sábado, 23 de junho de 2012

O pecado involuntário


O grego Orígenes (182-254), escritor eclesiástico e professor da Escola de Catequização em Alexandria, era o teólogo mais eminente da antiguidade cristã e o primeiro defensor de uma pesquisa bíblica crítica. Com sua formação platônica, Orígenes deu à “Escritura Sagrada” interpretações alegóricas tornando-a acessível à mentalidade da época. O quinto concílio condenou o dissidente e proclamou a sua exegese como desvio da fé.  “Aquilo que, doravante, deve ser aceito como a fé verdadeira, será proclamado única e exclusivamente pela alta hierarquia eclesiástica, inspirada pelo ES, a cujo cargo fica a convocar as pessoas devidamente inspiradas”.  Com esta deliberação conciliar, teve início a perseguição não somente aos numerosos adeptos de Orígenes, mas a todas as pessoas de credos diversos.
A Bíblia não é a “palavra de Deus”. Os ensinamentos da fé elaborados nos primeiros cinco concílios por toda uma legião de príncipes da igreja, apesar do carisma dos conciliares, não foram inspirados pelo Espírito Santo. Para o leigo crente e simples, isto constitui um choque muito forte por se encontrar despreparado.
O que acontece com Jesus? Existiu? Deu seu sangue na cruz por “nós, pecadores”? Teria pregado, ele próprio, o que relata o Novo Testamento? E, se os textos supostamente divulgados por Jesus não foram de sua autoria, de onde provêm as 1500 cópias dos textos primitivos? Um só personagem dos muitos que sofreram a morte na cruz não pode sustentar e perpetuar tamanho culto à pessoa. Todavia basta, por exemplo, ler os comentários feitos pela junta de autores a respeito de “Jesus, Filho do Homem”, de Rudolf Augstein, para nesta tentativa de contestação, reconhecer a antiquíssima técnica que Joachim Kahl qualificou de “encobrimento”.
Os teólogos cristãos constituem em pedra angular da religião cristã, o dogma religioso, o dogma de Jesus e exigem validade inconteste deste poder não comprovado. As centenas de milhares de pastores e padres de todas as igrejas cristãs perderiam a si próprios e o seu cargo se não pudessem mais agir em “nome de Jesus”. Honestamente e sem leviandade, deveriam dizer ao seu dizimista, sentado ali na 13ª fileira de bancos da sua luxuosa nave central que Jesus de Nazaré não é o “Filho Unigênito de Deus” e jamais se proclamou como tal. A que título as igrejas cristãs invocam um Jesus que não existe, ensinamentos que ele não deu, autoridade que ele não outorgou e uma qualidade de filho que ele jamais reclamou?   Pois não me foi dado crer simplesmente porque para tanto fui mandado”.
Ao longo de dois milênios, desde o nascimento, o cristão carrega um fardo intolerável. Explica-se a ele que já nasceu manchado pelo pecado original e, para livrar-se deste, precisa do “Salvador”. Aprendemos na igreja que Deus é o começo e o fim de tudo, que é o alfa e o ômega, que Deus é todo-poderoso, todo-bondoso, todo-justo, onisciente, sublime, eterno e onipresente. Este é o conceito que aprendi sobre Deus. Mas Deus também é infinito por ser eterno. Ele desconhece o hoje, o amanhã. O Deus eterno e onipresente não precisa esperar pelos resultados de suas medidas já que os conhece de antemão. Pois, pois...
Deus em sua infinita bondade, brindou duas pequenas e ingênuas criaturas humanas com a estada no paraíso, o lugar de alegria e felicidade. Os eleitos foram denominados Adão e Eva que viveram dias despreocupados, sem anseios nem saudades. Mas havia uma proibição feita por Deus:  Comer a fruta do conhecimento, aquela árvore era proscrita. É estranho. Porque o Todo-poderoso deu proibição tão rigorosa?  Teria Ele, tido prazer com aquele jardim de infância? Poderia Deus participar do sentimento humano?  A Mariani Lima tem uma resposta:  Deus queria dar o amor e desejava que os dois participassem do seu reino. Segundo esta interpretação, Deus teria ansiado por companhia ou amor. A meu ver estes sentimentos não condizem com Deus, que, em sua qualidade de todo-poderoso se sente irrestritamente feliz. O Eduardo Medeiros de Jesus afirma que Deus queria tentar Adão e Eva fazendo-os passar por uma prova. Mas Edu, assim não dá!...Seria tão mesquinha sua opinião sobre Deus? “Tentação e prova” seria jogar com cartas marcadas. Uma trapaça? Já que, de antemão, Deus, “onisciente” conheceria o resultado desta tentação e prova. Levi Bronzeado, não vale a réplica de que Adão e Eva estavam perfeitamente  à vontade para comer ou não da árvore do conhecimento, pois, também a este respeito, Deus teria sido informado de antemão. De qualquer modo vamos levar a ideia até o fim. Suponhamos que eles não tivessem mordido a maçã paradisíaca. Neste caso, Adão e Eva, nús, continuariam brincando no paraíso até hoje? O que teria acontecido se, sem provar do fruto proibido, jamais tivessem ficados cônscios de sua nudez e com isto das suas possibilidades de procriação? Haveria Deus, então, ter criado homens e mulheres em série? Homens e mulheres que por sua “livre e espontânea vontade”, jamais teriam almejado o conhecimento, por obedecerem à proibição divina? Anja Arcanja, não adianta dizer que  Adão e Eva foram induzidos a comer a maçã. Houve tentadores, o Diabo ou a serpente. Mas Anja, toda criatura provém de Deus, assim aprendemos. Por conseguinte, o Diabo e a serpente também foram criados por Deus. Teria, então, o Deus bondoso criado o Diabo e a serpente para fazer parte do circo  e com sua assistência, provocar os seres humanos simplórios? E se assim  fosse, porque Deus ficou tão ofendido com a refeição vegetariana, a ponto deste pecado ficar inexterminável no mundo por ele criado?  Ele sabia o que iria acontecer. Sinto a Guiomar Barba me puxando pelo braço: não foi bem assim não; Lucifer, o Diabo, era um renegado do reino celeste de Deus. Não entendi Guiomar... Um renegado ao reino celeste de Deus? Como? Se o “reino do céu” equivale à felicidade, conforme está sendo prometido aos fiéis, então por lá não pode haver oposição, nem rebeldes, nem renegados. Ou é ou deixa de sê-lo. Se o reino de Deus garantisse  o estado da felicidade completa, dificilmente “Luc” teria a ideia de agir contra Deus. Se, porém, no Reino do Céu não existiu a felicidade absoluta, então Deus não teria sido onisciente bastante para criar tal clima. Edson Moura, vou lhe dar razão quando você não encontra motivação lógica para a contenda entre Deus e o Diabo. Antes de Lucifer ter se aproximado do casal paradisíaco, para tentá-lo, Deus deve ter sabido que a tentação vingaria. Na questão do “livre arbítrio” de Adão e Eva, mesmo com a inclusão de “Luc” assume aspecto de Deus “ex machina”, pois tanto Lucifer como Adão, Eva ou a serpente agiram dentro da vontade e da ordem recebida de Deus, o onisciente. A história do criacionismo se faz sem pé nem cabeça, além do mais eu não gosto de maçã nem pequei involuntariamente. Elídia, foi você quem pediu para eu postar sobre os mithos.
Se quiserem saber mais, minhas fontes são: Sam Harris, Richard Dawkins, Erich Von Däniken, Stephen Hawking e outros cristãos. AMÉM.                                                             

336 comentários:

  1. Foi a Elídia quem pediu uma postagem sobre miythos. Estou só obedecendo-a. Só citei a opinião dos confrades que já conheço, aos outros, depois...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. kkkk muito bom Mirandinha! Mas sua opinião sobre minha resposta esta equivocadíssima! srsr

      Adão, Eva, Jonas, Jó entre tantos outros são mitos! É o homem tentando buscar uma maneira de explicar sua criação e eu costumo dizer que a criatura criou o criador.

      Não houve Adão, Eva, maçã, serpente... e muito menos alguma diálogo que seja entre o criador e a criatura, não acredito que vc delegou a mim tal preposição: Anja Arcanja, não adianta dizer que Adão e Eva foram induzidos a comer a maçã. Houve tentadores, o Diabo ou a serpente. (Mirandinha)

      Mas Mirandinha, vc não sabe que há muito tempo já descri desta falácia e deste deus que nada mais é que a criatura criando seu criador? Ainda trago resquícios da minha antiga crença, mas hoje, creio em deus dentro de um deísmo e o Marcio já me chama ateia e diz que o deísmo é o último passo antes do ateísmo, mas sinceramente, não me importo com isto. Não quero rótulos, não quero criar meu deus ou vestir-lhe uma roupa diferente das demais.

      Como já disse aqui em outros textos (e vc bem viu até a confusão que deu), eu quero viver bem, amar, ser feliz, dar e receber prazer; vejo deus no olhar de uma criança, no sorriso de meus filhos, no sexo com meu marido, etc etc etc... ou seja, vejo deus humano (homem) e tanto é que sempre digo que deus humanizou para que fossemos demasiadamente humanos, e não é possível que vc ainda não tenha percebido isto? O fato de ter postado um texto sobre TdL do meu colunista, não implica que eu professe (rsrs) a mesma crença dele ora!) quis mostrar com aquele texto, que muitos crentes preferem entregar "papelzinho" do que de fato, fazer algo que dê resultado pelo seu próximo.

      Pra mim Mirandinha, o único livro sagrado que pode existir (repetindo o que eu já disse aqui ao Rodrigo, ao Doni, ao Edu e a Gui) é o ser humano! Minha vida é sagrada e a sua também! Todo o resto é especulação!

      Então Mirandinha, VIVAMOS ENQUANTO SOMOS ETERNOS, PORQUE DEPOIS QUE A MORTE VIER, NÃO PODEREMOS FUGIR DELA!

      Mas amei sua tirada ácida na galera, mas em mim não colou rsrss

      Bjux querido...

      Excluir
    2. em tempo: quando disse que vejo deus humano (homem) é homem gênero viu? rsrs e ainda quando disse que vejo deus até no sexo com meu marido, não precisa ser necessariamente com ele! kkkkkkkkkkkk

      Excluir
    3. Em tempo 2: o Marcio a quem me refiro é o Marcio Alves viu?

      Excluir
    4. deus humanizou para que fossemos demasiadamente humanos, e não é possível que vc ainda não tenha percebido isto? “ (Anja)

      Na sua imaginação, Anja, você percebe esse Deus, como uma figura antropomórfica, que desceu até nós para nos humanizar?

      Uma espécie de ser exterior a nós que de longe nos comanda?

      Excluir
    5. Não Levi! Ta loko? rsrs Vejo a força criadora de deus, o Haja luz e big-bang! Houve luz e a partir daí...

      Quando digo que deus humanizou, apenas faço uma alegoria a JC que quis exatamente mostrar que deveríamos viver intensamente nossa humanidade, sem culpa, sem pecado, mas com juízo! rsrs

      E como muitos dizem que deus humanizou pra que fossemos divinos, eu digo o contrário. Apenas isto...

      Pra mim, quanto mais humano, mais sagrada a pessoa é, pois o sagrado encontra-se no profano. E não venham me chamar de hedonista viu? rsrs

      Excluir
    6. O esperado é, exatamente, isto. Anja, como você age por mimetismo, achei que defenderia Deus apesar de não ser religiosa. Na próxima vez serei mais sutil. No entanto eu já esperava rebordózias. Se você acha que o Deus de Abraão controla sua vida, só pode ser por controle remoto. Fruto da evolução criacionista. He, he, he... Você é uma seguidora de Maria. Se casou com José mas emprenhou do Espírito Santo. Foi você quem disse...

      Excluir
    7. kkk mimetismo? aí se me fode mirandinha e porque o deus de Abrão não controlaria minha vida?

      Pensa bem, Abrão já não suportando mas a situação que encontrava, ouviu a voz do deus que habitava sua psique mandando-lhe sair... este é o deus que controla a mente de todos! a psique... rsrs

      Excluir
    8. Também penso que vc não entendeu quando eu disse que o "haja luz" de deus, foi o big-bang né? rsrs

      Como vc bem sabe nem em vida após a morte eu acredito (ou pelo menos não a espero), mas me surpreendi quando vc disse que deve ter algo após a morte, que serviu até de argumento da Gui contra mim!

      Excluir
    9. Nosssaaa qnt erro de português cometi! Mirandinha, onde se lê "se me fode" (rsrs) leia-se "cê" (de vc) me fode!

      Excluir
    10. Você é uma camaleoa, ora abomina o criador, ora o compara ao design inteligente. Na verdade você teme um Deus apesar de não aceitar que seja o mesmo da Guiomar. Também concordo que tudo seja fruto da nossa psiquê, mas isto não me tira a ilusão de existir algo após a morte. Mesmo que minha energia só sirva para alimentar o vibrador de alguma linda ET. (Dizendo o Edu). Trocar letras é comum até em academias.

      Excluir
    11. rsrs Deve ser porque gosto muito do David Bowie! rsrs mas deixa te perguntar: como posso temer o deus de minha psique? rsrs
      estou esperando o texto editado em meu e-mail ok querido?

      Bjux................

      Excluir
    12. Todas as religiões temem um Deus que só existe em sua psyquê. Buda, Maomé, Manitu, Javé, Jesus, Osíris, Odin, Silas Malafaia etc...

