidade vc pensa que me refiro? Não é a bissexualidade não né?

      Excluir
    2. Bissexualidade não é enfermidade querida. Fique tranquilo, eu entendo quando você tá subindo nos tamancos kkkkkkkkkkkkkk já lhe disse, você tem um coração imenso. Eu te amo. Beijaço.

      Excluir
  39. rsrsrs dá nem pra comentar mais nada!

    Mas é por estas e outras que evito ao máximo expor minhas ideias, pois apesar de não ofender ninguém (no sentido pessoal), muitos se sentem ofendidos em nome de sua crença ou deus, até parece que a crença ou deus e eles são a mesma coisa.

    Saber separar a crítica a religião e uma crítica pessoal é imprescindível num lugar onde comungam ateus, semi-ateus, crentes, cristões (derivado de tristões), pastores e até os defensores de deus. rsrs

    Conversando com a Anja, chegamos a conclusão que irei fazer a postagem que ela iria deixar pra outra rodada, pois nesta ela irá apresentar uma das crônicas do Daniele F. Pusceddu, mas vou deixar pra minha próxima vez o ensaio que estou preparando, e vamos (eu e ela) apresentar (na minha vez),um artigo que penso que poderá abrir muito nossas mentes.

    Tolerância não é sinal de respeito.

    Mas é assim: uns aprendem, outros não.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. onde se lê tolerância não é sinal de respeito, leia-se TOLERÂNCIA É SINAL DE RESPEITO

      Excluir
  40. AAaaaaaaaaaaa então está explicado Gui, não acredito que vc estava pensando que me referia a bissexualidade como sendo doença?! NÃO É! E homossexualidade e bissexualidade não é doença viu? Só agora vi sua resposta qnd eu perguntei se vc havia lido o texto que postei e vc disse que ainda não leu, vou ate postar o link do texto de novo:

    http://omundodaanja.blogspot.com.br/2012/06/transtorno-da-excitacao-genital.html

    Transtorno da Excitação Genital Persistente – o que é isto?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Veja minha resposta acima, quando falei que bissexualidade não é doença.

      Excluir
  41. Onde escrevi

    'Gui, vou existe um problema aí que é teológico."

    eu queria dizer, "Gui, existe aí um problema teológico.

    Gui, você me pergunta:

    Que provas temos quais foram os ditos colocados na boca de jesus?

    Gui, não temos nem provas convincentes que Jesus de fato existiu, quanto mais o que ele disse e o que ela não disse.

    Apesar de eu estar certo que Jesus é um personagem histórico, só podemos supor ou inferir a partir de dados do próprio texto dos evangelhos, o que tem mais probabilidade de ser original de Jesus e o que é construção teológica dos que vieram depois.

    Essa é uma questão bem longa que não dá para expor tudo aqui nos comentários, vou anotar para futuramente escrever sobre isso.

    Mas fique certa de que eu aceito que haja uma leitura mais acadêmica e científica da Bíblia e uma leitura mais devocional e de fé, e uma não é mais importante do que a outra, ainda que as duas cheguem quase sempre a resultados divergentes.

    ResponderExcluir
  42. Anderson, meu chapa,

    agora vou ter que discordar de você:

    até parece que a crença ou deus e eles são a mesma coisa.

    Nossas crenças são um pouco o que nós somos. Nós somos nossas ideias e de como vemos e interpretamos o mundo.

    Eu não vejo nenhum problema em se questionar crenças, mas é bom que isso seja feito de forma argumentativa e não na base da gozação e do desprezo.

    E uma boa notícia: A Dilma já disse que vai reajustar os salários dos militares ano que vem. Só não disse quanto e nem quando; ainda está em estudo...rs

    ResponderExcluir
  43. ANJA,

    o que eu disse aí em cima para o teu sargentão serve para você também.... :)

    Quero repetir que eu gostaria que este espaço fosse totalmente livre para se debater questões de religião ou assuntos afeitas a ela. Se não fosse assim, eu não teria convidado ateus e semi-ateus para conviver conosco.

    Mas repito, seria muito enriquecedor que quando alguém quisesse descer o pau em alguma crença religiosa, fizesse isso de uma forma racional e não passional, da mesma forma os que forem defender uma crença ou uma teologia.

    O que eu vejo por aí são blogues apologéticos que metem o pau em ateus e blogues ateus que não possuem um mínimo de respeito pela fé alheia.

    Estou fora tanto de um quanto do outro. Façam o mesmo e sigam o líder!!!!!!! keeeeeeeee

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É claro que isso depende de pessoa para pessoa. Quando temos liberdade de discutir com alguém sobre crenças e se conhece a pessoa e sabe-se que ela não se ofende, não vejo problema de se pegar pesado pois isso não irá causar aborrecimentos e nem mágoas.

      Quem quiser pode zoar a vontade as minhas crenças, pois todas elas eu posso provar cientificamente..kkkkkkkkkkkkkk

      Excluir
  44. Gui e amigos,

    Mateus de fato é o único escritor a mencionar a igreja ou eklesia. E fora isso, é bom lembrar, que alguns estudiosos acreditam que o evangelho de Mateus foi escrito no final do primeiro século por um judeu cristão, e não o apóstolo necessariamente. E se considerarmos também o fato de que Marcos foi o primeiro evangelho a ser escrito, talvez depois dos anos setenta, e o escritor do evangelho de Mateus o utilizou como fonte, assim como fez Lucas, e no evangelho de Marcos não existe nenhuma alusão a igreja em si, logo, podemos inferir que a famosa confissão de Cesaréia foi realmente um aditivo do escritor, e que depois foi tardiamente incorporado às escrituras cristãs.

    Mais aturdidos ficamos quando tentamos responder a luz dos evangelhos se Jesus realmente se considerava o Cristo, a não ser que o evangelho de João seja considerado superior aos sinóticos, pois é o único que está sempre afirmando este ponto, enquanto que nos sinóticos, o próprio Jesus se mostrou evasivo e misterioso quanto a sua identidade. Teria sido João, o suposto autor do quarto evangelho, escrito sob forte influência do gnosticismo cristão presente em sua época?

    Estes são apenas dois exemplos de dúvidas suscitada pela crítica textual que merece ser melhor avaliada por todos os estudantes das escrituras.

    O que não resta dúvida mesmo, é em relação a parte final do evangelho de Marcos, onde mais da metade do último capítulo, se trata de uma adição ao original.

    As descobertas arqueológicas do século IXX, foi um marco na evolução dos estudos dos manuscritos antigos. Pois com a comparação de documentos mais próximos do período em que foram escritos, mostrou que muitas versões da Bíblia, possuem textos desfigurados, talvez em função de erros acumulados em quase quinze séculos de processo manual dos copistas.

