domingo, 20 de maio de 2012

MUDANÇAS DOS PARADIGMAS DE SALVAÇÃO




No decorrer de quase 20 séculos de história da igreja cristã, ocorreram várias mudanças de paradigma tanto em termos de pensamento teológico como na prática efetivamente.
Uma delas, na qual desejo concentrar-me neste artigo, são as significativas mudanças da compreensão soteriológica que a igreja apresentou ao longo de sua história.

Antes, porém, é importante salientar que, em alguns casos as diferenças e transformações foram tão profundas e de tal alcance que os historiadores têm dificuldade de reconhecer quaisquer semelhança entre os modelos teológicos e eclesiológicos que operaram por determinado tempo. Isto, em se tratando de uma única igreja, torna-se um ponto relevante em qualquer pesquisa. Como se não bastasse, existe ainda, a realidade de cosmovisões divergentes entre as igrejas Oriental e Ocidental, que traçaram uma linha divisória entre si com tal radicalidade, que é necessário algum esforço para encontrar alguma compatibilidade entre elas. E ainda hoje se acusam mutuamente de anti-ortodoxia. Pois nunca chegaram a uma posição consensual nem da forma nem da prática existentes nos seus paradigmas.

A salvação é efetivamente, um assunto fundamental para qualquer religião. Para os cristãos, a convicção de que Deus operou, de forma decisiva, a salvação para todas as pessoas em e através de Jesus Cristo constitui o âmago de suas vidas. Afinal, o próprio nome Jesus significa “Salvador”.

Com base nesta premissa que a igreja desde seu início, assumiu a prerrogativa de mediar ou servir-se de portadora da salvação a toda humanidade. Mas a conclusão que chegamos é que o conceito de salvação vigente não foi dominante ao longo dos séculos. Logo, surge então alguns impasses de ordem epistemológica. 

Para termos uma ideia, durante quase toda a idade média, os cristãos concebiam a salvação em termos de coletividade. Ou seja, o indivíduo era salvo quando inserido no contexto da comunidade cristã, a chamada eclesiasticização da salvação. Idéia que teve origem em Agostinho na sua obra “A Cidade de Deus”. A salvação que ocorre, em termos de individualidade, é uma concepção relativamente nova, que teve sua gênese na reforma.

Mas para melhor compreendermos esta questão, se faz necessário retrocedermos pelo menos até o período neo-testamentário, onde percebe-se, que, salvação naquele contexto, foi interpretada em termos mais abrangentes. Isto é, não se restringia ao um livramento de juízo e de perdição no além. Na perspectiva de Lucas, por exemplo, como se vê por inferência em seu evangelho, salvação é, antes de tudo, algo que se realiza nesta vida, hoje. Para Lucas, a salvação é salvação no presente.

Enquanto que em Paulo, sua ênfase parece distinta. A salvação era vista como um processo que, tem apenas seu início nesta vida, que acontece com o encontro da pessoa com o Cristo vivo, mas a salvação completa está ainda pendente. Será concluída somente “com” e “na” glorificação completa do crente. Neste aspecto, a salvação se enquadra em categorias apocalípticas e de juízos.

Já no período da patrística grega a salvação deixou de ter essa conotação, para assumir a forma de Paidéia, de uma gradual elevação dos crentes a um status divino (a theosis). Neste caso, entendia-se a salvação como uma progressão pedagógica. Nesta teoria especificamente, enfatiza-se a origem de Cristo. E a encarnação encontrava-se no centro, como instrumento da Paidéia divina.

Entretanto, com o advento do iluminismo, toda essa interpretação de salvação passou a ser pressionada intensamente, resultando numa crescente contestação da soteriologia tradicional. Basicamente tudo teve que ser revisto. A idéia de uma salvação vinda de fora, de Deus, totalmente inacessível ao poder e à capacidade humanas, tornou-se muito problemática.

O que conhecemos hoje como crítica moderna da religião teve aqui, no iluminismo, seu ponto de partida. A religião como expressão da completa dependência e como salvação eterna no além constituía um anacronismo e um remanescente do estágio infantil da humanidade. A salvação agora foi resignificada como libertação da superstição religiosa, preocupação com o bem estar do ser humano e o melhoramento da humanidade.

Note que não houve uma ruptura radical com o pensamento iluminista. Temos seus batedores operando ativamente ainda hoje.

Outro ponto digno de nossa atenção, já que tocamos no assunto, são as diferentes ênfase daquilo que é chamado de “evento salvífico”. Por exemplo:

Enquanto que o Oriente concebia a salvação como uma progressão pedagógica, o Ocidente (católico e protestante) destacava o efeito devastador do pecado, assim como a restauração do indivíduo caído através de uma experiência de crise mediada pela igreja. Neste aspecto, nem a preexistência de Cristo nem sua encarnação, mas sua morte vicária na cruz, (doutrina aprimorada pela teoria de Anselmo sobre a satisfação vicária), encontrava-se agora no centro. A salvação representava a redenção de almas individuais no além, o que aconteceria por ocasião do apocalipse ou da morte individual do crente.

Note que o paradigma da salvação na perspectiva da patrística grega, estava voltado para a origem e o início da vida de Jesus. Para sua preexistência e encarnação. Enquanto o modelo ocidental orientava-se para o fim da vida de Jesus – sua morte na cruz. (expiação)

A igreja ocidental, tanto católica como protestante, preocupa-se com a paixão e a crucificação de Jesus. Em nossa compreensão soteriológica, a essência do evangelho é que Cristo morreu por meus pecados. A base da salvação está nesse ato. Cristo é o novo lugar de expiação, em substituição do templo. A cruz é o cerne da mensagem salvífica.

O problema decorrente deste paradigma é que a morte de Jesus é sutilmente isolada de sua vida.

Nós ocidentais, ou as igrejas protestantes, em geral, temos uma teologia subdesenvolvida da encarnação. Entretanto, foi exatamente em nosso ambiente que surgiu a teologia da libertação, que bem mais explicitamente do que foi feito até agora, entendeu a missão cristã em termos do Cristo encarnado, do Jesus de Nazaré humano que, exausto, trilhou os caminhos poeirentos da Palestina, onde se compadeceu das pessoas que estavam marginalizadas. Do mesmo modo ele se encontra do lado dos que sofrem nas favelas do Brasil, dos marginalizados e oprimidos pelo sistema vigente.

Nesse paradigma, a salvação é holística. Nele, o interesse não está em um Cristo que oferece apenas a salvação eterna, mas em um Cristo que sofre e sua e sangra junto com as vítimas da opressão.

Para finalizar, quero destacar que este texto apresenta apenas uma sinopse acerca do desenvolvimento e das modificações dos paradigmas teológicos, com enfoque, é claro, para as mudanças no tocante a doutrina da salvação.

E a tese que alguns defendem é que estas transformações não chegaram ao fim. E que talvez jamais chegará! Sobretudo quando constatamos uma atualidade repleta de modelos trabalhando concomitantemente, rivalizando entre si com temas aparentemente irrelevantes, mas que demonstra sutis ou totais incompatibilidades entre os mesmos.

Por Donizete.

Bibliografia: Missão transformadora, David Bosch.

213 comentários:

  1. Pessoal, peço desculpas antecipadamente, pela extensão do texto. Enxuguei o máximo que pude. Mas assim mesmo ficou longo. Espero que não canse vocês!

    Pensei também em dividi-lo em duas partes. Mas não encontrei um elo que unisse as partes, sem comprometer a proposta e o entendimento do tema.

    Até mais.

    ResponderExcluir
  2. Doni,essa questão da salvação para mim é a que atrai e a que repele. Atrai pois desejamos salvação e repele quando pensamos que nem todos serão salvos sob a perspectiva do evangelho. Fico com a convicção que trata-se de uma interpretação equivocada. Fico com o Deus que criou todos para o progresso e salvação. Acredito na graça que se estende após a morte, pois um pai nunca desiste de um filho. Creio na salvação que vem de Deus e se dá por meio do conhecimento que adquirimos fruto das nossas ações. Eu não sei como inserir isso dentro do que vc descreveu, mas foi na filosofia espírita que me encontrei com esse sentimento que já existia em mim.

    Doni, vc escreve muito bem e duvido que sua poesia tenha ficado ruim. Sabe, eu tinha vergonha de publicar aquelas coisas que escrevo e chamo de poemas rsrs... até que perdi a vergonha e pronto. Tem gente que diz que é legal, mas o melhor é que bom escrever! Escreva tb e compartilhe conosco. Junte-se ao clube dos sem vergonha rsrs...
    Um abração. Fica com Deus

    ResponderExcluir
  3. Gente, antes de mais nada, como vocês perceberam, dei uma mudada na cara do blog. O modelo antigo parecia um pouco "espremido" e eu queria deixar o blog mais amplo e arejado. Digam que gostaram da mudança, pois é assim mesmo que vai ficar...(diz o Sargento, não eu eeeeeeee)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Gostei da mudança sim, mas penso que com um fundo creme fica melhor a leitura. Digo, assim que voce mudou percebi e vi que o fundo tava creme, eu prefiro creme (o fundo viu? rs) acho que descansa as vistas (o meu é branco porque não fui eu quem fiz mas acho que vou por o meu creme tb) rsrs

      Excluir
  4. Doni, bom, muito bom mesmo seu texto. Como eu gostava de soteriologia (disse gostava rsrs) agora me pergunto: salvar-me de que? Do que? pra que? E ainda em não querendo ser salva, qual seria o "castigo"??? Inferno? Céu? Estado de Espírito... gozo eterno e sofrimento eterno...

    Hoje penso que a "salvação" ou céu ou ainda reino de Deus vive-se aqui e não acolá... Mas foi só um comentário pequeno agora deu minha hora de sair, mas com certeza estaremos de novo aqui (rsrs) mas quando comecei a ler não consegui deixar de concluir e por consequência, não consegui deixar de fazer estas perguntas... rsrsrs

    Bjux

    ResponderExcluir
  5. DONI,

    um bom tema. E poderia mesmo, segundo minha opinião, ter um pouco mais de desenvolvimento no texto. Esse negócio de texto grande é relativo. Se o tema for interessante e o escritor for competente, mesmo o texto longo torna-se prazeroso de ler (menos para os mais velhos que ainda não se acostumaram a ler no monitor...rssss). Veja, o texto do convidado Ivani era mais de três vezes maior do que este e não vi ninguém reclamar.

    Salvação. Uma palavra forte, sem dúvida. Todos nós queremos "ser salvos", já que a expressão denota o livramento de uma situação de perigo ou de uma existência sem propósito e inautêntica.

    Para os antigos israelitas, por exemplo, ser salvo era estar seguro em sua terra. Pode haver melhor salvação do que esta? mesmo por que, na sua história, eles passaram muito tempo "perdidos" e em "perigo", sem salvação.

    Você demonstrou muito bem que o entendimento sobre salvação na teologia cristã sofreu mudanças. No fechamento do seu texto, você ressalta essa "salvação" da opressão:

    Entretanto, foi exatamente em nosso ambiente que surgiu a teologia da libertação, que bem mais explicitamente do que foi feito até agora, entendeu a missão cristã em termos do Cristo encarnado, do Jesus de Nazaré humano que, exausto, trilhou os caminhos poeirentos da Palestina, onde se compadeceu das pessoas que estavam marginalizadas. Do mesmo modo ele se encontra do lado dos que sofrem nas favelas do Brasil, dos marginalizados e oprimidos pelo sistema vigente.

    Ora, quem está oprimido agora, não quer esperar um futuro onde tudo se resolverá pelos dramáticos enredos apocalípiticos. Como dizia o Betinho, "quem tem fome, tem pressa".

    ResponderExcluir
  6. Mari, você disse:

    “Doni,essa questão da salvação para mim é a que atrai e a que repele. Atrai pois desejamos salvação e repele quando pensamos que nem todos serão salvos sob a perspectiva do evangelho.”

    Já surgiu no horizonte teológico, propostas de um alcance universal da salvação. Ainda que seja um ponto rechaçado pela ortodoxia, a ideia é simpática dentro de algumas tradições

    Há inclusive nas entrelinhas dos textos de Paulo afirmações contraditórias em relação a esse assunto. Há alguns (não muitos) estudiosos que afirmam ser Paulo universalista, no sentido de prever a salvação derradeira de toda a humanidade. De fato Algumas de suas afirmações parecem sugerir que no final todas as pessoas serão salvas. O que não é uma má ideia. Entretanto, outras aparentam asseverar que tão somente uma parte da comunidade humana será salva. Mas a opinião mais comum é de uma salvação de alcance limitado, restrito as fronteiras cristãs.

    Abraços. Fica com Deus!

    ResponderExcluir
  7. Doni,

    o problema da nossa amiga poeta é que ela deixou-se seduzir pela proposta kardecista de salvação que é muito mais dolorida do que a cristã.

    Senão, vejamos. No pensamento kardecista existe o carma. Então, como Deus criou os espíritos ruins e ignorantes, ele determinou que se aperfeiçoassem(salvassem) através de sucessivas reencarnações para ir expiando a culpa passada. Só que a culpa primeira, foi posta pelo próprio Deus ao criar os espíritos ignorantes.

    Então o cabra passa milênios indo e vindo, pagando aqui na terra seus erros passados (dos quais ele nem mesmo se lembra) até que se torne um anjo de luz.

    Uma dúvida que eu tenho sobre isso é a pessoa de Jesus, vista como um espírito evoluído, de luz. O que ele deve ter feito na vida passada dele para sofrer tanto e morrer assassinado numa cruz?

    com a palavra, a kardecista da confraria...rsss

    ResponderExcluir
  8. Anja,você disse:

    “agora me pergunto: salvar-me de que? Do que? pra que? E ainda em não querendo ser salva, qual seria o "castigo"??? Inferno? Céu? Estado de Espírito... gozo eterno e sofrimento eterno...
    Hoje penso que a "salvação" ou céu ou ainda reino de Deus vive-se aqui e não acolá...”

    São perguntas milenares que a teologia sempre tentou responder ao longo de sua história. Mas as respostas estão longe de serem conclusivas.

