sábado, 24 de dezembro de 2016

Pessoas que ficam deprimidas no Natal




Embora eu já tivesse compartilhado esta mensagem há exatos três anos atrás em meu blogue pessoal, senti no coração o desejo de republicá-lo aqui. Isto porque continuo encontrando pessoas deprimidas na atual época do ano, o que novamente chamou a minha atenção por estes últimos dias.

Por que num período festivo desses alguém se sente tão mal a ponto de, por exemplo, trancar-se num quarto ou afogar a cara num copo de bebida alcoólica?

Qual a razão do Natal ser uma data tão difícil para alguns e, ao mesmo tempo, uma celebração maravilhosa para outros?

Pessoas que são muito alegres, ou mais ligadas à religião, como é o meu caso, costumam se chocar quando se deparam com casos assim e, por isso, têm dificuldades para compreender a dor do outro. Recordo que, quando ainda morava na cidade serrana de Nova Friburgo, no centro-norte do estado do Rio de Janeiro, estranhava o fato de muitos jovens passarem o resto da madrugada do dia 25 num evento secular chamado Rock Noel. Tão logo terminavam a ceia natalina, eles se dirigiam para a tal balada que, durante anos seguidos, foi realizada no tradicional Nova Friburgo Country Clube.

Contudo, os encontros do Natal, quase sempre estabelecidos pela moral social, expõem a falência dos relacionamentos em muitas famílias da nossa sociedade. O momento faz com que, ao rever o parente, alguns acabem se recordando de traumas passados em relação a pai, mãe, irmãos, avós, tios, padrasto e madrasta, bem como os sogros e cunhados. Então, inconscientemente, há quem busque na droga da bebida um tipo de anestesia para suportar o momento sendo que, não raramente, a convivência indesejada acaba resultando em brigas violentas e boletins de ocorrência policial. E, neste sentido, os que trocam o lar por uma noitada na boate estariam encontrando um meio de escaparem do assédio provocado pelo familiar que nem sempre sabe conviver respeitando as escolhas e o modo de ser do outro.

Quem sou eu para julgar e condenar meu próximo?! Prefiro procurar entender do que jogar pedra. Mas da mesma maneira como existe gente que se sente mal por estar em família, outros se deprimem porque já não possuem mais a companhia dos seus parentes que partiram. É o que costumo verificar entre os mais idosos de modo que o Natal faz com que velhinhos solitários se lembrem do antigo mundo que tinham num período passado. Mostram assim certa dificuldade em lidar com o perecimento formal das coisas e em se fixarem no que é eterno.

Finalmente, resta considerar os que gastam quantias bem elevadas para o padrão econômico que têm e acabam ficando frustrados bem como endividados. Deixam-se levar pelo comportamento consumista perdulário e a aquisição de bens acaba não proporcionando a felicidade que tanto desejam achar. Esquecem, porém, de procurar dentro de si, em suas consciências, pois é muito mais cômodo qualquer um se iludir achando que a fonte de águas vivas esteja no carro novo ou na TV de plasma com alta resolução.

Creio, meus amigos, que as pessoas estão se esquecendo facilmente do verdadeiro sentido do Natal que está em Jesus Cristo. Lendo a Bíblia, verificamos que a vinda do Salvador ao mundo foi motivo de grande alegria e de louvor a Deus! Quando os pastores receberam o anúncio do anjo do Senhor, este assim proclamou:

"Não temais; eis aqui vos trago boa-nova de grande alegria, que o será para todo o povo; é que hoje vos nasceu, na cidade de Davi, o Salvador, que é Cristo, o Senhor" (Lc 2:10-11; ARA)

Também o coro celestial entoou esta bênção no verso 14 do mesmo capítulo 2º de Lucas:

"Glória a Deus nas maiores alturas,
paz na terra entre os homens, a quem ele quer bem."

Quando colocamos Cristo nas nossas vidas, podemos encarar as festividades do Natal e todos os demais momentos numa outra perspectiva. Com Cristo, passamos a perdoar e também reeditar as memórias ruins lidando melhor com o passado. O outro já não é mais visto como o nosso adversário e, sim, como um ser humano carente de Deus. Uma ovelha que, como nós, está buscando chegar ao aprisco do qual se perdera. Então, se vamos a uma celebração natalina na casa de alguém, fazemos isso como uma tarefa missionária. O foco passa a ser alcançar vidas e não a nossa própria curtição.

Igualmente a ausência física das pessoas queridas já não é mais fonte de tristezas porque passamos a enxergar a existência pelo ângulo multidimensional da eternidade. Podemos amadurecer, enterrar nossos pais, envelhecer e sofrer uma perda tipo a partida prematura de um filho ou do cônjuge amado. Só que nada disso deve ser motivo de infelicidade pois a realização plena de cada um de nós encontra-se em nosso Criador. É o que aprendemos com Cristo que soube fazer de Deus o seu Pai.

Embora já tenha desejado a todos os leitores nas redes sociais os meus votos de feliz Natal, reitero aqui esse desejo já expresso. Acrescento um forte abraço a todos vocês e que tenham momentos de muita paz, muita luz e experimentem o amor de Deus no final deste ano e no decorrer de 2017.