    Este é um assunto bom de se discutir!

    ResponderExcluir
  45. Doni,

    pois é isso. Os estudos mais complexos da crítica textual não chegam aos cristãos "normais"(digamos assim) pois eles não estão interessados(e nem possuem uma cultura bíblica para além de uma leitura devocional - quando chegam a tanto) e muitas vezes, os mais fundamentalistas acham que tudo isso vem da cabeça de hereges inimigos da fé.

    Como eu disse, a Bíblia pode ser lida de mais de uma forma, mas quem a lê apenas baseados na ortodoxia tende a pensar que a sua leitura é a única possível e tudo o que for além dela é heresia.

    É claro que não é o caso de ninguém aqui.

    ResponderExcluir
  46. É bem por aí mesmo Edu,

    A maioria absoluta dos crentes, desconhecem alguns subsídios que algumas versões da Bíblia oferecem como meio pedagógico. Como por exemplo os colchetes que a ARA colocou em alguns versos ou textos.

    Na verdade, o desejo dos editores era retirar de uma vez por todas os textos comprovadamente acrescentados, mas por respeito ao tradutor João Ferreira de Almeida, fizeram apenas algumas observações com algumas notas de rodapé ou então os colchetes.

    Quando tiverem um tempinho amigos confrades, deem uma lida num texto bem simples que tenho em meu blog que aborda esta questão:

    http://assembereano.blogspot.com.br/2011/07/textus-receptus_14.html

    ResponderExcluir
  47. Nossa Edu, só ano que vem? (rsrs) fazer o que né?

    Mas então meu caro, posso até concordar com vc, mas não vejo como uma pessoa pode se ofender quando outra que não tem as mesmas crenças que ela faz críticas a crença que não são absolutamente dirigidas a pessoa, mas é assim o ser humano né mesmo? Da mesma forma vejo que a anja por vezes é extremamente agressiva em alguns comentários, mas isto é normal e deve ser compreendido, uma vez que enfrentamos muitos (ma muitos mesmo) problemas dentro desta instituição.

    Percebo que por vezes ela faz comentários que não são necessários, e encontrando resistência, torna-se ainda mais incisiva, o que eu particularmente, não gosto, mas é o jeito dela. Eu, apenas tomo a postura de não comentar texto onde não me enquadro ou não me despoertam o interesse e evito ao máximo uma situação desconfortável. Mas entenda, a postura que temos hoje é a de demonstrar o sofrimento pela qual muitas mulheres (casadas ou não), homossexuais (em todas as suas variantes), e excluídos de modo geral (dependentes químicos entre outros) sofrem nas instituições evangélicas, vulgo igrejas (rsrs), mas concordo qnd vc diz que deve haver tolerancia de ambas as partes. O que deve ser levado em consideração, é o sofrimento e a perseguição sofrida por estas pessoas e agora exigir-lhes moderação é difícil. Veja bem o exemplo da Gui, considera a minha anja uma pessoa "profundamente enferma", mas ela sequer sabe que enfermidade mina esposa tem e julga ser feridas (emocionais)não cicatrizadas ou a bissexualidade. É isto que machuca, entende? as pessoas a julgam doente, enferma, ferida, magoada mas não percebem que a causa da mágoa é exatamente posturas como a que demonstrou a Guiomar.

    É aquele caso do cristão que bate com aa cruz na cabeça do ateu e do gay e quando tem deles um ataque, os chama de in tolerantes. Aí vc não pensa que há um equívoco?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Anderson, eu acredito que você deveria se dirigir diretamente a mim, quando veio criticar minha postura com relação a Anjinha.

      Quando eu me referi a ela como profundamente enferma, eu não me referia a opção sexual. Leia toda a fala e você vai ver que não tem nada haver com homossexualismo. Até porque homossexualismo ou bi, para mim jamais foi ou será uma enfermidade.

      Esta foi a minha fala: "Vocês está profundamente enferma minha amiga, percebe-se, foi ferida a ferro, mas não pode culpar o mundo cristão por suas feridas."

      Agora quando eu disse: "Eu entendo que esta enfermidade te causa muito mal, mas não te tenho como uma pessoa pior que ninguém. Cada um de nós tem algum tipo de enfermidade."

      Eu me referi a enfermidade que ela falou que tinha, mas não poderia esticar o comentário porque não havia lido o link que ela postou aqui.

      Portanto amigo, eu não sei em que fala eu ataquei pessoalmente a Anjinha. Quanto ao me doer quando debocham do que eu creio é um direito meu. Eu não debocho da crença alheia e se o fizer você tem todo direito (dado por mim rsrs) de me corrigir.
      Perdoe por haver te magoado, mas eu penso que eu e Anjinha terminamos nos aceitando bem.
      Um abração ok?

      Excluir
  48. Gui você me disse:

    Gostaria de te lembrar que é exatamente a igreja, que mais tem acolhido os excluídos, os marginalizados pela sociedade. Tenho grandes testemunhos de igrejas que fazem um belo trabalho com os excluídos, sem cobrar-lhes um centavo. Nem todo pastor é mercenário.

    Gui eu não sabia que a igreja é que mais acolhe os excluídos, mas eu sei do trabalho social da igreja e de tantos segmentos que existem por aí e pessoas no anonimato que fazem muito bem sem ser em nome de Deus.

    Também penso que não cabe à Igreja o trabalho social e sim sua maior preocupação deveria ser o espiritual. O social é feito por nós da igreja devido a incompetência de nossos governos e fruto também do egoísmo que impera na sociedade como todo.

    Eu não disse que todo pastor é mercenário. Não entendi sua observação pra mim. Até penso que quando a igreja se preocupava apenas com o dízimo ela era mais séria. Eu por exemplo sou a favor do dízimo e sou contra eventos e principalmente esta exploração que estão fazendo à custa do povo simples: venda de curas, objetos, shows, apelações do tipo precisamos converter o brasil.... rsrsrsrs

    Concordo com o Edu e o Doni que a palavra igreja é uma adição e tradução tardia e que o intuito de Jesus era o Reino de Deus.

    Anja , and e demais confrades eu penso que este espaço é diversificado e por isso interessante, pois existem diversos pensamentos e posturas diferentes como já foi bem definido:

    QUANDO TODOS PENSAM IGUAL É SINAL DE QUE NINGUÉM ESTÁ PENSANDO GRANDE COISA. (ANDERSON)

    Todos nós estamos sendo questionados o tempo todo interiormente pelos diversos pensamentos aqui colocados.