      Excluir
  2. Mirandinha, meu velho,

    te pedi um texto "devocional" e você não me decepcionou...esta igreja Logos e Mythos está a cada dia, crescendo na graça e no conhecimento!! (mas não esqueçam que o dízimo continua valendo).

    Mirandinha, meu mitólogo,

    gostei tanto do texto que vou ler outra vez e volto mais tarde para fazer um monte de comentários, com a ajuda do ES(Gui) ou do superego(Levi).

    Mas antes, quero entender todo o simbolismo que você pôs na gravura do "pecado original". Fundo preto? ou melhor, um todo preto? ou negro, que é politicamente correto? você quis insinuar, seu racista, que o pecado original tem um link com a cor negra????? Ou você está sugerindo, subliminarmente que a "cor" negra, por ser ausência de cor, está a dizer da ausência do pecado original?? heeeee

    Vou ali comer uma maça e já volto.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk só tem loko aqui! rsrs

      Excluir
    2. Pois é Edu, meu caro.
      Atendi ao seu pedido. Quanto ao fundo negro não tem conotação racista, mesmo porque no paraíso não tinha nem negros nem arianos. A cor negra simboliza a ausência ou o infinito. É como se o pecado original fosse sugado por um buraco negro. Sabemos o nome mas é impossível procurá-lo.

      Excluir
  3. Prmeiramente quero parabenizar o Miranda pelo texto enxuto, simples e penetrante tal e qual uma arma de dois gumes.

    Na verdade, Miranda, creio que ninguém aqui é isento de dúvida à respeito, do que considero o MITO DA CRIAÇÃO, existente em quase todas as religiões.

    Tudo que você escreveu, passa pela cabeça de todo ser humano da cultura ocidental. Alguns que dizem nunca ter pensado como você, na realidade está exercendo um mecanismo de defesa psíquica, uma defesa inconsciente, de NEGAÇÃO da dúvida.

    Esse Deus nomeado com as mesmas características e sentimentos humanos, só poderia ser imaginado como um deus paradoxal e ambivalente. E como tal, reflete a criatura humana. A Bíblia é a história, ou ressonância do arquétipo patriarcal. Esse arquétipo surgiu em nossa psique desde o tempo em que estávamos sujeitos à autoridade do nosso pai, tutor, avô, etc que nos forjou. Por isso, que o sucedâneo do pai natural, o denominamos de “Pai Eterno” no nível imaginário.

    Os pólos ambivalentes representados pelas figuras metafóricas de Deus e do Diabo falam da história dos afetos ambivalentes humanos, projetada de forma inconsciente numa “imago paterna” autoritária e as vezes amorosa que na religião ocidental nomearam de Javé. Quem de nós não vivenciou na tenra infância o castigo paterno (por desobediência) e o prêmio (pela obediência)?

    Tando o crente, quanto o “ateu”, sem querer querendo, almejam a justiça, a felicidade e um mundo melhor. Ou estou errado?

    Segundo o “ateu” Erich Fromm, “o ser humano lida com os elementos ameaçadores do mesmo modo que, em criança, aprendeu a reduzir a sua própria insegurança pela confiança, admiração e respeito medroso por seu próprio pai. Dentro desse raciocínio a religião é uma repetição de uma experiência infantil” .
    Por outro lado, Miranda (e olha aí a ambivalência), Freud, nos seus últimos momentos (vide ensaio postado ontem na C.P.F.G.) assim escreveu em uma carta a seu grande confidente, pastor e psicanalista Pfister:

    “Aqueles que brigam com Deus podem estar reencenando na esfera religiosa a luta 'edipiana' que não conseguiram vencer em casa”.
    Ainda volto... (rsrs)

    ResponderExcluir
  4. Mirandinha, gostaria de postar este texto, mas será que vc não despersonaliza ele pra mim? Pois está personalizado demais pra Logos & Mythos (até com nomes pô), edita ele please, e manda pra meu e-mail? anjaarcanja.batzion9@gmail.com

    ResponderExcluir
  5. EDU

    Nesse link http://www.veramenezes.com/metaforas.htm, encontrei algo interessante sobre a cor negra como metáfora de pecado na cultura religiosa ocidental.

    “Na simbologia de cores da civilização européia, a cor preta representa uma mancha moral e física, a morte e a corrupção, enquanto a branca remete à vida e à pureza. Nesta ordem de idéias, a Igreja Católica fez do preto a representação do pecado e da maldição divina. Por isso, nas colônias ocidentais da África, mostrou-se Deus como um branco velho de barba e o Diabo um moleque preto com chifrinhos e rabinho.” [Kabengele Munanga (1986:15-16) ]

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Levi, o link deve estar errado, confere pra mim que não consegui ab rir a pag

      Excluir
    2. Desculpa minha falha! rsrs ta certinho!

      Excluir
    3. Levi, eu não quiz falar para o Eduardo Medeiros que Deus era ariano e o Diabo,africano. Eu não quiz dizer que a igreja pintou um Jesus louro de cabelos cacheados e de olhos azuis. Coloquei a cor do pecado num buraco negro para ser sutil.

      Excluir
  6. Miranda,

    Basicamente, a partir do século XIX, a teologia revelou-nos uma Bíblia que estivera oculta durante toda sua existência. Ainda que a nova leitura da Bíblia, apresentada naquela época, tivesse soado como uma apostasia da fé, para muitos, entretanto, ganhou uma nova dimensão até então desconhecida. O mito! A linguagem mitológica que escritores primitivos imprimiam em suas ideias acerca do religioso, era um meio de articular suas impressões em torno do sagrado, de fornecer um “arché” para suas indagações metafísicas, aquilo que nós, homens da pós-modernidade, entendemos que se tratava de uma forma pré-científica de explicar o mundo.

    Bultmann via a construções destes mitos como absurdos, mas como disse certo proponente da manutenção deles na Bíblia: “O absurdo aparente dos mitos, se deve não a eles mesmos, mas antes à nossa maneira ocidental e pós-científica de perguntar e obter as respostas contidas nos mesmos”. (sic)

    A ideia de “pecado original” é um construto teológico que se originou da tentativa de uma explicação da narrativa mitológica da árvore proibida plantada no Éden. Quem deu origem a doutrina da originalidade do pecado foi Orígenes, mas quem deu a explicação mais inteligente foi Agostinho, que o denominava como pecado original, por ter acontecido nas origens. Mas o pecado não é “originário” ainda que “originante” dos pecados pessoais realizados na história.

    Discordando de Bultmann, absurdo mesmo não é a linguagem mitológica usada pelos escritores primitivos, mas sim a leitura literal desta linguagem feita pelo homem moderno.

    Para encerrar, “tanto no Paraíso como na Cidade Santa não há templos. No Paraíso a religião ainda não é necessária, e na Cidade Santa ela deixou de ser necessária. Pois a religião é a memória de uma unidade perdida e a nostalgia por um futuro de reconciliação.”

    Abraços.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Respondi vc lá em cima Levi! rsrs

      Excluir
    2. Donizete meu amigo,
      Concordo que a bíblia seja a estória de um povo ou de uma cultura. Era através dela que se explicava os fenômenos naturais, ensinava ética, agricultura, pecuária, leis e deveres com obediência e um ser inusitado. Era uma forma pré-cientifica de explicar o mundo. Hoje a religião é a memória de uma unidade perdida e sem reconciliação. O homem moderno não necessita mais dela, apesar de que o terceiro mundo ainda morra em sua defesa.

      Excluir
  7. Anja, será que veremos aqui mais uns dos infinitos rounds da eterna briga entre "deus não existe e Deus existe"??? rsrsrs

    Guiomar, respondi seus comentários na texto anterior querida

    ResponderExcluir
  8. Na questão do “livre arbítrio” de Adão e Eva, mesmo com a inclusão de “Luc” assume aspecto de Deus “ex machina”, pois tanto Lucifer como Adão, Eva ou a serpente agiram dentro da vontade e da ordem recebida de Deus, o onisciente. (Mirandinha)

    Calvinismo, preterição e predestinação... etc.? rsrs Mesmo se assim fosse que culpa teríamos? A culpa de deus ter escrito e determinado TODOS os meus dias antes que qualquer um deles existisse? (rsrsrs)

    Mirandinha, parabéns pelo texto, gostei mesmo a assim que vc editar (se é que vai) pra Anja, eu irei publica-lo depois, posso?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Anderson, obrigado. Vou mandar para a Anja, sim... E tem minha permissão.

      Excluir
  9. DONI, PQP!!!!! tu tá arrebentando nos comentários, meu chapa!! você acaba de ser promovido a teólogo oficial da igreja logos e mythos!

    Sua frase acaba de ir para destaque no "pensamento da hora"

    ResponderExcluir
  10. "Pois a religião é a memória de uma unidade perdida e a nostalgia por um futuro de reconciliação.”

    Doni, você resumiu o "X" da questão de maneira brilhante.

    Gostaria de ouvir a opinião de Miranda sobre esse seu "insight"

    ResponderExcluir
  11. Oba. Fui promovido! E a remuneração, continua a mesma? rsrsrs

    Edu, seria importante o pessoal conhecer o seu texto no veredas, Já que desponta no horizonte a possibilidade de um novo "round" teísmo & ateísmo! rsrs

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Doni, aproveitando sua deixa, deixa eu fazer uma pergunta: será que haveria um ponto em comum de concordância entre ateus e teístas? O que vc pensa a respeito Mirandinha?

      Excluir
    2. And, vc bem sabe (e sei que sua intensão não foi me cutucar né? rsrs)que é exatamente este ponto comum que busco lá no MEU (nosso né my lord) blog!

      Mas...

      Excluir
    3. Altamirando,o que dizer? Eu preciso concordar com vc que o cristianismo se colocou acima de Deus e o Cristo. Concordo que depois que se inventa a primeira mentira é preciso ter cuidado com a manutenção de todo o resto e é isso que vem sendo feito.Mas o meu ponto de vista só difere do seu,quer dizer,difere em muito rsrsrs...mas acho que primordialmente quando eu acho que as religiões e suas loucuras não provam a existência e nem a inexistência de um ser maior. Penso que Deus se manifesta de muitas formas, eu o reverencio através de um cristianismo inventado por mim mesma,mais um dentre tantos,mas pelo menos as heresias são de minha autoria e não as empurro a ninguém,rsrs...mas sou dependente da figura de Jesus, de fato me sinto confortável ao me dirigir ao ser supremo através desse mito (como preferir),se estiver errada não terá me feito mal algum,se estiver certa ainda melhor!!!rsrs... mas olha,não acho que Deus seja um ser choroso e necessitado de carinho e amor,essa sou eu! rsrs... mas penso que ele nos têm em suas mãos e sinceramente acho que não se importa se o afirmamos ou negamos, pois afinal fazendo uma coisa ou outra,ele estará em nossa mente como sempre esteve:uma eterna incógnita.Afinal,se não se apresenta claramente,se não diz o que quer,é por que não deve mesmo ligar para esses pormenores. Cada um siga a sua sinceridade,pois pior que tudo é mesmo a fé fingida.
      Adoorei seu texto! Um grande abraço! Fica com Deus.

      Excluir
    4. Mariane Lima minha fôfa,

      Eu também penso assim. Se Deus existir (qualquer deles), parabéns pelo ostracismo. Se não, parabéns também. Não me deu carros mas não me castigou em nada. Meus infortúnios são frutos de minha própria imbecilidade. Meus acertos e sucessos foram frutos do meu interêsse, trabalho e persistência. Não devo nada a ninguém por conquistá-los.

      Excluir
  12. Galerinha de teólogos,

    vou colar aqui uma passagem do livro "A Bíblia e suas contradições" do autor José L. G. do Prado, ed Paulus:

    "A Bíblia não quer discutir com Darwin ou com nenhum cientista. A Bíblia quer apenas dar-nos uma resposta de fé para a vida e as situações concretas. Só isso.

    O povo hebreu sempre foi muito prático. O importante para eles era a vida concreta, tanto é que deixaram as elucubrações metafísicas para os gregos.

    A narrativa do gênesis, escrito em linguagem para nós hoje, metafórica e simbólica, mas para a mentalidade da época, em linguagem concreta a partir da visão de mundo concreto que eles tinham, usou temas da mitologia babilônica e persa(árvore da vida, criação do homem da terra, o sol e a lua como deuses, deuses maus, etc) para registrar o seu próprio pensamento "concreto".

    diz o autor citado:

    "Essa narrativa não foi invenção do autor bíblico, foi adaptação de histórias da criação encontradas na Babilônia. Significativas são as diferenças. Na Babilônia a criação é resultado de luta entre os deuses. Aqui Deus é absoluto, diz e as coisas acontecem..."

    Os judeus usaram o que já existia para estabelecer a sua própria visão das coisas.

    O problema da cristandade é ainda achar que as respostas que os antigos judeus construíram para si e para a sua própria época, devem ser a mesma para nós, hoje.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Edu meu caro,
      "Os judeus usaram o que já existia para estabelecer a sua própria visão das coisas."
      "O problema da cristandade é ainda achar que as respostas que os antigos judeus construíram para si e para a sua própria época, devem ser a mesma para nós, hoje."

      É isto mesmo Edu. O que foi bom para os judeus, nem de longe, não pode servir de base religiosa para nós. O Deus que os judeus inventaram para eles, serve de muleta para eles, assim como Buda serve aos seus seguidores. Se fôssemos colonizados por japoneses estaríamos adorando Buda e falando mal de Jesus. Assim que você entender porque não acredita nos outros Deuses, entenderá porque eu não acredito no seu.