    Muitos sustentam a ideia de inexistência de um mundo porvir. (Talvez você se inclua neste grupo) Para estes não existem nem paraíso e nem inferno. Ou seja, comungam a ideia de uma salvação essencialmente materialista, como na visão vétero-testamentária por exemplo. Para outros, a salvação representa a redenção de almas individuais no além, o que acontecerá por ocasião do apocalipse ou da morte individual do crente. Outros ainda, advogam que a salvação se dá em termos holísticos. E assim por diante!

    A ideia central do texto Anja, é chamar a atenção para os diferentes modelos de salvação. Por exemplo, em dado momento da história, a salvação era projetada para o âmbito da objetividade e da prática, em outros para a subjetividade e abstração. Durante a maior parte do tempo a salvação esteve ligada ao campo físico e tangível, em outros a salvação é sempre associada à esfera espiritual, metafísica. (como hoje por exemplo). Grupos cristãos advogam que a salvação é holística, abarca o indivíduo na sua plenitude, enquanto outros defendem uma tricotomia, e que a parte onde à salvação é levada ao efeito, é apenas a espiritual.

    Este é um tema riquíssimo de nuances que vale muito a pena discutir.

    Até mais.

    ResponderExcluir
  9. A pedido da Anja, o fundo do blog está creme...

    ResponderExcluir
  10. Todos querem ir para o céu. Almejam a salvação mas seus pastores que são concessinários do ESPÌRITO SANTO não tem registro no "CRECI". Vendem o céu mas não entregam a posse, talvez porisso os eleitos e salvos tem medo de morrer.

    ResponderExcluir
  11. Salve, salve, Mirandinha (Mirandinha é o Altamirando), bem-vindo ao meio dos crentes hereges.

    Você está certíssimo. Qual é o crente hoje que quer morrer para ir para o céu? não conheço nenhum.

    Mas na verdade os crentes não querem mas ir para o céu por que antes precisam ser salvos da ignomínia de não terem casa própria nem carro do ano.

    Tem uma musiquinha gospel que é cantada por aí que diz mais ou menos assim:

    "Não morrerei enquanto as promessas de Deus não se cumprirem na minha vida; quem tem promessas de Deus não morrer não..."

    Por "promessas" leia-se "prosperidade".

    Por isso os crentes da época da minha mãe solteira, eram mais autênticos: não queriam os tesouros desta terra, a vida mundana não lhes tinha nenhum valor, queriam mesmo era o tesouro dos céus. (apesar dessa posição ser extremista, eram autênticos em seu extremo).

    Os de hoje não são autênticos pois mesmo dizendo que querem o céu, fazem de tudo para não ir para lá.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. viu, concordei contigo, posso te mandar o convite para você publicar aqui seus textos teológicos...?

      Excluir
    2. Edu meu caro,

      Você (quase sempre) acaba concordando.
      Não necessita da aprovação dos membros? Eu não tenho calos nos joelhos nem fui agraciado com presentes divinos. Poder, pode. Manda...
      Estou fundando uma igreja que guarda os dias em que Deus trabalhou e aceito sugestões para o nome.

      Excluir
    3. Quem aprova ou desaprova sou eu, Mirandinha, aqui é a ditadura militar....heeeeeeee mando o convite para qual e-mail? Mas tem que publicar textos de teologia, mesmo que seja de teologia profana...

      Excluir
    4. mirandinhagm@gmail.com. Acho que você está em maus lençois, aí já está o Edson Moura e um de seus clones que também é adepto da teologia profana. He, he, he...

      Excluir
    5. MIrandinha,

      o santo e o profano precisam estar lado a lado para que cada um possa olhar no olho do outro como um espelho...

      vou mandar o convite. tô indo agora, durma bem e sonhe com os anjos.

      Excluir
  12. Edu,

    Sobre seu primeiro comentário, saliento que a teologia da libertação ou a missão integral (versão evangélica da TL) provocou uma crise na soteriologia tradicional que não foi totalmente resolvida.

    Outra coisa interessante, é que, com as mudanças de paradigmas, muda-se também os conceitos de salvação. Com a mudança de conceito, muda-se também as motivações evangelizadoras.

    Por exemplo: A ênfase na soberania de Deus expressa na doutrina calvinista por exemplo, pode paralisar o impulso missionário. Pois se Deus vai salvar todos aqueles que deseja salvar, logo, se preocupar por que?

    ResponderExcluir
  13. Edu, primeiramente eu não me deixei seduzir por coisa alguma rs... não foi uma conversão, foi um encontro hehe.
    Segundo, me parece melhor vc pagar pelos seus erros lembrando deles ou não, do que ´pelos erros herdados de Adão.
    Mais fácil compreender que o mundo evolui do que o mundo ter sido criado perfeito e por causa de uma desobediência ter desandado.
    Terceiro, em uma existência passamos por muitas coisas das quais não lembramos mas que podem causar muitas consequências em nossas vidas e na do próximo. O Edu criança era um e ao mesmo tempo o mesmo que vc é hj e certamente a sua experiência nesse estágio te marcou e vc é resultado disso. As reencarnações são estágios do seu espírito que é eterno e vc lembrando ou não, o que vc é hj de bom e de ruim pode ter influência do que vc foi.
    Tudo que fazemos tem consequências, vemos isso diariamente. Mas é justo que alguém viva 25 anos, morra e viva a eternidade no inferno, o outro viva 80 cometa atrocidades e no leito de morte diga : Sim Jesus! e passe a eternidade no céu? Isso é uma coisa louca!!!rsrs... A proposta de colher o que plantou está presente em ambas visões sendo que a justiça é completamente diferente
    Finalmente: Bom mesmo é pensar igual John Lennon "Imagine there's no Heaven... above us only sky" Mas Edu sou dos que acreditam em Deus e em Jesus. Não me desvencilhei disso e para falar a verdade não quero. Não me faz mal! Crer em Deus ou não é uma questão de ponto de vista. Conjecturas de ambos os lados, cada um escolha para si o que lhe apraz, buscando sempre a verdade.

    Edu, eu não sei dizer mais do que isso sobre o tema, mas poderei buscar ajuda dos universitários caso haja mais questionamentos. rsrs...
    Beijins...

    ResponderExcluir
  14. EDU, pode tirar meu nome da rodada de postagens. Eu nunca publico texto nenhum! rs...Pode tirar, tá? Boa noite.

    ResponderExcluir
  15. Mari,

    tô pegando no seu pé, claro...rssss

    Mas realmente eu nem prefiro reencarnar por milhares de anos e ter que sofrer a cada vida e nem também me apraz acreditar que alguém que morre aos 20 anos e "não aceitou Jesus" vai para o inferno. Por isso, em questão soteriológica, eu sou universalista.

    Acho desnecessário tantas reencarnações. Não entendo por que Deus criaria espíritos ignorantes para que eles sofressem durante séculos. A teoria da evolução não cai bem aqui, segundo entendo. (mesmo por que a teoria da evolução tem mais buraco do que queijo suiço).

    Por incrível que pareça acho mais lógico Deus ter criado o homem puro e ele por livre-arbítrio, ter se degenerado e então, num movimento de resgate, Deus se oferece ao homem através de Jesus e salva a todos. condenação em um inferno também não tem lógica alguma. Nem Hitler mereceria viver eternamente no inferno.

    Voltando aos espíritos ignorantes do kardecismo, que culpa tenho eu de Deus ter me criado ignorante? por que eu tenho agora que carregar meu carma se ele foi o responsável?

    Viu, toda teologia tem seus furos. Isso, toda teologia é um queijo suiço!!!!!

    Nunca que vou tirar teu nome da lista dos eleitos postadores desta congreção universal. Eu só quero que um dia você publique um dos seus poemas "teológicos" aqui. Aliás, se você quiser, você pode ser fixa nas pausas que eu dou depois de uma rodada completa.

    pronto, resolvido. Eu posto uma música das antigas e você publica um poema. Pausa perfeita para a arte.

    beijos

    ResponderExcluir
  16. DONI,

    amanhã dou prosseguimento ao seu comentário. boa noite.

    ResponderExcluir
  17. Doni, voce diz: "A ideia central do texto Anja, é chamar a atenção para os diferentes modelos de salvação."

    Doni, fica até difícil de debater ou comentar o texto, uma vez que eu não acredito que há algo pra que eu seja salva. Como voce disse, eu descri de eternidade, ruas de ouro, lago de fogo etc... sendo assim, fica muito difícil, Doni, pra que eu esteja fazendo comentários, mas, claro que estarei acompanhando, nem que seja pra dar uns cutuques em voce e no Edu (rsrsrs) mas se fosse pra falar algo sobre soteriologia, minha visão (mesmo eu não crendo mais) seria a da eleição, muito embora o horribile decretum seja inaceitável para alguns, até mesmo pra mim! Mas foi a que, em minha época "crentês", me mais satisfez teologicamente, mas hoje haha hoje não mais, ou melhor, nada mais(teologicamente falando)! Mas claro, que amanhã posso estar pensando diferente. Mas hoje, é bem como publiquei no meu 1° texto, não quero ser salva simplesmente porque não creio que haja algo pra que eu seja salva.

    ResponderExcluir
  18. O que eu entendo por "salvação da alma", concordando com Anja Arcanja.
    A alma ou energia de um espírito encarnado é um princípio imaterial; depende do corpo para suas atividades, mas transcende o corpo, porque é capaz de ações que nenhum laboratório químico, por mais aparelhado, é capaz de realizar. Nenhum equipamento inventado pelos homens, por mais aperfeiçoado que seja, pode produzir a mais simples idéia abstrata, o raciocínio, ou um puro ato de amor. A palavra salvação é um “termo técnico” que tem origem na tradição judeu-cristã e recebe aplicação geral. Religião de “salvação” é a que oferece um diagnóstico da condição humana e ou um caminho para a saúde ou integridade.
    No entanto, como uma energia que deixou de ser existente pode continuar a irradiar? Para onde esta energia é irradiada? No sentido da física, toda irradiação é material, isto vale tanto para as emissões de raios luminosos quanto para emissões de partículas. A energia de partículas decompôe-se. DECOMPÕE-SE em quê? Segundo o princípio da energia, não pode decompor-se em nada. Ainda não é possível comprovar a existência de determinadas partículas depois da sua conversão energéticas. Então o macaco pergunta; Salvar o quê?...

    ResponderExcluir
  19. Anja, (extensivo a todos)

    será que sua afirmativa

    não quero ser salva simplesmente porque não creio que haja algo pra que eu seja salva.

    é completamente abrangente? Veja, na maior parte da Tanak (a Bíblia judaica) não existe a crença numa salvação metafísica; a salvação, se houvesse, teria que ser conquistada aqui mesmo, na vida física.

    A verdade é que existencialmente falando, estamos sempre precisando ser salvos de alguma situação opressiva e que vai de encontro à dignidade humana. Como eu disse aí em cima, para os antigos israelitas, ser salvo era estar seguro em sua terra.

    Como temos sempre(pelo menos, devíamos) que contextualizar os temas bíblicos para a nossa própria vida atual, pergunta-se: quais as lutas que devem ser travadas hoje para que a "salvação" venha para quem está em situação existencial perigosa?

    O depressivo precisa ser salvo da sua depressão. O desesperançado precisa ser salvo da desesperança. Os oprimidos por sistemas desumanos, precisam ser salvos de tal sistema; e até o rico, com seus "celeiros cheios" precisa ser salvo da sua falsa segurança, pois a qualquer momento, a morte pode lhe perguntar: "hoje a noite tomarei a tua vida e o que tens guardado para quem será"? "tudo o que você guardou, todo o tempo que você gastou enriquecendo à custa de uma vida mais autêntica, para quê servirá no momento do fim"?

    ResponderExcluir
  20. Mirandinha,

    colocações perfeitas.

    Religião de “salvação” é a que oferece um diagnóstico da condição humana e ou um caminho para a saúde ou integridade.

    perfeito.

    No entanto, como uma energia que deixou de ser existente pode continuar a irradiar?

    Esta sua afirmação, no entanto, é mais complexa e problemática. Se de fato entendermos o "espírito" humano como uma energia dependente do corpo físico, o que aconteceria de fato não seria o que você disse em

    A energia de partículas decompôe-se. DECOMPÕE-SE em quê? Segundo o princípio da energia, não pode decompor-se em nada. ?

    Ou seja, a energia não pode ser destruída. Se depois da morte física tal energia se irradia, ela permanecerá existindo em "estado de irradiação"(se tal conceito é possível). E se formos mais longe e aceitarmos que tal energia mantém a sua consciência(já que era "energia consciente" dependente do corpo físico), aí a coisa fique realmente, interessante.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Edu meu caro,

      Você tentou dar uma guinada de 360°, se conseguiu eu não vi. Gostou da pegadinha?

      Excluir
  21. Doni

    Muito boa sua escolha! É um assunto como diz o próprio texto discutido o tempo todo e sempre deixando dúvidas e paradigmas a serem enfrentados.

    Também como sempre seus textos nos levam sempre a um mergulho em águas profundas rsrsr

    Se você virar poeta e deixar de escrever bons textos assim, prefiro que continue assim kkk

    Esta idéia de como ser salvo já era no tempo das primeiras comunidades uma discussão boa.

    Segundo os exegetas havia um confronto entre Paulo e Tiago muito forte a respeito deste assunto:

    Rm. 3.28, “o homem é justificado pela fé sem as obras da lei”

    Tg. 2.24, “o homem é justificado pelas obras, e não somente pela fé.”

    Alguns dizem que Tiago se refere a Paulo quando diz:

    “Queres, pois, ficar certo, ó homem insensato, de que a fé sem as obras é inoperante?”

    Eu particularmente creio que a salvação não vem nem pela fé e nem pelas obras. Penso que nossos atos e palavras serão sempre insuficientes para justificar nosso merecimento.

    Doni onde eu me encaixo?

    Eu creio que a salvação nos foi garantida pelo amor de Deus na cruz! Ali todos sem exceção foram justificados! O merecimento é só de Deus!

    Então podemos perguntar: Então pra que ser bom? Vamos pecar a vontade!

    I Coríntios 6, 12, A mim tudo me é permitido, mas nem tudo me convém...

    Então significa que eu estou na igreja, ou sou bom, pelo medo do inferno?

    Quem ama não peca!

    Por isso Santo Agostinho dizia: “Ama e faça o que quiseres”

    ResponderExcluir
  22. Doni se me permitir uma poesia para pensar e ser questionada se quiserem...

    Juízo Final

    Ele me olhou e com um sorriso disse:

    - Seja bem vindo!