    Também não acho que estes modelos de igreja de hoje servem para todo mundo. Eu por exemplo jamais ficaria em um lugar que não me sentisse acolhido e respeitado. Imagine então levar minha família para um lugar de morte... jamais.

    and eu discordo de você:

    srsrs dá nem pra comentar mais nada!

    Mas é por estas e outras que evito ao máximo expor minhas ideias...

    Você está parecendo Pedro um no cravo e outro na ferradura rsrsrsr

    Veja por exemplo a Gui ela por assumir uma posição tem sido questionada e até discordada o tempo todo.

    Até não entendi porque a Mari não postou! Ela poderia ter escolhido um tema espírita para podermos crescer. Alguém aqui conhece uma história parecida com a do Chico Xavier. Um homem que acreditou ter um dom e com esta crença ajudou a consolar tanta gente sem pedir um tostão e o que ganhava ofertava a entidades sociais? Tem religiosos que deveriam ter aula de religião com o Chico Xavier.

    Por exemplo Anja e And eu tenho aprendido com o que vocês tem falado e denunciado e orientado e tem sido bom pra mim.

    Assim como leio os argumentos de todos aqui com atenção e respeito.

    Agora querer que todo mundo pense igual a mim é empobrecer demais este espaço.

    Faço então das palavras do Edu a minha: Pode questionar as minhas crenças à vontade.

    A única diferença com o Edu é que eu não tenho provas científicas de tudo que acredito rsrsrsrs

    ResponderExcluir
  49. Que tal trocar a frase acima por essa?: "Foi este mundo que mexeu em minhas feridas" (Levi)

    Levi, não sei se seria o ideal, mas o certo é que buscando alívio, cura, conforto e até mesmo entender uma doença que até bem pouco tempo era desconhecida, e nem nós sabíamos que se tratava de uma doença, mina esposa teve foi muito mais chagas. Foi tratada como sendo uma diaba. Pessoas lhe viravam a face entre outras coisas. Nem quero aqui falar o que isto acarretou para nossa família. Eu optei por abandonar de vez a instituição, pra mim não mais servia nem pra ela! Muito poucos foram os que nos apoiaram e mesmo os poucos que o fizeram, cobraram algo em troca.

    As feridas, foram feitas lá, penso eu. Estas feridas são específicas! E é claro que tinha outras de antes, mas as que lá foram abertas, são outras: são as feridas da rejeição, da tortura psicológica, e outras.

    é amigo, o povo de deus é complicadinho e cruel demais pra pessoa como minha esposa!

    ResponderExcluir
  50. And e Anja,

    eu concordo que a igreja de forma geral é muito acéptica, ou seja, prega uma limpeza moral que ela mesmo não tem. Eu também posso entender por que vocês tomaram tanta aversão com as igrejas e não foi para menos. Mas como eu disse, a instituição não é importante, o importante é a koinonia que pode se realizar em qualquer lugar, sem se estar preso a esquemas rituais, obrigações e moralismo sufocante.

    Meus melhores momentos de comunhão cristã foi em rodas de amigos, com a boa conversa fluindo de um assunto a outro, tudo com muita descontração, sem imposição de ideias(apenas exposição) e regado a vinho e cerveja.

    Falávamos mais de Deus e do que significava essa relação homem-Deus do que àqueles que nos viam como um pouco "livres" demais..rss

    Mas só para equilibrar as coisas, eu acho possível se ter uma boa experiência dentro de uma igreja institucional, mas aí, cada um é cada um.

    No final das contas, como nos disse Paulo, o mais importante é o amor.

    E And, não deixe de expor aqui as suas ideias e crenças, estamos aqui para compartilhar. Qualquer disputa pela verdade aqui é apenas reflexo da nossa humanidade...rs

    ResponderExcluir
  51. Gil,

    a Mari insiste em dizer que não "é teóloga", que não conhece assim tão bem os assuntos discutidos aqui por isso resolver ficar apenas como comentadora.

    É claro que ela está sendo humilde demais, pois é muito articulada e poetisa de primeira classe.

    Ainda não consegui convencê-la a escrever, mas já consegui que ela poste um poema por ocasião do final de cada rodada no nosso "momento nostalgia".

    Acho que vou ter que abrir aqui uma petição:

    POSTA, MARI!!!!!!

    RSSSSSS

    ResponderExcluir
  52. rsrs Gil vamos lá!

    Acontece que tenho alguns blogs que estão caminhando para o fim para o nascimento de outro (um único) onde irei expor minhas ideias, entende? Aqueles blogs que tenho estão ainda com uma visão que não tenho mais (embora tenha mudado bastante em algumas postagens e temas), mas mantive os blogs em respeito a meus leitores, mas agora não consigo mais nem atualiza-los, pois como falar que não creio no calvinismo num blog reformado calvinista? Então, estamos pensado em partir para um portal, o blog da anja é o 1° passo pra isto acontecer, com vários articuladores, cronistas e colunistas.

    Lá sim, é o lugar de expressar minhas ideias. Na minha casa. Mas vc concorda que pra isto, tenho que reformular meus blogs ou até mesmo, extingui-los.

    Mas deixa eu falar mais claramente sobre o que vc disse: Eu não gosto de expor ideias onde pessoas irão me dizer que estou enfermo, que cristo tem que curar minha alma, que preciso ter respeito pelas crenças dos outros, etc etc etc etc etc como vejo acontecendo com a anja aqui na confraria. É desnecessário! Agora eu compartilhar em meu blog, ou como estamos pensando, num portal, é diferente! As pessoas vão ler, se identificar, criticar, mas, não poderão me acusar de insanidade, enfermidade, possessão "demoníaca" etc! É neste sentido que falei. Eu tinha muitas visitas no meu blog calvinista (7 mil em média), e 3 parceiros de peso, mas quando comecei a ir contra os precipícios da sociedade calvinista, tive meu blog excluído e percebi que teria que mudar todo o escopo do blog, mas como estamos com o projeto do Mundo Da Anja, estou ainda mantendo o blog com temas mais neutros, ou melhor, os blogs né? já que são dois os meus carros-chefes (poemas e reflexões e pela graça somos eleitos)

    Então é neste sentido que falei. expor ideias onde vc será taxado de enfermo, pecador, etc,... não me agrada. expor em minha casa (site/portal/blog) é diferente né? entra quem quer, lê quem quer!

    Eu sou assim Gil, debato com quem está aberto a debater. Se percebo que não há espaço para o diálogo sadio, deixo quieto e evito até mesmo comentar qualquer coisa nos textos.