      Excluir
  13. Doni,

    essa disputa entre teístas e ateus não levam a lugar algum. Ateus não podem provar que Deus não existe e teístas não podem provar que ele exista. O melhor a se fazer é buscar sínteses entre um lado e outro, e isso, através de um diálogo aberto e franco, sem dogmatismos de ambas as partes.

    Agora, todo mundo sabe que se um bom neoteísta for disputar com um bom ateu, este último vai ficar em franca dificuldade...heeeee

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Edu meu caro,

      Você denomina de "neoteísta" os adeptos do design inteligente? Cai na real, Edu!...

      Excluir
  14. ANJA E END,(talvez também para o Mirandinha)

    tenho uma exortação pastoral para vocês.

    Hoje em dia, nas discussões acadêmicas sobre religião e religiosidade feitas principalmente por filósofos e historiadores da religião, perdeu-se por quase completo essa mania boba e fora de moda de alguns ateus de menosprezar a Bíblia como simples livro de fábulas, por isso, totalmente dispensável.

    Pelo contrário, muitos filósofos estão redescobrindo o texto bíblico, mas sem as amarras da velha ortodoxia, e isso tem sido muito proveitoso, pois tem trazido novos estudos sobre a atualidade existencial (olha a concretude aí) de muitos livros da Bíblia.

    Os estudos da Bíblia como literatura tem surgido saindo das mãos não de teólogos, mas de filólogos e doutores em literatura antiga. Estão redescobrindo o valor literário da Bíblia no meio acadêmico.

    Então, as alfinetadas bobinhas que costumam-se dar nos evangélicos, não cabe para ninguém aqui, nem mesmo para a Guiomar, que apesar de fundamentalista, possui a mente mais aberta do que muito herege. E aqui não vai nenhum sentido pejorativo para o termo "fundamentalismo", pois fundamentalista, é quem possui certos fundamentos para a sua própria crença e fé e nesse sentido, todos o somos.

    Por isso, a afirmação do Mirandinha de que

    " O homem moderno não necessita mais dela(da Bíblia), apesar de que o terceiro mundo ainda morra em sua defesa."

    não resiste ao que acontece hoje no meio acadêmico. No mais, cada um tem o direito de morrer por aquilo que lhe tem valor.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. haha pastor Edu, não entendi estas sua "exortação" nem a mim e principalmente ao And (e não End viu?), tadim, ele não alfinetou a ninguém e nem eu ora!

      Excluir
    2. ????? é Sério mesmo! Não entendi sua exortação! Eu sim costumo dar umas alfinetadas (mas não fiz isto até agora neste texto), mas vc está sendo injusto com o And viu?

      Excluir
    3. Edu meu caro,

      O grande problema é que para justificar a existência de Deus os cristãos exortam a bíblia, mas para provar que ele existe, de fato, usa-se metáforas. Para provar sua crença,a bíblia é um livro sagrado e inspirado pelo espírito Santo, mas quando se exige provas de suas verdades, ela é um rosário de mentiras escrita por comedores de feijão. O Deus de Isaque é o mesmo de Valdemiro Santiago. O Deus de Abraão é o mesmo de Edir Macedo. Tanto um quanto o outro, aprenderam na bíblia a arte de enganar.
      Edu, o homem moderno a qual eu me refiro é o que usa a mente, sabe pensar e não anda com carro alienado, com placa de venda e portando inscrição de "Presente de Deus". Este homem não morre em defesa do improvável.

      Excluir
  15. Mirandinha,
    agora vou entrar de fato, na discussão do seu texto.

    Orígenes, foi sem dúvida, o mais brilhante dos antigos teólogos mais falharam ao pensar o texto do AT a partir de categorias gregas. Javé nada tem de grego. Javé não é um demiurgo, ele é o absoluto criador de tudo, e tudo que ele fez, foi bom. A ideia de que a realidade material é inferior à uma realidade espiritual era estranha aos antigos hebreus.

    Os concílios da igreja trouxeram aspectos positivos e negativos, ao meu ver. Os negativos, evidentemente, foi estabelecer o que deveria ser a verdade indiscutível para o pensamento cristão e o positivo, paradoxalmente, foi exatamente dar um rumo ao pensamento cristão.

    Sobre sua pergunta Porque o Todo-poderoso deu proibição tão rigorosa?

    muito tentou para respondê-la.

    Mas se vamos ao texto bíblico sem as amarras da velha ortodoxia, tudo fica mais interessante na busca de significados nas narrativas do mito etiológico bíblico.

    Por que Deus não queria que o homem conhecesse o bem e o mal?

    O homem não conhecia nem um nem outro, vivia em um estado de singularidade existencial.

    Isso é possível?

    A partir do momento que o homem conhece o bem e o mal e se torna como Deus, o que ele deveria fazer com tal conhecimento? - aqui talvez, esteja um caminho para discutirmos hoje, o mito de ontem.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Edu meu caro,
      Jogar com cartas marcadas é trapaça. Você quer dizer que a trapaça, também, é um pecado original?

      Excluir
  16. Anja,

    não sei por que estou chamando o AND de END. End, fim...?? kkkkkkkkkkk

    Mas sim, Anja, você e o AND, caem de vez em quando(ainda que seja apenas por zoação da sua parte) em um erro que os ateus que já foram crentes fervorosos cometem: vomitar no prato que comeram.

    Ao invés de evoluírem suas posturas quanto à leitura do texto bíblico nos termos em que eu citei como hoje acontece na academia, insistem em ficar dizendo que a bíblia é cheia de erros, cheia de fábulas, que não é inspirada, etc etc e tantas outras coisas que qualquer crente ou teólogo desta confraria não bitolado já sabe.

    Até a GUIOMAR sabe que a bíblia é um livro humano, pô!!

    Foi nesse sentido que falei. Qualquer esclarecimento extra, busque a iluminação do BUDA.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. kkkk Edu, cê é bobo demais pastor! rsrs sobre o link que vc postou aqui abaixo, é a ele que o Doni se referiu?

      Excluir
    2. Edu, há tempos eu defendo que deve-se se dar enfase a filologia ao estudar a bíblia, olha só um comentário que respondi em meu blog já a algum tempo atrás(vou colar inclusive coim a data em que foi feito): Anja_Arcanja disse...
      Exato, eu penso que o estudo da teologia (em seminários sérios e isentos de tendencias denominacionais e dogmáticas) devesse estar ao alcance de todos e vou além, deveria se dar mais enfase ao estudo da hermenêutica, exegese e filologia.
      9/07/2011 8:20 PM


      Link do texto: http://omundodaanja.blogspot.com.br/2011/08/uma-breve-explanacao-sobre-lei-graca-e.html

      Excluir
    3. muito bem, Anja, é isso aí mesmo.

      Excluir
    4. E não podemos também desprezar a visão psicanalítica da Bíblia com tão bem faz nosso amigo Levi.

      Excluir
  17. Escrevi um texto no meu blog sobre as iniciativas da associação de ateus (ATEA) para "lutarem contra a discriminação" que sofrem dos teístas...

    http://veredasdopensamento.blogspot.com.br/2012/06/ateus-fazem-campanha-para-mostrar-que.html

    ResponderExcluir
  18. Mirandinha,

    sobre sua frase

    A que título as igrejas cristãs invocam um Jesus que não existe, ensinamentos que ele não deu, autoridade que ele não outorgou e uma qualidade de filho que ele jamais reclamou?

    a título da fé?

    Essa é outra questão delicada. Se o hindu tem fé que a vaca é um animal venerável, então quem vai dizer que não é? nós, ocidentais cristãos que adoramos churrasco?

    A mesma coisa é a fé de que Jesus é o unigênito filho de Deus (tese que vem de Paulo e não dos evangelhos), aqui não se requer provas comprobatórias, pois dizer que Jesus é o salvador e o unigênito de Deus é antes de tudo, um sentir, um sentimento.

    A frase que o LEVI destacou do "ateu" Freud é bem relevante:

    “Aqueles que brigam com Deus podem estar reencenando na esfera religiosa a luta 'edipiana' que não conseguiram vencer em casa”.

    Quem sabe? Por isso deixei de brigar com Javé; hoje somos até bons amigos...rssss

    Jesus, enquanto figura histórica (ou não, não importa), nos mostrou uma face de Javé nunca vista antes: a face do amor incondicional. Jesus tirou toda a onipotência de Javé e o fez ser derrotado pelo amor imensurável que ele sempre teve pela humanidade.

    Então, queridos ateus teólogos confrades, deixem de brigar com Deus, e fiquem amigos dele. Para tal não é preciso igreja, sacerdote, dogma, teologia e nem mesmo a Bíblia; apenas sintam o ar enchendo vossos pulmões e reflitam que não fizemos nada para ter de graça tal "hálito divino".

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Edu meu caro,

      Aos poucos vamos nos entendendo. O Deus Javé a quem você deve devoção, para mim, tem o mesmo poder e valor da Deusa Vaca para os Hindus. Eu sou amigo de Deus assim como sou amigo da Vaca, mas a vaca é mais produtiva.

      Excluir
    2. A vaca dá leite, carne, ossos,couro e chifre para todos, indiscriminadamente.
      Deus só dá carros para alguns desprovidos de inteligência.

      Excluir
  19. Levi,

    eu brinquei com a cor do pecado original do Mirandinha, mas ele disse que quis se "sutil"...rss

    mas conforme a frase que você postou

    “Na simbologia de cores da civilização européia, a cor preta representa uma mancha moral e física, a morte e a corrupção, enquanto a branca remete à vida e à pureza. Nesta ordem de idéias, a Igreja Católica fez do preto a representação do pecado e da maldição divina. Por isso, nas colônias ocidentais da África, mostrou-se Deus como um branco velho de barba e o Diabo um moleque preto com chifrinhos e rabinho.” [Kabengele Munanga (1986:15-16) ]

    essa é uma grande mancha na história do cristianismo estatal. E não houve teólogos que disseram que a marca que Javé pôs em Cain foi a cor negra, fazendo com que seus descendentes (supostamente os africanos) fossem de fato, amaldiçoados?

    ResponderExcluir
  20. Quem disse que a cor negra foi a marca que Deus pôs em Caim "quando fugiu para a terra de Nod"? (diga-se de passagem. Já habitada).
    Eu acho que, por ciúmes, Deus pôs têz amarela, olhos puxados e cabelos espetados de japonês em Caim. Quem se atreve a me contestar?
    Então, por racismo, o sinal foi negro?
    Até para defender uma lenda carece de conhecimento e o mínimo de inteligência.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É Altamirando

      Eu aprendi na escola dominical, quando pequeno, que o negro levava a marca de Caim e consequentemente da maldição. Agora vejo, que estava no meio de uma neurose coletiva, perdido na interpretação literal e racista dos sacerdotes de Javé. (kkkkkkkk)

      Excluir
    2. Caro levi,

      Quer dizer, então, que o os cristão provaram para você que o "Jardim do Eder" se situava acima de Equador, né? Só na infância...Só na infância.

      Excluir
  21. Mirandinha, quem disse da cor negra em Cain foram exatamente os teólogos racistas do primeiro mundo. E o único Deus ao qual eu tenho devoção não é Javé, é ao Inominável, ao Mistério de eu estar aqui, escrevendo este comentário. Isso sempre me fascina e cria em mim uma profunda devoção. Como eu escrevi no meu perfil, sou um "fascinado pela magia da existência" e Deus, não deve ser um juiz, mas um dançarino.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Edu meu caro,

      No "meu" primeiro mundo não existem teólogos. No "meu" primeiro mundo não existem analfabetos, mendigos, presidiários ou moradores de rua. Portanto, no "meu" primeiro mundo não existem teólogos.

      Entendi mal o seu perfil. Pensei que por ser fascinado por magia, sua idolatria seria por um mago ou um mágico. Mas a Deus também faz sentido. He, he, he...

      Excluir
    2. heeeee, Mirandinha, mágicos fazem mágica mas não fazem magia; magos (se for como o paulo coelho que diz até que faz chover) deixam o sertão à mingua e vendem livros ruins através de marketing esotérico. Comecei a ler o "diário de um mago" mas não aquentei chegar à página trinta...rs

      Excluir
  22. ATENÇÃO GENTE O RODRIGO ESTA DESAPARECIDO DESDE AS 10 HORAS DA MANHÃ DE ONTEM E EU ACABO DE FALAR COM A ESPOSA DELE PELO FACEBOOK E ESTOU COMPARTILHANDO LÁ NO FACE UMA FOTO DELE COM O TELEFONE PRA CONTATO, POR FAVOR, ENTREM NO PERFIL DE VOCES NO FACEBOOK E AJUDEM A COMPARTILHAR! ELA ESTÁ MUITO PREOCUPADA. O TELEFONE PRA CONTATO É: (21) 9655-2303

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Anja,
      Gostaria muito de ajudar o Rodrigão que também é nosso confrade na C.P.F.G. mas estou na Amazônia, portanto, impossibilitado. Mas mantenho atento e faço meus votos para encontrá-lo.

      Excluir
    2. Obrigada Mirandinha. Sabia que morei um tempo em Rondônia?

