quinta-feira, 5 de abril de 2012

Jessé - Rude Cruz



Caros amigos de confraria.


Parece que o texto do Levi já foi exaustivamente comentado(mas não com certeza, esgotado); como ninguém mais comentou nada durante quase 48 horas e ainda não temos uma nova postagem, publico um clássico da música sacra cristã, Rude Cruz, na voz do inesquecível cantor Jessé que gravara um disco só com músicas cristãs em homenagem ao seu pai antes de falecer tragicamente em um acidente de trânsito.  (Veja a reportagem aqui).


Bem, deixo para o nosso psicanalista-teólogo Levi, tecer uma análise desse verso tão contundente que diz:



"Mas eu amo essa cruz..."



É claro que a visão mais fideísta não pode deixar de ser contemplada. Deixa-a com a nossa poeta-teóloga, Guiomar...rss



Da minha parte, revivo as saudades que esse hino me traz e me deleito outra vez com a voz maravilhosa de Jessé.



Feliz páscoa.




12 comentários:

  1. Aí sim heim Nobre Herege... Rude Cruz na voz do Jessé arrancou lágrimas de mim... Muito bem lembrado

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Não há quem tendo sido crente "convencional" não se emocione com essa interpretação, Kilim!

      Excluir
    2. Eduardo, estamos emotivos esses dias, né? Acho que jogaram alguma mandinga santa para os lados dessa Confraria.

      Não sabia que Jessé cantava esse hino. Novidade!!

      Excluir
    3. Não sabia, Mari, que o Jessé andou flertando com o Evangelho?? rsss Ele gravou este disco só com hinos clássicos para seu pai, que era cristão assembleiano e que com certeza, muito queria ver o filho famoso nos caminhos do Senhor.

      Excluir
    4. Que a cruz fale profundamente ao coração dele.

      Excluir
    5. Eu sabia Edu!

      Pena que morreu tão jovem né?

      Excluir
  2. Excepcional interpretação do Jessé! Um achado e tanto Edu!

    ResponderExcluir
  3. Edu, você acertou em cheio ao postar “Rude Cruz” na voz do saudoso Jessé.


    É impossível contar a quantidade de vezes que eu ouvi esse belo hino. É impossível para nós, de passado igrejeiro, não se emocionar com a sua significativa letra e sua insuperável melodia.

    “Ele (Cristo) é a paz de ambos os povos (judeus e gentios). Fez um só, derrubando o muro de separação [phragmos]... a fim de criar em si mesmo um só Homem Novo, estabelecendo a paz, e de reconciliar a ambos com Deus em um só Corpo, por meio da CRUZ, na qual ele matou a inimizade . (Efésios 2, 14-16 ― Bíblia de Jerusalém)

    Missão difícil você deixou para mim: fazer uma análise do ponto de vista psicanalítico do estribilho ― “Mas eu amo essa Cruz” .

    Vou recorrer à psicologia mítica junguiana, que valoriza mais os símbolos religiosos como atributos do inconsciente coletivo :

    Para Jung, a CRUZ tem duas faculdades: a de suportar e a de separar; e, enquanto suporta e sustenta ela é “STAUROS” ( Cruz), ao passo que enquanto divide e separa, é HORUS (Limite). Assim sendo, eles representam o Salvador como aquele que indicou essa dupla faculdade; em primeiro lugar, o poder sustentador, quando ele disse: ‘E o que não levar a sua cruz (stauros), e vem em meu seguimento não pode ser meu discípulo [Lucas 14, 27] e, mais uma vez: ‘Toma da cruz e siga-me’ [Mateus 10, 21]; mas também o poder separador, ao dizer: ‘Não vim trazer-lhes paz, mas espada.’ [Mateus 10, 34].

    Uma concepção analítica da CRUZ, que acho interessante, é essa:

    Cristo na cruz significa a restauração da unidade num duplo sentido: Ele destrói tanto o muro vertical, que separa os dois povos, como o muro horizontal, que separa o homem de Deus. A CRUZ, são num certo sentido duas cruzes: a cruz da separação que existia antes do advento de Cristo, e a cruz da unificação que é o Advento de Cristo.

    Com tantos e profundos significados, só podíamos amar essa cruz

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. E por que não ficou seu comentário como postagem? Simplesmente elucidativo. Amei grande Levi.

      Excluir
  4. Levi,

    que é isso, doutor, você extrapolou em muito o meu pedido...rssss

    "Cristo na cruz significa a restauração da unidade num duplo sentido: Ele destrói tanto o muro vertical, que separa os dois povos, como o muro horizontal, que separa o homem de Deus. A CRUZ, são num certo sentido duas cruzes: a cruz da separação que existia antes do advento de Cristo, e a cruz da unificação que é o Advento de Cristo."

    Isso é profundamente teológico e cheio de significados espirituais.

    Vamos lá, confrades, deem sua opinião a essa espetacular construção teológica do Levi.

    ResponderExcluir
  5. de onde vieram essas malditas verificações???

    ResponderExcluir
  6. O Levi devia ser um grande pregador no passado. Num comentário da postagem anterior, ele colocou algo sobre a formação das mulheres que eu achei excepcional. Agora mais essa pérola!

    Valeu.

    ResponderExcluir