    Não consegui fazer o login, pois estou no cel

    Abraços

    Anderson

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Edu meu caro, mas de certa forma eu exponho sim! Mas procuro temas que não irão criar conflitos ou desgastar o que pode vir a ser uma boa amizade, entende? rsrs

      Já a anja, procura bater de frente sempre! Ela é um pouco menos topetuda que o rapaz que discutiu com vc e a Guiomar lá no mural dela no face rsrs vc se lembra? rsrs O Renato Hoffmann (rsrs) Mas o Renato é uma pessoa ótima, assim como o Daniele, o João e a anja, só que qnd ameaçam pisar no calo deles, já foi! rsrs eles nem esperam que pisem e já soltam uma matilha de cães! rsrsrs

      Mas são todos ótimos e tem um imenso coração!

      Anderson (o sargentão kkk)

      Excluir
  53. Edu, porque sei que você é bem racional e estuda fundo, eu não tento argumentar com você, mas enquanto você argumenta a partir da teologia, história, ciência, eu argumento através da minha fé. Finalmente, das minhas experiência eu tenho total segurança. Como você disse: não podemos separar. Tenho aprendido muito com você.

    ResponderExcluir
  54. Agora sim consegui! Mas então Edu e Gil, entenderam? Claro que exponho minhas ideias, mas procuro sempre temas que não vão fazer com que aconteça o que está acontecendo entre a Guiomar e a Anja, isto pra mim é muito desgastante e ineficaz, pois nada aprendemos ou ganhamos com isto! tsrsrs

    Mas nada contra elas! Elas gostam de se pegar né não? rsrsrs

    ResponderExcluir
  55. Edu, Gil, Levi, Doni, Mari e principalmente vc Gui rsrs aff estes dias não estou bem e por pouca coisa estouro! Então deculpem-me mais uma vez.

    Gostaria que todos lessem o artigo que escrevi e se possível compartilhassem, bom, já postei o link e não vou fazer spam de novo viu Edu? rsrs

    Mas Gui, principalmente voce, quero muito que vc leia este artigo, pois vai servir de base pra futuras discussões em temas próximos aqui na confraria.

    Edu, já respondi seu comentário lá no meu blog viu? Confere lá!

    ResponderExcluir
  56. Caros confrades,

    Tive um pastor há algum tempo, que era v isto pela comunidade, como pastor de uma só mensagem. Porque: não importava qual era o texto oficialmente lido na Bíblia, a mensagem era sempre a mesma. As vezes mudava as palavras ou a sequência da exposição, mas o teor não mudava em absolutamente nada. Ninguém mais suportava ouvir seus sermões notoriamente repetitivos.

    Acho que nossa confraria está tomando também este rumo, o que não é legal, por se tratar de um veículo de informação e aprendizado, cujo objetivo inicial é fornecer subsídios para estudantes ou professores de EBDs ou seminários inter-denominacionais, além é claro, da interação e troca de ideias entre os cooperadores.

    O que tenho notado, a exemplo do pastor supracitado, é que questões como, homossexualismo e ateísmo tem dominado o espaço, mesmo quando o assunto em pauta traz outras abordagens, desfigurando assim a ideia central do autor. Sem dizer que, apesar de se tratar de temas que discutidos oportunamente, oferecerem tantas nuanças, que ninguém ficará satisfeito ou dirá que o assunto está esgotado. Entretanto, sua repetição impertinente e constante, totalmente alheio à temas propostos, se torna completamente cansativo e instiga o mau estar entre todos nós, que diga-se de passagem não tem sido mais um problema pontual.

    É apenas minha opinião. (E penso ter o Espírito de Deus! Rsrs)

    ResponderExcluir
  57. ???????????????? Doni, quem aqui está falando de homossexualidade (e nunca homossexualismo viu? e ateísmo?) Eu apenas insisto que leiam o texto que escrevi, e não farei mais isto, e Doni, não tem nada a ver como homossexualidade viu?

    E o que o And disse também não tem! Ele só fez comparações!

    aff... afff affff mil vezes aff!

    ResponderExcluir
  58. Edu, vc já viu este blog aqui? Dá uma olhada e me diz se daria certo algo parecido, não aqui (ou até mesmo aqui), mas eu gostei muito do que vi!

    Doni , por favor, me diz que leu o meu texto antes de falar que estamos batendo na mesma tecla sempre.

    queria muito que vc lesse de novo meus comentários e me disse ou grifasse onde estou batendo nesta tecla?

    ResponderExcluir
  59. Opaa Edu, esqueci o link do blog rsrs ta aqui,

    http://duelosretoricos.blogspot.com.br

    dá uma olhada lá

    ResponderExcluir
  60. Guiomar, só agora vi sua resposta querida. De forma alguma vc me magou e creio que vc não entendeu o que realmente eu quis dizer, citei enfermidade emocional ou bissexualidade, ou seja, eu não sabia o que vc estava de fato querendo dizer, mas confesso que a princípio, pensei se tratar da doença da alma, que todos os pastores/as dizem que os que não tem ou professam o mesmo credo deles, tem. Entende? Foi isto que quis dizer. Mas se vc percebeu em meu comentário, eu me dirigi ao Edu, mas citei vc e a anja, pois como eu disse, evito situações conflituosas, e citei apenas para dizer a vcs indiretamente que evitem este desgaste. Isto não as leva a lugar algum a não ser o que vi ontem aqui nos comentários de ambas. Se vc não percebeu, eu tentei foi exatamente aliviar o peso que haviam tomado as coisas, mas se fui infeliz em meu intento, desculpe-me.

    Doni em momento algum eu estava falando de ateísmo ou homossexualidade, estaava fazendo uma comparação e dizendo que evito comentar temas que irão criar situações conflituosas meu qridão, é isto apenas, penso que houve um grande mal entendido em minhas palavras. Justo eu que pouco venho comentar (rsrs) exatamente porque quero evitar todo tipo de conflito e desgaste? rsrsrs

    ResponderExcluir
  61. Doni, creio que vc não deve ter lido os comentários que postei como anonimo, tentei deixar clara minha postura.

    Guiomar, espero que vc tenha entendido ok? Não quis lhe ofender de jeito algum! Mas vc se lembra a vez que eu fiz um comentário falando que estava ridículo seu bate-boca com a anja? Se lembra que fiz referencia as duas? (vc e ela)

    Agora desta vez eu quis ser menos incisivo pra não parecer prepotente, foi apenas isto.

    Já quanto a seu ensaio, sinto muito, mas não tenho nenhuma réplica a fazer, pois nada que eu disser poderá acrescentar ou multiplicar, pois não comungo da mesma visão, e não quero convencer ninguém da minha, antes deixo que o espírito santo (nossa psique) convença-lhes (rsrs)

    ResponderExcluir
  62. Gui deixo eu também colocar aqui uma frase sua que me chamou a atenção no texto:

    Também sou daquelas que creem que a Igreja (invisível) antecede e transcende a História. Se isto é fundamentalismo, não abdicarei dele. Mas jamais quero esquecer que a Pedra Fundamental viveu o amor em toda a sua plenitude. O que não for fruto do amor é apenas falácia.

