sábado, 25 de fevereiro de 2012

QUEM DISSE QUE ELAS NÃO SOFREM?







Por Guiomar Barba Rocha

Copio aqui, o comentário que fez o nosso Rodrigão, no blog da Anja e que mexeu profundamente com a minha feminilidade e amor por Jesus como filho de Deus.

Eu, todavia, vejo mais Jesus como uma consciência em evolução do que como um ser divino acima de todos nós. Vejo-o como o nosso gêmeo, pensando em sua pessoa como alguém profundamente humano que, inclusive, tinha sexualidade e não a ignorava. Alguém que, possivelmente, tenha tido até esposa ou quem sabe filhos. E nem descarto a ideia de que Jesus tenha se tornado amante de várias mulheres. Até porque, naquela época de machismo, elas deveriam ser bem mal amadas e acho que isto justifique ter um amante que ao mesmo tempo satisfaz a várias mulheres.” (SIC).


Com um pouco mais de sensibilidade, podemos entender que nenhuma mulher poderia se sentir bem-amada por um homem que divida sua cama com várias outras mulheres. Por melhor que ele seja como amante. Até mesmo porque seria bem natural que a uma ele se apegasse com um afeto maior, dedicando-se mais a este amor. Mesmo que este amor não lhe satisfizesse tão bem sexualmente, corresponderia em outras áreas mais difíceis para tantas outras mulheres.

Se alguém pensa que as mulheres não sofrem, em uma cultura que considera natural um homem ter várias amantes, eu diria, ainda que talvez radicalizando, que, por exemplo, em uma cultura aonde o clitóris é extraído para que a mulher não tenha prazer, elas se dariam também por felizes.

Vejamos a história do trio “amoroso” Jacó, Raquel e Lia. Era costume a irmã mais velha casar antes da mais nova. Como era da cultura, o pai de Lia não teve em conta os sentimentos de Jacó e muito menos os dela quando a introduziu no quarto. Quarto este, por certo escuro, com Jacó não lúcido, Lia foi no lugar da Raquel, a quem, realmente, Jacó amava, havendo trabalhado por ela sete anos e estando disposto a trabalhar mais sete, sem que isto lhe parecesse muito, pelo tanto que a amava, vindo também a desposá-la após uma semana do casamento com a primeira.

A história revela o sofrimento da preterida Lia, quando disputava com a sua irmã o direito de uma noite com o marido de ambas, Jacó. Ora o impulso sexual não avisa quando vai chegar. Não importa se você está no seu mais profundo sono, repousando, assistindo algum filme interessante, etc. Ele chega e quer ser satisfeito. Por que controlar quando o cônjuge também está disposto? Mas que mágoa, que dor, que sentimento de relegada, não deve dominar uma mulher, que pertence a um homem entre várias outras mulheres? Que importa se quando ele está à disposição é um bom amante... O bom amante é aquele que não magoa, que não fere, que não trai, que trás o orgasmo para o corpo e para alma, que embriaga a mulher plenamente.

Jesus era um homem perfeito, pleno, mas veio com uma missão que estava acima das necessidades físicas do ser humano. Assim como havia mulheres mal-amadas, haviam homens mal-amados. Ele quis ajudar todos solucionar os seus problemas interiores, com ensinamentos de amor, de humanidade e curar as suas feridas. Porque só assim, o homem poderia desfrutar plenamente de todo bem destinado a si.

Supor que Jesus teria várias amantes, é nivelar Jesus a machistas, que fazem com as mulheres o que não gostariam de sofrer na pele, com nenhuma mulher, seja com a mulher amada ou com qualquer outra. Por outro lado, creio que os evangelhos não esconderiam se Jesus houvesse sido casado, uma vez que não diminuiria em nada o respeito que Ele inspirava com sua conduta perfeita. No entanto, vemos que Jesus não tinha nenhum relacionamento afetivo ou amoroso com mulher alguma, tanto que, quando na cidade de Sícar, os discípulos foram comprar pão e, ao voltarem, encontrando Jesus a conversar com uma samaritana, ficaram espantados de que Ele estivesse conversando com uma mulher.

Se simples mortais abdicaram de uma vida sexual ativa por se dedicarem única e exclusivamente ao reino de Deus, por que nos é tão difícil crer que Jesus não teve outra atividade a não ser estabelecer o seu reino aqui na terra, quando realmente era o mais necessário? Para finalizar, partimos também do principio que Ele era um homem ambulante, e estava sempre cercado por discípulos, o que lhe tiraria todo tempo necessário para dedicar a uma esposa e filhos, acarretando problemas à família.

Ele, porém, respondendo, disse ao que lhe falara: Quem é minha mãe? E quem são meus irmãos? (Mateus 12.48).
Mas, respondendo ele, disse-lhes: Minha mãe e meus irmãos são aqueles que ouvem a palavra de Deus e a executam. (Lucas 8.21).


 E, vendo as multidões, teve grande compaixão delas, porque andavam cansadas e desgarradas, como ovelhas que não têm pastor.” (Mateus 9.36).

101 comentários:

  1. Gui,

    texto bem interessante.

    Em minha opinião, antes de tudo, precisamos levar em conta o contexto cultural da poligamia na antiguidade. Apesar de existir a insatisfação de uma esposa por dividir o marido com outras, a questão social era relevante. Ou seja, para essas mulheres devia ser melhor ser uma das esposas do que não ser esposa de ninguém. Lembremos também que no antigo Israel, a poligamia era coisa normal, estando inclusive normatizada na Lei de Javé.

    A poligamia não é um sistema familiar perfeito mas a monogamia ocidental judaico-cristã também não o é. Biologicamente, o homem foi projetado para fertilizar o maior número de fêmeas possível; assim é com a grande maioria das espécies animais. Aqueles poucos animais que são monogâmicos para toda a vida é na verdade, uma distorção estranha da normalidade da natureza.

    Isso é assim pois o mais importante para a natureza é propagar os gens e consequentemente, a espécie. Na verdade, o indivíduo não passa(toscamente falando) de um veículo para a propagação genética.

    Não estou negando, entretanto, que na nossa espécie humana o que é puro instinto acabou por ser controlado pela razão, pela inteligência, pelas emoções e também, pela moral religiosa. Somos de fato, diferentes de todos os animais pois somos os únicos que podemos mesmo que estejamos com vontade de transar, negar ao corpo esse instinto vital. O instinto vital é amoral; ele apenas quer se propagar. Na verdade, quando freiamos esse instinto pelas nossas características únicas, estamos indo contra a natureza.

    Lembremos também que a ordem divina foi: "crescei e multiplicai-vos" - ou seja, uma ordem em total consonância com o instinto natural de espalhar os gens o máximo possível. Se levarmos o mito de Adão literalmente, resulta que não podemos negar que ele transou com Eva e com muitas de suas filhas, tudo sob a benção de Javé.

    Então, as possíveis insatisfações que possam ter existido(e que ainda podem existir em países onde a poligamia é ainda cultural), são consequências exatamente dessa nossa singularidade emocional e sexual. O desejo de ter um homem ou uma mulher só para si, em última instância, também poderia ser interpretada como egoísmo e possessividade.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. " o homem foi projetado para fertilizar o maior número de fêmeas possível; assim é com a grande maioria das espécies animais. Aqueles poucos animais que são monogâmicos para toda a vida é na verdade, uma distorção estranha da normalidade da natureza."

      Edu, sem comentários, para mim, é apelação. rsrs

      Quanto a Adão haver transado com suas filhas para perpetuação da espécie ou que tenha sido apenas os irmãos com as irmãs é bem diferente de um homem ter um harém para satisfazer seu machismo crônico. Ele jamais conseguirá satisfaze-las em nenhuma área.

      "Lembremos também que a ordem divina foi: "crescei e multiplicai-vos" - ou seja, uma ordem em total consonância com o instinto natural de espalhar os gens o máximo possível."

      Não esqueça que a ordem foi para os dois(está no plural. No entanto, muitas mulheres devem haver casado, como nos nossos dias, com homens estéreis e naquela época não havia os recursos que temos hoje, você sabe. Será que as mulheres saiam buscando um fecundador sob o consentimento dos seus maridos?

      " O desejo de ter um homem ou uma mulher só para si, em última instância, também poderia ser interpretada como egoísmo e possessividade."

      Eu não vejo assim, ninguém é objeto de uso público. Existem pessoas que se completam, se amam de verdade e portanto, ficam juntas. Por isto você não comparte sua esposa com ninguém, nem vice-versa. Interessante que na criação foram feitos: um homem para uma mulher e vice-versa.

      Esta ideia de poligamia é plenamente machista. Se a mulher entender que quer ser poliândrica, logo é alcunhada de "galinha".

      Excluir
    2. kkkkkkkkkkk

      minha amiga Guigui, eu apelei para a natureza, discute esse problema com ela! Nós criamos as regras sociais, a natureza criou as regras para a perpetuação das espécieis.

      É claro que eu citei Adão e Eva como ilustração, já que eles são seres simbólicos de como o mundo teve início na visão do autor da narrativa. Gui, não cabe nessa narrativa a palavra "casamento" ou "fidelidade" a partir do que nós hoje temos como casamento e fidelidade.

      Ou você acha que Adão tinha que pedir a mão de uma de suas filhas a ele mesmo, fazer a cerimônia "religiosa" ele mesmo e a noiva se preocupar com seu enjoval?

      E eu estou analisando a poligamia a partir de um contexto social da época e não a partir da ideia de "machismo" que também não existia em tempos pretéritos.

      E veja que eu não estou descartando que haja pessoas que se completam e por isso, queiram ficar juntas.