      Excluir
  23. Mirandinha,

    Teólogos que se prezam, assim como os filósofos, amam os palpites e as certezas transcendentais humildes. e sente ojeriza por qualquer convicção fundamentalista. Estes sim, como disse Nietzsche, são inimigos do futuro! A nossa compreensão de mundo seria vazia e nula sem eles. A ausência da teologia esvaziaria a antropologia, a sociologia, a psicanálise e tantas outras disciplinas. A própria filosofia ficaria sem "pimenta", os filósofos seriam os caras mais chatos do mundo. Noções teológicas estão no inconsciente coletivo fundamentadas em axiomas herdados de maneira inata. Elimina isto deles e se instalaria um caos subjetivo na busca por soluções existenciais.

    Uma das grandes descobertas de Lutero, quando passou por conflitos pessoais, foi que não existe esperança para o homem, se ele tenta resolver suas contradições sem sair de si mesmo, e partir para uma instância superior.

    Imagine nós com nossos blogs, discutindo apenas temas relacionado ao mundo fictício dos super-heróis, ou então debatendo temas de cunho meramente políticos? Meu, seria um saco! rsrs

    Abraços, e bom domingo amazônico!

    ResponderExcluir
  24. Pô, Mirandinha, escreve os comentários na sequência para ficar mais fácil a leitura..

    ResponderExcluir
  25. Mirandinha, vou comentar seu comentários acima:

    Edu meu caro, Aos poucos vamos nos entendendo. O Deus Javé a quem você deve devoção, para mim, tem o mesmo poder e valor da Deusa Vaca para os Hindus. Eu sou amigo de Deus assim como sou amigo da Vaca, mas a vaca é mais produtiva.

    Mirandinha, eu disse que "sou amigo de Javé", não falei que tenho devoção por ele, mas já tive, e não nego, e não me fez nenhum mal. Hoje, tenho os olhos iluminados...


    A vaca dá leite, carne, ossos,couro e chifre para todos, indiscriminadamente.
    Deus só dá carros para alguns desprovidos de inteligência.


    Mas Mirandinha, no caso, os mais desprovidos de inteligência são os hindus, que mesmo sabendo que a vaca pode dar tudo isso, são incapazes de sacrificá-la. Lá, o respeito a um ser vivo fala mais alto.

    ResponderExcluir
  26. Assim como o Miranda disse:

    "Mas mantenho atento e faço meus votos para encontrá-lo" . Eu também, torço para que o Rodrigo apareça rapidamente, para o bem da família e de todos que são seus amigos virtuais.

    P.S.:

    Aproveitando o ensejo, eu perguntaria ao Miranda:

    "O faço os meus votos" que você mencionou e o "torço para que o Rodrigo apareça(dito por mim), no fundo, no fundo não seria o mesmo que dizer: "Peço a Deus que ele apareça" - da Guiomar?

    ResponderExcluir
  27. O artigo já começa errando pelo título, "Pecado Involuntário", já que não há pecado involuntário. No mais, até agora estou perplexo com o que realmente o articulista pretende passar. Talvez por conta de uma deficiência minha, vá lá.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Seja bem vindo a esta confraria de hereges, ateus, teístas, crentões, deístas, espíritas etc. rsrsrs

      Excluir
  28. Gente, convidei um amigo meu do face (que já tivemos boas discussões ou brigas mesmo) para estar participando com a gente, viu? é o João Cirilo, católico apostólico com todos os terços que tem direito, assim como o Gil rsrs vai esquentar mais ainda o clima por aqui! rsrsrsrsrs

    ResponderExcluir
  29. Católico com todos os terços. Gostei dessa Anja, pq realmente tenho esse hábito. Ontem mesmo rezamos em grupo. Quanto ao texto, sinceramente não deu para concordar em uma linha sequer. Só para iniciar a discussão, é elementar que SÒ a Igreja poderia dizer quais os livros que foram inspirados. Jesus fundou UMA única Igreja. E essa igreja é a "coluna e sustentáculo da verdade" como nos diz São Paulo na 1Tm.

    Quanto a saber se Jesus morreu, se deu o sangue para cada um de nós, etc e tal, parece evidente que a gente só conseguirá saber LENDO a Bíblia. De toda a sorte, não podemos esquecer também, (aliás, Orígenes também não esqueceu) que o NT é resposta do VT: há uma correlação de causa e efeito entre eles.

    Sei que isso não é de fácil entendimento para qualquer um, porque a fé não é para todos, a graça não é indistinta e a salvação não é geral e irrestrita.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. hahaha mas que igreja JC fundou João?

      Excluir
    2. rsrs sabia que vc iria gostar do "católico com todos os terços" rssrsrs

      Excluir
    3. Não sei porque tenho a impressão que o Mirandinha irá amar responder seus comentários João rsrs

      Excluir
  30. Meu deus, Roma vai tomar o poder na logos e mythos...kkkkkkkkkaaaa

    bem-vindo, Cirilo, junte-se aos bons. E aos maus...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Espero que mais aos primeiros que aos segundos, Eduardo.

      Excluir
  31. Anja, eu fiz alguns comentários sobre o texto que voce me indicou da Brum lá no Veredas.

    ResponderExcluir
  32. Vou conferir lá pastor Edu! (hehe) mas a título de dar as boas vindas ao meu amigo católico João (e aproveitando a falta temporária de Gil), que tal um daqueles seus comentários bem ácidos em resposta ao comentário dele hein? Endossarei suas palavras rsrsrs

    ResponderExcluir
  33. Anja, não devemos tratar com acidez os novos visitantes...rssssss Ele discordou do texto do Mirandinha, e isso é ótimo.

    Ele nos diz que

    Só para iniciar a discussão, é elementar que SÒ a Igreja poderia dizer quais os livros que foram inspirados. Jesus fundou UMA única Igreja. E essa igreja é a "coluna e sustentáculo da verdade" como nos diz São Paulo na 1Tm.

    Bem, eu não vejo isso nada como "elementar". O que a igreja fez foi impor a todos os cristãos o que eles deveriam crer e o que deveriam condenar como heresia. Isso demorou até Lutero para ser flexibilizado.

    E a carta de 1 Timóteo bem provavelmente, não foi nem escrita por Paulo...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pronto! Agora só falta vc dizer que também não foi Moisés quem escreveu Deuteronômio né? hahahahahaahaha rsrsrs

      Excluir
    2. Claro, Eduardo, que iria impor. Quem não aceitasse, como não aceita, fica de fora, simples.

      Quem aceitar, quem entender (pela graça e pela fé) que é depositária da Palavra, então será católico.

      Católico, veja bem, Eduardo. Porque os evangélicos são seitas. Ramos de uma mesma árvore, mas ramos. O tronco pujante e reto é a ICAR: e justamente a flexibilização de Lutero que vc põe é o alicerce que me dá razão.

      Não sei se a 1Tm, foi escrita por ele ou não. Bem improvável que não seja. O que importa reter é que os ensinamentos delas estão em total sintonia com o que prega a igreja, principalmente na questão pastoral.

      Então está tudo certo. Mais que o rótulo, importa a essência.

      Um forte abraço. E não se preocupe quanto a acidez: posso tomar um sal de frutas.

      Excluir
  34. Altamirando, buscamos a Deus por defesa, nos unimos em comunidade por defesa e por vezes o ostracismo se dá por pura defesa. Chega uma hora que se não seguimos o que faz sentido pelo menos para gente, a cabeça dá nó. Como já disse antes, busco a minha sanidade mental e para isso mantenho-me excluída, certas aglomerações não me fazem bem, mas para mim o "se" de fato não existe em se tratando de Deus, falo isso só para não obrigar ninguém a ver com meus olhos, mas não há em mim dúvida de sua existência ainda que insondável assim como para vc me parece não haver duvidas de sua inexistência. Um grande abraço e obrigada pelo "fofa"!rsrs...Fica com Deus.

    ResponderExcluir
  35. João Cirilo, prazer em tê-lo por aqui e obrigado.

    Eu não costumo desenhar, não sou bom no ofício mas...
    Involuntário, do latim involuntariu. Adjetivo.
    ---Não voluntário, contrário à sua vontade ou independente dela, desintencional, forçado, contrariado, constrangido, invito. São significados da palavra usada para adjetivar o pecado. Onde está o erro no título, se eu não cometi este pecado original?
    Desculpe-me.

    ResponderExcluir
  36. Levi Bronzeado,
    Não é a mesma coisa não. Eu não pedi a Deus algum para ajudar o Rodrigo. Não tenho esta pretensão. Se ele existe e for o alvo guia do Rodrigo, tomará as atitudes cabíveis para que isto aconteça sem minha intervenção pois sou desprovido destes poderes. Mas mesmo sem ajuda celeste, eu gostaria que o Rodrigo fosse encontrado com sucesso.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Todos disseram a mesma coisa, em sua linguagem, Miranda. Todos simplesmente expressaram o DESEJO de ver o Rodrigo de volta aqui na Confraria. Aí não precisa desenhar não é Miranda?

      Mas você fez VOTOS a quem, Miranda, em sua psique? Olha lá que fazer votos em sua raiz, é uma expressão de sentimento religioso. (rsrs)

      Excluir
    2. Caro Levi,
      Eu faço votos desejando. O desenho não foi para o Levi.

      Excluir
  37. João,

    vejo que você é um católico que talvez tenha na igreja católica a expressão do Reino de Deus na terra, ou que concebe a igreja como um sacramento e como sagrada. Não é o meu caso, apesar de respeitar a sua fé. Para mim o Vaticano é o que mais de "dinossauro" existe em termos religiosos.

    Você nunca conseguirá provar que Jesus, um judeu, quis fundar a igreja católica (e nem a protestante). A igreja católica depois do século IV representou tudo aquilo que Jesus nunca foi e nunca fez.

    Não acredito em "donos de Deus", sou universalista e para mim cada pessoa pode encontrar Deus em sua própria cultura religiosa. Sei que o catolicismo tem a pretensão de dizer que "fora da igreja(católica, claro) não há salvação", mas com toda certeza, essa declaração não pode ser baseada em nenhum discurso de Jesus.

    Sei também como é difícil deixar o sentimento que a religião nos provoca de lado para se fazer uma crítica isenta de paixões. Os que conseguem, se abrem para novas perspectivas e novos caminhos, ainda que não, necessariamente, isso não leve a se renegar a própria tradição de fé.

    E o que o MIrandinha expôs no título do seu texto é bem óbvio, ou seja, diz a teologia que nós, por tabela, somos "participantes" no pecado de Adão; eu não pequei o pecado de adão, mas por causa dele, sou hoje pecador. Como se o pecado de Adão fosse transmitido geneticamente para todo mundo.

    Pecado involuntário.

    Mas também não estou desconsiderando a teologia paulina de que Deus encerrou todos debaixo do pecado para ser misericordioso com todos.

    Nessa perspectiva, o pecado que Adão nos legou está anulado pela vontade benigna de Deus perdoar através de seu filho, Jesus.

    Fique a vontade entre nós para expor suas convicções, mas esteja aberto (como já demonstrou está - sempre há os antiácidos...rss) para ver suas convicções serem questionadas, pois essa é a essência de um bom blogue teológico em minha opinião.

    abraços

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eduardo, boa tarde.

      Eis nossa diferença básica. Enquanto eu sou cristão católico, a julgar por suas palavras, é gnóstico ou panteísta. Sem problemas quanto a isso.

      Depois, sobre provar que Jesus fundou uma Igreja, talvez seja caso de uma lida em Mt, 16, 13 e seguintes.

      Sobre o pecado, faço uma "mea culpa", e pena que já escrevi ao Altamirando: tem razão, deixei escapar de forma lamentável o final do artigo onde ele critica a maçã e que nem comeu do fruto, portanto, paga um pecado involuntário.

      Aliás, ressalvo aqui e irei celeremente fazer o mesmo no comentário do Altamirando, porque realmente fui injusto com o que ele escreveu: estou sempre pronto a me desculpar e este é o momento.

      Deus perdoa sempre, perdoará sempre. Isso também é mais ou menos claro, do contrário não haveria o Sacramento da confissão. Mas quando nos arrependemos do pecado o bom é evitar suas causas e não voltar no mês seguinte para sermos absolvidos dos mesmos pecados que cometemos adrede. Fica meio hipócrita e fingido. "Vá e não peques mais", recomendou Jesus à mulher adúltera.

      Quando os católicos dizemos que "Extra Ecclesia nulla salus" não é por vaidade, nem por maldade e nem por presunção: se Cristo fundou uma Igreja (salvo, é óbvio, se em Mt houver alguma aleivosia), é porque pretende congregar todos os fiéis a ela.

      Isso já responde quanto aos evangélicos. Sobre as demais pessoas que não conhecem Deus, obviamente podem se salvar pelo Direito Natural, como de resto nos lembra São Pedro na 1ª Carta.

      A Igreja depois do século IV, como sabemos todos, apenas e tão somente deixou a marginalidade para passar à condição de religião oficial do Império: não vejo aí qualquer problema doutrinário.

      Excluir
  38. Anja, minha Anja...
    Concordo que você convide pessoas para enriquecer qualquer debate, mas sobre religiões, principalmente o cristianismo estas pessoas tenham, pelo menos, (pelo menos) conhecimentos bíblicos. Crente ou não, mas que não seja um fundamentalista.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Mas Altamirando, penso que tava faltando uma fundamentalista da icar em nosso meio, vc não concorda?

      Excluir
    2. Opa,não sabia aqui que ser católico ortodoxo é ser fundamentalista. Aprendi mais uma.

      Excluir
    3. hahaha João, vc sabe bem minha opinião a sobre suas crenças né mesmo? Por quantas vezes nos pegamos no grupo "polemicas debates" do facebook e eu lhe disse isto não foi apenas uma vez né?