    Penso que aqui você definiu em poucas palavras como deve ser uma igreja no sentido de comunhão que é a prática do amor.

    Toda vez que a igreja se afasta deste objetivo ela se contradiz.

    ResponderExcluir
  63. Respostas
    1. Rodrigo, lhe devo desculpas por ter sido grosso com vc outro dia. Mas deixa lhe fazer umas perguntas, fui lá em cima buscar isto aqui que vc disse:

      Precisamos comunicar esse Evangelho de Cristo a toda criatura!

      Precisamos ir aos bares e pontos de prostituição!

      Precisamos ir nos presídios e nas cracolândias!

      Precisamos ir nos hospitais e nas casas dos doentes!

      Precisamos ir nas escolas e faculdades!

      Precisamos ir nos programas de rádio e de TV!

      Precisamos ir nas praças e lugares de lazer!

      Precisamos ir nos protestos e reuniões políticas!

      Precisamos ir aos policiais e quartéis das Forças Armadas!

      Precisamos ir às favelas!

      Precisamos ir aos condomínios de luxo onde há tanta gente carente de afeto e de convivência humana!

      Precisamos ir às ONGs ecológicas!

      Precisamos ir aos garimpeiros, aos madeireiros e aos produtores rurais que desmatam as florestas!

      Precisamos ir aos centros de macumba!

      Precisamos ir às igrejas!
      (Rodrigo)


      Fica uma pergunta meu caro: que evangelho é este? De que cristo estamos falando? O cristo que está preso dentro de um templo? Um cristo exigente, elitista e dogmático? O evangelho de estarmos numa igreja para ser abençoados e fora desta não há salvação?

      Afinal, o que é o evangelho de Cristo?

      Excluir
  64. Gui, vc se contradiz quando fala que é daquelas que crê que a Igreja invisível antecede e transcende a História porque se a igreja é invisível, não é a igreja instituição né mesmo? E sim nós mesmos! Mas Gui, nesta igreja eu creio, não creio é em instituições!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pois Anjinha quando falo de igreja falo da invisível, mas como disse Jesus, não podemos separar o joio do trigo. Hoje quem é trigo amanhã pode ser joio e também vice versa. Não podemos esquecer que ambos, estão plantados na mesma roça, e com certeza, o joio deve ser mais abundante que o trigo.

      Excluir
  65. Anja e And,

    Divergências de ideias são comuns. dificilmente membros de um grupo com convicções diversas irá operar numa mesma cosmovisão, mas é salutar quando os temas são discutidos de forma madura e menos apaixonada. Só tem a somar!

    A minha crítica não é em relação a esta postagem e seus comentários especificamente, mas sim as últimas postagens. O conjunto de várias obras. Pode conferir, não conseguimos emplacar uma sequência de dez comentários, sem que de repente vem a tona questões ligadas a estes temas. E as vezes em detrimento do pensamento do autor.

    Mais um detalhe: Minha crítica não é direcionada a vocês de maneira alguma. Inclusive é também uma auto-crítica.

    Lembrando dos velhos tempos de professor de EBD, onde rezava a cartilha que não poderia viajar em outras ideias, senão o tema da lição!!! rsrs

    ResponderExcluir
  66. kkkk rsrs Doni, já passei por isto! rsrs Tranquilo qridão! sem stress

    É que eu quis mesmo é dar um puxão de leve na orelha destas duas brigonas (anja e Gui) rsrs

    ResponderExcluir
  67. Gil, gostei do seu apelo para paz kkkkkkkkk Me senti sentada na confraria, escutando um apaziguador de ânimos.

    Sim Gil, os excluídos, marginalizados pela sociedade, como prostitutas, ladrões, drogados, alcoólatras, favelados, homossexuais (os que não estão conformados com sua sexualidade), etc.

    Quando eu falei que nem todo pastor é mercenário, não foi agressão, foi revolta pelos Edis Macedo da vida.

    No meu ponto de vista a igreja, são os membros. Jesus nos deu o exemplo, Ele usou a palavra e também a bacia e a toalha.

    O que você acha que deve ser feito com montões de dízimos e ofertas? Eu sou inconformada com o ouro do vaticano e com o luxo de inúmeros templos de vários credos.

    Jesus se preocupava com as multidões aflitas, sem pastor. Ele as via abandonadas. A maioria dos líderes não querem pôr o interesse do povo sofrido acima dos seus interesses.

    ResponderExcluir
  68. Doni, eu hoje tive o mesmo pensamento que você. Todos os textos, ainda que não sugiram nada sobre o homossexualismo ou ateísmo, estes assuntos vem à tona.

    Será que teríamos que abrir um blog só para debater os referidos temas? kkkkkkkkkkkkkkk

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Gui, se vc não considera homossexualidade doença, porque vcs insistem em dar a conotação de doença usando o sufixo ismo???

      Excluir
    2. Anja, este sufixo caiu de moda rsrs depois das militâncias gays. Ele nunca foi sinônimo de doença física.

      Excluir
  69. Confrades, eu vejo a igreja nestes termos:


    Porco Espinho
    ...durante uma era glacial bem remota, quando parte de nosso planeta se achava coberto por densas camadas de gelo, muitos animais não resistiram ao frio intenso e morreram.

    Morreram indefesos por não se adaptarem às condições do clima hostil.

    Foi então que uma grande manada de porcos espinhos, numa tentativa de se proteger e sobreviver, começaram a se unir, a juntar-se mais e mais.

    Bem próximos um do outro, cada qual podia sentir o calor do corpo do outro.

    E assim bem juntos, bem unidos, agasalhavam-se mutuamente.

    Assim aquecidos, conseguiram enfrentar por mais tempo aquele inverno terrível.

    Vida ingrata, porém... os espinhos de cada um começaram a incomodar, a ferir os companheiros mais próximos, justamente aqueles que lhes forneciam mais calor.

    Feridos, magoados e sofridos, começaram a afastar-se.

    Por não suportarem mais os espinhos de seus semelhantes, eles se dispersaram.

    Novo problema: afastados, separados, começaram a morrer congelados.

    Os que sobreviveram ao frio voltaram a se aproximar, pouco a pouco.

    Com jeito e precaução. Unidos novamente, mas cada qual conservando uma certa distância um do outro.

    Distância mínima, mas suficiente para conviver, sem ferir, para sobreviver sem magoar, sem causar danos recíprocos.

    Assim agindo, eles resistiram à longa era glacial. Apesar do frio e dos problemas, conseguiram sobreviver.