      Excluir
    3. O fato do homem ter capacidade para fertilizar vários óvulos, não lhe dá o direito de ser polígamo. A natureza é farta em tudo.Uma árvore dá muitos frutos e por mais que eu goste, tenho meu limite. rsrs

      Eu não falei de casamento com véu e grinalda Edu. Falei de que desde a criação temos um exemplo de monogamia. "Ele, porém, respondendo, disse-lhes: Não tendes lido que aquele que os fez no princípio macho e fêmea os fez,
      E disse: Portanto, deixará o homem pai e mãe, e se unirá a sua mulher, e serão DOIS numa só carne?
      Mateus 19:4-5

      O machismo sempre existiu. Só que as mulheres não tinham o direito de reconhecê-lo.

      Excluir
    4. Bom, Gui, vou fechar esse assunto por aqui, já que você não quer reconhecer o equívoco do seu argumento. Se era para ser só "dois numa só carne" por que a poligamia está lá reconhecida na Lei que Deus deu a Moisés?

      E quem falou em "direito de fecundar vários óvulos"? "Direito" é um termo que não cabe na natureza. Se a espécie humana fosse monogâmica desde o primeiro casal, a espécie não teria se multiplicado.(óbvio). Então é melhor ler a passagem que você cita como uma declaração apenas retórica mas que não reflete o que de fato, aconteceu.

      beijos

      Excluir
    5. Edu, eu creio que não se trata de "não querer reconhecer o meu equívoco", penso que enquanto uma das partes não esgotou seu argumento e foi convencida, o dialogo tem que está aberto.

      Veja que Jesus disse: "Disse-lhes ele: Moisés, por causa da dureza dos vossos corações, vos permitiu repudiar vossas mulheres; mas ao princípio não foi assim. Mateus 19:8.

      " o homem foi projetado para fertilizar o maior número de fêmeas possível; assim é com a grande maioria das espécies animais."

      No meu pobre raciocínio rsrs eu entendi que, se o homem foi projetado para fertilizar... por força da criação desta projeção, cabe-lhe o direito... Não leve a nomenclatura ao extremo.

      Excluir
  2. E quanto a sexualidade de Jesus, não vejo motivo para espantos. Ele era um homem, tinha pulsão sexual e muito provavelmente foi casado, já que um judeu que resolvesse ficar solteiro estaria indo de encontro à norma de se casar.

    Como Jesus diz, apenas homens que por motivos religiosos se tornassem eunucos, não seriam vistos com reprovação pela sociedade. Mas ele não diz que essa era a sua própria situação.

    Os discípulos terem ficados espantados por Jesus conversar com uma mulher(e ainda mais samaritana) não era por que Jesus mantinha distância delas, mas exatamente ao contrário, pois não era comum uma mulher conversar sozinha com um homem, norma social que Jesus simplesmente não dava bola.

    É bom também destacar que Jesus não tinha toda essa consideração com a família que nós gostamos de idealizar só por que aprendemos assim durante toda a vida nas pregações na igreja.

    Em muitas situações Jesus foi até duro com a família. Quando lhe dizeram "benditos os seios que te amamentaram" ele prontamente respondeu que mais benditos eram os que ouviam sua palavra.

    Na festa do casamento em Caná, sua mãe foi aflita lhe dizer o vinho tinha acabado, o que seria um grande problema para o andamento da festa; resposta de Jesus à sua mãe. "mulher, que tenho eu contigo"?

    No original a frase é "Que há entre mim e ti"? a pergunta é um hebraísmo bem frequente na Bíblia e é empregado para rejeitar uma intervenção que se julga inoportuna, ou então, para demonstrar a alguém que não se deseja relacionamento algum com ele. (Bíblia de Jerusalém)

    Os irmãos de Jesus achavam que ele era louco. Qual seria a opinião de Jesus sobre seus irmãos?

    Jesus ainda disse que quem não abandonasse a família por amor a ele não era digno dele.

    Ou seja, Jesus relativizou bastante a sacralidade familiar que o judeu possuia. Isso era intencional em seu discurso, já que o meio social familiar era uma extrutura muitas vezes usada para justificar o poder.

    Por isso, a vida errante e peregrina de Jesus não é incompatível com ele ser casado, já que ele não dava toda essa importância à extrutura familiar do seu tempo.

    Agora, que ele podesse ter várias amantes, creio ser uma forçazão de barra do nosso nobre confrade.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Jesus sim, tinha consideração com a família, tanta que contrariando a lei de Moisés, Ele só admitiu a separação em caso de infidelidade conjugal.

      "Jesus: "Moisés escreveu essa lei por causa da dureza de coração de vocês. MAS NO PRINCIPIO DA CRIAÇÃO DEUS OS FEZ HOMEM E MULHER. Por esta razão, o homem deixará pai e mãe e se unirá à sua (singular) mulher, e os dois se tornarão UMA SÓ CARNE. Assim, eles já não são dois, mas sim uma só carne. PORTANTO O QUE DEUS UNIU, NINGUÉM OS SEPARE."

      Lembremos que Jesus sempre aproveitava ocasiões para falar sobre as coisas que iriam acontecer, ou ensinar algo. Em cada episódio que você citou acima, havia um ensinamento ou uma referência ao que ia acontecer.

      "Que tenho Eu contigo mulher? Ainda não É CHEGADA A MINHA HORA..."

      "Aquele que não deixar pai e mãe por mim não é digno de mim."

      "Deixe que os mortos enterrem os seus mortos, tu porém, vem e segue-Me."

      Todas estas citações têm os seus significados específicos. Veja que na cruz, ele entregou sua mãe aos cuidados do apóstolo amado.
      Mesmo seus irmãos o desprezando, Ele se portou de tal forma, que eles vieram a reconhecê-Lo. lembro-me bem da referência a Tiago.

      Seria no mínimo contraditório ao seu ministério e pessoa, Jesus não ter consideração pela família. Ele não teria sido respeitado por ninguém. Basta ver o que significa família e o seu peso em todas as sociedades.

      Excluir
    2. Gui, veja que eu disse que Jesus questionou certos aspectos de poder a partir do qual eram construídas as relações familiares. É nesse sentido que ele foi um crítico do sistema familiar do seu povo.

      Por isso tenho sérias dúvidas que o texto que você citou que se diz de Jesus, seja de fato dele. Tá parecendo mais uma construção do escritor, pois essa rigidez moral toda não combina com várias outras atitudes de Jesus narrados nos mesmos evangelhos.

      Excluir
    3. Edu, você disse: "É bom também destacar que Jesus não tinha toda essa consideração com a família que nós gostamos de idealizar só por que aprendemos assim durante toda a vida nas pregações na igreja."

      Excluir
    4. Exatamente isso. Não tinha mesmo. A família pequeno burguesa protestante ou católica é uma invenção do ocidente que em nada, reflete o que era a família judaica patriarcal nos tempos de Jesus.

      Excluir
    5. Eu não vejo como você vê. Penso que se Ele não tivesse, não estava nem ai para os divórcios.

      Excluir
    6. Gui, como eu disse,

      essa rigidez moral toda não combina com várias outras atitudes de Jesus narrados nos mesmos evangelhos.

      E ao que parece, os judeus do seu tempo tinham banalisado o divórcio; aliás, o divórcio já era banalisado na Lei que Javé tinha dado, pois lá diz que se um homem encontrasse alguma coisa que lhe desagradasse na mulher, poderia dispensá-la. Aí, cada homem tinha seus próprios motivos, e as mulheres, coitadas, jogadas no vento...Talvez fosse esse os motivos de Jesus.

      Excluir
    7. Eu acredito que Ele realmente valorizava a família, veja que Ele fala: No princípio não foi assim... Ou seja Deus criou apenas um macho, para uma fêmea.

      Em nenhum dos seus ensinamentos, lembro-me Jesus fazendo alguma apologia a poligamia. Acultura que a Ele importava, era aquela que fazia consonância com um Reino justo.

      Excluir
  3. Guiomar está escrito: "Jesus era um homem perfeito, pleno, mas veio com uma missão que estava acima das necessidades físicas do ser humano".

    Essa questão não invalida a hipótese de uma sexualidade ativa (mesmo que monogâmica) por parte do mestre Jesus, a não ser que seja vista como "impureza ou pecado", como fazem os mais conservadores, o que não é o seu caso.

    A sexualidade não O impedria de continuar sendo um HOMEM PLENO, haja vista que o sexo busca "COMPLEMENTAR" ou "PLENIFICAR" os seres humanos, foi essa uma das intenções NO ÉDEN.

    Como já escrevi anteriormente, ficaria super feliz em saber se existem provas concretas de que Jesus teve uma vida sexual ativa, isso O humanizaria ainda mais!!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Franklin, será realmente que nós necessitamos de mais testemunho sobre a humanização de Jesus?

      Que diferença faria saber que Ele teve relações sexuais? Será que o relacionamento interpessoal de Jesus e todos os seus ensinamentos já não bradaram?

      Excluir
    2. Pois é Guiomar, porque então a repulsa em admitir uma possível sexualidade, já que é perfeitamente normal junto com outras necessidades que ELE teve?!

      Com todo respeito (e isso é sério e um convite a reflexão), essa tentativa em fazer apologia (auto afirmação) do possível celibato de Jesus, não seria uma maneira de lidar com o fantasma da outra possibilidade (sexualidade ativa) do Mestre. Digo isso, porque às vezes quando queremos lidar com alguns fantasmas da fé que não queremos encarar ou admitir a possibilidade, adotamos o mecanismo da DEFESA, APOLOGIA, ADVOCACIA daquilo que tememos ser uma probabilidade, o que desmontaria um conjunto de crenças construído ao longo dos anos ao salário de muito investimento psicológico e demais adendos, resultando no desmoronamento de afirmações que promovem uma paz interior, ainda que com o selo de autenticação da ficção e fixação da fé. É SÓ UMA REFLEXÃO!

      Excluir
    3. AHHH!!! Eu não estou afirmando (atividade sexual de Jesus) mesmo porque faltam provas pra isso, somente admitindo uma possibilidade.

      Excluir
    4. Não querido amigo irreverente, eu não teria problema em admitir que Ele foi casado e sei que como homem, tinha ereção. Isto não muda nada. Finalmente sexo, casamento foram criados por Deus. Jesus pelo caráter da sua própria missão foi privado de uma fonte de recreação maravilhosa. Assim acredito.