      Excluir
    4. Existe o fundamentalista até no protestantismo. Querem que eu desenhe?

      Excluir
  39. Prezado Altamirando, obrigado pela recepção e desculpe por haver metido o bedelho já no título.

    Mas, me explico. O seu desenho com todas as explicações necessárias definindo o que não é voluntário, tromba diretamente com o conceito de pecado: não há pecado involuntário.

    É que pecado, meu caro Altamirando Macedo, segundo o "Grande Catecismo Católico" do Pe. José Deharbes, Ed. Paulinas, 5ª Edição, 1954,pág, 247, é "é uma violação voluntária à lei divina".

    Tudo o que é voluntário não poderá ser, ao mesmo tempo, involuntário. Um querer e um não querer simultâneos.

    Para configuração do pecado é necessário: a) matéria grave; b) claro conhecimento do mal; c) pleno consentimento da vontade.

    -.-.-.-.-

    Certo que o seu texto poderia - tomando o erro de propósito - realçá-lo, dizendo, porque exemplo, que a Igreja teria cometido esse ou aquele pecado (no sentido de erro), mas sem querer, de boa fé, enganada.


    Mas o texto também não corrobora essa linha de raciocínio.

    -.-.-.-.-.-


    Daí concluo, com todas as vênias e pedindo todas as desculpas que hajam mister, que cometeu sim esse "pecado original" como vc mesmo disse.

    Um abraço.

    ResponderExcluir
  40. O católico João Cirilo é um fiel seguidor da ICAR. Senhor João Cirilo, o senhor sabe a quais crimes cometidos contra a humanidade e contra pessoas a ICAR é responsável? O senhor tem noção de quão prejudicial é o catolicismo para as populações carentes? Ainda bem que o protestantismo seja uma seita ramificada da ICAR e esteja eximida dos seus crimes. Quer que eu cite algumas centenas?
    Senhor João Cirilo, não me fale de cordas em casa de enforcado.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Como postei lá em cima Altamirando, peço desculpas pelo erro cometido. Sou por demais consciente para ver quando erro e peço desculpas sem problema algum.

      Pois não é que não vi a maçã escondida entre as palavras do seu artigo, meu caro? E assim sendo, com esta imprudência não percebi o pecado original com o "pecado involuntário" do artigo.

      Ou seja, não comeu a maçã, não poderia ter pecado. Um artigo pelagiano.

      Então, mais uma vez, como já disse no comentário ao Eduardo, desculpe.

      -.-.-.-.-


      Seria difícil ou quase impossível falar não em centenas, mas em milhares de seitas que se dizem cristãs, apartadas do tronco que é Cristo, contaminadas pelas heresias de Lutero e os reformadores em geral.

      A Igreja até hoje é a maior instituição de benemerência do mundo, senhor Altamirando, através da Cáritas. E em tempos idos, lá pela Idade Média, foi a luz que conduziu a civilização ocidental através da densa treva onde ela se encontrava.

      Ou será que a citação não seria de seitas (que sendo milhares provavelmente não é o caso), mas sim de centenas de Crimes? Se for esta a questão, pode citar, sim. Fique totalmente à vontade, gostaria imensamente de conhecê-los.

      Excluir
    2. João Cirilo,
      Se você ler os comentários verá que eles complementam meu raciocínio quanto ao pecado involuntário. Se ler o texto novamente descobrirá o quanto você é favorável a ele. Quanto aos crimes da igreja, duvido que você os ignore.

      Excluir
    3. Só conheço um crime, por omissão. A morte de Santa Joana, Altamirando. Fora esse, honestamente,não conheço. Por isso que lhe pedi que desse uma aclarada na questão.

      Não sou favorável ao "pecado involuntário", não no sentido que vc colocou. Na verdade eu acho que Santo Agostinho (na traça de São Paulo, principalmente em Romanos) estava certo quando elaborou a bem arrematada doutrina do pecado original.

      Excluir
    4. Jõao Cirilo,
      Me espressei mal, desculpe!
      Não gostaria que você fosse favorável ao pecado involuntário. "Se ler o texto novamente descobrirá o quanto você é favorável a ele", o texto.
      Inquisição e cruzadas foram só alguns dos crimes cometidos em nome de Deus. Do século XIII ao século XXI a "ICAR" atrasou a humanidade em 200 anos. Mas um dia ela cai.

      Excluir
  41. Edu meu caro,
    O João Cirilo acha que o Deus dele é outro. Pode até ser, mas o inferno dele é o mesmo meu.Lá não tem lugar para ele e Guiomar. Qual dos dois voc~e acha que tem chances de ser meu coleguinha? He, he, he...

    Edu, voc~e está certíssimo.

    ResponderExcluir
  42. Eu e o João já tivemos diversos embates (e muito deles pouco amigáveis), mas acabamos (por conta dos infindáveis debates), começando uma amizade no facebook. Ele participa do blog "Duelos retóricos"link: http://duelosretoricos.blogspot.com.br (lembra que lhe apresentei este blog Edu?), que também fui convidada a participar, mas por falta de tempo (e disposição, ou medo... sei lá rsrs) não aceitei ainda, mas estou pensando...

    ResponderExcluir
  43. Então João Cirilo, os benefícios causados pela Igreja Católica Apostólica Romana são creditados a ela. Os crimes cometidos em nome de Deus contra os que não professavam a mesma fé dos cristãos hoje são atribuídos a milhares de seitas oriundas do cristianismo. Assim é fácil nomear adivogados.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. A) Realmente, os benefícios feitos pela ICAR logicamente são creditados a ela.

      B) Os crimes, suponho eu que está a falar da Inquisição. Que crimes? Eu prefiro falar de realidades. Vamos a elas:

      1) A Inquisição dita eclesial surgiu em 1233 por pressão do poder temporal para reprimir as seitas gnósticas de cátaros e albigenses.

      2) Antes, em em 1220 o Imperador do Sacro Império Romano Germânico, Frederico II, inimigo figadal da Igreja, em decreto de 1220 mandara lançar ao fogo os hereges declarados tais pelos bispos da Igreja. E quem tivesse por algum motivo a vida poupada, deveriam ter as línguas cortadas. Só por isso os "relaxados" eram entregues ao chamado "braço secular", porque a Igreja nunca foi favorável à pena de morte, forte no magistério dos padres antigos.

      3) A Inquisição relaxou muito menos do que se imagina. A Inquisição ibérica, até hoje tida erroneamente por terrível e temível, analisou em 160 anos (1540 a 1700) 44674 e relaxou em carne e em efígie (quando se queimava um boneco) 1604 acusados, ou 3,5%

      4) Quando se fala em Inquisição se toma sempre a Católica, esquecidos que os protestantes, em muito menos espaço de tempo justiçaram muito mais pessoas, como podemos citar rapidamente o alemão Benedict Karpzov, que se gabava de ter mandado à fogueira mais de 20000 bruxas.

      5) Inquisição sempre houve na Igreja: tudo o que desbordar dos dogmas, da doutrina posta deve ser perquirido, deve ser interrogado. Até porque heresia é a infração a esses mesmo dogmas, portanto é algo que ocorre até hoje.

      6) Não podemos medir o Século XII com a régua que medimos os Século XXI: tanto é assim que por incrível que possa parecer aos nossos ouvidos pudicos, o tribunal canônico foi um avanço ao direito vigente na época, que tratava condenados e acusados de fora muito mais drástica.

      Excluir
  44. João,

    não queira me qualificar como evangélico, gnóstico, agnóstico, ateu ou coisa parecida, pois eu não me encaixo em nenhuma dessas designações. Sou apenas alguém que se maravilha com a existência e sabe ver valores bons em qualquer religião ou filosofia sem tapar os olhos para seus erros e crimes(como enfatizou o Mirandinha. Mirandinha é o Altamirando, ik?).

    Não vou entrar agora nessa discussão se Jesus fundou o catolicismo ou não; se você sinceramente acha que isso é historicamente possível(e espero que tenha já feito reflexões sobre isso), que seja. Cada um impõe a Jesus aquilo que tem por crença.

    Jesus já foi poeta, profeta, sábio, mago, marginal, incitador político, reformador do judaísmo, lenda, mito...etc etc...ser o fundador da ICAR é apenas mais uma das atribuições que lhe dão.

    preciso sair agora mas podemos voltar a esse assunto depois, ok?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. foi ali comer outra maçã e volto depois....kkkkkkkkkk

      Excluir
    2. A gente nunca se rotula, Eduardo. Outrem é que nos rotula a nós de acordo com nossa postura: de fato, pelo pouquíssimo que li a seu respeito, seria meio complicado dizer taxativamente isto ou aquilo. Mas, como observei, como ninguém consegue ser interessado em assuntos de religião sem ter alguma ideologia, tratei de rotulá-lo, talvez erroneamente.

      Sobre a fundação da Igreja, acredito, sim. Não sei porque não seria possível historicamente, a não ser, evidentemente, se não se acreditar que Jesus não existiu, o que de tão absurdo a gente comenta "en passant" pelo amor ao argumento.

      A informação sobre Jesus ter fundado uma Igreja encontramo-la na Bíblia. Os demais remoques eu nunca vi em lugar algum, a não ser, evidentemente, na boca do vulgo.

      Excluir
    3. Edu, já é a 2° maçã que vc come né? Dá um pedacinho? hahahahaha ou esta não pode?

      Excluir
    4. Também notei isso. Só hoje à tarde, num espaço até exíguo, duas maçãs.

      Excluir
    5. Ainda bem que o pecado original foi causado por uma maçã, se fosse por uma jaca o Edu já estaria empanzinado. He, he, he..

      Excluir
  45. Respostas
    1. Uai! não olhei não vou ver agora querido, só um minuto!

      Excluir
  46. Ebaa, recebi sim Mirandinha, obrigada querido! Vou postar agorinha mesmo

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Mirandinha confere lá e veja se gosta das imagens que eu add, se não gostar eu mudo ok?

      Excluir
    2. rsrs esqueci o link: http://omundodaanja.blogspot.com.br/2012/06/o-pecado-involuntario.html

      Excluir
  47. Fui lá e deixei um comentário.
    Supimpa!...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. haha respondi e queria ver o Edu comer duas maçãs daquela rsrsrs

      Excluir
  48. (Edu) “E aqui não vai nenhum sentido pejorativo para o termo "fundamentalismo", pois fundamentalista, é quem possui certos fundamentos para a sua própria crença e fé e nesse sentido, todos o somos.”

    João Cirilo) “Opa,não sabia aqui que ser católico ortodoxo é ser fundamentalista. Aprendi mais uma.”

    (Mirandinha) “Existe o fundamentalista até no protestantismo. Querem que eu desenhe?”

    Via de regra, pessoas a-religiosas rejeitam serem rotuladas de fundamentalistas. Dizem eles: O termo “fundamentalismo” se refere exclusivamente a doutrinas religiosas. Mas não é bem assim! O defensor de qualquer ideologia pode ter mentalidade fundamentalista. Não importa se marxista, cristão, muçulmano, cientista, e até mesmo liberal.

    Fundamentalismo, é uma atitude que atribui um caráter último às suas próprias crenças. O mais importante, é bom que saibamos, não é o que o fundamentalista diz mas como ele diz. É a atitude dogmática e autoritária com respeito ao seu sistema de pensamento, e inversamente a atitude de intolerância e inquisitorial ante qualquer tipo de herege ou revisionista que o caracteriza.

    Ou seja, o que importa na caracterização do fundamentalismo não são as ideias que ele afirma, mas o espírito com que ele as afirma. E isto se aplica a qualquer arcabouço ideológico.

    Por isso, em se ratando de argumentações que tem questões metafísicas como centro, nada soa mais simpático aos nossos ouvidos do que os velhos e bons PALPITES.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu tenho duas considerações neste ponto.

      A primeira é dizer que até onde percebo, procura-se impingir a alguém que tenha uma FÉ um tom pejorativo meio que de fanático e intolerante.

      Ou seja, confunde-se de maneira lamentável a certeza de algo, a adesão pela fé, o conhecimento ou pelo menos a tentativa de conhecer algo aliado à vontade de praticar aquilo que se conhece com puro fanatismo.

      A segunda questão que venho notando nesses tempos meio escuros e escusos, é que é só a pessoa ter alguma OPINIÃO, seja ela qual for, para ser tratado como um cão danado, uma bicheira ou um pária social.

      Respeitar os mal contados fundamentalismos alheios nem pensar. Principalmente se esses fundamentalismos alheios não coincidem com os dos críticos.

      Confunde-se opinião (num tempo onde ninguém tem opinião alguma) com atitude de intolerância e comportamentos inquisitivos, numa inversão de valores tanto mais lamentável quanto mais cria pessoas sem cara e sem conteúdo.

      Excluir
    2. Edu, este comment vc deve ter gostado né? haha

      Excluir
  49. João,

    você acerta ao dizer que

    Não podemos medir o Século XII com a régua que medimos os Século XXI

    por isso mesmo, não tente justificar a Igreja por ter queimado os hereges. A poder clerical católico fez o que a mentalidade medieval pedia que fizesse; o pior de tudo é que a igreja ainda hoje, tenha uma vontade latente de continuar queimando hereges...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu não estou tentando justificar nada. Estou mostrando alguns fatos que se bobear, muita gente nem imagina.

      Queimou muito menos do que se propala, esta é a verdade. Nem queimou, conforme já expliquei.