    Qual um Pai me chamou:

    - Meu filho!

    Misericordiosamente me consolou:

    - Não temas!

    Com um ar de preocupação me perguntou:

    Você foi feliz?

    Por fim, carinhosamente me sentenciou:

    Você amou?

    Diante de meu constrangimento

    e sem esperar minha resposta,

    deu sua Sentença Final:

    - Você está condenado a ser Feliz Eternamente!

    Então com muito amor me abraçou de saudades.

    Como pude ser tão inocente?

    ResponderExcluir
  23. Como o tema aqui versa sobre “SALVAÇÃO, gostaria que os confrades acessassem o link abaixo, para tomar conhecimento da re-leitura que o Ricardo Gondim faz desse tema tão polêmico. Um subsídio valioso:

    http://www.youtube.com/watch?v=IJ_M1wDXWI4

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Com certeza é pertinente esta pqna entrevistas do Gondim e de Jung, mas gostei mais da do Gondim! rsrs

      Excluir
  24. Edu, Edu, Edu!!! rsrsrs

    Pra quem crê em eternidade, é uma boa pergunta esta: "hoje a noite tomarei a tua vida e o que tens guardado para quem será"? Mas se fosse feita pra mim eu diria que guardei pra minha prole e que juntei pra eles, já que depois da morte segue-se(???) o nada, ou o juízo e em sendo um juízo de viver feliz eternamente (rsrsrs)

    Mas posso concordar no que diz respeito a uma pessoa avarenta que n~]ao ajuda a ninguém e mesmo se for assim? o que se dará depois da morte? qual o castigo? olha de novo recaindo a misteriosa pergunta sem resposta: salvar de que? castigar o que?


    Será que a salvação seria "estar no paraíso junto com Jesus e o ladrão?" Aqui não há como ser mais claro, correto? o próprio Cristo diz haver um "paraíso Depois do fim"! E que paraíso é este? de novo entra a pergunta: salvar de que? se for (como voce disse)"ser salvos de alguma situação opressiva e que vai de encontro à dignidade humana." é em vida que deve acontecer e não após a morte.

    "tudo o que você guardou, todo o tempo que você gastou enriquecendo à custa de uma vida mais autêntica, para quê servirá no momento do fim"?(Edu)

    PARA OS MEUS! PARA OS MEU FILHOS E NETOS! (Anja)

    ResponderExcluir
  25. Lendo alguns artigos sobre religião, fica impossível não fazer comparações, por exemplo: Um metafísico é um cego que está num quarto escuro procurando um gato preto que não existe, e um teólogo, mais precisamente um pastor, é o tipo de cara que encontra o gato. Já o ateu, é o sujeito que carrega uma lanterna. Crença é como homeopatia, pode até curar, mas demora o dobro de tempo. Religião é como quimioterapia, ela pode resolver um problema, mas também pode causar um milhão de outros. Ateísmo é como glicose na veia de um bêbado. De uma hora para outra ele fica lúcido.

    Alguns querem encontrar sentido para existência, outros querem apenas ser transcendental. Há também os que preferem aceitar a realidade. A única verdade absoluta é que: Nascemos sem pedir, vivemos do jeito que dá e morremos sem querer. O resto é especulação, algumas vezes inteligente, outras não, tanto de um quanto de outro. O que sei é que os Judeus reverenciam abaixando as cabeças, os Cristãos se ajoelham e clamam com voz embargada, os Muçulmanos se ajoelham com a bunda pro ar. Os Ateus erguem as mãos com orgulho e não se ajoelham para ninguém, nem divindade ilusória, nem ameaças de um inferno imaginário ou outros humanos.

    Analisando com atenção os termos cunhados para determinadas teorias, podemos concluir sem sombra de dúvida que a escolha foi acertada. Não sei se consciente ou inconscientemente optaram por Criacionismo e Evolucionismo, ao que podemos entender da seguinte forma: O criacionismo foi criado. A evolução evolui. Um índio Brasileiro bem que poderia alegar o seguinte: Eles vieram com uma Bíblia e sua religião, roubaram nossa terra, esmagaram nosso espírito, estupraram nossas filhas. Agora nos dizem que devemos ser agradecidos ao ‘Senhor’ por sermos salvos. E parafraseando nossa amiga aí acima: Salvos de quem?”

    ResponderExcluir
  26. Mirandinha,

    por favor, diga-me onde está as falhas do meu argumento. Claro que não estou requerendo veracidade para ele, é apenas um exercício especulativo.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. E esqueci de dizer que o que eu disse, é claro, não requer necessariamente um "evento salvífico" à moda cristã.

      Excluir
    2. Eu não disse que você falhou. Uma guinada de 360° pode ser um exercício especulativo à moda cristã.

      Excluir
  27. Anja, você diz:

    “ Doni, fica até difícil de debater ou comentar o texto, uma vez que não acredito que há algo pra que eu seja salva. Como você disse, eu descri de eternidade, ruas de ouro, lago de fogo etc...

    Mas Anja, dentre as muitas alternativas de crenças ou a ausência de crenças em torno da questão pós-morte, a sua deve ser considerada.

    Pois a convenção cristã tradicional também se apoia exclusivamente em axiomas bíblicos para sustentar sua tese em relação à eternidade.

    O niilismo, que é a ausência, tanto de otimismo como de pessimismo, no que tange a eternidade, já que para o niilista a morte significa o fim de tudo, foi o tema central de grandes pensadores do século passado. Como Nietzsche e Sartre por exemplo.

    Então você tem liberdade e autoridade para defender seu ponto de vista.
    Inclusive, qualquer professor sobre soteriologia que se preze, deve colocar enfaticamente a questão do niilismo em sua abordagem. Mesmo que seja apenas como um contra ponto.

    Sobre sua pergunta, salvação de que? Pergunta pertinente, visto que, por exemplo, nos ensinamentos de Paulo, não existe uma doutrina de inferno. já que este ensino foi tardiamente introduzido na cultura cristã através dos evangelistas. É outro assunto que uma vez tratado com seriedade pode mudar os rumos da soteriologia.

    Mas não vamos entrar nessa polêmica, pelo menos por hora!rsrs

    ResponderExcluir
  28. Gil, belo poema com viés universalista. Que Ratzinger não te leia! Karol, se estivesse vivo, muito provavelmente te apoiaria. Rsrs

    Gil, o cristianismo medieval, ou catolicismo como queiram, acreditavam que a simples inserção do indivíduo no seio paroquial, já significava ser salvo efetivamente. Neste aspecto nem a fé (abstração ou consentimento mental) ou as obras (tangível, ligada a orto-praxis) era o meio de salvação.

    Note como o assunto é abrangente, e pode ser discutido por perspectivas diferentes.

    As transformações a qual me refiro especificamente no texto, são os diferentes caminhos para o construção de modelos soteriológicos, e por tabela, as divergências em torno do evento que de fato concretizou a salvação à humanidade.

    Para se ter uma ideia, Boa parte dos cristãos no mundo, acredita que o ponto alto da redenção da humanidade está em que: “O Logos se fez carne”. Neste aspecto, a origem e encarnação de Cristo é o que leva a salvação a efeito. Outros, porém, firmaram na cruz o clímax para a redenção. Mas como supracitado no texto, houve momento na história, que a salvação assumiu a forma de Paidéia, ou seja, a ênfase estava no aprimoramento do conhecimento humano como forma de se obter a salvação. (theosis)

    E muitas outras nuances que o texto sugere.

    ResponderExcluir
  29. Doni, bom texto pra uma confraria teológica (rsrs), mas sério mesmo, gostei de seu texto, muito embora o tema não mais me excite; o que sobrou do meu tempo "crentês", como diz a anja, foram alguns poemas e nostalgicamente (mas nem tanto rsrs) irei postar um agora pra fazer par com a poesia do Gil:

    AOS PÉS DA CRUZ

    Estou de volta aos Teus Pés,
    Prostrado, rendido...
    Abate minha carne,
    Fortalece meu espírito!
    Voltei-me aos pés da cruz
    Voltei coração e mente a ti meu JESUS!
    De volta a Ti, aos Teus Pés estou,
    Totalmente dependente de Tua Graça, de Teu Sangue.
    Sangue que flui da Cruz do Calvário...
    Que flui como um Rio
    E minh' alma tem sede deste Rio
    Quero beber, quero mergulhar neste Rio!
    Tal qual uma corsa...
    Mergulho de volta nestas Águas,
    Só assim me verei livre da ira de DEUS
    E sua implacável Justiça!
    Só nestas Águas
    Só neste rio
    Só por Teu Sangue
    Livra-me da Justiça...
    Dá-me Tua Graça...
    Rendo-me a Ti!

    Anderson Luiz de Souza

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. assim não vale!!!! Me arrepiei todo! rsrsrs O meu agora virou um versinho rsrsrs

      Excluir
    2. Que isto Gil! rsrs Obrigado pelo elogio, mas vale ressaltar que quando compus este poema, era calvinista roxo! Hoje, como disse, restasm-me apenas lembranças...

      Excluir
  30. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  31. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  32. And,

    Seu poema é uma resposta calvinista ao universalismo gilbertiano!!!

    Abraços.

    ResponderExcluir
  33. Anjinha,

    É exatamente isso que estou dizendo:

    "ser salvos de alguma situação opressiva e que vai de encontro à dignidade humana." é em vida que deve acontecer e não após a morte.

    A salvação que importa, no final das contas, é a que se processa na história humana. A outra, metafísica, é apenas especulação ou então, certeza de fé, que não passa da "certeza de coisas que se esperam".

    Ao transpor para o além a salvação, muitos cristãos esqueceram de lutar por justiça social e de implantar o Reino de Deus aqui e agora, aliás, era essa a missão de Jesus.

    Não entendo que Jesus, um oprimido galileu, propunha uma salvação para um além indefinido, "na casa do meu pai". Isso para mim, é teologia joanina.

    ResponderExcluir
  34. hahahahaha Edu, estamos nos entendendo, enfim! rsrsrs

    ResponderExcluir
  35. AND E GIL

    vocês são dois belos poetas. Um, imerso que está na dinâmica do espírito e da fé, compõe o que lhe vai na alma; o outro, imerso que foi nesta mesma dinâmica, compôs o que lhe ia na alma; mas o problema é que a alma que mergulha em tal dinâmica, jamais consegue dela sair, ainda que diga o contrário. No fim das contas, todas as almas estão imersas na dinâmica do espírito.

    ResponderExcluir
  36. DONI,

    ENTÃO, depois da constatação de que

    com as mudanças de paradigmas, muda-se também os conceitos de salvação. Com a mudança de conceito, muda-se também as motivações evangelizadoras.

    o que nós, pensadores dos discursos bíblico em pleno século 21 pode propor como um novo paradigma para a teologia cristã em todos os seus aspectos, principalmente no aspecto salvífico?

    É, eu sei, dura coisa de pergunto...kkkkkkkkkk

    ResponderExcluir
  37. Sim Edu,

    Mas não esqueçamos do aspecto transcendente da salvação na voz, ou melhor, na pena de Paulo:

    "Se é somente para esta vida que temos esperança em Cristo, dentre todos os homens somos os mais dignos de compaixão."

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. estas vida me basta! Não quero esperar nada numa próxima... rsrsrs

      Excluir
    2. "Se é somente para esta vida que temos esperança em Cristo, dentre todos os homens somos os mais dignos de compaixão."
      Ainda bem que sou anja rsrsrs

      Mas Doni, deixa te perguntar: e se nada vier depois, fica?

      Excluir
    3. CORRIGINDO: Mas Doni, deixa te perguntar: e se nada vier depois, comofica?

      Excluir
  38. NOREDA,

    SE VOCÊ NÃO LEU O QUE EU DISSE NA POSTAGEM "INTERVALO" NA QUAL NOSTALGICAMENTE, NOS DELEITAMOS COM A SAUDADE DA "INFÂNCIA DA FÉ" (VEJA O POST ANTERIOR), VOU REPETIR AQUI.

    EU DELETEI SEUS DOIS ÚLTIMOS COMENTÁRIOS NA POSTAGEM DO GIL POIS DE TÃO BONS, NÃO MERECIAM FICAR NA RABADA DE UM TEXTO QUE JÁ ESTAVA CHEGANDO AO FINALMENTES DAS DISCUSSÕES.

    SUGIRO QUE VOCÊ OS PUBLIQUE OPORTUNAMENTE COMO POSTAGENS, OK?

    Agora, sobre seu comentário acima, ele é deveras, interessante.

    Religião é como quimioterapia, ela pode resolver um problema, mas também pode causar um milhão de outros. Ateísmo é como glicose na veia de um bêbado. De uma hora para outra ele fica lúcido.

    Mas na verdade, Noreda, a religião não resolve o problema do mistério da vida e nem tampouco o ateísmo.

    Sobre o mistério da existência, só o que nos aplaca o assombro é a reflexão não dogmática e uma devoção não necessariamente religiosa ao autor da vida, seja ele quem for, um ente ou um não ente, uma Inteligência com propósitos ou um acaso despropositado.

    Sua apologia ao ateísmo é compreensível. Mas não se engane, o ateísmo não é capaz de salvar aquele que se deixa embebedar pelo elixir da devoção ao se perceber parte de um complexo drama cósmico.

    É claro que sempre resta a alternativa de rejeitar completamente tal elixir, como muitos ateus fazem, mas aí a vida fica empobrecida e sem graça e põe-se para debaixo do tapete perguntas que não têm respostas fáceis.

    É UMA HONRA, AMIGO, TER ESSE NOREDA ATEU, MAS MAIS FLEXÍVEL TANTO NO PENSAMENTO QUANTO NO TRATO, NESTA CONFRARIA. O MESMO VALE PARA O MIRANDINHA.

    Com tudo isso, para não parecer que estou discordando gratuitamente de você, devo dizer que a religião nos trouxe muitos, muitos problemas.

    Mas pensando bem, qual foi a filosofia, ideologia ou arranjo social que não trouxe junto com benefícios, algum tipo de problema para a humanidade?

    No fim, parece-me, que só resta mesmo, amar.

    ResponderExcluir
  39. DONI,

    por que ainda temos que ter na pena de Paulo o paradigma absoluto a partir do qual devemos pensar?