      Excluir
    5. Isso quer dizer então que a missão "IMPUNHA" o celibato como castração de "UMA RECREAÇÃO MARAVILHOSA" para priorizar sua vinda messiânica?!

      Porque Jesus NÃO SE PRIVOU então de "OUTRAS FONTES DE RECREAÇÃO" tais como festas e banquetes, para priorizar sua missão?!

      Desviar-se do propósito de sua missão indo a festas e banquetes não atrapalharia SUA OBRA?!

      Excluir
    6. UÔUUU!!! Então Jesus teve "EREÇÃO"?! Vejo que estamos avançando na "DES-DOGMATIZAÇÃO"!!!

      Excluir
    7. Franklin você leu que em alguma festa Jesus não se fez notado com grandes ensinamentos? Ele aproveitava as mínimas oportunidades. Por isto Ele disse: "A minha comida é fazer a vontade daquele que me enviou, e realizar a sua obra. João 4:34

      "Isso quer dizer então que a missão "IMPUNHA" o celibato como castração de "UMA RECREAÇÃO MARAVILHOSA" para priorizar sua vinda messiânica?!"

      Eu não creio que a missão lhe impunha nada. A escolha era dEle.

      Excluir
  4. AHHH!!! ESQUECI DE OBSERVAR... JESUS NÃO ESTAVA ACIMA DAS NECESSIDADES FÍSICAS DO SER HUMANO, ELE TEVE FOME E SEDE, SENTIU-SE CANSADO, DEPRIMIDO, SENTIU DOR,(PORQUE NÃO DIZER QUE SENTIU TESÃO?!) ENFIM... FOI UM SER HUMANO COM NECESSIDADES A SEREM SATISFEITAS COMO QUALQUER OUTRO.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. "Jesus era um homem perfeito, pleno, mas veio com uma missão que estava acima das necessidades físicas do ser humano. Assim como havia mulheres mal-amadas, haviam homens mal-amados. Ele quis ajudar todos solucionar os seus problemas interiores, com ensinamentos de amor, de humanidade e curar as suas feridas. Porque só assim, o homem poderia desfrutar plenamente de todo bem destinado a si."

      Perceba o que eu disse. O que o homem pode fazer por si só, não necessita ajuda.

      Excluir
  5. KILIM,

    a "perfeição" de Jesus é um tema teológico cristão devido à crença de que ele era Deus e homem ao mesmo tempo. Mas o Jesus real, histórico, tinha, com certeza, suas imperfeições.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. A questão é simples! Os evangelhos silenciam em relação a um suposto relacionamento conjugal. Mas por inferência podemos concluir que Ele não era celibatário. Logo, em função da liberdade que ele tinha ao desempenhar certas atividades, entre elas o rabinato, não podemos desprezar totalmente a possibilidade dEle ter sido casado.

      Quando digo simples, não me refiro ao desumano trabalho investigativo no qual os pesquisadores se propõe a fazer para desvendar este intrincado mistério. Mas sim de não ver nem um mal no fato de Jesus ter sido casado ou não. Em absolutamente nada limitaria sua missão messiânica.

      Excluir
    2. 1º Edu, também concordo, como homem Jesus tinha necessidades humanas e suas imperfeições, ou vai me dizer que a chicotada nos malacabados trambiqueiros de plantão do templo, foi algum "IMPULSO UNGIDO" dígno de ser imitado?!

      Se for, quero ser o primeiro a dar uma surra nos vampiros da IURD, IMPD, entre outros vagabundos de plantão! rsrsrs

      2º Esse Apóstata Assembereano está me saindo melhor que a encomenda!rsrsrs

      Excluir
    3. Naquele tempo, Jesus escorraçou do Templo os vendilhões e charlatães de Javé, tendo por arma um chicote.

      Passado dois mil anos, como seria hoje essa mega operação contra o Constantianismo?

      Qual o arsenal que Jesus usaria, hein? (rsrs)

      Excluir
    4. Uma SUB-METRALHADORA ISRAELENSE Nobre Mago! rsrsrs

      Excluir
  6. Gui, eu também estranho esse negócio de Jesus com tesão, de Jesus casando e tendo filhos.Não pela questão de ser isso pecado, não vejo pecado algum nessas coisas, mas pela própria natureza de sua missão, por sua condição privilegiada em relação aos outros homens, a sua possibilidade de enxergar o mundo espiritual e o interior das pessoas, por sua natureza que tb era divina... Penso que Jesus poderia ter todas as potencialidades de um homem e a possibilidade não exercê-las. Penso também que a ciência da natureza de sua morte poderia levá-lo a jamais se relacionar com uma mulher e gerar filhos. Isso falo com a mente da pessoa que crê, ora e tem fé no Jesus filho de Deus.
    Quanto a questão da poligamia acho como disse o Edu uma questão cultural. Os conflitos existentes entre as esposas são parte do conflito conjugal. Estranhamos pois não fazemos parte desse tipo de sociedade. Eu acredito que esse modelo traz vantagens para os envolvidos e algumas desvantagens também, assim como os casais monogâmicos. De qualquer forma eu agradeço por não fazer parte dessa cultura da divisão total dos bens rsrs...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pois Mariani, aquelas mulheres são tão mulheres como eu e você e com certeza, quando elas estão sozinhas na sua cama e chega a visitinha do desejo, elas se queimam em suas camas e choram, pensando que o cara que elas são "esposas", é de muitas e não vai sobrar para ela, porque outras também esperam em suas camas...

      Isto é cruel!

      Excluir
    2. Gui, você está levando em consideração apenas a parte sexual. Mas sexo no casamento é o que toma menos tempo no dia de um casal(isso não mudou daquele época para hoje). Aquelas mulheres tinham uma casa, um nome, eram honradas diante da sua sociedade, tinham seus filhos, isso era tudo o que uma mulher da época poderia querer. Sexo frequente seria um bônus.

      Excluir
    3. Edu, realmente eu falei mais sobre sexo. Acho que foi o que mais rolou nos comentários também. Veja que coloquei aqui os problemas que vivia a Lia, como preterida.

      "Vejamos a história do trio “amoroso” Jacó, Raquel e Lia. Era costume a irmã mais velha casar antes da mais nova. Como era da cultura, o pai de Lia não teve em conta os sentimentos de Jacó e muito menos os dela quando a introduziu no quarto. Quarto este, por certo escuro, com Jacó não lúcido, Lia foi no lugar da Raquel, a quem, realmente, Jacó amava, havendo trabalhado por ela sete anos e estando disposto a trabalhar mais sete, sem que isto lhe parecesse muito, pelo tanto que a amava, vindo também a desposá-la após uma semana do casamento com a primeira."

      Seria uma postagem só para falar sobre as carências de uma mulher, a necessidade de ter alguém para ouvi-la, sair com ela, gastar tempo com ela. Seria impossível atender a várias mulheres satisfatoriamente.

      O coração da mulher guarda mais segredos que o coração dos mares. Ouviu esta frase, com certeza.

      Excluir
    4. Lembra que elas, apesar, da cultura, falaram: "Então responderam Raquel e Lia e disseram-lhe: Há ainda para nós parte ou herança na casa de nosso pai?
      Não nos considera ele como estranhas? Pois VENDEU-NOS, e comeu de todo o nosso dinheiro. Gênesis 31:14-15.

      Edu, a história toda, nos revela muito.

      Excluir
  7. Conta-se que certa vez, um missionário ocidental foi repreender um cristão oriental por ter relações poligâmicas. Este disse ao missionário: Eu pratico poligamia uma vez só, poi tenho mais de uma esposa ao mesmo tempo; porém, vocês do ocidente praticam-na em sequência. Abandonam uma esposa para ficar com outra, e acabam tendo mais de uma esposa, mesmo que não seja ao mesmo tempo, isto também é poligamia; e é pior, porque vocês do ocidente abandonam suas esposas e nós ficamos com todas elas e as sustentamos.

    Então vocês do ocidente não tem condições morais de falar sobre poligamia conosco, poia a praticam, ainda que de forma diferente.
    Ouvindo isso, como não poderia deixar de ser, o missionário ficou sem reação.

    Agora Gui, O que dizer aos POBRES HOMENS do Tibete e de algumas regiões da África e da Índia, que se submetem à uma relação políandra?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Seria bom que muitos proprietários de haréns tivessem esta experiência para saber o que é ser desumano.

      Embora meu amigo, segundo meu marido, nos lugares da África por aonde ele anda e andou, qualquer favor que você faz a um homem, ele mesmo te oferece, como eles mesmo chamam, a "macaquinha dele ou as macaquinhas (filhas) como pagamento.
      Meu marido disse que teve vontade de dá um murro na cara de um kkkkkkkk

      Excluir
  8. Há exatamente quatro anos (29 de fevereiro de 2008), publiquei no “Ensaios & Prosas” algumas recordações sobre o despertar de minha sexualidade, sob o título — “O Despertar Maravilhoso da Sexualidade”

    Entendo, que a infância de Jesus deve ter sido parecida com a de qualquer criança de meu tempo, criada e “educada” dentro de uma estrutura religiosa rígida e preconceituosa, como demonstra o trecho inicial pinçado do ensaio por mim postado naquela época:

    Lembro-me bem, era um meninote magro muito introspectivo, apelidado pelos adultos de casa como o “sonso” ─, aquele que dava o bote e escondia as unhas.

    Tinha então meus nove ou dez anos de idade, quando certas noites, era invadido por sonhos libidinosos. No dia seguinte, acordava então com um misto de deslumbrado prazer e ao mesmo tempo, sentimento de culpa. Toda aquela gama de sentimentos provinha do fato de ter experimentado algo que, para mim e para os meus pais, se revestia de um sentido impudico, luxurioso, pecaminoso e imundo. Cedinho, levantava-me do leito rápido em direção ao banheiro, ruborizadamente envergonhado, escondendo com as mãos tímidas, as marcas da descarga seminal instintiva e inocente, derramadas em brumas inculpadas que marcavam indelevelmente o velho e surrado pijama. Lá no antiquado e escorregadio banheiro de paredes lodosas tentava com muito esforço apagar as manchas endurecidas no tecido, usando água e um pequeno pedaço de sabão.