      Agora, quem queimou a valer sem entregar ao "braço secular" foi a IP. Inclusive, meu bom Eduardo Medeiros, quando vc ouvir falar em alguém supliciado na fogueira (ou por qualquer outra forma) pela Inquisição, comece por perquirir:

      a) O lugar onde tal se deu;
      b) Qual o século;
      c) Quem ordenou a execução.

      Estas pequenas cautelas são mais do que necessárias. Sei que nem precisava falar isso prá vc, que é um sujeito prá lá de culto, mas, como insiste neste assunto, pretendendo queimar a Igreja, acho bom insistir também nas necessárias lembranças.

      Excluir
  50. Doni,

    concordo plenamente com você. Puseram nos ombros dos cristãos e mulçumanos a designação de "fundamentalistas" mas fundamentalista pode ser qualquer um que ponha sua visão de mundo como marco regulatório para a existência de todo universo.

    ResponderExcluir
  51. GENTE, E O RODRIGO? NENHUMA NOTÍCIA AINDA? ESTOU PREOCUPADO...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ainda nenhuma notícia do Rodrigo, infelizmente! Gente, estou saindo agora. Volto amanhã logo cedo pra saber notícias!

      Boa noite a todos!

      Excluir
    2. Estou acompanhando de perto todo o debate e também a angustiante situação do Rodrigo e ansioso por notícias.

      Doni Este seu último comentário foi perfeito! Realmente voce está certo! Pede uma benção especial ao pastor desta confraria e isenção de dízimo que já está merecendo! rsrsrs

      Edu, li em seu blog o texto que vc linkou aqui e os comentários tanto da anja como dos demais e os seus. Bom o texto mano! Endosso as palavras da anja e os comentários que vc fez em resposta aos dela, foram muito bons!

      Mirandinha, mas o trem agora tá ficando bom hein? a anja trouxe um católico ortodoxo (fundamentalista) pra igrejar um pouco este recanto de desviados, ateus e (como vc bem disse), pelo menos uma camaleoa rsrsrs e segundo ele, vc precisa ler mais a bíblia rsrsrs muito embora a leitura da bíblia possa nos distanciar mais ainda de deus, se a lermos usando o pouco de razão que temos, né mesmo? rsrs só mesmo que a lê com os olhos da fé e fecha os da razão pode crer na sua literalidade, assim como faz nosso novo debatedor, aliás, ainda nem lhe dei as boas vindas né mesmo João Cirilo?

      Excluir
    3. Mirandinha quando vc disse: pessoas tenham, pelo menos, (pelo menos) conhecimentos bíblicos

      O João até me parece que tem bastante, o problema é como ele encara isto, se no literal (crendo em todas as suas fábulas e ESTÓRIAS "literalmente"falando(e é o que me parece), ou não. Muitos pastores como o Silas, e muitos padres como o Marcelo Rossi conhecem a bíblia molhando só os dedos dos pés e não mergulhando pra molhar-se inteiro, vc não concorda?

      A propósito Mirandinha, assim que o texto rodar aqui e no blog da anja, vou soltar no meu ok? Grato Qridão!

      Abraços!

      Excluir
    4. Pois é, Anderson nem dera ainda as boas vindas e no entanto me massacrou tanto antes de dá-las que até fico meio esquivo para entender se são boas mesmo.

      Mas, é claro que sim. Apenas não perderia a oportunidade de fazer o jocoso comentário.

      Aí vc está absolutamente certo: ler a Bíblia com a razão "que temos" obviamente nos distanciará ainda mais de Deus. Não sei como chegou a esta conclusão, se é algo pensado ou se é por intuição, mas está absolutamente certo.

      E ainda outra consideração: fé e razão não andam separadas. Embora possa haver razão sem fé (e já vi que é o seu caso) não haverá fé sem razão.

      Quanto às estórias bíblicas (ou histórias, neste caso pouco importa, importa a essência do comentário) eu tenho (ou penso que tenho) uma pequena virtude, meu caro Anderson.

      Procuro escoimar a natural hipérbole daqueles tempos antigos, o modo de viver daquele povo, a legislação daquele povo, a redação, o modo que aqueles orientais escreviam, que são assuntos passageiros e ocasionais, do PLANO DE DEUS.

      Não sei se sou absolutamente feliz nessa empreitada, mas tenho uma grande vantagem sobre muita gente: tento fazê-lo.

      Obrigado pela recepção e pelas palavras de boas vindas.

      Excluir
    5. rsrs João meu caro, tenha certeza que são sim boas vindas e aqui, todos costumamos brincar uns com os outros (até mesmo e talvez, principalmente com os recém chegados), portanto, seja bem vindo!

      João, cheguei a tal conclusão porque por muito tempo pensei que, assim como vc, depurava as impurezas naturais das hipérboles, mas descobri que não! E apenas usava o cabresto imposto pela igreja (protestante, que são todas filhas rebeldes da ICAR).

      Também penso que a fé não possa (ou pelo menos não deveria) andar separado da razão, mas será mesmo que não anda? Não é o que temos visto né mesmo?


      Abraços e seja bem vindo!

      Excluir
    6. Prezado Anderson:

      Quando vc depura as impurezas da sua Igreja, que como todas as demais protestantes "é filha rebeldes da ICAR", você, assim como a grande maioria dos gnósticos e agnósticos, procuram comodamente um "Deus particular".

      Então, fazem-se catações. Isso mesmo, como se estivéssemos num "shopping", ou numa pelada entre os amigos, onde escolhemos num os produtos para encher nosso carrinho, no outro um companheiro prá "pegar" no gol ou para fazer um monte deles.

      Mas a Religião não é isto, Religião é acreditar e acreditar não no que é cômodo e fácil, mas principalmente no que é difícil e estranho. "Acreditaste porque viste, Tomé. Felizes os que acreditarem sem terem visto", asseverou Jesus ao incrédulo Dídimo sobre a ressurreição Dele.

      Sobre a fé, é verdade, não é o que temos visto, isto é, ultimamente anda meio que separada da razão. Mas sera verdadeira fé? De qualquer sorte, percebo em sua frase uma crítica velada e uma observação correta.

      Sobre a crítica, parece que o confrade confunde - como a esmagadora maioria de pessoas e já tive oportunidade de observar aqui mesmo, neste espaço - Religião com fanatismo, com intolerância, com maniqueísmo: mas o verdadeiro religioso não é nada disso, pode ver: um homem essencial e verdadeiramente religioso tem por primeira qualidade a caridade. Preste atenção nisso e veja se não estou certo!

      Em segundo lugar, quem disse que a fé é nossa, atributo nosso? Pontuo que não. A a fé é uma virtude teologal, vem de Deus e Deus não a dá a todos na mesma medida. Sem contar que ainda podemos perder o pouco ou muito que recebemos.

      Um abraço.

      Excluir
    7. Gente, Alguma notícia do Rodrigo?

      É João, sobre a crítica, vc pode ter sim razão meu caro! Mas será mesmo que é uma confusão de nossa parte? Digo, será mesmo que um religioso ortodoxo não seria apenas sinônimo de fundamentalista? Perdoe, mas não vejo muita diferença! Sobre o que vc disse: Quando vc depura as impurezas da sua Igreja, que como todas as demais protestantes "é filha rebeldes da ICAR", você, assim como a grande maioria dos gnósticos e agnósticos, procuram comodamente um "Deus particular".

      Então, fazem-se catações. Isso mesmo, como se estivéssemos num "shopping", ou numa pelada entre os amigos, onde escolhemos num os produtos para encher nosso carrinho, no outro um companheiro prá "pegar" no gol ou para fazer um monte deles.
      (João)

      Voce fez uma tremenda confusão! Quem disse que depura foi vc e não eu! Eu disse que assim como vc, pensava estar depurando, mas de fato estava apenas usando os cabrestos impostos pela religião. Não mais sou religioso e tenho a mais sincera aversão à mesma! Seja ICAR, seja das filhas rebeldes protestantes, portanto, não há um apanhado, ou veste diferente para o meu deus, ou ainda um deus particular. Se bem que na verdade o deus coletivo é particular de cada um, uma vez que deus é apenas fruto de nossa psique, vc não concorda?

      Sobre sua colocação sobre a fé ser dom de deus, com base em Efésios 2:8 e 9, eu mais uma vez discordo, pois se deus é nossa própria psique, a fé vem de nós e deste deus que é só nosso e só fala conosco, mesmo que aja no coletivo(fruto de uma imaginação e até mesmo hipnotismo coletivo)! Mas eu poderia dizer que não passa de fruto do imaginário do homem e como a Anja gostas de dizer, é a criatura criando seu criador! É assim mesmo Anja? (rsrsrs)

      Então este é o simples motivo que penso que a fé não deve andar separado da razão, mas até que pode sim andar, já que fé e razão são como água e óleo!

      Excluir
    8. Prezado Anderson:

      Também expectante sobre o desaparecimento deste moço, que não conheço mas aparentemente é muito bem quisto aqui. Ainda que não fosse, é algo muito triste e que causa apreensão.

      1. Mesmo enganado nos seus comentários sobre o o verbo depurar, foi exatamente isso que vc fez ao livrar-se de cabrestos impostos pela religião. Pelo que pude entender, era religioso e depois tirou essa veste e agora diz que não é mais religioso: só pode dizer isso porque antes fora, e neste sentido passou por uma depuração. Não é correta a minha conclusão?

      2. De fato a fé vem de Deus, como a gente observa na passagem que você mesmo citou. E se vem de Deus como está revelado na Bíblia, não pode vir "de nossa psique" porque ou será nossa ou Dele, e a Bíblia já disse que é Dele, então a questão fica encerrada.

      3. Quando você diz que Deus é produto de nossa "própria psique" está dizendo em palavras bem soantes que não acredita em Deus. E aí é outra questão totalmente diferente pelo que nenhuma explicação soará razoável, por óbvio.

      4. Talvez por isso mesmo, por não acreditar em Deus, é que a cita que vc credita à Anja - criatura criando seu criador - é que tem todo sentido: note que na via inversa ela não tem qualquer sustentabilidade.

      5. E fé em quê, exatamente, Anderson? Se vc diz que Deus é fruto de nossa psique, em que iremos acreditar? Acho que temos aí um paradoxo porque teremos que acreditar em nós mesmos no fim das contas. Ou não?

      A fé e a razão não são díspares como água e óleo, coisas divergentes, mas sim como as duas asas de um mesmo pássaro, e com elas podemos voar a alturas tanto mais elevadas quanto forem nossa fé e nossa razão.

      Excluir
    9. Ta bem João, então vamos tentar de novo né?

      1- Não, o que eu fiz não foi depurar, pois quando se depura, vc torna mais puro algo que vc crê, o que não é o meu caso! Apenas abri meus olhos e descri completamente do deus da religião e da igreja, bem como acaba de dizer o Mirandinha, tudo não passa de Mitos, eu já prefiro dizer embuste.

      2- Sim, a fé vem do deus que habita nossa psique, portanto, vem de nós mesmos!

      3- nada a acrescentar ao seu 3° ponto!

      4- Se não fosse a criatura criando o criador, haveria deus? O que ou quem é deus a não ser fruto de nossa psique? Deus pra mim é a força criadora do universo, mas longe de ser o milagreiro que pregam ser e o galardoador que dizem e muito menos o todo poderoso que pensam. Veja que dou a deus o status que lhe é devido, o HAJA LUZ E BIG-BANG Houve o big-bang (a luz), nada mais que isto!

      5- fé em mim! Fé na vida, Viver intensamente minha humanidade, dando a cada momento o significado que lhe é devido.Aos pequenos momentos!

      Sendo a fé em mim e no meu próximo (homem como gênero), a junto a razão, concordo contigo, mas fé em um deus que não existe, não lhe fará alçar vôo, ao contrário, sendo sua fé neste deus da igreja (seja ela a ICAR ou qualquer outra), nem saltar lhe será permitido, quanto mais alçar vôos!

      Excluir
  52. jOÃO,

    É verdade, é sempre o outro que nos nomeia, mas você foi um pouco afoito em me nomear...rssss

    Bem, eu como "pastor" desta igreja verdadeira e única, luz para todos os povos, cujos dogmas são irrefutáveis e eternos, chamada ICLM (Igreja Cósmica Logos e Mythos), quero te convidar a escrever um texto provando, segundo sua concepção teológica, que Jesus fundou a ICAR para ser postado aqui e ser debatida pelo nosso clero.

    Aliás, seria de bom alvitre termos mais um cristão fundamentalista em nosso meio, pois isto aqui está repleto de teólogos ateus.

    Podemos até estudar a confecção de um direito canônico da ICLM com uma cláusula pétrea que condene teólogos ateus a um "silêncio obsequioso" por um ano....

    p.s - tirando a zoação, o resto é tudo sério.

    p.s 2 - você já tem um subsídio para me nomear: o Edu é um cara com um censo de humor sofrível...kkkkkkkkekekekkk

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ok, João, vou seguir suas sugestões sobre "queimados na fogueira". Eu só acho que dizer que "queimou mais ou queimou menos" não faz nenhuma diferença, pois ainda que apenas uma pessoa tenha sido queimada por pensar diferente da Igreja, seria motivo de vergonha. Aliás, o saudoso Karol, acertadamente, pediu perdão para muita gente cuja Igreja perseguiu no passado, inclusive, os judeus. E nem preciso dizer que isso realmente não foi monopólio da ICAR, Lutero era um anti-semita de mão cheia.