    Viver não consiste em respirar, mas em agir, e nada de grandioso se consegue sem uma forte vontade e uma grande parcela de amor, para podermos superar as nossas dificuldades e as nossas limitações.

    As vezes os espinhos que outras pessoas possuem nos incomodam, mas temos que tentar conviver com os nossos espinhos e os de outras pessoas que nos são caras.

    ResponderExcluir
  70. Gui

    O dízimo deveria ser usado para a própria comunidade nas minha opinião na tríplice dimensão: missionária... social... religiosa.

    Aqui no brasil acho muito difícil uma multidão de dízimo não ter um caminho adequado principalmente no que tange a partilha onde nenhuma pessoa passe por necessidades. Como pode um padre ter um carro de luxo enquanto um fiel seu nem casa tem para morar? Eu vejo isto na igreja e me entristece muito.

    Também sou inconformado com abusos e estruturas desnecessárias e luxos enquanto no mundo tem gente passando fome e necessidades até primárias como por exemplo a fome.

    Quando uma igreja por exemplo têm muitas estruturas ela se torna refém disso. Quanto mais tem mais dinheiro precisa para manter. Quanto mais dinheiro precisa mais corrupta ela se torna e comprometida com quem não deve.

    Tenho vivido em uma comunidade em que eu e minha esposa e mais quatro casais fundaram na periferia da minha cidade e não temos ajuda nenhuma de nenhum orgão e nem de empresários. Colocamos nosso dízimo em comum e realizamos um trabalho social e espiritual. A igreja que hoje vivo é esta! Nossa missão é acolher a todos. Somos cinquenta pessoas que se reúnem uma vez ao mês o dia todo e o restante é missão. Durante o dia realizamos trabalhos diversos sociais com crianças e famílias em vulnerabilidade social (não importa quem). Se eu não estivesse caminhando assim acho que teria desistido de tudo. Eu me sinto um privilegiado! Estamos dentro da Igreja Católica, mas ela não se preocupa conosco. Graças a Deus!

    ResponderExcluir
  71. Gui, Edu e Rodrigo, respondi seus comentários no meu blog e fiz mais um bem importante trazendo números e gostaria muito que vcs lessem.

    ResponderExcluir
  72. Oi, meus queridos hj não pude entrar e o debate rendeu!
    Edu e Gil, obrigada pela gentileza de vcs e pelos elogios , Edu!
    Eu tenho um texto para postar no final da rodada como vc sugeriu e não é um poema mas acredito que ficará bem no final pois não suscitará debates, é mais uma reflexão sobre tudo que tenho lido e que tem me provocado. Eu queria postar sempre mas não sei sobre o que escrever.
    De qualquer forma já me sinto feliz por ter sido convidada pelo Edu e pelo Doni no início da confraria mesmo eles sabendo que sou café com leite rsrs
    Beijins...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Mari escolhe um texto de qualquer ator e você não tem a obrigação de fazer o meio de campo nós fazemos. Valeu!

      Excluir
  73. Proponho aos confrades a rashtag #PostaMari! hahaha quem aderir a minha rashtag deverá ao fim de cada comentário acrescenatar # (tag) ok? Então fica assim:

    (exemplo) Gui, estou de pleno acordo com voce! #PostaMari

    Que tal?

    (ainda bem que é só um exemplo kkk)

    ResponderExcluir
  74. A propósito, faltou o seu comentário Mari e também do Doni e do Gil lá no meu blog né?
    #PostaMari hahaha

    ResponderExcluir
  75. Anja, eu estou lisonjeada e vou postar sim!!rsrs...
    Não comentei no seu blog pois tínhamos conversado sobre isso mas já vou me redimir. Vou lá agora mesmo deixar meu "comment" rsrs...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. heheheeeeeeee ta bem lindona! Agora vc vai ver lá que até cito números, o que deixa uma visão mais clara do distúrbio.

      Edu, estou em dúvida sobre qual dos textos eu posto do Dani, Queria te mostrar alguns posso? O Dani disse pra que eu escolhesse, mas...... separei alguns e depois te passo ok?

      Excluir
    2. e vou continuar com a rashtag até ver seu texto aqui na confraria rsrs então... olha a tag de novo! haha #PostaMari

      Excluir
    3. Edu, deixa, ja sei! rsrs ia postar "Foi então que Maria chorou", depois me lembrei de um bem teológico dele, e depois outros e outros, mas vou postar uma crônica bem bacana que fala sobre amizade, depois vou postando os outros, mas o que quero mesmo é traze-lo pra cá, apesar do tempo dele ser curtíssimo.

      É tanto texto que me perco! rsrs mas vamos com calma, pois não vai acabar o mundo amanhã mesmo né? rsrsrsrssr

      Excluir
  76. Caros confrades:

    Em relação aos últimos comentários, gostaria de expor minha opinião.

    AND:

    o polêmica não é o problema, o problema é não saber polemizar. Quando você ler aqui um texto com o qual você discorda, deve dizer porque discorda, refutar, provar. Afinal de contas, o debate é o principal mote desta confraria.

    Mas cá prá nós, você já foi um calvinista????? cruz-credo, vade retro..kkkkkkkkkkkkkk

    DONI,

    entendi o que você disse. De fato, isso acontece e talvez seja impossível não acontecer. Por exemplo, como um ateu confrade vai questionar um texto a não ser a partir do seu ateísmo? como um fundamentalista vai questionar um texto teológico não ortodoxo a não ser a partir da sua ortodoxia? Acho isso até desejável.

    Por outro lado, dispersar do tema principal do texto deve mesmo ser evitado. Mas é difícil pois uma conversa puxa outra...mas vamos nos policiar quanto a isso.

    Eu também acho que devem ser postado aqui textos teológicos, digamos, mais tradicionais, para que os possíveis leitores "tradicionais" possam se servir deles. Mas como a coluna dorsal daqui deve mesmo ser o debate de ideias, qualquer um pode concordar ou não com as teses postadas.

    Por outro lado, eu não gostaria de ter aqui somente textos sistematicamente certinhos e de nível "café-com-leite"; gosto sempre que apareçam textos aqui que trate de temas complexos e que não são nunca discutidos em igrejas e até mesmo em alguns seminários. Afinal de contas, depois do leitinho segue-se a feijoada. (mesmo sabendo que muitos nunca deixam de tomar leite).

    GUI,

    Não entendo que alguém aqui queira que você abra mão do seu "fundamentalismo" (se é que foi isso que você quis dizer com sua última frase do texto). Agora, com certeza, muitas críticas virão contra o seu fundamentalismo e isso é normal, senão, não haveria debates. O crescimento só se dá no encontro com o diferente. Como você sempre repete, você "aprende conosco" e eu digo o mesmo, tenho aprendido com o Doni, com o Rodrigo, com você, Levi...