    Quem quiser ler o texto integral (feito a duas mãos — com algumas inserções de George ―, meu filho mais velho), é só acessar o link, abaixo:


    http://levibronze.blogspot.com/2008/02/o-maravilhoso-despertar-da-sexualidade.html

    ResponderExcluir
  9. (Continuando)

    Por Volta dos Meus 18 anos (já carnalmente mais espiritualizado):

    “A única forma que encontrei para não me sentir tão culpado quando experimentava a avalanche de desejos e as borrascas mais tenebrosas das paixões que me solapavam a alma e o coração no início da adolescência , era imaginar que o meu Deus não era tão violento e incompreensível, a ponto de não entender as minhas vicissitudes. O tempo me fez ver, que a guerra travada entre este instinto poderosíssimo e a voz da autoridade moral e religiosa, devia ser amenizada pela conscientização de que, afinal, eu não era um anjo, e sim uma frágil criatura humana, como bem frisou o Apóstolo Paulo aos Romanos(7; 14): “Porque bem sabemos que a Lei é espiritual; mas eu sou carnal, vendido sob o pecado”.

    ResponderExcluir
  10. Gente chego mais depois. Meu filho quer que o acompanhe. Coisa de mãe.

    Franklin pode pegar o chicote e me convide que vou junto. com todo prazer do mundo, e viro as mesas enquanto você faz o mais pesado. kkkkkkkkk

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. XÁ CUMIGU ÚLTIMA DAS MOECANAS, SARRAFO NELES! NA BUNDA! RSRSRS

      Excluir
    2. Que é isso, confrades, isso é incitação ao ódio...deixemos o joio junto com o trigo, ambos tem que crescer juntos, pois um depende do outro... ;)

      Excluir
    3. Edu joio é joio, cabra safado, mercenário é outra coisa. Para as costas do tolo vara. Você é tão bonzinho kkkkkkkkkkkkk

      Excluir
    4. O nosso roçado de trigo, o cercamos com muros aparentemente indevassáveis....

      Para atiçar mais o debate, eu perguntaria aos nobres confrades:

      Os muros aparentemente indevassáveis com que cercamos nossos roçados de trigos, não permitem o crescimento de um fiapo de joio sequer? (rsrs)

      Excluir
    5. Joio sim Levi, eles até são uma benção para o trigo saber que tem que se portar como tal. Agora mercenários da fé, sequer flerta com a metamorfose. Você viu aquele vídeo de Edir fofocando com o demônio sobre a igreja do outro mercenário da fé? Eu assisti por insistência do meu filho, porque já tenho nojo destes sujeitos.

      Um cara deste só pensa em reinar como momo.

      Excluir
    6. Gui, pelo que eu entendi, Levi está querendo dizer sobre a possibilidade do nosso "trigo"(ou seja, nós como pessoas em atos e ações) existirmos conjuntamente com "joios" em nosso ser.

      Excluir
    7. Realmente Edu, você tem razão, li rapidamente e não percebi a "astucia" do nosso grande Levi. kkkkkkkkkk Claro que não temos apenas fiapos, temos verdadeira plantação. Creio, no entanto, que o importante é você não ser hipócrita, reconhecê-la e trabalhar para a limpeza, sem paranoias.

      Excluir
  11. Olá, Guiomar.

    Primeiramente fico feliz que meus comentários no blogue da Anja tenham lhe inspirado um novo e polêmico artigo aqui na confraria.

    Seu texto divide-se em dois temas: (i) a poligamia; e (ii) a vida sexual de Jesus. Vou então por partes, considerando o que outros participantes aqui já colocaram.

    Sobre a poligamia, quero esclarecer que, em via de regra, não apoio este tipo de comportamento. Se é impossível um homem relacionar-se ao mesmo tempo com mais de uma mulher pelas vias normais, por que haveria mais felicidade na poligamia? Logo, não me parece algo bom para nós seres humanos que somos conscientes do que é melhor.

    Entretanto, em casos de exceção, digamos que em decorrência de uma guerra em que vários homens tenham morrido, entendo que a poligamia não só pode como deve ser praticada. Tanto pelo aspecto reprodutivo como para proporcionar prazer sexual às mulheres. E aí eu ente ndo que tudo deve ser feito numa relação de compromisso. No casamento.

    O Eduardo colocou algo bem interessante e que tem a ver com o contexto da época. Pois de fato era mais honroso pra uma mulher dividir seu marido com outra do que morrer solteira e sem filhos. E aí vale lembrar o costume do levirato (Dt 25.5-10) em que, na hipótese do marido falecer, tornar-se um dever para o irmão do falecido gerar filhos para a viúva. E o cumprimento deste dever independia do cunhado ser já casado com outra mulher ou não.

    Já pensou no problemão que deveria causar pra uma família constituída a esposa ter que ver seu marido tendo que transar com a esposa de seu cunhado falecido? Mesmo que em tal hipótese o homem apenas se deitasse com a viúva do irmão com finalidade procriatória, poderia não ser nada agradável em inúmeros casos. Até mesmo por causa da divisão da herança, motivo pelo qual Onan recusava-se a ter um coito completo com Tamar, viúva de seu irmão Er (Gn 38.8-9).

    Para fechar por hora minhas considerações em relação à poligamia, quero aqui comentar sobre o fascínio que certos homens poderosos, ricos e com fama despertam em algumas mulheres a ponto de muitas delas preferirem um cara que tenha outras do que virarem esposas de um "Zé Ninguém". Imagine quantas mulheres não desejavam a vida de princesa num palácio real nos tempos do rei Davi afim de terem status social, presentes caros e uma vida bem mansa?

    Igualmente fico imaginando que, embora Jesus fosse um pobretão, muitas mulheres deveriam sonhar em se tornar esposa de um cara que poderia ser o Messias de Israel! Alguém que as tratava com dignidade a ponto de conversar publicamente com elas, como no caso da samaritana, parecia ser um homem muito diferente dos demais maridos, os quais, segundo o contexto dos evangelhos, estavam banalizando o divórcio a tal ponto que suas ex-esposas simplesmente eram "jogadas no vento", como se dizia na novela O Clone.

    O que é pior para a mulher numa sociedade oriental, Guiomar? Dividir seu marido com outras ou viver a instabilidade de um casamento em que ela poderia ser descartada e, com isto, tornar-se exposta ao adultério já que para sobreviver teria quase prostituir ou se tornar amante de outros homens?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. "Entretanto, em casos de exceção, digamos que em decorrência de uma guerra em que vários homens tenham morrido, entendo que a poligamia não só pode como deve ser praticada. Tanto pelo aspecto reprodutivo como para proporcionar prazer sexual às mulheres. E aí eu ente ndo que tudo deve ser feito numa relação de compromisso."

      Não precisa esperar uma guerra Rodrigão, os homens são poucos e os gays estão proliferando, sem útero e ovário. E machistas podem encontrar muitas galinhas dispostas a copular com galos.

      Eu conheço várias mulheres que gostam de sexo como de refeições e lanches, mas preferem aguentar os desejos de que usarem e serem usadas. Todas querem um lar, filhos, um homem a disposição do sexo com amor, só com elas. rsrs

      Nem toda mulher que não conseguia marido era obrigatoriamente obrigada a tornar-se prostituta, havia meios de uma mulher ganhar a vida, com certeza.

      Excluir
    2. Gui, você está focando o tema em padrões de moralidade e ele vai além disso.

      Excluir
    3. Não Edu! Não mesmo, estou falando de dignidade, de sentimentos. Minha postura, estende-se também ao macho.

      Excluir
  12. Acerca da vida sexual de Jesus, Gui, quero compartilhar aqui o que já havia exposto no blogue do Franklin quanto ao artigo Jesus sentia TESÃO?! cujo texto é de autoria do Sr. Esdras Gregório. Ali eu me posicionei da seguinte maneira:

    Verdade é que pouco sabemos acerca da verdadeira história do judeu Yeshua ben Yosef que viveu nas três primeiras décadas do século I. Porém, o que nos foi ensinado a seu respeito é mais sobre um arquétipo cristão inventado pelos padres gregos e aí a crítica do Gresder foi certeira levando-nos a pensar na inviabilidade histórica de um personagem real formado pelas narrativas dos evangelhos.

    Quem lê os apócrifos, vislumbra a possibilidade de que Jesus tivesse mulher e, logicamente, vida sexual. É o que serviu de inspiração para Dan Brown que escreveu o Código Da Vince, certamente de olho nos fragmentos dos evangelhos de Felipe e de Maria Madalena.

    Se pensarmos bem, é pouco provável que um judeu fosse optar por uma vida celibatária pois o sexo e a procriação é um dever na cultura judaica. Claro que, antes do judaísmo rabínico, existiam a seita dos essênios que nem defecavam aos sábados, mas Jesus não parece ter tido o perfil de um asceta já que ele era mais flexível na interpretação da Torá dos que muitos fariseus (estes melhores do que os essênios).

    Enfim, o celibato de Jesus parece-me ter sido mesmo uma construção teológica dos gregos muitas décadas após a época em que teriam se passado os acontecimentos sobre sua vida e o ministério apostólico.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Rodrigo, é a que se observar que os evangelhos não dizem explicitamente que Jesus era celibatário. Ou seja, nada diz sobre sua possível esposa, o que seria o normal, já que não se precisaria enfatizar que ele era casado numa sociedade onde o casamento era uma obrigação social. Muito ao contrário, como já disse nos meus primeiros comentários, ele tinha uma atitude bem liberal com as mulheres, coisa que escandalizava até seus discípulos.