    ResponderExcluir
  40. LEVI,

    o que o Gondim diz é exatamente o resultado do exercício que eu propus ao DONI: Qual novo paradigma de "salvação" nós, cristãos do século 21 vamos construir?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Em suma: NÃO É O QUE EU VENHO DIZENDO A UM TEMPO AQUI NA CONFRARIA Edu?

      "Ter vida em abundancia?" Basta olhar atrás meus comentários desde o texto do Doni sobre o martírio dos cristãos!!!

      rsrsrsrsrs bingo}!!!

      Excluir
    2. Anja, O Gondim não fez menção da salvação no sentido de eternidade. Mas pelo que eu conheço dele não acredito que tenha desistido de considerá-la.

      Excluir
    3. Pelo que eu conheço dele (e falo praticamente todos os dias com ele), posso lhe assegurar que sim Doni, tenha certeza!

      Excluir
    4. Este comentário foi removido pelo autor.

      Excluir
    5. Hoje mesmo falei com ele sobre esta entrevista em que vários blogs entre eles o púlpito cristão, lhe detona, dizendo que ele esta a cada dia mais apóstata, se é que isto é possível; rsrs ele me disse que já parou de ler estes blogs e sites a muito tempoo, que já chegou até a passar mau com isto, tendo que parar no médico, e hoje ao menor sinal de ofensa, ele bloqueia a pessoa no twitter, que é a rede social que ele usa, enfim, falo com ele muito, mas muito mesmo e como disse, praticamente todos os dias e estou certa de que comungo da mesma ideia (ou quase) dele rsrsrs

      Excluir
  41. Edu,

    Eu diria que muitas coisas na teologia pós-moderna precisa ser repensada. E alguns conceitos milenares revistos.

    Veja como as coisas mudam!

    No final do ano passado escrevi um texto com o título caminhos da teologia. Onde engrossei o coro daqueles que almejam e identificam na teologia contemporânea, a necessidade urgente de uma nova reforma. E nesta oportunidade coloquei como entrave para esta revisão, o pluralismo radical que emergiu nos últimos tempos, e que sobremaneira aflige a teologia. Em outras palavras eu disse que a teologia havia perdido aquele enfoque central que mantinha unida as diversas teologias existentes. E apontei como culpado o pluralismo.

    Contudo tenho refletido na necessidade de um diálogo mais aberto com as demais religiões. Sobre a necessidade de construir uma teologia trans-religiosa, pluri-religiosa, ecumênica. Onde se assente na mesma mesa representantes de todas as grandes religiões, e colocassem na pauta os problemas emergenciais que o mundo demanda, em detrimento das questões metafísicas.

    Será possível haver um teólogo disposto a mediar este diálogo? O Karol Wojtyla morreu!!!

    Acho interessante, e faço meu também o ponto de vista de Emmil Brunner. Ele admitia que se podia achar a verdade no filósofo, no ateu, no adepto de seitas não cristãs, assim estabelecendo diálogos entre eles, mas contudo reconhecendo que eles não podem possuir suficiente e completo conhecimento do verdadeiro Deus.

    Quem sabe ouvindo todas as partes, se consiga chegar a um denominador comum. E assim venhamos a apresentar ao mundo as propostas de um novo e seguro paradigma a teologia.

    ResponderExcluir
  42. Não sei se respondi a contento sua pergunta. A medida que as palavras me vinham a mente ia escrevendo. E saiu isso daí! rsrs Mas é exatamente o que penso hoje!

    ResponderExcluir
  43. Anja,você diz:

    "Mas Doni, deixa te perguntar: e se nada vier depois, como fica?"

    O ser humano é um ser complexo por demais para que sua existência seja tão efêmera e se resuma à esta vida.

    A pergunta no sentido inverso é tão ou mais importante Anja! E se vier alguma coisa depois, como fica?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Este comentário foi removido pelo autor.

      Excluir
    2. Doni, escrevi um texto (em plena crise) junto com um amigo, foi um diálogo nosso e que virou uma postagem e vou postar parte aqui como come3ntário e em seguida o link pra que se voce quiser ler todo o texto e comentar, será prazeroso pra mim.


      Imagina uma nuvem. É formada de água, em natureza não líquida, mas água. [...]Imagina seja ela a única fonte de água pura. Mas as nuvens não são somente água. Nelas também há ar, poeiras, outros elementos.
      Essa nuvem chove. Condensa-se em gotas que se precipitam à matéria concreta, com determinados fins. Cada gota, de per si, tem um corpo físico, delimitado pela tensão superficial. Circunscreve-se.
      Viaja da nuvem a terra. Ao chegar, deixa de ser a gota. Funde-se a outras gotas, forma os arroios, regatos, rios. Cumprem sua missão no conjunto, mantendo sua natureza original de água. Evaporam na substância original – água – e voltam à nuvem, fonte de todas as águas.

      Vamos a nós. Temos nossa natureza divina vinculada a um corpo físico. Nessa natureza, a divindade e outras substâncias que turvam a própria água. Vivemos nossa vida, uma viagem com início e fim. Cumprimos nosso papel de depuração das impurezas e retornamos à fonte, a Deus.
      E Jesus, mais próximo a nós. E outros iluminados também? Possivelmente essa natureza divina neles fosse o próprio Deus, a água da nuvem sem impurezas. Como forma de dizer às gotas – a todas elas – a forma de retornarem à nuvem – a Deus – sem as impurezas e assim purificarem o todo, retirando e filtrando as desarmonias ou impurezas que conspurcam a água vaporizada, fonte de todas as águas. Ou Deus, fonte de todas as vidas.

      Sei que é viagem, mas tão explicável quanto qualquer outro assunto inexplicável.

      O fato é que não quero explicar Deus. Apenas quero confiar, crer que Ele existe. Não me interessa sua natureza, mas creio que faço parte dele, dele vim, a ele voltarei. Isso não é nenhuma teoria reencarnacionista, nem de penalizações, culpas, expiações. Sou somente um instrumento, enquanto personificado, do todo. Vivo, na vida terrestre, sou uma gota. Fora dela, sou apenas água, não uma molécula de água. E sou não sendo. Como os componentes de uma molécula de água compõem-se não em água, mas no todo.
      Eu não sou. Mas Eu Sou o que Sou.[...]

      http://omundodaanja.blogspot.com.br/2012/01/entre-adao-simios-e-murideos-de-onde.html

      Excluir
    3. Anja, que texto lindo!

      É nos momentos de crises que as ideias afloram com mais facilidade não é?

      Mas pelo que vi nas datas das publicações sua "crise" é bem recente?

      Excluir
    4. Doni, Não diria recente, mas de dois anos pra cá, tenho passado por uma crise existencial daquelas, o texto tem mais ou menos esta idade, mas eu só resolvi posta-lo depois.

      Grata pelo elogio querido, irei posta-lo aqui na minha vez.

      Excluir
    5. Exato Doni, nos momentos de crise, solidão e quietude é que viajamos para dentro de nós mesmos. pra mim, é pura imanência...

      Excluir
  44. Anja,
    o problema é que na maior parte dos comentários anteriores você estava em coma etílico e não dizia coisa com coisa....kkkkkkkekekkekekekeke

    Mas talvez exista uma diferença entre o meu pensamento e o seu que é: apesar de eu concordar que a teologia deve ser antes de mais nada, uma teologia da imanência, eu não fecho a porta para a possibilidade de se fazer teologia para a transcendência.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. kkkkk verdade! ghegheehehe ta bem, vou postar um comentário sobre o que penso a respeito de transcendência e eternidade ok?

      Excluir
  45. DONI,

    eu já penso assim há algum tempo. Apesar de toda boa apologética que quer ver no cristianismo a única religião verdadeira, eu me recuso a aceitar tal afirmação. Ora, Deus não pode ser trancado numa única tradição religiosa; talvez mesmo, ele não se identifique com nenhuma delas...

    Eu já desisti de enfatizar uma teologia a partir de Deus e me volto agora para uma teologia feita a partir do homem e das suas várias compreensões de Deus.

    Como eu disse a Anja, a teologia deve enfatizar a imanência mas não se fechar à transcendência. E essa transcendência não pode ser dogmatizada. O cristianismo não pode se arvorar a ser o guardião da "verdadeira" transcendência pois não existe verdadeira ou falsa transcendência, o que existe é a transcendência que é a capacidade humana de ir além de si mesmo, do que é ordinário e material e se aventurar no mundo dos sonhos, da imaginação e do espírito.

    Por isso também abandonei as afirmações sobre Deus dos compêndios de teologia sistemática, por considerá-los empobrecedores do próprio ser divino.

    Teologia para mim hoje é estudar e refletir o que as tradições religiosas humanas construíram como "face de Deus" e não como se Deus mesmo tivesse se revelado a alguma dessas tradições e contextualizar todo esse legado do espírito humano para que possa ser usado na vida concreta.

    Também não acredito nesse "entendimento comum" entre tradições divergentes. Ou seja, um islãmico não tem como aceitar que Jesus era Deus do mesmo modo que o cristianismo não pode aceitar que Maomé foi "O" profeta de Alah.

    Cada tradição deve permanecer na sua tradição sem ter que aceitar os pressupostos de tradições alheias, mas ao mesmo tempo, deve aceitar como verdade espiritual válida a tradição do outro. Ou seja, assim sendo, o cristianismo é tão verdadeiro quanto o Islã.

    Mas estamos longe demais disso, talvez seja mesmo uma utopia. Continuaremos vendo as três grandes religiões monoteístas causando tensões ao querer o monopólio da verdade espiritual.

    ResponderExcluir
  46. Anja,

    belíssimo texto!! Deveria estar aqui como postagem.

    ResponderExcluir
  47. Caramba Edu, acabei de fazer um comentário mas perdi. Estou um pouco embriagado e não vou reescrevê-lo. Resumindo o que eu disse:

    Você foi entrometido ao responder o comentário que fiz para o donizete.

    Eu lí o post Anterior e entendi o recado.

    Disse também que aprendi muito com você, à medida que refutava seus comentários em nosso debates.

    Também disse que estou tirando do ar todos os meus blogs e juntando tudo num só.

    Ah! Você disse: "Mas na verdade, Noreda, a religião não resolve o problema do mistério da vida e nem tampouco o ateísmo"

    Eu digo: A religião tem a pretensão de responder as perguntas de nosso problemas sim! Ela diz de onde viemos e para onde vamos, se isso não é resolver os problemas, é o que então?

    Chega! Acho que tomei vinho demais hoje.

    Abraços à todos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. hahaah Moreda joga no meu time! Adoro vinho cerveja e ......... hehehehehe

      Excluir
    2. opsss é NOREDA! DSCULPS rsrsrs bjux querido

      Excluir
  48. Noreda,

    o que eu queria dizer é que tanto a religião quanto a filosofia e até a psicanálise, buscaram e buscam responder as mais dramáticas perguntas que podemos fazer sobre nós mesmos e sobre a existência, mas falham em dar uma resposta satisfatória que se pretenda absoluta e assim percebido por todos.

    meu deus, mais um bebum na logos e mythos...kkkkkakakakk

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. E se era apenas para o Doni responder, foi mal, mas você sabe como eu sou fominha de comentários, perdendo somente para os áureos tempos do nosso amigo Marcinho alves...rssss

      Excluir
  49. Bom Edu, tudo é uma questão de ponto de vista, pois sua resposta fica presa na subjetividade epistêmica. Você pode muito bem dizer, objetivamente, que, por exemplo, Jesus morreu há tantos anos, baseado em documentos históricos, mas não pode objetivamente que ele morreu pra salvar a humanidade, pois está afirmação é subjetiva e depende de outros para corroborar.

    Mas depois eu explico isto. Deixa eu trabalhar, pois você, como diria o Provocador, já está mamando nas tetas do Governo (risos)

    ResponderExcluir
  50. Doni e Edu, Não diria recente, mas de dois anos pra cá, tenho passado por uma crise existencial daquelas, o texto tem mais ou menos esta idade, mas eu só resolvi posta-lo depois.

    Grata pelo elogio querido, irei posta-lo aqui na minha vez.

    ResponderExcluir
  51. Doni, Edu, Noreda, Levi, Gil e demais confrades...

    A respeito da eternidade, fazendo uma alusão ao que o Doni disse:"O ser humano é um ser complexo por demais para que sua existência seja tão efêmera e se resuma à esta vida."

    Então deixa eu falar como eu e o Anderson temos vivido nossa eternidade; o que irei escrever aqui é um pensamento meu e dele e de como temos procurado viver e ensinar nossos filhos viverem.

    Gente, procurem viver cada momento como se fosse único! Empreste significados as pequenas coisas da vida. Veja a imanência de Deus no sorriso de uma criança (mesmo que não seja seu filho ou algum parente), sinta o perfume das flores, beije mais, ame mais viva mais! Perceba a alegria de viver ao brincar com seu gato ou cão; procure tirar proveito dos momentos amargos a vida com um aprendizado, aprenda com os pequenos grandes significados destes momentos. Encha o peito de ar... respire VIDA! Seja vida... Descubra na quietude de sua alma o valor de seu próximo; sinta Deus em voce a na natureza ao ver um nascer do sol, um crepúsculo, a lua com seu manto negro encobrir o azul do céu... Viva e deixe viver!

    Assim eu vejo que minha vida foi intensa, eterne... Deus foi imanente e transcendente...

    Eu direi então: Vivi e fui feliz!

    Anja

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. E a areia da ampulheta que não para de escorrer, me fará retornar ao pó de onde vim... irei feliz com a areia,.... como a areia!

      Excluir
    2. Anja você está iluminada!!!

      Mas se meu filho não tiver condições de enxergar nada disso? Se ele não conseguir respirar vida? Se foi lhe tirado a odireito à vida e vida em abundância? Se ele não teve oportunidade para ser feliz aqui, já que felicidade também depende concretamente de condições e oportunidades que nem sempre depende da sua vontade própria? Se lhe tiraram o direito de ser feliz? Eu pergunto? Viver do que? Viver pra quê? (parafraseando sua frase salvar do que?).