    Agora eu tenho que lhe dizer uma coisa. As suas experiências espirituais não provam que você está certa. Ora, experiência pessoal é experiência pessoal e não pode ser base de prova para argumentos teológicos que se queira irrefutáveis.

    e por favor, vamos deixar de ser melindrosos e ficar fazendo beicinho quando alguém critica as suas convicções. Só pessoas de mente estreita não aproveitam um argumento em contrário para fazer comparações e reflexões com o intuito de ter suas próprias verdades consolidadas ou estremecidas.

    Ainda que eu ache que se deve pegar leve na forma de questionar e refutar, ter que ficar pedindo desculpas a toda hora é um saco.

    Então fica combinado assim (fica?): ninguém aqui, tenho certeza, odeia ninguém ou mesmo tem antipatia por alguém, muito pelo contrário, vejo aqui um grupo de pessoas que apesar de não se conhecerem pessoalmente, gostam de estar juntas aqui no templo maior da logos e mithos... se assim for, vamos debater e não ficar magoadinhos quando alguém refuta nossas crenças. O melhor a fazer é contra-refutar provando que está certa, ou ter a humildade de reconhecer que o pensamento do outro tem alguma coisa a nos acrescentar.

    ResponderExcluir
  77. Anja,

    acho que a Mari já está convencida e vai postar...rsss

    Eu vi o blog que você citou e achei interessante, diferente. Mas eu gosto de ler um texto antes de debatê-lo. E também não me atrai ver quem venceu um debate; num bom debate, você ganha e você perde ao mesmo tempo.

    Gostaria de ver os textos teológicos dele, já que você subiu tanto a bola do moço, ele deve escrever temas teológicos bem interessantes. rss

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. sim Edu! A mim também não agrada a ideia de "vencedor" mas eu pensei que pudéssemos aproveitar (mesmo que não seja aqui, mas quem sabe num outro blog, mas com esta mesma turma daqui) algo do tipo. Fui convidada a participar de lá e já estou a par das regras, mas não estou muito afim não rsrs a ideia de ter vencedores não me agrada pois não sei lidar com derrota rsrsrsrsrs, por isto estou refutando em aceitar o convite deles rsrs

      Excluir
    2. pois é, eu nunca perco, então ia criar um clima chato...heeeeee

      Excluir
    3. Quanto aos textos teológicos do Dani, vou ser bem sincera querido, o problema é o tempo dele vir comentar os textos e eu não estou nem um pouco disposta a estar defendendo textos usando base estritamente teológicas pela minha descrença rsrs entende? E ele me deu o maior puxão de orelhas quando viu um barraco meu (chapadinha) com o Doni e com a Gui rsrs porque ele tinha visto a confraria e me disse que ia levar para as classes da faculdade, (que é uma das mais conceituadas aqui de minas, mas devido a uma tal de D.E. ele não pode assumir nada que esteja fora dos interesses da facul, entende? Nem sequer posso citar o nome dela, mas depois falo com todos vcs por msg no face ok?) Ia não! Vai (assim espero), mas com minhas estrepolias, ele deu uma recuada, faço o mea culpa e de novo te peço desculpas pelos meus excessos rsrs mas estive falando com ele e ele disse que ainda está de pé e disse que posso postar qualquer um de seus textos. E seus alunos estarão acompanhando.

      Mas combino com vc assim: posto então uma de suas crônicas desta vez e na próxima, posto um texto teológico, mas deixo claro que vcs irão debater entre vcs e com os alunos dele que comentarem (se comentarem, é óbvio), eu posso no máximo expressar minha opinião pessoal, mas não quero ficar discutindo termos teológicos, pode ser assim?

      O Daniele é meu amigo pessoal, mora próximo a minha casa e é um amor de pessoa!

      em tempo: D.E. = dedicação exclusiva

      Excluir
    4. bem, por hoje deu, boa noite a todos.

      Excluir
    5. Anja, aqui é uma confraria teológica, esqueceu...??? rsssss

      Se você achar discordância num texto teológico, refute-o, ora.

      Seria bom que você começasse a estudar a bíblia exclusivamente pelo método histórico-crítico, pois você iria ampliar bastante sua concepção de "teologia". E veja que eu entendo por teologia aquilo que os homens pensaram e criaram para falar de Deus e da vida a partir da realidade divina(metafísica ou psicológica). A teologia não vem de Deus, é produto nosso, mas isso você já sabe.

      O que fica cCaros confrades:

      Em relação aos últimos comentários, gostaria de expor minha opinião.

      AND:

      o polêmica não é o problema, o problema é não saber polemizar. Quando você ler aqui um texto com o qual você discorda, deve dizer porque discorda, refutar, provar. Afinal de contas, o debate é o principal mote desta confraria.

      Mas cá prá nós, você já foi um calvinista????? cruz-credo, vade retro..kkkkkkkkkkkkkk

      DONI,

      entendi o que você disse. De fato, isso acontece e talvez seja impossível não acontecer. Por exemplo, como um ateu confrade vai questionar um texto a não ser a partir do seu ateísmo? como um fundamentalista vai questionar um texto teológico não ortodoxo a não ser a partir da sua ortodoxia? Acho isso até desejável.

      Por outro lado, dispersar do tema principal do texto deve mesmo ser evitado. Mas é difícil pois uma conversa puxa outra...mas vamos nos policiar quanto a isso.

      Eu também acho que devem ser postado aqui textos teológicos, digamos, mais tradicionais, para que os possíveis leitores "tradicionais" possam se servir deles. Mas como a coluna dorsal daqui deve mesmo ser o debate de ideias, qualquer um pode concordar ou não com as teses postadas.

      Por outro lado, eu não gostaria de ter aqui somente textos sistematicamente certinhos e de nível "café-com-leite"; gosto sempre que apareçam textos aqui que trate de temas complexos e que não são nunca discutidos em igrejas e até mesmo em alguns seminários. Afinal de contas, depois do leitinho segue-se a feijoada. (mesmo sabendo que muitos nunca deixam de tomar leite).

      GUI,

      Não entendo que alguém aqui queira que você abra mão do seu "fundamentalismo" (se é que foi isso que você quis dizer com sua última frase do texto). Agora, com certeza, muitas críticas virão contra o seu fundamentalismo e isso é normal, senão, não haveria debates. O crescimento só se dá no encontro com o diferente. Como você sempre repete, você "aprende conosco" e eu digo o mesmo, tenho aprendido com o Doni, com o Rodrigo, com você, Levi...