      Excluir
    2. "Ou seja, nada diz sobre sua possível esposa, o que seria o normal, já que não se precisaria enfatizar que ele era casado numa sociedade onde o casamento era uma obrigação social."



      Não são vocês que tanto repetem e eu concordo que Jesus não estava nem ai para as leis que regiam seu povo? Ele não poderia ter extrapolado neste caso também?

      Gente, cuidado com o que convém entender ou não rsrs

      Estou respondendo aos poucos.

      Excluir
    3. Edu,

      Concordo com sua visão e raciocínio.

      De qualquer modo, sempre alerto que até hoje significa pisar em ovos afirmar com base na Bíblia ou textos apócrifos que Jesus tenha dito isto ou aquilo.

      Estudos têm demonstrado que msnos de 20% dos ditos atribuídos a Jesus nos evangelhos seriam originais.

      Excluir
    4. Gui,

      A hipótese de que Jesus teria sido um celibatário também não seria descartável.

      Ele poderia ter sido influenciado pelos essênios e João Batista ou evitado o casamento por causa de sua missão?

      É possível! Porém, quando falamos sobre sua vida, tudo se torna mais hipótese do que certeza e a elaboração de qualquer tese a seu respeito torna-se dificílima e arriscada.

      Enfim, estamos só desconstruindo mitos e mostrando que a versão ofcial sobre Jesus é suspeita demais para ser absolutizada como verdadeira pelos católicos e protestantes.

      Abraços

      Excluir
  13. Continuando...

    Em outra manifestação ainda acrescentei:

    se mal temos provas históricas acerca da existência de Jesus, as quais possam ser cientificamente aceitas, como provar que ele tenha tido algum relacionamento sexual?

    Embora considere também a hipótese de que Jesus possa ter optado pelo celibato em razão do sacrifício vicário mencionado pelas versões dos evangelhos oficiais, tenho dado preferência à outra hipótese de que ele casou-se e quem sabe até teve filhos.

    Vale acrescentar que, segundo os evangelhos de Tomé e dos Doze Apostolos, Jesus teria sido casado. No primeiro (Tomé), sua esposa foi Salomé. Já no segundo, casou-se com Maria. E, se pensarmos que, naquela época ainda não existia aquele decreto rabínico que impôs a monogamia a muitas comunidade judaicas, Jesus pode muito bem ter até se casado com as duas e até também com mais outras mulheres da sua época.

    No Evangelho dos Doze Santos, o qual acredita-se que seria o "Mateus Autêntico" dos ebionitas (seita de judeus messiânicos massaccrada pelos cristãos de Alexandria no século II), Jesus casou-se, apesar de ter ficado viúvo, e morreu aos 49 anos. Neste evangelho, o Senhor também prega sobre reencarnação, sendo que os ebionitas compunham uma comunidade que seguia uma dieta koshe vegetariana (eram contra o sacrifício de animais) e guardava o Shabat a semelhança dos demais judeus.

    De qualquer modo, eu me baseio no fato de que Jesus era judeu para apoiar minhas hipóteses mais prováveis, sendo que de modo algum ousaria em afirmar que defendo uma tese. Concordo contigo quando fala que, se Jesus tivesse tido uma vida sexual ativa, "isso O humanizaria ainda mais". Aliás, isto que o irmão colocou leva-nos a indagar sobre a utilidade da idealização do sacrifício e se não seria melhor para o homem levar uma vida mais próxima da normalidade do ciclo evolutivo de todos os seres vivos: nascer, crescer, trabalhar, cassar-se, gerar filhos, educá-los, depois envelhecer e morrer. Pois, se for este o caminho que se deve seguir, não teria Jesus rompido com o ciclo quando entregou-se para morrer prematuramente?

    São questões para se pensar e não para nos afastarmos dela colocando de vez uma pedra para não fragilizar o nosso conjunto de crenças que, como muito bem aprendemos, é o "chão" de todo cristão. Pois, se a crucificação de Jesus deixa de ser um sacrifício expiatório, o católico e o evangélico que seguem a ortodoxia se sentiriam sem salvação, como se a graça de Deus não existisse sem a morte substitutiva do Messias tido como um ser "sem pecado".

    ResponderExcluir
  14. E concluí com estas palavras sobre o tema:

    Acrescento que, se mudarmos a ideia sobre a sexualidade de Jesus, no sentido de que ele se casou e teve até filhos, cairia por terra esta coisa hipócrita da Igreja Católica que é o celibato dos padres. Uma hipocrisia tão grande que chega a dar repugnância quando ouvimos falar de casos de pedofilia e de abuso de meninos.

    Mesmo os pastores se casando no protestantismo, vejo a idealização da pureza cristã como algo que vai totalmente contra uma vida sexual saudável.

    Sexo é saúde!

    Pessoas que se privam de um relacionamento sexual e afetivo estão fazendo mal para elas mesmas. Estão sendo ingratas em relação à vida e a Deus.

    Quem se abstém de ter filhos, está deixando de exercer um papel importantíssimo no mundo que é a paternidade e a maternidade. Tudo bem que alguém pode substituir filhos naturais por menores adotivos ou apadrinhados. Porém, tais pessoas nem existiriam se não fosse a atividade reprodutiva de seus pais.

    Mesmo que existam exceções à vida, entendo que o padrão da normalidade do ciclo evolutivo precisa ser mantida e daí eu ter muita bronca não só com a idealização de um Jesus celibatário como também no tocante ao que Paulo supostamente teria dito em 1Coríntios 7, versículo 1, de que seria "bom que o homem não toque em mulher". Pois vejo aqui um texto que de modo algum se harmoniza com as Escrituras hebraicas (o Antigo Testamento) e pode ter sido até inventado pelos padres. Porém, apenas admito que Paulo teria dado aquela orientação prevendo uma possível persegução das autoridades romanas, o que se constroi pela análise da segunda parte do verso 28 quando o autor diz que os casados "sofrerão angústia na carne".

    Seja como for, isto não tem mais nada a ver com o nosso contexto de vida no presente. E, sendo assim, acho importante a desconstrução desse ideal cristão de pureza casta e celibatária como sendo algo superior ao matrimônio porque nada mais é do que a opção por uma sexualidade adoecida.

    ResponderExcluir
  15. Edu, "Se alguém pensa que as mulheres não sofrem, em uma cultura que considera natural um homem ter várias amantes, eu diria, ainda que talvez radicalizando, que, por exemplo, em uma cultura aonde o CLITÓRIS É EXTRAÍDO para que a mulher não tenha prazer, elas se dariam também por felizes."

    Mulher é mulher em qualquer cultura, é gente, é carne, é humana. Temos os casos de Ana que era humilhada por Penina, por que seria? Temos Sara que foi humilhada pela própria serva, seria apenas por ser estéril? Ou como a serva se sentiu diante de Abrão? Será que não imaginou que poderia disputar o macho?

    Quem garante que as mulheres que viviam no palácio eram todas felizes pelo status? Eram mulheres belas, escolhida a dedo para serem propriedade do rei. Quantas delas poderiam conquistar um homem rico e ter status fora do palácio? Quantas delas queriam apenas o direito de casar com quem escolhessem, ter filhos e ser felizes? Quantas delas sofriam por necessidade sexual? Ou você acha que só o macho tem esta carência? Existem mulheres mais quentes que muitos homens. Será que elas teriam que apelar para masturbação? Degradante para uma pessoa que poderia ser feliz com um macho.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. "Quem garante que as mulheres que viviam no palácio eram todas felizes pelo status?"

      Claro que não eram felizes por causa disto, Gui! Trata-se de uma ilusão a mulher trocar o amor e sua vida para ser só mais uma no harém do rei. Mas o pior era que isto às vezes era combinado entre o pai dela e o noivo...


      "Quantas delas poderiam conquistar um homem rico e ter status fora do palácio?"

      Uma minoria. O destino da maioria delas era casar-se com alguém de sua própria classe social. As que eram de classe mais baixa tornavam-se concumbinas do rei ou de um homem rico. Geralmente as que se casavam com o monarca eram filhas de homens importantes e os casamentos seriam a interesses entre as famílias ou reinos.


      "Quantas delas queriam apenas o direito de casar com quem escolhessem, ter filhos e ser felizes?"

      Naquela época, praticamente nenhuma. Pelo menos, nos tempos de Abraão, o patriarcalismo parecia não ter chegado ao seu auge. Tanto é que, quando ele envia Eliezer à Mesopotâmia buscar uma esposa para Isaque, é dado á noiva a kiberdade de escolha (Gn 24.8). Contudo, no último milênio antes de Cristo, o patriarcalismo teve seu ponto máximo. A própria história de Ester nos mostra isto.

      Por outro lado, Gui, a felicidade pode ser encotnrada em sociedades nas quais haja o casamento arranjado. Por exemplo, no Oriente, as mulheres acabam aprendendo a gostar de quem ama. Isto porque o amor é por eles cultivado. Tanto o noivo como a noiva já foram ensinados que precisam fazer o outro feliz ao invés de pensarem an própria felicidade. Não quero com isto justificar o fim do direito ao namoro. Apenas acho que falta à nossa sociedade um pouco da formeza dos orientais já que um dia a química da atração evapora em meio à rotina do casamento e as pessoas aqui simplesmente se separam.


      "Ou você acha que só o macho tem esta carência? Existem mulheres mais quentes que muitos homens. Será que elas teriam que apelar para masturbação?"

      Concordo com você neste ponto, amiga. Na antiga cultura judaica, parece que o prazer feminino acabou sendo esquecido. Em 2Samuel diz que as concumbinas de Davi que coabitaram com Absalão viveram o resto da vida sem sexo e trancadas até a morte (2Sm 20.3), o que talvez teria sido pior do que a morte. Uma loucura! Depois então que o rei envelheceu, encontramos na Bíblia um outro absurdo, quando colocam a jovem Abisague apenas para aquecer seu corpo, pois a ideia que se tem do texto era que talvez Davi já estivesse impotente por causa de seu estado de saúde.