      Aguardo sua resposta! Agora sou eu que estou lhe estudando. rsrsrsrs

      Excluir
    3. Gil, espero que não esteja falando do aborto! rsrs mas então... um sábio escreveu a muito tempo atrás num livro (que agora não me lembro o nome rsrsrs)"ENSINA SEU FILHO O CAMINHO (A VIDA) EM QUE DEVE ANDAR E QUANDO FOR VELHO (O CAMINHO, A VIDA) NÃO SE DESVIARÁ DELE" (Provérbios 22:6)parenteses meu

      Viva com seu filho e ensine-o a viver a vida, e a vida (caminho), não se desviará dele!

      Complicado? as vezes! simples? também!

      Excluir
  52. Anja Arcanja,

    Porisso existem as religiões. Alguns conseguem ser felizes com o que sobra, mas a maioria não consegue viver com o que falta buscando apoio na muleta. Uns não gostam do som dos pássaros enquanto outros suportam o silêncio ensurdecedor do deserto. Nascemos iguais em meios desiguais e cada um é feliz, ou não, a seu próprio modo.

    ResponderExcluir
  53. Anja,

    seu modo de viver também é o meu. Busca o contentamento nas pequenas coisas. Este nosso papo virtual aqui com tanta gente boa são para mim momentos felizes (mesmo quando eu tenho que responder um comentário do Mirandinha ou do Noreda...heee).

    A melhor forma de ver e sentir Deus é ver e sentir a vida de forma autentica. Um dia os átomos dos nossos corpos voltarão outra vez à sua origem - as estrelas. E se houver um outro lado, estaremos lá, nos braços do pai.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Prontinho Edu! é nisto mesmo!

      Excluir
    2. Edu meu caro,

      Quem te disse que os átomos do seu corpo subirão aos céus em busca das estrelas? Lêdo engano este seu. Seus átomos se juntarão aos meus na escuridão silenciosa de um buraco negro coberto de terra. Querendo dourar a pílula, Edu?

      Excluir
    3. O outro lado existe, é o Japão. He, he, he...

      Excluir
    4. kkkkkkkkkkkkkkkk Mirandinha é como eu disse, a areia da ampulheta não para de escorrer... irei como ela, irei como ela, serei como ela! Não espero nada mais, mas terei sido eterna enquanto vivi!

      Excluir
    5. Ser eterno enquanto vivo é possível. Ser eterno após a morte, é desprezar um inimigo poderoso como o esquecimento que tem como aliado a falta de memória.
      A areia da ampulheta para de escorrer, sim. Ela volta a escorrer quando inverte a posição como se fosse um recomeço. Para sermos similares teríamos de renascer ou ressuscitar. Eu prefiro ser como o relógio, que mesmo quebrado marca a hora certa duas vezes ao dia.

      Excluir
    6. Este comentário foi removido pelo autor.

      Excluir
    7. Mirandinha, a areia da ampulheta pra de escorrer pela agulha quando voce esvai e escorre... ela se quebra, para, se acaba...

      a ampulheta nada mais é que nossa vida!

      Excluir
    8. Por isto eu disse Mirandinha: Sou eterna enquanto estou viva

      Excluir
    9. Errata: a areia da ampulheta para de escorrer

      Excluir
  54. Gil, espero que não esteja falando do aborto! rsrs mas então... um sábio escreveu a muito tempo atrás num livro (que agora não me lembro o nome rsrsrs)"ENSINA SEU FILHO O CAMINHO (A VIDA) EM QUE DEVE ANDAR E QUANDO FOR VELHO (O CAMINHO, A VIDA) NÃO SE DESVIARÁ DELE" (Provérbios 22:6)parenteses meu

    Viva com seu filho e ensine-o a viver a vida, e a vida (caminho), não se desviará dele!

    Complicado? as vezes! simples? também!

    ResponderExcluir
  55. É sim Doni. recordo-me dos debates acalorados com os universalistas e arminianos nos seminários por onde andei rsrsr

    Mas hoje, minha visão está em pleno uníssono com a de minha anja, aliás, em dois somos um! rsrs

    Edu, será mesmo que não sai? Temo que não, mas percebo algo muito precioso, pois perdendo minha religiosidade, encontrei-me! Desistindo de procurar entender deus, entendi o que é (ou não) Deus. E é simplesmente (ou simploriamente) VIDA e amor, então vivamos enquanto somos eternos!

    Como bem disse a anja, a ampulheta uma hora deixa de passar a areia pela, ela escorrerá rumo ao que era... ao pó! Nesta hora inevitavelmente estaremos sozinhos.; escuridão e frio, então será tarde demais pra viver nossa eternidade...

    ResponderExcluir
  56. Anja não é sobre o aborto não rsrsrs se não falaria abertamente rsrsr longe de mim fazer pegadinhas rsrsrs

    Então anja mas nem sempre na vida real é parecida com que fantasiamos.A tantos fatores que nos desviam do curso natural da vida.

    Não sei se me entende!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Gil, não falo de um mundo fantasioso e de ilusões (isto é coisa de religioso que espera em deus e não age), ao contrário, falo de um mundo de atitudes e ação!

      (respondi mais lá em baixo) rsrsrs

      Excluir
  57. Vou até postar mais um de meus poemas que retrata momentos que vive e que me ensinaram:

    Nunca mais...



    Nunca mais digo que não vou errar outra vez...

    Nunca mais digo: - eu não vou repetir!

    Nunca mais digo que não vou magoá-la...

    Nunca mais digo que não vou fazer rolar lagrimas de meus filhos.

    Nunca mais, só isto... Nunca mais.

    Nunca mais digo que uma amizade é eterna,
    Nunca mais digo que a inimizade é pra sempre...

    Nunca mais digo que não vou pedir perdão,
    Nunca mais digo que não vou perdoar.

    Nunca mais digo que descreio do bem,
    Nunca mais digo que o mal não existe!

    Nunca mais digo que descreio da existência de Deus,
    Nunca mais digo que o diabo não é real.

    Nunca mais digo: - eu prometo!
    Nunca mais prometo o que não vou cumprir.

    Nunca mais, só isto... Nunca mais...

    Nunca mais digo que a teologia supera a ciência,
    Nunca mais digo que a ciência explica o que hoje sou...

    Nunca mais digo que sou e sim digo que estou!
    Nunca mais digo: - vou vencer só pelas minhas forças!

    Nunca mais, só isto... Nunca mais...

    Nunca mais digo que nunca mais...
    Uma atitude é muito mais do que dizer que nunca mais...

    Anderson Luiz de Souza

    Poema que escrevi (como diz a anja) em plena crise

    Mas como ela bem diz, hoje (faço minhas as palavras dela:

    procuro viver cada momento como se fosse único! Empresto significados as pequenas coisas da vida. Vejo a imanência de Deus no sorriso de uma criança. sinto o perfume das flores, beijo mais, amo, mais vivo mais! Percebo a alegria de viver ao brincar com nossa gatinha; procuro tirar proveito dos momentos amargos da vida como um aprendizado, aprendo com os pequenos (grandes) significados destes momentos. Na quietude, percebi que não posso viver isolado e quis amar mais a meu próximo. Vivo, e deixo viver, vivemos...

    ResponderExcluir
  58. Muito precioso o seu texto, Doni!

    Parabéns!

    Sinto que hoje há uma tendência ainda não muito expressiva no cristianismo de que a salvação não estaria restrita às questões póstumas ou de escatologia. E tal visão assemelha-se com a de algumas outras religiões.

    Perguntas como estas continuam sempre válidas para a aprimoração da ideia:

    O que é ser/estar "salvo"? E salvos do quê, afinal?

    Infelizmente a doutrina eclesiástica acabou mediocrizando a ideia de salvação, criando a imagem de um deus punitivo e fez disto um discurso proselitista ameaçador. Aliás, nem a redação do NT escapou! E acho que há um dedo dos antigos padres nisto.

    Hoje estar salvo significaria também não sermos dominados por nossas compulsões e desejos destrutivos. Seria sermos felizes independentemente das circunstâncias. Praticarmos o amor em meio aos espinhos e abrolhos produzidos pela terra...

    Enfim, acho que muita coisa construtiva pode ser construída no campo da soterologia. Desenvolver o tema salvação continua sendo importante para o bem estar espiritual das pessoas, as quais não apenas precisam se tranquilizar quanto ao futuro (saberem que o infinito amor divino não deixará suas almas na morte) etambém no tocante ao momento presente.

    Um dia todos morreremos e precisamos estar preparados para deixar este corpo quando chegar a hora. Mas antes, precisamos focar na nossa missão aqui. E, conforme li no Facebook recentemente,

    "Nós não somos seres terrenos vivendo experiências espirituais. Somos seres espirituais vivendo uma experiência terrena".

    Hoje o que vem depois da morte já não me ocupa tanto a mente. Focar nas coisas desta vida pensando no aqui e agora têm me interessado mais.

    A paz do Senhor.

    Abração!

    ResponderExcluir
  59. "(...) o interesse não está em um Cristo que oferece apenas a salvação eterna, mas em um Cristo que sofre e sua e sangra junto com as vítimas da opressão (...)"


    Em tempo!

    Gostei muito desta parte de seu texto, Doni!

    Ela nos transmite também a ideia de uma salvação coletiva. De transcendermos a condição atual de ignorância em que o povo se encontra. É algo que não se restringe às melhorias políticas ou econômicas pois vem junto com um amadurecimento espiritual de todos. Relaciona-se diretamente com a importância de uma educação para além dos muros da escola.

    Retomarmos as ideias da teologia da libertação parece bem oportuno hoje. AInda que o atual papa e o seu anterior tenham trabalhado pela desmobilização das comunidades de base, penso no ressurgimento de tal movimento de um modo mais anárquico, livre das prisões institucionais. Sem as terríveis "gaiolas".

    Valeu!

    ResponderExcluir
  60. Gil, voce acredita na bíblia? rsrs se acredita siga a risca o provérbio: "ENSINA SEU FILHO O CAMINHO (A VIDA) EM QUE DEVE ANDAR E QUANDO FOR VELHO (O CAMINHO, A VIDA) NÃO SE DESVIARÁ DELE"

    Se voce não acredita, seja um exemplo real de ser humano para seu filho! Eu acredito em mim! Claro que muita coisa de proveito se tira da bíblia (rsrs) este provérbio mesmo é uma delas, mas Gil, não falo de fantasias e ilusões não querido! Falo do que vivo! É assim que eu ajo com meu filhos, mas de uma coisa eu sei, Gil, EU NÃO POSSO VIVER POR ELES e se eles não seguirem meu exemplo, o que eu poderei fazer? PACIENCIA! não serão eles responsáveis por si? eu sou por mim e enquanto estão em minha responsabilidade, respondo por eles com meu exemplo de vida, mas basta que amarrem as fraldas sozinhos para que respondam por eles. tente errar o menos possível, pois voce irá errar, mas erre tentando acertar rsrs. não tenha medo de pedir perdão ao seu filho quando errar ou exagerar em algo. Sempre expresse seu amor para com ele: diga que o ama e que ele é a coisa mais importante na sua vida. Jamais diga a ele que voce ama mais a deus que ele, pois ele o desprezará se assim voce o fizer. Gil... seja quem voce é e seja o melhor...

    Se contudo ele se desviar do "caminho" (vida) que voce exemplificou, ensinou, viveu com ele... ele tem duas opções: ou aprenderá as duras penas e sozinho ou morrerá sem ter aprendido nada!

    Meus filhos tem 11 e 8 anos e é assim que trato com eles. Vivo e os ensino com meu exemplo... Mas jamais poderei tomar o lugar deles! Cada um tem sua ampulheta!

    Uma atitude vale mais que mil palavras...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Gil, não falo de um mundo fantasioso e de ilusões (isto é coisa de religioso que espera em deus e não age), ao contrário, falo de um mundo de atitudes e ação!

      Excluir
  61. anja entendo e concordo com você mas me refiro aos fatores não naturais da vida um acidente seja qual for: miséria humana, enfermidade, miséria... coisas que vem atingir um ser humano este se torna impossibilitado até para sorrir...

    Como dizer a ele olhe as flores, sorria sempre... enfim o que disse lá em cima?

    acho que agora me expressei melhor!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. MATE-O!(mentira, faz isto não viu?) rsrsrs ora Gil é muito simples a resposta (mas pra quem é contra aborto de anencéfalos agora encontra este tipo de dificuldade, é inusitado e muito estranho pra mim!) uma pessoa que se diz a favor de se levar a vida sem vida de um anencéfalo adiante, deve estar preparado para as mazelas que a vida nos reserva! A VIDA NÃO É UM MAR DE ROSAS!

      Espie bem sua pergunta, voce fala de algo extra, algo que impossibilite ele até de sorrir (eu já estive impossibilitada de sorrir por muito tempo) mas venci! Querido, a vida não é um mar de rosas! Olha o que diz o Mirandinha:Alguns conseguem ser felizes com o que sobra, mas a maioria não consegue viver com o que falta buscando apoio na muleta. Uns não gostam do som dos pássaros enquanto outros suportam o silêncio ensurdecedor do deserto. Nascemos iguais em meios desiguais e cada um é feliz, ou não, a seu próprio modo.


      Gil, se não conseguimos viver enfrentando as adversidades, nossa vida foi em vão e não aprendemos nada!

      Tenho 20 anos de casada, 7 anos passei visitando o And entre um centro de recuperação e outro; foram 3 overdoses 1 parada cardiorrespiratória, vários sangramentos pelo corpo, ruptura de septo nasal, fraturas diversas, acidentes ímpares, brigas, brigas, agressões, espancamento nas crianças etc etc etc...(nem dá pra falar tudo e nem quero expor este passado) e hoje, nem de longe relembra o homem que era antes! A vida não é fácil pra ninguém querido. Hoje sinto cheiro de flor e me lambuzo no mel, mas ainda atravesso uns esgotos e provo fel, é um aprendizado... se não quer viver assim, use a MULETA que o Mirandinha diz (religião), mas saiba, mesmo com ela voce irá estar sujeito as mesmas mazelas... e ela na hora H não irá lhe ajudar em nada! A não ser continuar lhe pedindo o dízimo rsrsrsrs

      Excluir
    2. Encare os fatores NÃO-naturais como um desafio, como um aprendizado e principalmente como sendo natural! no mais vale a resposta que dei lá e cima:Olha bem a perte que estou grifando que talvez voce não a tenha percebido na 1° leitura

      procurem viver cada momento como se fosse único! Empreste significados as pequenas coisas da vida. Veja a imanência de Deus no sorriso de uma criança (mesmo que não seja seu filho ou algum parente), sinta o perfume das flores, beije mais, ame mais viva mais! Perceba a alegria de viver ao brincar com seu gato ou cão; (VOU ATÉ GRIFAR ESTA PARTE AQUI QUE DEVE TER PASSADO EM BRANCO NA 1° LEITURA)procure tirar proveito dos momentos amargos da vida como um aprendizado, aprenda com os pequenos grandes significados destes momentos. Encha o peito de ar... respire VIDA! Seja vida... Descubra na quietude de sua alma o valor de seu próximo; sinta Deus em voce a na natureza ao ver um nascer do sol, um crepúsculo, a lua com seu manto negro encobrir o azul do céu... Viva e deixe viver!