OBS: Foto extraída de uma página do jornal Tribuna do Norte com atribuição de autoria a Alex Régis conforme consta em http://tribunadonorte.com.br/noticia/christmas-blues-a-depressao-natalina/206998

quarta-feira, 21 de dezembro de 2016

Deus Está Sendo Usado para Encobrir Lavagem de Dinheiro Público




Deus está sendo usado para encobrir lavagem de dinheiro público

Tudo o que é sadio pode ficar doente. Também as religiões e as igrejas. Hoje particularmente assistimos a doença do fundamentalismo contaminando setores importantes de quase todas as religiões e igrejas, inclusive da Igreja Católica. Há, às vezes, verdadeira guerra religiosa. Basta acompanhar alguns programas religiosos de televisão especialmente, de cunho neopentecostal, mas não só também de alguns setores conservadores da Igreja Católica para ouvir a condenação de pessoas ou de grupos, de certas correntes teológicas ou a satanização das religiões afro-brasileiras.
A expressão maior do fundamentalismo de cunho guerreiro e exterminador é aquele representado pelo Estado Islâmico que faz da violência e do assassinato dos diferentes, expressão de sua identidade.
Mas há um outro vício religioso, muito presente nos meios de comunicação de massa especialmente na televisão e no rádio: o uso da religião para arrebanhar muita gente, pregar o evangelho da prosperidade material, arrancar dinheiro dos fregueses e enriquecer seus pastores e auto-proclamados bispos. Temos a ver com religiões de mercado que obedecem à lógica do mercado que é a concorrência e o arrebanhamento do número maior possível de pessoas com a mais eficaz acumulação de dinheiro líquido possível.
Se bem repararmos, para a maioria destas igrejas mediáticas, o Novo Testamento raramente é referido. O que vigora mesmo é o Antigo Testamento. Entende-se o porquê. O Antigo Testamento, exceto os profetas e de outros textos, enfatiza especialmente o bem estar material como expressão do agrado divino. A riqueza ganha centralidade. O Novo Testamento exalta os pobres, prega a misericórdia, o perdão, o amor ao inimigo e a irrestrita solidariedade para com os pobres e caídos na estrada. Onde que se ouve, até nos programas católicos, as palavras do Mestre: "Felizes vocês, pobres, porque de vocês é o Reino de Deus"?
Fala-se demais de Jesus e de Deus, como se fossem realidade disponíveis no mercado. Tais realidades sagradas, por sua natureza, exigem reverência e devoção, o silêncio respeitoso e a unção devota. O pecado que mais ocorre é contra o segundo mandamento:"não usar o santo nome de Deus em vão". Esse nome está colado nos vidros dos carros e na própria carteira de dinheiro, como se Deus não estivesse em todos os lugares. É Jesus para cá e Jesus para lá numa banalização desacralizadora irritante.
O que mais dói e verdadeiramente escandaliza é usar o nome de Deus e de Jesus para fins estritamente comerciais. Pior, para encobrir falcatruas, roubo de dinheiro público e de lavagem de dinheiro. Há quem possui um empresa cujo título é "Jesus". Em nome de "Jesus" se amealharam milhões em propinas, escondidas em bancos estrangeiros e outras corrupções envolvendo bens públicos. E isso é feito no maior descaramento.
Se Jesus estivesse ainda em nosso meio, seguramente, faria o que fez com os mercadores do templo: tomou o chicote e os pôs a correr além de derrubar suas bancas de dinheiro.
Por estes desvios de uma realidade sagrada, perdemos a herança humanizadora das Escrituras judeo-cristãs e especialmente o caráter libertador e humano da mensagem e da prática de Jesus. A religião pode fazer o bem melhor mas também pode fazer o mal pior.
Sabemos que a intenção originária de Jesus não era criar uma nova religião. Havia muitas no tempo. Nem pensava reformar o judaismo vigente. Ele quis nos ensinar a viver, orientados pelos valores presentes em seu sonho maior, o do Reino de Deus, feito de amor incondicional, misericórdia, perdão e entrega confiante a um Deus, chamado de "Paizinho" (Abba em hebraico) com características de mãe de infinita bondade. Ele colocou em marcha a gestação do homem novo e da mulher nova, eterna busca da humanidade.
Como o livro dos Atos dos Apóstolos o mostra, o Cristianismo inicialmente era mais movimento que instituição. Chamava-se o "caminho de Jesus", realidade aberta aos valores fundamentais que pregou e viveu. Mas na medida em que o movimento foi crescendo, fatalmente, se transformou numa instituição, com regras, ritos e doutrinas. E aí o poder sagrado (sacra potestas) se constituíu em eixo organizador de toda a instituição, agora chamada Igreja. O caráter de movimento foi absorvido por ela. Da história aprendemos que lá onde prevalece o poder, desaparece o amor e se esvai a misericórdia. Foi o que infelizmente aconteceu. Hobbes nos alertou que o poder só se assegura buscando mais e mais poder. E assim surgiram igrejas poderosas em instituições, monumentos, riquezas materiais e até bancos. E com o poder a possibilidade da corrupção.
Estamos assistindo a uma novidade que cabe saudar: o Papa Francisco nos está resgatando o Cristianismo mais como movimento do que como instituição, mais como encontro entre as pessoas e com o Cristo vivo e a misericórdia ilimitada que a férrea disciplina e doutrina ortodoxa. Ele colocou como Jesus, a pessoa no centro, não o poder, nem o dogma, nem o enquadramento moral. Com isso permitiu que todos, mesmo não se incorporando à instituição, podem se sentir no caminho de Jesus na medida em que optam pelo amor e pela justiça.


Postado nesse recanto em 21/12/2016 por Levi B. Santos www.levibronze.blogspot.com