      Concluindo, tudo isso nos mostra, Gui, que a Bíblia não deve ser considerada a Palavra de Deus, mas tão somente um livro de orientação.

      Excluir
    2. Veja sua respostas: "Claro que não eram felizes...

      "Por exemplo, no Oriente, as mulheres acabam aprendendo a gostar de quem ama. Isto porque o amor é por eles cultivado."

      Será que faz muita diferença?

      Excluir
    3. Atentai bem!! como dizia o senador Mão Santa: não se pode querer ler a realidade de mulheres que viveram em sociedades há dois mil anos com as mulheres liberadas, feministas, donas dos seus narizes, independentes financeiramente dos nossos dias. As necessidades são diferentes, até os motivos para ser feliz também.

      Mas sobre a castração feminina, nada tem a ver com poligamia. Mulçumanos radicas fazem isso para que as mulheres não tenham prazer sexual e consequentemente, se "comportem" dentro dos padrões da moral islãmica radical.

      Excluir
    4. Estou falando Edu, que se alguém pode se adaptar a uma cultura ainda que cruel e ser feliz, aplica-se também neste caso.

      Excluir
  16. Doni, "Então vocês do ocidente não tem condições morais de falar sobre poligamia conosco, poia a praticam, ainda que de forma diferente.
    Ouvindo isso, como não poderia deixar de ser, o missionário ficou sem reação."

    "Um erro não justifica o outro." A mulher ocidental têm o direito de escolher seu homem, de deixá-lo e até de trocá-lo. Vive sob traição se quiser, ela não é forçada a dividir sua cama com ninguém. Faz grande diferença.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Gui,

      Acho que o Doni falou isto não com a finalidade de se defender a poligamia, mas sim em expor a nossa hipocrisia ocidental quando pretendemos julgar os orientais.

      Embora eu não trabalhe na área doDireitod e Família, já aconselhei inúmeras mulheres sobre defenderem seus direitos e de seus filhos por causa da irresponsabilidade de homens que, quando resolvem viver com suas amantes, simplesmente jogam a família no vento.


      "Vive sob traição se quiser, ela não é forçada a dividir sua cama com ninguém."

      Concordo plenamente! Eu não fico dizendo às esposas traídas nas igrejas que fiquem orando pro marido voltar pra casa. O conselho que hoje dou é que, se uma mulher está sendo traída pelo marido, ela tem mais é que deixá-lo porque se trata de uma afronta á sua dignidade e um grande risco para a saúde dividir o homem com outra. Pois, além de pegar doenças da outra,quem garante que o o esposo ou a amante estão se prevenindo?

      Excluir
    2. Eu não respondi ao Doni, respondi ao oriental. Entendi perfeitamente a intenção do Doni.

      Brigadu.

      Excluir
  17. “Jesus era um homem perfeito, pleno, mas veio com uma missão que estava acima das necessidades físicas do ser humano” (Gui).


    Quando Jesus disse “ Nem Eu te condeno” para a prostituta que estava diante de seus julgadores, explicitou com todas as letras que também tinha “tesão” , —, coisa que os fariseus, hipocritamente (ou defensivamente), não queriam revelar. Mas, terminaram por admitir, quando se retiraram do local, em silêncio, com suas pedras nas mãos. (rsrs)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. E qual o problema que Ele tinha ereção? Ele era ou não era humano?

      Não tenho nenhum problema em saber que Jesus era humano, pelo contrário me fortalece. Quando falo que Ele estava acima das necessidades físicas aponto para a causa pela qual Ele veio ao mundo. E não creio mesmo que Ele era casado. Ele falaria com certeza sobre a sua família, como sabemos dos seus pais e irmãos. Seria até um referencial para todos. Ele passou tão pouco tempo aqui na terra... Teria o cuidado de não deixar uma mulher viúva tão jovem com filhos, se os tivesse, para criar sozinha.

      Excluir
    2. Interessante sua análise, Levi.

      Não está escrito no texto, mas não deixa de ser uma maneira de desmascarar a hipocrisia humana. Afinal se alguém é acusado publicamente por motivo de "pecado sexual", será que os acusadores também não sntem ou não sentiram este mesmo tipo de desejo?

      Seriam todos eunucos por acaso?

      Gostei da ideia. Pena que nem o evangelista contou pra nós o que Jesus teria escrito na terra com o dedo (João 8.6). Ficou em aberto para todas as gerações pensarem...

      Abraços.

      Excluir
    3. Guiomar,

      Se Jesus teve o cuidado de não se casar para não deixar uma viúva desamparada com filhos para cuidar, então como você acha que ele lidou com a sua sexualidade?

      Ele se masturbava? Vivia louco de tesão? Castrou-se? Ou não sentia desejos como normalmente todo homem tem? Ou ele fixava obsessivamente a própria afetividade em ideais, coisas ou personalidades, elegendo-as ao modo de adoração, glorificação ou deificação?

      Ora, se o Jesus que você idealiza viveu este tipo de coisa, que poderíamos muito bem chamar de idealização do amor errado, então ele pode ter sido um cara bem problemático a ponto de viver um celibato compulsório a exemplo do que muito se vê na Igreja Católica. Aliás, no catolicismo, o celibato clerical convive também com a homossexualidade dissimulada e com a pedoficila.

      O célebre dito a respeito dos "eunucos pelo Reino de Deus", mal interpretado também por muitos evangélicos como como um caminho mais excelente do que o casamento, acaba trazendo uma errada idealização. Pois, se o homem ou a mulher abstém-se de ter o seu parceiro evolutivo, alguém com quem vai dividir seus traumas, problemas, dificuldades, desejos e interesses, tem-se, a meu ver, uma grande quantidade de problemas nas relações pessoais. Pessoas sem uma vida sexual regular tornam-se amargas, autoritárias, encrenqueiras, frustradas, "secas", infantilizadas por alimentarem processos psicológicos compensatórios, sequeladas emocionalmente, e não raras vezes desenvolvem compulsões pela masturbação sem terem coragem para admitir os desejos que têm lá no fundo.

      Sinceramente, Gui, entendo que a ideia de autoimolação por meio da supressão do prazer sexual com a finalidade de desenvolver um ministério que ajude os outros acab sendo algo irracional e injustificável. Que motivo pode haver para que a autocastração seja considerada como o preço do bem prestado aos outros? Pois se quero ajudar pessoas num nível mais qualificado, preciso antes de mais nada buscar viver uma vida saudável, com uma consciência, sentimos e emoções equilibrados.

      Enfim, é a lógica que me convence sobre o equívoco da vida celibatária e daí, se tenho Jesus como um modelo, pra que alimentar ou aceitar a ideia de que ele nunca se casou? Ainda assim, como não sabemos o suficiente sobre sua vida e o Novo Testamento não é fonte confiável de consulta histórica, tudo o que pensamos a seu respeito está mais é no campo das hipóteses, pelo que prefiro afastar qualquer tipo de idealização de vida celibatária.

      Excluir
  18. Gui e Rodrigo:

    Gui, você leu o que eu comentei sobre Jesus não idealizar a família dele como nós gostamos de fazer no meio evangélico?

    Rodrigo,

    eu posso aceitar que alguém de livre e expontânea vontade fique celibatário em prol de alguma missão mais elevada que ele acha que tem; Esse poderia ter sido o caso de Jesus, mas todo o contexto social da religião judaica de onde ele era filho e herdeiro, me leva a entender que esse não foi o seu caminho.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. "eu posso aceitar que alguém de livre e expontânea vontade fique celibatário em prol de alguma missão mais elevada que ele acha que tem"


      Neste caso, Edu, eu tenho minhas indagações.

      O que poderemos dizer acerca de Gandhi que dormia com mulheres nuas só para testar seu voto de castidade que fez estando ainda casado antes dos 40 anos?

      Até que ponto istyo não poderia ter se tornado uma vaidade ou uma maneira de e sentir superior aos outros como se o domínio dos instintos fosse algo a ser conquistado numa ambição de santidade?

      Tudo bem que sua ação foi talvez indispensável apra que fosse antecipada a independência indiana e poupado muitas vidas, mas será que Gandhi pecisava de tantos exageros?

      Excluir
    2. Edu, Ele estava preocupado em seguir conceitos, regras?

      Excluir
    3. Rodrigo,

      creio que os motivos de Gandhi são os motivos de Gandhi; não tenho como julgar as suas atitudes nessa questão; o que para nós pode ser um exagero ou até mesmo sinais de patologias, para ele foi uma atitude que fortalecia sua vontade.

      Eu, por exemplo, nem dormiria se tivesse mulheres nuas na minha cama..kkkkkkkkakakka mas eu sou um ocidental pecador, agarrado à vontade e ao ego. rsss

      Excluir
    4. Rodrigão, ouvi de um amigo de um dos empregados da casa do ex-presidente Collor, que ele após o almoço mandava pôr sobre a mesa, as iguarias que ele mais apreciava como sobremesa, então, uma a uma, ia empurrando e dizendo: você não me vence, você não me vence... E assim mantinha seu copo esguio e saudável.

      As determinações por uma causa, são mais nobres que o se lambuzar pelos desejos da carne. Eu admiro pessoas como o Gandhi. E os orientais têm muito a nos ensinar nesta área.

      Excluir
  19. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  20. Gui,

    eu não acho que Jesus não dava bola para as leis do seu povo, muito pelo contrário; ele dava tanta bola que buscou purificar a lei do seu povo de uma interpretação desumanizada e legalista da Lei(Torá)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Bom vocês citam muito que Jesus estava sempre extrapolando e lá isto é verdade. Quando Ele lutou pela purificação, eu entendo que Ele queria na verdade levar uma visão bem diferente do que a lei ensinava.

      Excluir
  21. Então Guiomar... Já entendi que vc não tem problemas com ereção, ops, quer dizer, em saber que Jesus tinha ereção, que sexo não é problema e que ele era humano, mas e o resto das perguntas?