      Agora eu tenho que lhe dizer uma coisa. As suas experiências espirituais não provam que você está certa. Ora, experiência pessoal é experiência pessoal e não pode ser base de prova para argumentos teológicos que se queira irrefutáveis.

      e por favor, vamos deixar de ser melindrosos e ficar fazendo beicinho quando alguém critica as suas convicções. Só pessoas de mente estreita não aproveitam um argumento em contrário para fazer comparações e reflexões com o intuito de ter suas próprias verdades consolidadas ou estremecidas.

      Ainda que eu ache que se deve pegar leve na forma de questionar e refutar, ter que ficar pedindo desculpas a toda hora é um saco.

      Então fica combinado assim (fica?): ninguém aqui, tenho certeza, odeia ninguém ou mesmo tem antipatia por alguém, muito pelo contrário, vejo aqui um grupo de pessoas que apesar de não se conhecerem pessoalmente, gostam de estar juntas aqui no templo maior da logos e mithos... se assim for, vamos debater e não ficar magoadinhos quando alguém refuta nossas crenças. O melhor a fazer é contra-refutar provando que está certa, ou ter a humildade de reconhecer que o pensamento do outro tem alguma coisa a nos acrescentar.

      chato é quando ex-crentes e novos ateus começam a querer fazer da bíblia um livro à altura dos contos da carochinha; fazem isso por que antes de serem ateus, só sabiam ler a bíblia de forma literal e fundamentalista.

      Excluir
  78. eita, não sei o que houve aí mas os meus comentários se misturaram....rsss

    ResponderExcluir
  79. Este é nosso pastor Edu desta confraria koinonia. Se colocarmos muitas regras vai virar uma religião institucionalizada! kkkkk não aguentei!

    Apoio meu pastor Edu!

    ResponderExcluir
  80. Quero reproduzir aqui uma frase da gi que achei muito legal sobre viver igreja:

    No meu ponto de vista a igreja, são os membros. Jesus nos deu o exemplo, Ele usou a palavra e também a bacia e a toalha.

    Comunidade lugar de festa e perdão!

    ResponderExcluir
  81. Edu nasci arminiano e me fiz calvinista convicto roxo! rsrs

    Em outras palavras, fui um crente da pior estirpe! Mas como bem disse a Gui, alguns nunca querem aprender com seus erros, o que não era e nem é o meu caso, eu aprendi! hehehehe

    ResponderExcluir
  82. hahaha edu, já nem sei por onde andam as bíblias que tem aqui em casa (que não são poucas) rsrs

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pr duzão ( rsrs ) vou esperar seu ok pra entrar com o texto ok? posso ouvir um aleluia? rsrs

      Excluir
  83. Gil, é isso aí, regras demais atrapalham.

    ResponderExcluir
  84. Anja, os textos ficam 4 dias. A Gui postou na terça, então, amanhã faz 4 dias. Pode postar amanhã de manhã.

    Esperemos a Gui voltar aqui para fazer suas considerações finais.

    ResponderExcluir
  85. vocês estão me chamando muito de pastor. Vou começar a recolher os dízimos e os trízimos. Quem não pagar não vai ser abençoado e nem vai mais poder postar...

    ResponderExcluir
  86. Gil, este é meu sonho uma comunidade atuante. Que ouça a alma, mas também os roncos das barrigas. Já trabalhei muito com drogados e outros, agora tenho novas aspirações.

    Eu acredito que as igrejas deveriam adotar a prática de se dar dízimo sem envelope e nome, isto afastaria a tentação de privilégios e dependência dos números.

    Abraço.

    ResponderExcluir
  87. Edu, desde quando eu faço beicinho? Eu sou é machA meu filho. Continuo apenas sem concordar com deboches e agressões seja qual for a matéria postada. Se alguém quiser respeitar minha opinião, acate! Tenho dito!

    Não entendo que alguém aqui queira que você abra mão do seu "fundamentalismo" (se é que foi isso que você quis dizer com sua última frase do texto).

    Não foi esta a intenção, claro que a gente sempre, no funfo no fundo, gostaria de fazer a cabeça de alguém e não venha dizer que não... kkkkkkkkkkkkkkk mas o que quero dizer é que estou convicta do que creio. simples isto.

    Quanto as minhas experiências espirituais, elas estão intrinsecamente ligadas a teologia. Não é uma questão de querer provar nada. Porque mesmo argumentos teológicos bem fundamentados, são passíveis de discordância, por outros diferentes, bem fundamentados.

    EU LEIO MUITO NA NET, SÓ ACREDITO, NO QUE A CIÊNCIA PROVA! Eu também só acredito em muitas afirmações bíblicas, porque elas se cumprem na minha vida ou de alguém.
    Portanto, alguma afirmações teológicas, têm que valer na prática.

    Espero um dia vê-lo pregando com muita sabedoria. Beijo.

    ResponderExcluir
  88. Donizete, achei o seu comentário lá no meu blog tão interessante (gostei muito mesmo) que me esmerei em responde-lo e gostaria que todos vissem seu comentário e a resposta que dei e espero que todos entenda que não se trata de uma propaganda de meu relacionamento ou o tal de querer aparecer, mas sim o querer ajudar a mulheres que sofrem caladas com este distúrbio.

    ResponderExcluir
  89. Gui, eu sei que você é macha!! rsssss

    A anja também é macha pra caramba...quando as duas se encontram...kkkkkk

    infelizmente, amiga, você não me verá pregando por aí com sabedoria ou com falta dela, o máximo que você verá de mim será ler os meus textos.

    Não possa pregar o que eu não creio, apesar de defender com unhas e dentes quem pregue e creia.

    Se eu fosse pregar na igreja uma mensagem de acordo com minha leitura da Bíblia eu seria convidado a me retirar.

    E então, quer liberar logo a Anja para postar hoje?

    ResponderExcluir
  90. Guiomar Barba,

    Durante os séculos VI a.C e IV D.C só existia duas escolas na Galiléia, a Saducéia e a Fariséia. Outros ensinamentos eram ministrados pelos Essênios descritos por Plínio, o velho, e confirmados no século IXX d.C através dos Manuscritos do Mar Morto. Todos os ensinamentos que a bíblia atribui a Jesus já haviam sidos escritos pelos Essênios, inclusive o sermão da montanha. Se Jesus discutiu com os doutores no templo e estes doutores eram fariseus e saduceus, "o macaco pergunta"; Teria Jesus freqüêntado a escola dos Essênios? Se a arte da carpintaria Jesus aprendeu com o padrasto José, porque não haveria de ter aprendido religião com os Essênios?
    O macaco não tem religião nem usa pirita como jóia.

    ResponderExcluir