      Excluir
    3. CORRIGINDO: 7 ANOS NO VÍCIO, INTERNAÇÃO EM CENTROS FORAM 3 EM QUASE 3 ANOS

      Mas desde 17 anos ele usava drogas, mas a bomba estourou quando não mais conseguia viver sem a droga. Já estávamos casados e com o 1°filho a caminho.

      Excluir
    4. Aff 3 internações em 3 anos! (assunto ruim de relembrar viu) rsrs

      Excluir
    5. Ele ainda faz tratamento e usa medicação!

      Excluir
    6. Neste blog pessoal ele conta um pouco deste passado, mas claro de não de forma cronológica. É um blog onde ele também posta poemas para amigos e amigas e claro, para mim rsrsrs

      http://andersonpoemaseoracoes.blogspot.com.br/

      Excluir
  62. Porra, Mirandinha, nem poético eu posso ser....????

    Na verdade nossos átomos ficarão por aí, eles são energia e energia não pode ser destruída.Então, querendo ou não, somos eternos...

    vou rezar seis ave-marias e dez padres nossos pelo palavrão que me sai sem querer querendo...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Edu meu caro,

      Isto quer dizer que podemos ir para o inferno, pois a energia se converte em fogo. Para o céu é impossível, pois a energia não se converte em etéreo.Só se for pilha fraca.

      Excluir
  63. Nossa! Lavei a alma com este ensaio do Doni! PQP a muito tempo não falava sobre estas coisas...

    Obrigada Doni, Edu, Noreda, Mirandinha e Gil!

    ResponderExcluir
  64. Estou notando que o assunto, ou o nível do debate causou espanto em alguns comentaristas assíduos como acontece na C.P.F.G. Pena...

    ResponderExcluir
  65. Anja, muito legal a maneira com que você e o Anderson tem vivido a eternidade!

    Como bem disse Horácio em seu poema: CARPE DIEM! Também tenho procurado viver esta máximo e não apenas esperar pelo EPITÁFIO, como cantou os titãs.

    Lógico que esta questão de aproveitar ao máximo a vida, é bem relativo! Pode ser que venhamos a nos arrepender amanhã de nossas atitudes, que hoje, em nosso parecer são acertadas.

    E a propósito, O famoso evangelista Billy Granham, nos altos de seus 90 anos, quando indagado se pudesse fazer o tempo voltar o que ele faria, ele confessou o seguinte:

    "(...) Eu passaria mais tempo em casa com minha família, e eu estudaria mais e pregaria menos. Eu não teria realizado tantas palestras, incluindo algumas das coisas que eu fiz ao longo dos anos que eu provavelmente não precisava realmente fazer, casamentos e funerais e dedicatórias de construção, coisas assim. Sempre que eu aconselho alguém que se sente o chamado a ser um evangelista, eu sempre instá-los a guardarem o seu tempo.

    Eu também teria se mantinha afastado da política. Eu sou grato pelas oportunidades que Deus me deu para ministrar às pessoas em lugares altos, as pessoas no poder têm necessidades espirituais e pessoais, como todos os outros, e muitas vezes eles não têm ninguém para conversar. Mas olhando para trás Eu sei que às vezes cruzei a linha, e eu não faria isso agora.

    Por isso estou sempre em alerta em relação as minhas preocupações cotidianas.

    Abraços.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Doni, seu ensaio me fez falar de um assunto que há muito não falava. Como disse, estou lavando minha alma! Justo eu que sequer queria comentar né? rsrsrs e sou a que mais comentei até agora! ahaha

      Bjux

      Excluir
  66. anja me desculpe se forcei a situação

    Apenas quis demonstrar que na prática da libertação diante de uma situação de vulnerabilidade social encontramos tudo pela frente, fruto da pobreza humana.

    Seu testemunho me tocou profundamente, sinceramente não quis entrar neste campo, por isso renovo minha admiração...

    Para este povo que está no extremo das suas forças nem o ateísta, nem o religioso vão ser muleta ou alimento para suas necessidades.

    Porém conheço religiosos e ateístas que são voz dos que não tem voz e que se encaixam bem na parte do texto do doni que diz:

    Nesse paradigma, a salvação é holística. Nele, o interesse não está em um Cristo que oferece apenas a salvação eterna, mas em um Cristo que sofre e sua e sangra junto com as vítimas da opressão.

    Muitas vezes eles nem sabem que podem reagir.

    Precisa de alguém que os faça enxergar e não tem muleto e nem reza brava e nem átomos que os liberte.

    É dar a isca, dar a vara para pescar, mostrar o rio e principalmente dizer a ele: Olha este rio é teu também!

    È só isso anja! Apenas uma opinião sobre o assunto em destaque que é a salvação.

    É lógico que esta visão muda muito quando é umbilical e quando é universal.

    ResponderExcluir
  67. Noreda,

    Sempre em meus estudos sobre religiões, eu procuro colocar o ateísmo como uma das opções. E geralmente quando preciso de um subsídio, ora para endossar uma tese, ora por mera informação mesmo, dos sites que tenho como referência, os principal deles é um tal "OUTRO EVANGELHO". Ou "O LADO OU A PARTE" RSRS Gosto das ideias suas, do Édison Moura, do Miranda e outros ateus militantes.

    Eu, já no alto dos meus quarenta e poucos anos, quase trinta de evangelho, me sinto um veterano nesta área! Rsrs. já tive, confesso, alguns ataques de pelanca nas discussões com ateus. Hoje não tenho mais! Acredito inclusive, ser muito mais produtivo tratar de questões existenciais e ideológicas com ateus do que com os religiosos de plantão.

    Não são raras as vezes, que ouço alguém dizendo de um suposto perigo que os ateus representam para a fé ingênua. Contudo, no meu ponto de vista, a maior zona de risco que existe como inimiga da espiritualidade, é a superstição. Todavia, estes mesmos já estão imersos nela há tempos!

    Outro dia, assistindo uma entrevista com o Dr Dráuzio Varella, ele dizia do preconceito ou “admiração” (no sentido negativo) que muitos tem dele. Alguns até diziam: “como pode um homem tão bom como o senhor ser ateu?” Como se ser ateu fosse coisa de outro mundo. Quando na verdade não existe alguém que seja mais desse mundo do que o ateu! Rsrs

    Abraços

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Donizete,

      Para início de conversa, obrigado pelo aprêço.
      Você sabe que para ser ateu,ou descrente, é para quem pode e não, para quem quer. Ateus sabem mais de religiosidades e leituras bíblicas do que muitos padres e pastores. O conhecimento é uma das exigências para ser um descrente.
      Não entendi bem a sua fala.
      "Não são raras as vezes, que ouço alguém dizendo de um suposto perigo que os ateus representam para a fé ingênua. Contudo, no meu ponto de vista, a maior zona de risco que existe como inimiga da espiritualidade, é a superstição. Todavia, estes mesmos já estão imersos nela há tempos!"
      Você não pode estar falando de ateus, pois, ateus não tem superstição.

      Caráter independe de crenças, e a maldade pesa mais no crente porque vem acompanhada da falsidade enganação ou traíção.
      Nunca ouvi alguém dizer: Não entendo como um cidadão tão culto e inteligente seja um evolucionista. O ateu fabrica suas próprias próteses.
      Donizete, eu não sou ateu militante eu só não acredito em mentiras deslavadas
      Posso até ser crente, um dia, mas inventem um Deus com "meia evidência", pelo menos. Depois eu volto...

      Excluir
  68. Gil, de maneira alguma voce forçou a barra querido, como disse, estou lavando a alma com este texto e sinceramente fico agradecida demais de poder estar participando junto com voces nesta confraria que de fato, é uma irmandade, pois aqui compartilhamos nossas experiencias e aprendizado prático e me perdoe se pareci ser meio ríspida, sou assim mesmo, mas não porque estava irritada ou coisa assim, é o meu jeito mesmo viu?

    Gente, de fato este texto me trouxe muitas lembranças e me mostrou o quanto eu cresci e aprendi... PQP vou chorar aff!!!

    rsrsrs estou amando!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. As coisas em minha vida (nossa vida, nossa família) aconteceram de modo tão intenso e se transformaram (1080 graus rsrsrs) tão rápido que sequer parei pra observar o quanto foi bom ao mesmo tempo que doloroso pra mim! Nunca parei pra chorar o que não consegui conquistar, sempre me atirei à frente para conquistar novas objetivos, novos alvos, dar sempre mais um passo... nunca parei! E hoje quando paro, vejo que o passado... nossa! se eu fosse estagna-me procurando na muleta (seja que muleta for), talvez nunca conseguiria sair do lugar... êta! só falta falar em mistério rsrsrsr


      bão dimais da conta sô hahaha

      .........................

      Excluir
    2. rsrsrs be muito! Gil é bem mesmo como voce disse em seu poema:

      Eu conheci uma anja
      Que um dia
      foi pássaro engaiolado
      Mas que resolveu ser livre
      E voar sem amarras
      Pousar onde quer
      Pois muito mais
      que ser anja
      é humana
      é mulher…

      Gilber†o Begia†o

      (acrescento GUERREIRA) hehehehehehe

      Excluir
  69. Que legal Anja! Fico satisfeito com isso! Mesmo em se tratando de um tema estritamente teológico, sempre acaba emergindo algumas variantes com potencial de nos tocar. Isso é muito bom!

    ResponderExcluir
  70. Rodrigo,

    Obrigado pelas considerações.

    Nos temos uma teologia ou uma cristológica "diferente" e talvez distante daquilo que Jesus idealizou. Nós vivemos um cristianismo pós-moderno, centrado apenas na ortodoxia, e pior, isso acontece muitas vezes em detrimento da ortopraxia.

    Vivemos um apego demasiado ao ritualismo e ao espiritualismo, e marginalizamos àquilo que é essência do evangelho: A empatia, o altruísmo, o compartilhamento, a sensibilidade às necessidades do outro. Ou seja, as coisas que fundamentalmente condizem com a proposta inicial do Jesus histórico. Como se o mundo em que vivemos hoje, a opressão, a pobreza e a desvalides já tivessem sido erradicadas à tempos. E com o agravante de desqualificarmos as intenções e ações de pessoas com propostas inclusivas e de libertação, simplesmente por não estarem ligadas ao nosso arcabouço de fé.

    E é justamente neste aspecto que “pecam” aqueles que marginalizam a teologia da libertação ou a missão integral dos evangélicos.

    Mas aprecio a teologia da Ratzinger. Veja o pensamento dele em relação a este assunto:

    “Não é verdadeiro cristão o membro confessional do partido, mas aquele que se tornou realmente humano pela vivência cristã. Não aquele que observa de maneira servil um sistema de normas e leis, apenas com vistas para si mesmo, mas aquele que se tornou livre para a simples bondade humana”.

    Está em consonância com a proposta da teologia da libertação!

    Abraços.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Doni,

      Eu diria que tem algo a ver este posicionamento do papa que citou. Mas ele apenas toca na questão confessional. Porém, quanto à vivência do cristianismo, hpa divergências. Ratzinger é um conservador e também autoritário como líder de sua confraria, enquanto que os teólogos da libertação querem promover a distribuição de riquezas.

      A questão da confessionalidade está cada vez mais perdendo sua força. Até nos meios evangélicos (a última igreja batista da qual fiz parte em N. Friburgo já nem tabalhava com "apelos"). Porém, só isto não muda nada em relação ao entendimento do que seria a vivência cristã.

      A maneira como o papa desenvolve a bondade humana seria suficiente para os teólogos da libertação? Creio que o bispo de Roma ainda deixa muito a desejar neste sentido.

      Abraços.

      Excluir
  71. Anja, me identifiquei com seus comentários. Primeiro por que o romper com uma religião é uma coisa muito dura. Vc se mistura com aquilo tudo, teu mundo tem o tamanho da tua fé, seu Deus tem uma fisionomia, vc tem a vitória certa (supostamente), está guardado, vc está debaixo da benção!E de repente vc está fora. Essa foi minha experiência. Sofri muito, perdi muito. Mas de tudo que eu ganhei foi o meu resgate. Comecei nova na igreja, com 15 anos estava batizada e eu não me conhecia muito bem, fui me ganhando de volta, descobrindo o que eu gostava e o que eu achava que não gostava, e isso foi bom demais. Passar pelas dores sem "certeza da vitória" que só a igreja pode garantir o foi bom pacas rsrs...concordo com vc!
    Só não tenho mágoas! Não tenho pois eu fui e voltei com meus pés. Meu marido é evangélico e está feliz, meu filho vai a igreja com assiduamente e gosta, não serve mais para mim, mas serve para eles. E tiro boas recordações, muitas alegrias dessa época, e no mais eu me deixei levar demais, eu não usei as minhas faculdades, não posso culpar ninguém, me alienei por que precisei por alguma razão.


    Outra coisa que me impressionou foi sua pergunta lá em cima: Salvar de quê? Sabe, fiquei pensando nisso durante o dia! rs... não vim comentar antes pois estava no trabalho rs... Eu sempre duvidei do inferno, ainda não acredito nele, se ele existir quero ser salva dele,rsrs... se bem que tudo indica que vou ferver no mármore rs...mas de coração quero ser salva da falta de fé, da solidão, da falta de esperança. Eu gosto de "buscar e encontrar". Há uns três anos tive uma crise de depressão e quem já teve sabe, é a solidão cercada de gente. Teve uma noite que eu estava segurando a mão do meu marido com tanta força!! Ele não sabia o que fazer para me consolar aí eu me coloquei de joelhos e orei com muita fé e imediatamente aquele estado passou. Fiquei bem, calma e nunca mais me senti dessa forma. A moleta cumpriu o seu papel: me ergueu do chão. Nessa época eu já não era crente, não orei como crente, orei como necessitada e recebi um auxilio. Então é isso Anja! Quero ser salva da falta de fé!! rs....