    Isso quer dizer então que a missão se "IMPUNHA" em relação ao celibato como castração de "UMA RECREAÇÃO MARAVILHOSA" para priorizar sua vinda messiânica?!

    Porque Jesus NÃO SE PRIVOU então de "OUTRAS FONTES DE RECREAÇÃO" tais como festas e banquetes, para priorizar sua missão?!

    Desviar-se do propósito de sua missão indo a festas e banquetes não atrapalharia SUA OBRA?!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu havia respondi lá em cima, trago para cá. rsrs

      "Franklin você leu que em alguma festa Jesus não se fez notado com grandes ensinamentos? Ele aproveitava as mínimas oportunidades. Por isto Ele disse: "A minha comida é fazer a vontade daquele que me enviou, e realizar a sua obra. João 4:34

      "Isso quer dizer então que a missão "IMPUNHA" o celibato como castração de "UMA RECREAÇÃO MARAVILHOSA" para priorizar sua vinda messiânica?!"

      Eu não creio que a missão lhe impunha nada. A escolha foi dEle."

      Excluir
    2. "Ele aproveitava as mínimas oportunidades"

      Ok, e porquê a sexualidade não seria uma oportunidade de grandes ensinamentos (na prática) no âmbito dos relacionamentos entre pessoas que se amam? Cantares que o Diga!

      Excluir
    3. Porque Ele gostava de privacidade kkkkkkkkkkkkkkkkk

      Excluir
    4. Houve uma transferência de encosto. O encosto da irreverência passou de mim pra Guiomar!!! Muito Booommm!!!! rsrsrs

      Excluir
    5. Mas não foge não Guiomar, porquê a sexualidade não seria uma oportunidade de grandes ensinamentos IN PRIVÊ?! rsrsrs

      Excluir
  22. Gui, Você sabe que a poligamia só é permitida nos países islâmicos em condições anormais. Uma das razões inclusive é a virilidade excessiva de alguns homens que não conseguem abster-se de sexo durante o período menstrual da mulher. E ao invés de recorrer ao adultério, ele corre para a outra cama.

    Outro detalhe Gui, a taxa de relações polígama nos países que a praticam é inferior à taxa de POLIGAMIA EM SÉRIE praticada no países que a proíbem. Foi baseada nessa pesquisa que eu disse que nós não temos condições morais de reprová-los quanto a isso.

    Agora, segundo um defensor da poligamia, é normal que exista um pouco de ciúmes entre as mulheres, mas a boa muçulmana sabe controlar esse sentimento pois é certo que ALLAH, O SAPIENTE E MISERICORDIOSO age em benefício de uma sociedade saudável e justa para todos deixando nossos desejos pessoais, muitas vezes egoístas, em segundo plano. kkkkkkkkkk

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Doni, eu sei que os haréns continuam. Quanto as condições anormais, você acha que eles abrem exceção para aquelas mulheres que não se satisfazem com uma relação por dia? Conheço muitas mulheres, muitas, que são famintas. Como seria para elas ter um marido dividido, se o marido não dá conta nem delas? O machismo jamais permitiria que elas dividissem a cama com outros, mesmo sendo uma "condição anormal".

      Mas parece que mesmo os polígamos pulam a cerca né? Davi foi um exemplo. Se for pesquisar baseado também nestes pulos, será que eles teriam de que se gabar? rsrs

      Se elas controlam o ciúme sei não. Eu vi alguns capítulos da novela o clone, que retratava bem a relação entre as mulheres de um só homem, parece bem estremecida. Por outro lado, veja nos relacionamentos de mulheres bíblicas, como Ana e Penina, Lia e Raquel, Sara e Hagar, quanta carência de atenção, de privacidade. Isto é, o mínimo que sabemos.
      A sapiência de Alá beneficia somente aos homens? Ele deve ser um deus bem machista.

      Excluir
    2. Para estas mulheres insaciáveis Gui, recomenda-se a poliandria legal! rsrsrssr

      Excluir
  23. Então Gui, o que eu quis dizer é que provavelmente sob a nossa perspectiva de mulher ocidental, essa família com muitas mulheres deve parecer infinitamente pior do que é, mas eu não disse que é bom. Se as pessoas vivem sua cultura sem questionar, sem fazer altas análises elas seguem e tem os conflitos que todos nós temos. Quantas coisas as mulheres sofrem dentro do modelo de casamente que estamos acostumados? É até de se questionar se os nossos direitos não nos impuseram muito mais deveres. Trabalhamos dentro e fora de casa, a nossa sociedade tornou a mulher descartável, os modelos de beleza estão totalmente fora do padrão da grande maioria e os homens na sua maioria arrumam outra mais nova assim que mulher começa a pifar rs...verdade ou mentira? Os conflitos existirão em qualquer tipo de sociedade. Entendeu amiga linda??? Eu sou como vc quero o meu Gonzaga só para mim e se pintar outra faço igual a maria Tereza da novela, jogo escada abaixo! rsrs...(brincadeirinha)UhahahahA!!



    Queridos amigos do blog, Fiquem com Deus e com Jesus( o solteiro - gerado por uma virgem- que não precisou de sexo nem para nascer que dirá para viver!) rsrs...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Então tá bom Pereirão!!! Hummmmmmm... rsrsrs

      Excluir
  24. Mari, fechou legal demais kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk

    ResponderExcluir
  25. Conheço um caso bem interessante.

    Certa vez um rapaz conheceu uma moça que, na época, tinha dois namorados. Um era intelectual, dava aulas e já tinha seu apartamento montado com economia própria. Já o outro era puro músculos, bom de cama, atisfazia-a no lado sexual. Contudo, o terceiro fez com que ela verdadeiramente passasse a amá-lo e, desta maneira, resolveu dispensar os dois que "comia" (na verdade são as mulheres que nos comem e não o contrário).

    Tempos depois, o novo e definitivo namorado, ainda estudante de faculdade, veio saber que ela estivera com dois homens na época em que se conheceram. A moça então lhe contou o motivo de sua decisão em ficar somente com ele:

    "É que eu descobri seus sentimentos. Vi em você uma pessoa maravilhosa e sincera. O cara certo. Mesmo não sendo meu tipo já que gosto mais de homens loiros."

    Ora, nós homens geralmente olhamos para as mulheres como piriguetes. Ignoramos ou não percebemos a sensibilidade delas. Não comrpeendemos o que elas gostam e ainda argumentamos como os trogloditas da época do rei Davi, desejando ter um harém repleto de fêmeas para satisfazerem o nosso apetite sexual.

    Entrando no Facebook de minha esposa, posso encontrar ali frases postadas por outras mulheres adicionadas por ela que dificilmente despertariam o interesse de nós homens. Senão vejamos algumas delas que selecionei:

    "A sensualidade não depende do corpo, nem da idade, mas da atitude... E principalmente, a sensualidade não tem peso!!!" (de SOU Gordinha SIM)

    "Eu tentei ser normal, mas não gostei" (de Louco Apaixonado)

    "Não preciso correr atrás de ninguém pra ser valorizada... OU É! OU NÃO É! Não vou mudar meus conceitos, nem meus modos para agradar a ninguém." (Ana Dutra, postada por )

    "O que você tem, todo mundo pode ter... Mas o que você é, ah, isso ninguém pode ser." (Clarisse Lispector, postada por TPM! - Treinadas para matar)

    Atualmente, o mundo tem mudado bastante. Hoje, em via de regra, mulheres trabalham, têm economia própria, decidem com quem elas vão transar e se casar, escolhem se querem ou não ter filhos, se estão insatisfeitas com o casamento podem se divorciar, vestem-se como querem e só não defendem seus direitos na Justiça quando não querem. Com isto, nós homens só conseguimos os corpos das mulheres quando conquistamos primeiro o coração delas (exceto as piriguetes), o que nos obriga a sermos mais sensíveis e compreensivos em relação a elas. Mesmo que para tanto seja preciso ler algumas revistas femininas ou postagens no mural do facebook da companheira. Do contrário, um chute no trazeiro nos aguarda.

    Fica aí a questão. Será que a chegada da mulher ao poder será um fator de humanização do homem? Deixo esta pergunta pra ser respondida em alguma postagem futura e quem sabe na confraria dos caras fora da gaiola.

    Abraços.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Rodrigão, como já conversei algumas vezes com você e por tudo que você posta, uma coisa tenho que admitir, a Núbia tem um maridão.
      Você poderia criar um grupo para trocar idéias com homens sobre mulheres, mas nos deixar, a nós mulheres, fazer comentários.

      Pense nisto. Beijo.

      Excluir
  26. Ih Rodrigo! Curti tudo que a Nubia postou no face hj! Logo Hj rsrs... O da gordinha então curti mil vezes rsrs...

    Falando do seu texto, não sei se o que falta é humanidade dos homens não rsrs... acho que é mais complicado que isso!! Como vc disse eu tenho amigas gatas, com carro, casa, trabalho, algumas com mestrado, que não encontram um homem para constituir uma família e o curioso que isso é o que elas mais desejam, sofrem por não encontrar o tal cara, mas pense no grau de exigência dessa mulher com tais características. Quem vai chegar?
    Triste para quem está á procura. A mulher quer ser caçada mas fica escolhendo o caçador e o homem parece não ter os atributos necessários para caçar uma presa que se precipita com tantas demandas.
    Abração!! Fica com Deus.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Talvez isto seja coisa do momento, Mariani. Pois imagino que, nas próximas gerações, quando os homens não tiverem mais uma concepção machista de mundo, eles ficarão mais à vontade para se aproximar de mulheres cabeças. Eu mesmo prefiro as mais inteligentes do que as burras. Acho muito importante estar com alguém com quem possa covnersar. Mas agora pense bem. Como um cara que só sabe falar de futebol vai chegar junto de uma juíza, por exemplo? Só se ela se fingir de pirigueti. Mas aí a cosia não vai muito além de uns encontros...