      Excluir
    2. 1. O beato pediu desculpas por eventuais erros cometidos, não pelos atos em si considerados.

      2. Como não faz diferença, Eduardo? Isto é desonestidade intelectual. Até ontem, aí mesmo atrás da porta, a ICAR teria matado milhões de vítimas inocentes. Quando se vê que esse número é ínfimo e que grande mesmo é o número de supliciados pela Inquisição Protestante, aí o jogo muda?

      3. Ou então, os protestantes não existem nem para isso? São todos um zero à esquerda e nem prá contar seus mortos é capaz e necessitam debitar seus cadáveres a outrem?

      4. E a igreja não perseguiu nenhum judeu enquanto tal. Nem um maometano enquanto tal. Nem um budista enquanto tal. Eis algo que vc provavelmente não sabia, não é mesmo? Porque já vi que vc é honesto e se soubesse disso não diria esse tipo de coisa.

      5. Mais uma vez - pelo jeito postei lá em cima mas NINGUÉM leu -: uma pessoa não é queimada por dissentir da Igreja, a Igreja nunca quis isso, sempre foi contra a pena de morte. Já mostrei que quem executava era o poder secular, que inclusive impingiu a pena antes da Inquisição ser formalmente criada. Isso está ali em cima, é só correr os olhos e constatar.

      Excluir
    3. João Cirilo,
      Pelo visto você nada sabe sobre o envolvimento católico com a 1ª e a 2ª guerra mundial, com a máfia, com o Banco Ambrosiano ou melhor; com o que restou dos templários. Você talvez não saiba que o cristianismo só sobrevive em países onde seu poder se funde ao Estado e se sustenta através da corrupção. Foi assim na França e Inglaterra até o final da guerra dos cem anos e será assim na miserável América Latina até que se libertem. Falar em catolicismo, para mim, é falar de podridão.

      Excluir
    4. Sei sobre esses assuntos, Altamirando, meu caro, tanto quanto você e certamente a maioria esmagadora do mundo: nada com certeza, apenas especulações mais ou menos malévolas, dependendo das fontes e dos interesses.

      O Poder da Igreja se funde ao "Estado e se sustenta através da corrupção". Ou o amigo não é homem do seu tempo ou é um ferrenho adversário da Igreja, porque basta andarmos dois passos para vermos as ligações mais do que fortes da IURD com o Palácio do Planalto; o Malafaia que até - dizem os mais crentes - se articula para a Presidência da República; e o IMGD que não só flertou como se alinhou com o PSDB nas últimas eleições.

      Ou seja, uma fusão total, à esquerda, à direita e por "moto próprio".

      Do outro lado, meu caro e prezado confrade, se o catolicismo tem uma parcela nesta podridão, e eu até concordo, foi por um erro estratégico imenso ocorrido há 50 anos atrás, com o malfadado Concílio Ecumênico do Vaticano II.

      Aí, sim, ao pensar que de urzes nasceriam uvas, o que só pode passar pela cabeça de gente de boa fé quase beirando a sandice, é que a Igreja se permitiu muitas aberturas dando campo a seitas de toda a espécie que agora tentam de maneira as mais bisonhas, acusarem-na até da dengue.

      Neste sentido restrito, no erro em tentar acertar alguma coisa é que concordo com seu posicionamento sobre a podridão.

      Vejo que o amigo, por manter um ódio irracional pela Igreja, acaba perdendo a razão.

      Excluir
  53. Por que, Altamirando, vc não gostaria que eu fosse favorável ao pecado involuntário? Será que os evangélicos de uma maneira geral o são? Mas todos eles não se batizam mais cedo ou mais tarde?

    Então não entendi direito, desculpe a minha inépcia.

    -,-

    Um dia a ICAR cai. Isso é algo impossível de acontecer salvo se Deus mente. Como eu ainda não acredito nisso, então a ICAR jamais cairá. Continuarão caindo as seitas que por aí pipocam, essas sim, não a ICAR.

    Quando vc diz que a igreja Católica foi responsável pela Inquisição e só imputa a inquisição a ela,o fato me entristece, porque mostra que vc não leu nada do que escrevi; ou melhor, desenhei. Isso que chateia.

    ResponderExcluir
  54. João,

    publiquei um comentário mas acho que ele sumiu...

    Vou tentar repetir.

    Eu tinha sugerido que você escrevesse um texto baseando seus argumentos que Jesus teria fundado a ICAR para publicar aqui para que possamos ter um tempo maior para debater a partir dos seus argumentos.

    O que me diz?

    E é claro que a igreja nunca quis queimar ninguém, a culpa foi do príncipe. E é claro também que nenhum judeu teve que se tornar um "cristão novo" para fugir da perseguição do clero espanhol e português...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Edu, a Anja nos trouxe um bom representante da ICAR né mesmo? caraleo rsrsrs Ele sozinho coloca muitos padrecos no bolso (2° a própria anja me disse)

      Estão querendo romanizar mais ainda a Logos & Mythos? (kkk)

      Desculpa aí João, não aguentei e tive que soltar esta provocação! rsrsrs

      Excluir
    2. Alguém pode me explicar o porque de não conseguir clicar no nome do João e ver seu perfil?(???) pq Edu? ou melhor, me diz vc mesmo João?

      Excluir
    3. Esta Anja viu!

      1° arranja um emprego e eu fico sabendo por aqui!

      e agora mais esta! rsrs mas confesso que gostei muito!

      Gente boa noite, até amanhã!

      Excluir
    4. Anderson, não sei porque não consegue: meu perfil é aberto a todo mundo. Acho que só vc não conseguiu acessá-lo.

      Excluir
    5. Eduardo:

      Sem problemas. Posso fazê-lo. Pode ser mais para o final da semana?

      Um abraço.

      João

      Excluir
  55. "Meu caro irmão em Cristo João Cirilo".
    Eu não gostaria que você fosse favorável ao pecado involuntário por perceber suas convicções católicas. Soaria como hipocrisia e o debate perderia a essência. Os evangélicos são vítimas coadjuvantes já que carregam na crença as mentiras formadas pelo cristianismo o qual eles não são autores, são seguidores dissidentes.
    A ICAR cairá, não porque seu Deus mente, mas porque é uma organização comercial, mentirosa e explora o que seus fiéis tem de mais sublime, a fé. Não só a ICAR mas todas as seitas que seguem os mesmos fundamentos.Amém
    Só a título de informação; Tenho um livro intitulado "Manual da Inquisição" escrito no século XV.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Prezado Altamirando:

      "Os evangélicos são vítimas coadjuvantes já que carregam na crença as mentiras formadas pelo cristianismo o qual eles não são autores, são seguidores dissidentes": gostaria demasiadamente de comentar esse trecho, mas não posso porque não consigo.

      A ICAR não cairá porque a ICAR não é um templo. A ICAR somos todos nós. É o Corpo Místico de Cristo. Então teriam que mentir não só Jesus mas também São Paulo na 1Cor.

      Tem o "Maleos", do Nicolau Emerich? Que bom. Eis aí outro avanço: sabendo o inquirido à que estava sujeito quando denunciado ao Tribunal, que só poderia agir através de regras previamente escritas e aprovadas e não ficando ao alvedrio do inquiridos, eis aí um inegável avanço!

      Excluir
  56. Meu caro joão Cirilo,

    A história do cristianismo é marcada por episódios sangrentos, com exceção de alguns hiatos. Não temos como apagar fatos relevantes, como por exemplo, as cruzadas, que notoriamente eram expedições organizadas pela igreja, promovendo verdadeiras guerras em nome de Deus. Matando, saqueando, exterminando povoados inteiros com violências indescritíveis.

    Sem falar que muitos daqueles que chefiavam tais expedições eram posteriormente canonizados pala ICAR, como o famoso caso do rei francês Luiz IX que entre os anos de 1226 a 1270 empreendeu duas cruzadas pilhando milhares de inocentes.

    Agora em relação a inquisição meu amigo, não há a mínima possibilidade de articular qualquer argumento de defesa à igreja. Não importa se a ICAR ou a IP! Mataram, e mataram muito. Desde os hereges até médicos e cientistas.

    Um fato interessante ocorreu em 1906 se não me engano, quando o Papa Pio X mudou o nome da inquisição para “Santo Ofício”. E em 1965 a rebatizou, renomeando como “congregação para a doutrina da fé”, cuja cadeira principal foi ocupada por um bom tempo por Ratzinger.

    Aí lhe pergunto: estas mudanças com sensíveis alterações de postura da ICAR, foi um meio de garantir a continuidade histórica da instituição até os nossos dias com um tom menos agressivo, ou a Igreja nunca reconheceu ter recorrido a tais métodos, como meio de obtenção das confissões de culpa por parte do inquirido?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. A questão das Cruzadas, Donizete, também é um assunto mal explicado que a partir dos "Iluminitas" do Século XVIII passando por uma catatonia meio inexplicável da Igreja, tomou ares muito errados.

      Pretendo ainda, com algum tempo e contando com a paciência de quem eventualmente vier a ler, tecer algumas considerações sobre o tema. Mas adianto: misturam-se as invasões dos turcos seldjúcidas rumo ao Ocidente, um "dolce far niente" dos nobres sem terras e sem função, a decrepitude das terras cultiváveis e o regime feudal, o maltrato dos cristãos pelos ditos "infiéis" na Terra Santa.

      Todos os cristãos são bonzinhos? Não? Todos os muçulmanos são filhos diletos de Alá? Certamente, também não. Nem hoje nem em 1099 quando Urbano II pregou no Concílio de Clermont (se a memória não me falha) a Primeira Cruzada.

      -.-.-.-.-.-

      A Igreja sempre teve uma Inquisição, Donizete. Desde os primeiros tempos: podemos ver em Atos dos Apóstolos o que se fazia e o que se exigia para que os arrependidos pelos pecados voltassem ao seio da Igreja.

      Podemos trocar de nome, mas o fundamento é o mesmo: vigília contra as heresias.

      -.-.-.-


      Sobres as torturas, não, a Inquisição se valeu dela também, a partir, se não me engano, de 1252. Era um método comum que só arrefeceu no alvorecer do Século XIX. Só observo, sem justificar mas também sem criticar o homem de então, que as torturas da Inquisição, além de serem exageradas, ainda eram muito menores das que se sujeitavam os réus da Justiça comum.

      Excluir
  57. Donizete,
    Se a igreja tinha o poder de vender indulgências para pecadores hereges, também tem o poder de indultar seus proprios crimes.

    ResponderExcluir
  58. Para se imaginar o poder da igreja. Só para vossa apreciação.
    O primeiro grande mafioso arrependido e membro da "Cosa nostra" dissidente da primeira guerra contra a máfia Siciliana iniciada em 1963, chamado Tomázio Busceta foi preso na cidade de Paragominas PA em 24/09/1983 e extraditado para os EUA, quando oferece ajuda para desbaratar a máfia. Muito Mafioso foi morto, julgado ou escafedeu-se. As investigações cairam no esquecimento quando a CIA provou o envolvimento do Banco Ambrosiano e fortes ligações com o staff do Vaticano. Diga-se de passagem que o capital do Banco Ambrosiano era Santo. Para os que tem memória curta eu cito as denúncias de pedofilia envolvendo os representantes da mesma associação comercial e qual a atitude que foi tomada, amordaçou a imprensa.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sobre esta delicada questão financeira envolvendo o Banco Ambrosiano e suas relações com gente não sempre de boa estirpe, quero fazer duas considerações contando três histórias.

      A primeira é sobre uma pregação que outro dia via na televisão do “apóstolo” Valdomiro Santiago. No alto de seu vozeirão e de sua fala de caboclo bem ensaiada, ao contar sobre os milhares de milagres que ocorrem todo santo dia em seus templos no Brasil e no mundo, ele observava ao final:

      -- Mas tudo isso não por mim, que sou o homem mais pecador da terra, o sujeito mais cheio de defeitos que tem, o mais errado, o mais tudo. Tudo isso é por honra e glória do Senho Jesus. Tudo é em nome dele. Amém?
      -- Amém, respondeu em coro a assistência.

      Todo homem é pecador, desde o “apóstolo” Valdemiro Santiago até o mais humilde pároco de uma humilíssima cidade do interior.
      Assim é com a Igreja militante meu amigo Altamirando: cheia de homens pecadores e tanto mais pecam quanto mais têm acesso ao vil metal, que não sei se é verdadeiramente vil, mas tem o triste fado de envilecer muitas pessoas que dele se aproxima.

      Mas essas erronias e defeitos por certo em nada tocam na Igreja enquanto Corpo Místico de Cristo. Percebe nisso aí a diferença? Vê que a Igreja somos todos nós e não necessariamente os cardeais que a comandam?

      Outra história é que em 30 de dezembro de 2010, Bento XVI com um “Motu Proprio”, ou seja, um ato de governo firmado pessoalmente por ele, ao lado da encíclica “Caritas in veritate”, traçou uma clara linha para uma definitiva mudança de rumo nas atividades financeiras do Vaticano, visando a transparência máxima, internacionalmente controlada e reconhecida.

      Você me dirá que agiu tardiamente. Eu lhe responderei que antes tarde do que nunca. E, neste diapasão de controle, não tenho conhecimento se a IURD e a Renascer, ambas atoladas até o pescoço com a Justiça brasileira tiveram o mesmo cuidado que teve o Santo Padre com as finanças vaticanas. Embora, convenhamos, este assunto seja menor. Muito menor.