    Beijins...

    ResponderExcluir
  72. MIrandinha,

    eu acho que o assunto está sendo bem debatido, inclusive com construções que passa ao largo da ortodoxia, como a teologia do "aqui e agora" da Anja que tem a acolhida também nos demais debatedores. Já são 121 comentários!!

    Mas que negócio é esse da energia virar "fogo"??

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. O fogo é um processo exotérmico alimentado por energias irradiadas. Constituido por três entidades distintas como fonte de energia.
      Combustível, palha, madeira, óleo, papel...
      Comburante, permite a queima alimentada pelo oxigênio.
      Calor, que pode ser por compressão, atrito ou indução.
      Sem um destes elementos não existe o fogo. Portanto para gerar o fogo se necessita de energia. Para manter o fogo do inferno necessita-se de muita energia e esta esta sendo gerada nos paises cuja religiosidade acredita nele. Entendeu, Edu? He,he, he...

      Excluir
  73. Altamirando e Anja apesar de participar do blog me ausento com frequência por ´que de fato em algumas postagens o debate alcança um nível bem elevado fico impedida de participar por não dominar o assunto, mas estou sempre lendo os comentários e tentando aprender com vcs.

    O Franklin avisou para todos os confrades via facebook que estará ausente por um tempo por motivos profissionais.


    Caso não se trate de mim ou do nosso amigo a alusão, desconsidere o meu comentário.

    Beijins.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Linda, do Kilin já sabia do motivo da ausência e quanto a voce, sei também do que voce disse, pois apesar de estar a pouco tempo aqui, acompanhei todo o debate no ensaio do Ivani e percebi esta sua postura, lhe admiro por isto, mas faça como eu querida... compartilhe o aqui e agora, esta é minha "teofilosofia" rsrsrs, mas estou sentindo falta mesmo é da Gui... o Rodrigo só apareceu hoje...

      Mas então mari, quando eu perguntei, "salvar de que", era exatamente do tal "fogo inextinguível" (que só existe na cabeça dos crentes) do inferno, do mesmo modo que só existe na cabeça dos crentes um tal lugar chamado céu! O meu céu e inferno é aqui! Se reflete na forma de como eu vejo o mundo e como eu vivo nele, fora isto o resto é especulação.

      Eu sempre estive salva da falta de fé, pois fé tenho de sobra... fé na vida e pé na tábua, ou como diria os tribalistas (Marisa Monte, Carlinhos Brown e Arnaldo Antunes): pé em deus e fé na tábua... rsrsrsrs vivo cada dia minha humanidade sem medo do fogo do inferno e sem parar pra olhar pra trás pra lamentar. Não tenho tempo pra lamentações pois minha eternidade é preciosa demais e a ampulheta pode quebrar a qualquer minuto rsrsrs

      Bjux amiga...

      Excluir
    2. Caríssima Mariani. Há quanto tempo não nos dirigimos um ao outro, héin?
      Não, eu não enderecei a ninguém o comentário, eu percebo que , de quando em vez, há sumiço de alguns por algum motivo e eu gostaria de descobrir o por quê. Se é o assunto, o autor, doença, viagem, menopausa, tpm ou o etc.

      Excluir
    3. Mari, se a Gui não estiver aqui, com quem eu vou brigar? hahahahaha

      Excluir
  74. Doni,

    sei não, essa declaração do Ratzinger NÃO está muito em consonância com o que ele fez, por exemplo, com o Boff. Ele sempre foi um guardião das leis da igreja. A não ser, é claro, que ele tenha amolecido com a idade.

    ResponderExcluir
  75. Mari,
    você leu o que eu te propus aí em algum lugar em cima?

    Gente, a GUI não estava passando muito bem no domingo, não sei se ele melhorou. Vamos orar por ela...(não estou sendo irônico, quem tiver fé para tal, que o faça no amor cristão)

    MARI, MINHA LINDA,

    você escreveu a melhor frase deste debate até agora:

    mas de coração quero ser salva da falta de fé, da solidão, da falta de esperança. Eu gosto de "buscar e encontrar".

    Concordando com o Gil (o cantor),

    Anda com fé eu vô
    que a fé não costuma faiá...

    ResponderExcluir
  76. Pé em Deus e fé na tábua! rs... isso estou dispensando, mas se for o inverso estou dentro rs... e assim tb vou vivendo minha humanidade, que se trata de ser fraco e forte, ter momentos de alegrias e lamentos, olhando pra frente e para trás, tendo motivos para prosseguir e retroceder. Não é assim que fazem os humanos? rsrs...

    Sim querida! Compartilharei só as asneiras que eu achar que valem à pena, as demais eu deixo no bau das asneiras beijins...

    A Guio logo chega!! Ela sempre vem depois.

    ResponderExcluir
  77. Edu, li sim! Desculpe não ter respondido. Fico bem mais confortável assim. Gostei muito.

    Obrigada pelo elogio tio Edu!!!rsrs...Ah, não elogia o Doni não, tá?!!Só elogia eu!!rsrsrs...

    Beijins...

    ResponderExcluir
  78. Altamirando, é verdade! Não nos falamos há muito mas vc sabe que andei mencionando vc em algumas postagens em meu blog? Fiz árvore de Natal com seu nome e tudo!! rs... Amigos são como estrelas, apesar de estarem encobertos por um tempo, sabemos que estão lá KKKKKKKKKKKKKKK!
    É que eu sou muito tímida. Se não falarem comigo eu não falo! Mas se me derem entrada, aí já era!

    Beijins...

    ResponderExcluir
  79. Anja, na falta da Guio, briga com o Donizete!!!rsrs...

    ResponderExcluir
  80. Tudo é possível Edu!

    Mesmo com todo o enrijecimento que o cargo ocupado exige dele, por de traz daquela batina dourada existe um ser humano talvez não anestesiado pela desumanidade. Mas que ele é um teólogo brilhante não tenha dúvidas! O problema é o atrelamento de sua teologia ao magistério católico. É bom também lembrar que, o testemunho de pessoas que convivem com ele, afirmam que aquela figura caricata de mau gosto que nos é apresentado é enganosa. Mas que na prática ele se revela uma pessoa alegre, comunicativa e simpática. Como eu acho que ele deveria ser mesmo!!!

    ResponderExcluir
  81. Porquê mari tanto ódio em seu coração??? rsrsrs Deixa ela brigar comigo não!!!rsrsrs

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. hahaah Aí é jugo desigual uai?! rsrs

      Excluir
    2. Doni e Edu e Rodrigo parem de pegar no pé do Papa. Isso é que dar ser pop! O Papa é pop o pop não poupa ninguém!

      Ele é uma pessoa doce, amável e de uma simpatia muito grande. Extremamente inteligente e conhecedor do que fala. Como papa ele daria um bom teólogo!

      Agora na minha ignorância espiritual rsrsrs penso que faltou coragem aos cardeais e ou medo de perder o filé em escolher um papa não conservador.

      Concordo com O rodrigo quando diz

      "AInda que o atual papa e o seu anterior tenham trabalhado pela desmobilização das comunidades de base..." (até aqui rsrsrs)

      Eu vi isto de perto...

      Mas a TL também falhou quando transformou-se em seus pensadores como uma idéia intelectual enquanto os exemplo como Dom Helder Câmara e Dom Casaldaliga e outros que admiro muito ficaram nas tricheiras lutando contra a injustiça social. Muito destes morreram enquanto outros filosofavam.

      Também quero lembrar que movimento como a RCC e outros também possuem gente que faz da Tl uma prática, ou melhor, do evangelho um testemunho encarnado e vivo.

      Mas como não estou na posição do papa e dos cardeais acho que minha opinião não diz nada para a Igreja!

      Excluir
    3. Doni você disse:

      O problema é o atrelamento de sua teologia ao magistério católico. ( a respeito do papa)

      Se fosse atrelado ao evangélico ou ao magistério dos pastores seria melhor?

      Eu diria que toda teologia seria interessante se fosse atrelada à vida!

      Excluir
  82. Já me inscrevi como seguidor, depois me digam para onde vão.Se forem para o céu, amém...

    ResponderExcluir
  83. Mirandinha e demais (rsrsr) o único céu que conheço é este:

    Vassalo de minhas vontades, rainha dos seus desejos By Anja_Arcanja


    Hoje te quero por inteiro.

    Te quero servo de meus desejos,

    Vassalo de meus caprichos.

    Escravo de minha vontade…



    Minha vontade é tê-lo por inteiro,

    Ser rainha de teus desejos.

    Meu capricho, ter você.

    Leva-lo ao meu céu.



    E no céu dos orgasmos…


    Coabitarei contigo.

    Dar-lhe-ei o vinho de meu cálice.

    E exausto, adormecerás no meu colo.



    E o conduzirei de volta a seu lar.

    Te colocarei na cama,

    Até que te queria novamente



    Não pedirei nada…

    Apenas o conduzirei…

    Sem reservas, sem pudores,

    Sem culpa… apenas eu e você

    http://anjaarcanja.wordpress.com
    (meu blog de poemas e contos sensuais)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Edu (xerife) se não gostar do poema que postei completamente fora do tema pode excluir viu? rsrs sem crise......


      Boa noite que agora vou pro céu! hahahahahaha uii

      Excluir
    2. anja minha guerreira que céu limitado... mas se te faz feliz quem sou eu pra julgar kkkk

      Excluir
    3. kkkkkkk Gil, na época em que eu estudava (ainda estudo) teologia, um professor comparou céu ao orgasmo, agora fala sério, como homem (gênero humano) há algo que nos dê mais prazer que o sexo? (falo do prazer mesmo! Do êxtase, do momento "X"), é (na minha opinião e de muitos outros um prazer inigualável), então, como ia dizendo, uma de meus professores comparou o "céu de deus" como sendo um estado de espirito de gozo pleno, ou seja, a sensação do orgasmo com sua intensidade elevada a 9°potencia e multiplicado por 1 milhão de vezes!!! e isto por toda eternidade rsrsrs deve ser por isto que deus seria louvado eternamente né? Pois só se ouviria no "céu" as palavras: OH MEU DEUS! OH MEU DEUS OOOHHHH MEUUUU DEEEEUUSSSSS!!! kkk

      Da mesma forma fez a comparação inversa ao inferno, PQP quero o céu!!! E que venha o céu!!! kkkkk

      Excluir
    4. kkkkkkkkkkkkkkk você é maluca rsrrs um amigo meu já fez esta comparação rsrsr

      Excluir
  84. nostalgia poética de novo Fernando Pessoa!

    Navegar é preciso; viver não é preciso."(*)

    Quero para mim o espirito desta frase, transformada
    A forma para a casar com o que eu sou: Viver não
    É necessario; o que é necessario é criar.

    Nao conto gozar a minha vida; nem em goza-la penso.
    Só quero torna-la grande, ainda que para isso
    Tenha de ser o meu corpo e a minha alma a lenha desse fogo.

    Só quero torna-la de toda a humanidade; ainda que para isso
    Tenha de a perder como minha.

    Cada vez mais assim penso. Cada vez mais ponho
    Na essencia animica do meu sangue o propósito
    Impessoal de engrandecer a pátria e contribuir
    Para a evolução da humanidade.

    É a forma que em mim tomou o misticismo da nossa Raça.

    ResponderExcluir
  85. Anja,

    o poema é lindo, orgástico e sensual....ou seja, altamente teológico...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Agora, peraLá, esse negócio de dizerr que o céu é como um orgasmo elevada a décima potência por toda a eternidade deve ser um coisa muito chata...imagina você não conseguir fazer mais nada a não ser suspirar ou gritar OOHHHHHHH OHHHHHHH AHHHHHHH AHHHHHHHHHH....ainda bem que não vou pro céu.

      Uma coisa muito boa experimentada a toda hora, enjoa e fica chata.

      Excluir
    2. hahahaah concordo contigo!! rsrs

      Excluir
    3. Mas é melhor que ficar queimando eternamente num fogo inextinguível rsrsrs

      Excluir
  86. Gil e Doni,

    eu não tô pegando no pé do papa não; e deveras, o papa é pop e o pop não poupa ninguém, já cantava os Engenheiros do Havai.

    Acontece que a primeira impressão que tive do Bento foi no episódio do processo contra o Leonardo Boff; alí eu percebi o quanto a cabeça teológica do catolicismo pode ser intolerante. Não digo que não seja ortodoxo, o problema é a intolerância.

    Mas isso me parece às vezes bem contraditório. As editoras católicas como a Vozes, Paulina e Paulus, principalmente (aliás, todas com ótimos catálogos; 905 dos meus livros teológicos são dessas editoras) publicam livros de teólogos não ortodoxos; alguns até que contestam os pilares da ortodoxia nos campos da cristologia.

    GIL, poderia me dizer por que (se é que de fato existe) essa contradição? Ou o problema do Vaticano é apenas com a "teologia" errada do marxismo do qual a TL é devedora?

    ResponderExcluir
  87. Mirandinha,

    você não apenas agora é um seguidor da seita Logos e Mythos como é também agora um colaborador na escrita da "Bíblia pós-moderna cristã universal cosmológica do é dando que se recebe" ...

    Agente vai por aí, siga os bons...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Estou vendo que alguns ateus estão se convertendo com os testemunhos da Anja Arcanja. Tem-se que ir para o céu ainda jovem, se for na terceira idade nem viagra facilita este orgasmo. Passou do tempo.

      Excluir
    2. kkkkkkkkkk será Mirandinha??? rsrsrsr

      Excluir
  88. Edu

    A Igreja Católica possui dogmas. Estes dogmas ela não abre mão! Mexer em dogmas é mexer com vespeiros.

    Nesta linha a Igreja não só "silenciou" (como advertência) Leonardo Boff como "expulsou" linha extremamente conservadora que não se adaptaram ao Vaticano II, por exemplo.

    No caso da TL teve a aproximação muito forte com o marxismo e alguns dos nomes da Tl conhecido nos livros enfrentaram os dogmas.

    Imagine uma Igreja evangélica ou um pastor (conhecido respeitado) falar que Maria é mãe de Deus e cultuar Maria? Imagine ele reconhecer a autoridade do papa?