      Excluir
  27. OOOh Best! Não é Pereirão não! É Tereza Cristina! E é brincadeirinha, tá? UAhahahaha...


    Gui, sabia que vc ia gostar!!rsrs...

    ResponderExcluir
  28. Guiomar achei bem interessante seu texto e também o comentário que vc deixou em meu blog a já até o respondi e gostaria que vc visse. Mas em relação a isto aqui que vc fala em um dos comentários referentes ao texto acima:


    Jesus sim, tinha consideração com a família, tanta que contrariando a lei de Moisés, Ele só admitiu a separação em caso de infidelidade conjugal.

    "Jesus: "Moisés escreveu essa lei por causa da dureza de coração de vocês. MAS NO PRINCIPIO DA CRIAÇÃO DEUS OS FEZ HOMEM E MULHER. Por esta razão, o homem deixará pai e mãe e se unirá à sua (singular) mulher, e os dois se tornarão UMA SÓ CARNE. Assim, eles já não são dois, mas sim uma só carne. PORTANTO O QUE DEUS UNIU, NINGUÉM OS SEPARE."
    (colei trechos de seu comentário)

    Bom deixa eu perguntar: se caso uma mulher se case com um homem que seja FIEL, mas que lhe dê uma surra diária. deixando ela com vários hematomas, feridas, fraturas etc... ainda assim, ela teria que suportar este casamento? pois segundo o que vc fala, O QUE DEUS UNIU NÃO SEPARE O HOMEM! e será mesmo que foi deus quem uniu? As vezes atribuímos tanta coisa a deus e ao diabo que esquecemos de nossas escolhas e das consequências destas escolhas! Penso eu que devemos começar a desmitificar tais coisas. e assumirmos o controle de nossas vidas, porque, jogar tudo nas costas de deus e do diabo é facim![sic]

    Beijo...

    Anja

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. "se caso uma mulher se case com um homem que seja FIEL, mas que lhe dê uma surra diária. deixando ela com vários hematomas, feridas, fraturas etc... ainda assim, ela teria que suportar este casamento?" (Anja)


      Boa indagação, amiga!

      Tenho pra mim que Jesus não teria restringindo a possibilidade do divórcio apenas aos casos de infidelidade do cônjuge, mas que o seu objetivo teria sido condenar a banalização do rompimento matrimonial que parecia ser uma constante em seu tempo por parte do homem.

      A Lei de Moisés permitia ao homem (nunca à mulher) divorciar-se de sua esposa caso encontrasse nela "algo escandaloso", o que, se levarmos em conta só o texto traduzido, pode dar margem a uma ampla interpretação. Porém, para que a mulher conseguisse o divórcio, só se fosse com a autorização do marido sendo que isto ainda é assim em muitos países islâmicos do Médio Oriente. E aí uma das artimanhas da esposa insatisfeita era criar problemas dentro de casa fazendo cosias do tipo por sal demais na comida e cometer outros vacilos que desagradassem o marido.

      A expressão "o que Deus uniu não separe o homem" seria baseada na Torá quando se diz que "serão os dois numa só carne". Paulo fala acerca deste princípio em 1Coríntios quando menciona o caso do homem unir-se a uma prostitura. E, na visão cabalista, bem como de muitos cristãos, seria que, durante a relação sexual, haveria um "laço de almas". Como que se, a partir dali, duas almas passassem a estar ligadas espiritualmente.

      Contudo, por mais que o envolvimento entre duas pessoas gere um tipo de ligação profunda entre as pessoas a ponto de causar dores no caso de rompimento de uma relação, penso que às vezes o divórcio é melhor do que a mulher viver apanhando. Afinal, hoje ele dá um tapinha leve, amanhã bate na cara, depois dá uma surra mais forte, então bate até a esposa desmaiar e, finalmente, ele a mata. Logo, o melhor a ser feito é cortar logo o mal antes que aconteça coisa pior.

      Ademais, vejo que existe a possibilidade de que Deus também venha a desunir. Se o que Deus uniu o homem não deve separar, isto não significa que o casamento seja separado tão somente pela morte. Pois considero a possibilidade de que um casamento possa ser espiritualmente desfeito por um justo motivo e aí "o que for ligado na Terra, será ligado no Céu".

      Concordo sobre o que diz a Anja sobre ficarmos atribuindo indevidamente a Deus ou ao diabo os acontecimentos da vida, esquecendo-nos de nossas escolhas e responsabilidade. E quando o homem chega a este ponto, ele está distorcendo a Palavra de Deus, fazendo dos versículos bíblicos uma mera justificativa para apoiar seus interesses.

      Abraços.

      Excluir
  29. O grande desafio dos ensinamentos dos patriarcas e inclusive de Jesus é compreender que a chave da salvação é o sacrifício, ou melhor a lealdade (não a fidelidade). Da mesma forma que o homem deve sacrificar sua vontade à vontade Divina, a mulher deve sacrificar a sua ao homem. Como disse Jesus, aquele que se agarrar a própria vida a perderá, mas aquele que nascer de novo entrará no Reino dos Céus (Paz Interior). O problema é que ninguém quer morrer, sem o qual não tem como nascer de novo. A fórmula é bastante simples e totalmente funcional. Diga-se de passagem não exclusiva as religiões Judaico-cristãs, mas é a mesma ideia do paradoxo Taoista, ou do mistério dos ameríndios. Nos cantares de Salomão é elucidado como isso se aplica a mulher e ao casamento. Aquela que melhor servir ao marido, e souber ser doce ao seu sentimento ganha o privilégio de ser sua confidente, amada acima das outras e portanto o que ela pedir, se não contrariar o compromisso do marido a Deus, ele fará de bom grado. Mas aquela mulher que se impõe e só pensa em si, é o que Salomão diz que é melhor o homem viver debaixo de uma telha só, do que num palácio com ela. A humanidade vem a muito buscando seus "direitos", mas que deveres que ela cumpriu para ter tais coisas? Um homem que cumpre um código moral, seja ele qual for, acima de suas vontades, que se sacrifica por esse ideal, vence o inferno interior gerado pelas vaidades e egoismo, e por mais sofrida que seja sua caminhada ele terá paz. Da mesma forma a mulher que se entrega a seu marido por inteiro, aceitando sua natureza e fazendo de sua escolha sua devoção, aceitando a natureza como é (não existe homem que não deseja várias mulheres, existe aqueles que se forçam a adotar uma atitude contrária a sua natureza), vence o inferno interior gerado pela competição feminina, pela vaidade de querer ser mais atraente que a outra, e o coração do marido dará sua testemunha no dia do juízo, e ela também pode adentrar o Reino dos Céus (Paz Interior).

    ResponderExcluir
  30. Como seria diferente, que Deus colocasse o maior tesouro da crianção em lugar outro senão o último onde o homem e a mulher querem ir: a não vaidade, a entrega total. Quanto maior a entrega, mais livre, quanto mais por conta um ser humano vive mais escravo é das miríades forças que ele tolamente acha que são ele/ela. O que é o Diabo senão a voz racional em nossa cabeça que oferece todas as boas razões para mentir, matar, roubar, tudo para proteger nosso Ego (nossa auto-imagem, a verdadeira idolatria)? O que são nossas emoções senão as feridas gerados por tentarmos defender esse mesmo eu do movimento da vida em nossa volta desde que somos crianças? O que é nosso desejo e sua legião de demônios senão o nada, um vácuo criado pelas necessidades artificiais da auto-imagem (aquilo que o Diabo e a sociedade disse que somos). Mas onde está o Pai (Eu Sou o que Sou), onde está nosso verdadeiro ser? No Silêncio da Visão, pois o pensamento é visual, não verbal. No Silêncio da consciência que é uma certeza, não nas explosões emocionais e toda sua impotência. No Silêncio da libido, do fogo divino, fonte de vida e ação, jamais de reflexão. A humanidade vive no inferno porque anseia por prazer e paz exterior e impõe que deve ter seus sentimentos respeitados, enquanto viver assim, viverá um inferno em seu íntimo. Se buscasse o que é correto, se seguisse as leis reveladas pelos profetas, de qualquer povo que seja, sem se importaram com o quanto teriam que sofrer, um dia perceberiam que depois que a ferida do Ego secasse e a casca caísse descobririam quem realmente são, e mais uma vez a humanidade poderia ver aquilo que há muito se esqueceu, uma família sagrada, sem que se condenasse aquelas cujo caminho é o harém, ou mesmo o sacerdócio, e as crianças seriam criadas sem tanta podridão para curar e a paz interior um dia se tornaria paz mundial. Engraçado é que com tantos "lideres religiosos" em nosso meio, herdeiros da mesma raça de víboras que Jesus condenou, o único lugar no mundo onde encontramos as doutrinas de Jesus sendo praticadas é entre os índios, que há milênios cumprindo com tais leis - a principal sendo o respeito com a natureza (como as coisas são e não como gostaríamos ou teorizamos que fossem) - a segunda é sendo a lealdade ao seu próximo, nunca destruíram o planeta, nem corromperam sua descendência. Já nossa cultura com tanta erudição e "bons costumes" apagamos a própria ideia da Verdade de nossa práxis, e hoje, somos quase todos filhos e filhas da puta, de um bando de mulheres vaidosa e homens afeminados que se entregaram a seus próprios sentimentos e condenaram sua descendência à loucura. Conhecereis a árvore pelo fruto. Se o que cientista e clero afirmam ser o caminho prestasse, o mundo não tava assim. Isso tudo é o homem tentando achar um jeito de preservar sua soberba e mostrar que seu jeito é melhor do que o da natureza. Mas um dia as pessoas irão amar mais a Verdade e seu Filho, aquilo que realmente são, mais do que a própria ilusão, um dia...

    ResponderExcluir
  31. Na vereda da justiça está a vida, e no caminho da sua carreira não há morte.
    Provérbios 12:28

    ResponderExcluir