      Especificamente sobre a pedofilia (claro, não poderia faltar é a nota de toque), também em em 2010 o Papa promulgou novas regras muito severas sobre os "delicta graviora", e em especial a respeito dos abusos sexuais a menores.

      Excluir
  59. Anja, só para começar o dia:

    A maçã causadora do pecado original estava podre, porisso fez tanto mal.

    ResponderExcluir
  60. bom dia a todos.

    Mirandinha, não estava podre não, é que eles comeram uma tonelada delas e aí veio a indigestão.

    ResponderExcluir
  61. Como assim não está podre Edu? rsrs vc viu a foto que eu add na postagem lá no meu mundo? rsrs confere lá http://omundodaanja.blogspot.com.br/2012/06/o-pecado-involuntario.html

    mas já digo que dependendo da maçã eu como até o caroço! hahahahahaha

    ResponderExcluir
  62. João Cirilo e demais confrades, não estou entendendo o porque da prosa ter tomado este rumo, pois o tema não seria MITOS? (ou Mithos?)

    João, como voce disse que tem escoimado as hipérboles, como vc vê a fábula da criação?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Para mim, vejo-a como uma quase fábula, onde o redator de Gênesis quis dizer que não viemos de uma explosão, não nascemos de uma sopa, mas somos criados por um Ente perfeito que existe além do tempo, existe "ex nihilo".

      Portanto, em que pesem todos os esforços de muita gente, jamais nos transformaremos em símios.

      Excluir
    2. Mas temos mais a ver com murídeos do que com símios! hehehe Mas João, como assim quase fábula? seria como meio fábula, meio verdade? meio mentira, meio histórico? Ou é, ou não é ora! rsrs

      Bom Dia

      Excluir
    3. Olá, Anja, bom dia.

      Murídeos, símios, aves, peixes, quelônios, tanto faz. Cada um feito segundo a sua natureza, conforme diz Gênesis.

      Quando uma mãe quer contar a um filho sobre a concepção, gestação e parto e não quer usar uma linguagem direta, não é certo que o fará por linguagem figurada?

      Aqui, tomei "fábula" colocada pelo Anderson ao pé da letra para simplificar a questão, pois julguei que entendi o que ele houvera dito, isto é, se o assunto é literal ou se há um véu sobre ele, se a linguagem é figurada.

      Neste sentido - de fábula como sinônimo de linguagem figurada - é que construí meu texto.

      Mas, será possível que ali haja uma história contada exatamente como foi, sem figuração alguma?

      Embora a ciência diga que não, é claro que para Deus nada é impossível como Jesus mesmo já disse. Então é claro que seria,.

      Todavia eu (quem sou eu, né Anja?) acho que Gênesis apenas ilustrou, com uma imagem bastante eloquente, o que quis dizer, e disse que todos temos uma origem criadora e cada um de nós pertence a uma determinada espécie, sem possibilidade seja de evoluirmos para outros animais, seja para criarmos, nós mesmos, vida nova.

      Excluir
    4. Mas o bicho homem não poderia ter evoluído?

      Excluir
  63. Olá Confrades voltei após três dias de um retiro para recarregar as energias rsrsrsrs

    Gente o que aconteceu com o Rodrigão? Preocupante isso. Algum tem notícia? Será que ele se perdeu nestes passeios que tem feito ai no Rio de Janeiro? Que o Bom Deus o proteja e traga de volta entre nós! Vamos ter fé!

    Mais um católico aqui entre nós!!!! Agora sim tá ficando bem esta confraria!!! kkk João seja bem vindo homem! Ontem celebremos o seu dia!!!!

    Mirandinha

    Enfim você estreou aqui entre nós! Pela primeira vez estou vendo você respondendo as questões sem ser apenas sarcástico e com metáforas...

    Belo texto e pelo que estou vendo esta balaçando esta confraria de hereges...

    Mas vem cá eu não entendi sua afirmação no texto:

    Ao longo de dois milênios, desde o nascimento, o cristão carrega um fardo intolerável. Explica-se a ele que já nasceu manchado pelo pecado original e, para livrar-se deste, precisa do “Salvador”.

    Intolerável para i descrente e ateu heee eu não carrego este fardo pois Jesus Cristo morreu na cruz por mim e por você e todos e estamos mais do que regenerados... Aliás existe aí um equívoco quando destaca a mais dois milênios estamos livres e portanto deveria considerar o tempo anteior e não após Jesus Cristo.

    Mirandinha meu caro relaxa a esta estórinha do pecado original dos 11 primeiors capítulos do gênesis é figurado o ator só quis dizer que o ser humano já nasce
    propenso a fazer o mal.

    Como se explica por exemplo que um bebe já sabe fazer birra?

    João meu irmão católico reconhecer nossos erros ou erros da igreja é libertador! Jesus nos ensinou que pedir perdão faz bem pra alma!

    Edu a maçã que você anda comendo é a fruta mesmo ou é a outra fruta? Ou é apenas um mito? kkkk

    Gente tava com muita saudades de vocês! Estou preocupado com o Rodrigão!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado, irmão católico, pela calorosa recepção.

      Continue na Paz de Jesus e no Amor de Maria.

      Um abração.

      Excluir
  64. GENTE, no Facebook encontrei oito pessoas com o nome de João Cirilo. É bom saber com qual JOÃO CIRILO estamos a dialogar.(rsrs)

    Ele tem perfil no Twitter?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sério? Oito pessoas com este nome?

      Eis aí uma pesquisa que eu mesmo nunca fizera.

      Mas pode ficar tranquilo, Bronzeado. Existo há bastante tempo: mês que vem, querendo Deus, chego a meio século.

      Excluir
  65. Levi e demais confrades, este é o perfil do João no face, e como vcs já devem ter percebido, eu peguei um osso duro de roer, mas ele não imaginava que eu também era! rsrs

    Penso que ninguém consegue acessar o perfil dele aqui porque é não deve ter conta no blogger (perfil), pelo menos eu imagino que seja isto né?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Este comentário foi removido pelo autor.

      Excluir
    2. anjinha você visitou meu blog e colocou um comentário agora sim aquele espaço está ficando bom rsrsrsrs

      Excluir
    3. Aqui ó: rsrsrsrs heheheh hahaha


      https://www.facebook.com/joao.cirilo.9

      podem add ele que apesar de ser osso duro de roer é muito gente boa!

      Excluir
    4. haha vc viu Gil? Legal! rsrs

      Bjux Gil...

      Excluir
    5. rsrs tinha esquecido o link! João vc tem perfil no blogger não né?

      Excluir
    6. Anja: tenho nada. Com muito custo tenho um e-mail, um msn que não uso e o tal facebook que entrei há pouco.

      Abç

      João

      Excluir
  66. Anderson,
    O tema não é, diretamente, sobre mythos mas tudo o que se refere a religiões, na verdade, é puro mito. Você está enganado, meu sarcasmo está no tempero. Agora vou agredir.
    Contesto a pretensão da igreja única, verdadeira, exclusiva, adiantada pela religião naqual nasci e me formei, pois, em absoluto, não considero inferiores os ensinamentos e princípios da fé de Buda e de Maomé, para mencionar apenas dois exemplos.
    Milhões de cristãos nada ou muito pouco sabem da motivação da bíblia. Por força de sua educação, geração após geração desde a infância o crente aceita a bíblia como a "Palavra de Deus" e toma Jesus como o anunciador primário de seus ensinamentos, quando já ficou comprovado que ele adaptou trechos essenciais da doutrina dos Essênios no litoral do Mar morto.

    ResponderExcluir
  67. Contesto, também, esta pretensão cristã de que JESUS MORREU NA CRUZ PARA ME SALVAR.
    Salvar de quê? De um pecado involuntário que nem sequer cometi? Para por pé numa historinha chinfrim que já nasceu sem cabêça?
    Jesus foi assassinado por romanos e humilhado através da crucificação porque tinha a língua maior que a boca. Se meteu politicamente com um império dominante abraçando uma causa os dominados.
    Não tenho culpa alguma de sua morte, nem ele nem eu devemos nada um ao outro. Não sou masoquista, sei ler e acho que mesmo o homem não sendo oriundo de primatas, algumas mulheres (muitas) continuam parindo macacos. Repetem, repetem, repetem mas não chegam a lugar algum.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. kkkkkkkkk ta certo Mirandinha! mas será que parem mesmo símios? Não poderia ser murídeos?

      Excluir
    2. Esta pergunta que a anja e eu sempre nos fazemos: SALVAR DE QUE?

      Já esperava esta sua resposta Mirandinha! rsrsrsrs

      Abraços

      Excluir
    3. Está ai um tema interessante para próxima confraria: para um pecado involuntário uma salvação involuntária.

      Excluir
    4. Então sigamos discutindo sobre o mito da religião (ICAR e cia Ltda.)rsrsrs

      Excluir
    5. rsrs Gil, mas o pecado involuntário é coisa da nossa mente assim como a salvação! rsrsrs

      Excluir
    6. and eu não estou discutindo ICAR você está institucionalizando a confraria. Daqui a pouco vou pagar dizimo pra você kkkk

      Excluir
    7. anja se é da nossa mente então vamos discutir ateísmo? Este é o dogma?

      Excluir
    8. Gil, tô só cutucando o recém chegado mano! rsrs da mesma forma que a anja cutucou a Guiomar rsrs mas vou ser mais sutil, desculpe-me.

      Abraços.

      (agora só volto a comentar de noite, agora tenho compromissos)

      Excluir
  68. mirandinha me responde uma dúvida a respeito do que disse:

    Milhões de cristãos nada ou muito pouco sabem da motivação da bíblia. Por força de sua educação, geração após geração desde a infância o crente aceita a bíblia como a "Palavra de Deus" e toma Jesus como o anunciador primário de seus ensinamentos, quando já ficou comprovado que ele adaptou trechos essenciais da doutrina dos Essênios no litoral do Mar morto.

    Por que você coloca em dúvida a história de jesus contada nos evangelhos e coloca a questão dos essênios como um fato verídico se não existe unanimidade também para este assunto?

    O que mudaria no seu ver se Jesus (João Batista, José, Maria...) fossem dos grupo dos essênios?

    ResponderExcluir
  69. Caracoles, o assunto agora se ramificou em muitas frentes, e tudo por causa do furacão João....kkkkkekekekke

    Mas e aí, JOÃO, você leu a minha sugestão a você aí em cima?

    Bem, pelo menos você agora demonstrou que não é um católico de olhos vendados, pois fez uma crítica aos pecados da igreja.

    Mas quanto à pedofilia dos padres, isso existe há séculos, e creio que o Papa só tomou providências agora pelo vulto que o tema tomou no mundo todo.

    E é claro que sempre podemos salvar tudo dizendo que a "igreja mística de Cristo" é impoluta, diferente da igreja de Cristo ("não mítica"?), cheia de pecados.

    O duro é constatar que os membros de uma são os membros da outra...

    E aí, pronto para fazer parte desta Congregação de míticos? rsssss

    ResponderExcluir
  70. Gil,

    êpa, êpa, êpa, somente eu, PASTOR TITULAR(posto por vocês mesmos...rss) desta igreja de míticos ateus, tenho o poder constitucional canônico de receber os dízimos dos confrades.

    Mas como eu sou justo, dividi assim o percentual a ser pago:

    ateus sarcásticos como o Mirandinha, pagam 30% de dízimo, pois o dízimo dele vai para um fundo de amparo aos crentes desesperados pelas heresias que ele escreve.

    Ateus light, como a Anja, pagam 20%.

    Católicos dogmáticos mas aberto a pensar fora da gaiola como o GIL, pagam 15%

    cristãs conservadoras mas legais como a GUI, pagam os tradicionais 10%

    Estou pensando em estabelecer uma idade limite de 70 anos para se ser dispensado da obrigação dizimal. Portanto, o Mirandinha não tem o que reclamar pois logo, logo, estará isento.

    E zefini.

    ResponderExcluir
  71. hahaha Gil, ateísmo não se discute! Pra mim este é o grande erro dos ateus, querer discutir e embutir sua convicção aos outros, da mesma forma que os "crentes" rsrs muito embora eu aja assim vez ou outra (ou será que sempre? rsrsr)

    ResponderExcluir
  72. Ainda bem que nasci numa família protestante. Se a cegonha tivesse pousado num telhado católico, em menos de um ano eu teria sido aspergido com a água suja da pia de algum padre pedófilo. Se ao menos fosse um vinho tinto Bordeaux ou um porto evitaria que, aos 20 anos eu processasse a igreja por crimes de assédio moral, falsidade ideológica, injúria.
    Com a benevolência da cegonha, nasci em lar Batista, é... Batista, e eu fui freqüentador assíduo por sete anos, só os primeiros sete. Algumas veses ouvia uma pregação eloqüente e no final o pastor perguntava com vozde vendedor de adubos; "Aceita Jesus como seu salvador? Você, aí da terceira fila, venha ate o púlpito. Orava e marcava o batismo."Porque Deus deu seu filho unigênito, para que todo aquele que nele crê não perêça, mas tenha a vida eterna. Eu pensava; um dia chegará a minha vez. Não chegou... E se chegasse?
    Eu procuraria saber quem e de que me acusavam, se fui julgado e por qual tribunal, se havia fiança (indulgência), O que tive haver com a morte de um revoltado há dois mil anos.Qual vontade prevalece?Como é que um rei sem coroa dos judeus pode legislar para indígenas? Eu não sou judeu.

    ResponderExcluir