    A única diferença é que a Igreja católica tem uma voz oficila enquanto no meio evangélico vão isolar esta pessoa, persegui-lo, sei lá como funciona...

    A diferença está aí! A Igreja católica e o Protestantismo têm seus dogmas!

    Eu presenciei de perto a Tl dentro do seminário e na prática ela colaborou para que a Igreja fosse mais humana e mais voltada à vida. Mas ao mesmo tempo as pessoas foram deixando a espiritualidade e cada vez mais eu via gente quase se formando padre e que não cria em nada.

    E o mais triste é que o discurso era muito bom em termos de TL, mas a prática era a mesma que os outros. Não todo mundo é claro.

    A Tl existe ainda nas comunidades de base que não foram extintas, porém como disse o Rodrigo foi minada. Aliás todo movimento que surge como sopro do espírito santo é enquadrado como movimento eclesial e muda radicalmente.

    Eu hoje sou um perdido neste meio.

    A verdade é que os religiosos na sua maioria tem uma tremenda dificuldade em conciliar a opção pelos marginalizados, oprimidos, excluídos com uma espiritualidade.

    A maioria vive na igreja uma espiritualidade de conveniência! Os lugares mais pobre quase sempre não tem a presença efetiva da igreja como voz dos que não tem voz.

    Mas Edu eu não sou ninguém na igreja é apenas uma opinião pessoal. Haja visto que onde me encontro como igreja nunca vi a cara do bispo por lá.

    ResponderExcluir
  89. Gil,


    no meu comentário, onde lê-se "905 dos meus livros teológicos são dessas editoras", leia-se "90% dos meus livros teológicos são dessas editoras." E são mais do que 905...rssssss

    Gil, creio que você faz um bom diagnóstico do problema. De fato, tanto o catolicismo quanto o protestantismo histórico (desconsiderado todo o movimento neo-neo-neo-pentecostal que não tem uma teologia abrangente muito definida)

    Mas a minha questão é essa: por que a igreja católica permite que editoras católicas publiquem livros de teólogos que não são nada ortodoxos, muitas vezes contestando esses dogmas?

    Isso não acontece com as editoras evangélicas.

    Nunca li em um livro teológico protestante um autor por em dúvidas a divindade de Jesus, já em livros de teólogos católicos, já li algumas vezes.

    Por que essa tolerância? essa é a minha questão. Ou essa tolerância não existe?

    ResponderExcluir
  90. Edu você sabe muito mais que eu de teologia da igreja rsrsrs Cara parabéns sou seu fã rsrsrs

    Então... eu não havia pensado:

    Nunca li em um livro teológico protestante um autor por em dúvidas a divindade de Jesus, já em livros de teólogos católicos, já li algumas vezes.

    Será então que o papa é mais tolerante do que os protestantes? rsrsrs

    È mais ou menos assim... Quando um livro católico é escrito e você quer lê-lo com a certeza de que o mesmo está de acordo com a Igreja então ele vem acompanhado geralmente na contra capa com a palavra Aprovação Eclesial às vezes um carimbo e uma assinatura do Bispo. A maioria não tem esta aprovação. Portanto em questão de considerar seguro no sentido de que está de acordo com que a doutrina da Igreja ele precisa vir acompanhado desta aprovação Eclesial.

    Eu por exemplo sempre procuro esta Aprovação impressa até para quando ler o livro levar em consideração que pode estar em desacordo com a Igreja.

    É mais ou menos assim...

    Se houver aprovação e não estiver condizente com que a Igreja diz em relação aos seus dogmas pode haver dependendo da repercussão do mesmo uma advertência a quem aprovou e a quem escreveu. Cuja única finalidade seja proteger os dogmas da Igreja.

    Uma vez os dogmas desrespeitado está em jogo a própria identidade da Igreja e sua milenar história.

    Por isso existe este rigor.

    No caso de alguns livros como de Leonardo Boff não me lembro direito o nome já que li faz muito tempo "Igreja, Carisma e Poder" ele enfrenta alguns dogmas da Igreja importantíssimo segundo Roma. Soma-se a isso a influência da TL dentro das estruturas da Igreja (abuso, excessos, marxismo...) o que levou Roma a interferir.

    Quem estava sentado na cadeira de defesa como chefe mor era o Ratzinger, se fosse outro creio que agiria da mesma forma. Se você pegar a Teologia da Libertação feita pelo Vaticano, que na verdade sempre existiu, chamada Doutrina Social, é tão radical quanto a Tl do Boff. A diferença está mais na minha opinião a forma como ambas era vivida.

    Penso também que TL não esvaziou-se somente por que a Igreja minou. Houve falhas de visão do processo não levado em conta pelos teólogos da libertação principalmente o esvaziamento da Igreja pelo povo (é mais fácil rezar que libertar) e adificuldade dos teóricos em por prática o que diziam.

    Junte-se a isso a decepção no campo da política. Os padre que tinham uma voz e que eram respeitados perderam a força.

    Tudo mais alguma coisa esvaziou a voz oficial da TL.

    O Boff enquanto era Frei da Igreja Católica tinha uma força, quando deixou de ser perdeu a força que queira ou não queira a Entidade Igreja Católica ainda tem e muito.

    ResponderExcluir
  91. correção a tempo

    sobre a doutrina social

    A diferença está mais na minha opinião, a forma como ambas era vivida.
    Na verdade a doutrina social foi mais vivida pela Tl na igreja deixa muito a desejar. Mas o povo que quer libertação não quer ação, prefere oração e adoração, pão e hoje acrescento espetáculo e circo.

    ResponderExcluir
  92. Não é uma provocação juro de pé junto rsrsrs o que explica o aumento das igrejas evangélicas somados é lógico a centralidade de poder da Igreja Católica.

    Por isso a RCC que era tão perseguida (eu que o diga) foi abraçada e amada pois esta trazendo os fiéis de novo ou segurando os mesmos na Igreja.

    E salve os artistas!!!! Circo e pão!

    ResponderExcluir
  93. Gil,

    agora entendi o que acontece. De fato, nessa questão, a igreja católica é mais tolerante(desde que não faça "muito barulho"..rsss).

    Você está certo na análise que fez do crescimento das igrejas neopentecostais. O pentecostalismo clássico, por exemplo, sempre cresceu muito com um discurso totalmente avesso ao "pão e circo",o enfoque era mais a vida de comunhão com Deus através de um rígido sistema moral.

    Tem essa questão também se a igreja deve se adequar aos novos valores que a sociedade vai criando. Se por um lado ela fica firme na condenação de certas moralidades pós-modernas, ela é tachada de intolerante, arcaica, repressora; se cede muito e se adequa, pode perder por completo a sua identidade.

    Essa também é uma questão que merece ser pensada.

    Meu fã?? tá de brincadeira, né? kkkkkkkkk você é que deu um ar bem interessante aos debates aqui. (sem valar na Anja Rebelde e seu Arcanjo) rsss

    ResponderExcluir
  94. Gil,

    O problema a qual me refiro em relação ao atrelamento da teologia de Ratzinger, vejo também em qualquer outro teólogo que pensa somente em consonância com a corrente teológica a qual ele pertence. Isso é válido para calvinistas, arminianos, reformados, pentecostais e etc...

    A falta de isenção na construção teológica limita os horizontes com potencial de exploração. Sem dizer que esta é a causa de formar uma geração com mentalidade protecionista da tradição teológica herdada. Aí o circo se fecha em torno do fundamentalismo e não se abre à outras realidades.

    O que fez com que os teólogos do pós-iluminismo se destacassem em relação aos demais, tanto a nível de criatividade, como na formação de novas cosmovisões, foi em função de possuírem autonomia de pensamento. Ou seja, Não se conformaram em permanecer numa zona de conforto, apenas pensando o pensamento que outros pensaram. Ousaram inovar!

    O atrelamento às tradições tira o dinamismo de toda e qualquer teologia. Bom, esta questão de dinamismo está sempre conectada ao controvertido processo de contextualização das escrituras. Mas sobre isso nem é bom falar, pois causa cala frio na ortodoxia católica. Os jesuítas que o digam! Rsrs

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. rssrrsrsrs agora entendi desculpe!!!

      Mas os jesuítas mudaram muito rsrsrs A Igreja em um todo teve muitas mudanças de visão. Mas como você mesmo disse e eu concordo "O atrelamento às tradições tira o dinamismo de toda e qualquer teologia."

      A mudança foi mais na ação da igreja na sua maneira de expressar. E tudo isso graças ao Concílio do Vaticano II!

      Excluir
    2. AGORA TAMBÉM ENTENDI RSRSR desculpe (2) rsrsr

      Excluir
  95. MARI,

    seu testemunho é muito forte!! (como diz o Valdemiro) rssss

    Mas realmente, esse tipo de fé é a mais pura e simples que existe. Ela não depende de nenhuma doutrina, nenhum dogma, nenhuma teologia, nenhuma igreja, nenhum condição moral impecável. Esse é o tipo de fé que é bem ilustrada no pedido de socorro de uma criança ao seu pai. Não tem como um pai não atender tal clamor.

    Não importa se você orou a um Deus "fora de você", um Deus "clássico" ou se você orou ao seu inconsciente. O nosso inconsciente, além de manifestar tudo aquilo que diz a psicanálise, deve ser também um repositório de forças e de poder que nós possuímos (como imagem e semelhança de Deus, que seja) que ainda não conhecemos e nem controlamos bem. E parece que a linguagem que dá acesso a essa força é a fé simples, não dogmática.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Exatamente! E eu obtive a resposta! Tive que testemunhar amém ou não amém?rsrs...

      Excluir
  96. PRECISA-SE:

    De teólogo para comunicar a verdade de Deus à igreja da próxima geração. É necessário que seja inteiramente versado nas escrituras e resolutamente compromissado com a preservação da ”fé de uma vez por todas confiadas aos santos”. exige-se curiosidade insaciável e mente de cientista dedicado. Precisa ter coragem para seguir a evidência em relação à verdade, para onde quer que ela conduza, não importando as consequências. O candidato bem sucedido, reconhecerá a natureza culturamente condicionada da comunicação humana e estará tão imerso no pensamento cultural, que será capaz de reconfigurar corajosamente sua comunicação nas formas de pensamento e na linguagem de sua época.

    ResponderExcluir
  97. Confrades, o cansaço e a falta de tempo impede-me de estar no debate com mais afinco, mas, tenho acompanhado de perto e a melhor frase que li foi a do Gil: Eu diria que toda teologia seria interessante se fosse atrelada à vida!

    FINISH HIM!

    ResponderExcluir
  98. Coragem (Gondim)

    Milhões vivem com algemas invisíveis. Sem delito que os condenem, não conseguem enfrentar inimigos inexistentes. Tornaram-se prisioneiros de seus próprios corações. Vivem dentro de cerca que eles próprios ergueram. Aceitam o grito imaginário de um general que nunca nasceu, apavoram-se com o rugir de leões empalhados. Temem o veneno de cobras mortas.

    Um estado de espírito negativo tornou-se-lhes uma realidade mais cruel que a crueldade da vida. Um pessimismo mental que determina a priori, que o futuro permanecerá nebuloso. Eles pensam na inevitabilidade do impossível, na improbabilidade do que é difícil e na inviabilidade de seus sonhos, e assim é a vida pra eles.

    Coragem é não se aquietar; timidez é aceitar domesticar-se. Agora estou convicto de que o mundo pertence àqueles que aceitam acrriscar sua própria existência para atingirem o que desejam. Esses formam a grande comunidade da qual o mundo não é digno.

    ResponderExcluir
  99. Tentei postar um comentário com minha conta do Twitter mais não deu certo, deixa ver se consigo com uma do wordpress

    ResponderExcluir
  100. DONI,

    eu sei onde encontrar um teólogo com todos esses requesitos. Ele se chama Donizete e foi preterido como professor na EBD da igreja onde congrega pois estava desvirtuando a cabecinha dos seus alunos...

    ResponderExcluir
  101. Por falar em Donizete, acho que ele não leu meu "refluxo" onde ele se dirigiu ao Noreda, lá atrás.

    Na EBD (Empresa Brasileira de Distribuição) o Donizete distribuia bençãos?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ou seria "Embromations Biblical Dominical"? ou ainda Enrolando Bobos num Domingo? kkkkkk

      Desculpem, não resisti rsrsrs

      Excluir
    2. Enrolando os bobos no Domingo é muito boa!rsrsrs... Anja, vc é demoníaca! rs..
      Meu marido chegou dizendo que o professor da escola dominical começou a fazer o povo pensar, a levantar questionamentos sérios. Acho que meu marido vai ficar sem professor em breve!rsrs... Ou ele está saindo ou vão sair com ele de lá não demora muito. rsrsr....

      Excluir
  102. Miranda,

    Desculpa! não havia visto mesmo. Por isso é bom sempre colocar o comentário, subsequente aos outros. Mesmo que seja uma resposta. Senão acaba acontecendo isto.

    Sobra minha frase:

    "Não são raras as vezes, que ouço alguém dizendo de um suposto perigo que os ateus representam para a fé ingênua. Contudo, no meu ponto de vista, a maior zona de risco que existe como inimiga da espiritualidade, é a superstição. Todavia, estes mesmos já estão imersos nela há tempos!"

    Me referi as superstições nas quais os CRISTÃOS estão imersos nela.

    Foi uma alusão a frase do filósofo francês Denis Diderot:

    "A superstição ofende mais a Deus do que o ateísmo."

    Abraço.

    ResponderExcluir
  103. GENTE, VOCÊS ESTÃO GOSTANDO DESSE FUNDO CREME OU O BRANCO É MELHOR PARA LER?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. ENTÃO, ASSIM OU COMO ESTAVA ANTES...??

      TÁ PARECENDO EXAME DE VISTA...KKKKKK

      Excluir
  104. Chefe você quem manda! rsrsrs

    pra mim tá bom rsrsrs

    Apenas uma observação simples mas o testemunho da Anja e da Mariani me tocaram muito...

    Doni você lhe dizer uma coisa achei que jamais encontraria evangélicos com visão tão aberta e aguçada como tenho encontrado aqui na confraria só o Pastor Paulo e o Pastor Evaldo que caminha aqui conosco que vi está visão aberta assim!

    Jesus está voltando!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!! kkkkkk

    abç a todos

    ResponderExcluir